Arquivo

Posts Tagged ‘Comemoração dos Fiéis Defuntos’

Eucaristia pelos benfeitores do Centro Diocesano de Promoção Social

“Em Vida, Irmão, em Vida”

Honrando o nosso princípio católico, o Centro Diocesano de Promoção Social, no passado dia 6 de novembro, juntou todas as suas respostas sociais, na tradicional Eucaristia pelos Benfeitores da Instituição.

Ao longo destas cinco décadas de existência, foram muitos os que por nós passaram, uns passageiramente, outros, à instituição, dedicaram toda a sua vida. Alguns ainda estão entre nós, outros já partiram. Não sendo possível nomear cada um deles, celebrámos a memória dos muitos colaboradores, professores, alunos e dirigentes, que fizeram do CDPS o que é hoje, uma instituição de referência, alargada a vários setores da comunidade, desde as crianças, passando pelos jovens até aos idosos. De modo mais particular, lembrámos neste momento de partilha, o nosso fundador, Monsenhor Ilídio Fernandes, o empreendedor, aquele que plantou a semente e transformou a ideia em realidade. A essência do CDPS é a ele que a devemos, ao homem, que no seu tempo, sonhou para lá dos horizontes estipulados. Outra memória presente foi a de D. António Francisco dos Santos, também ele presidiu aos destinos da nossa instituição. Foi o unificador. Os valores de solidariedade, bondade e partilha, base da nossa fundação, foram amplamente difundidos por si, em todas as suas ações. Ler mais…

VIDA A CUMPRIR | Editorial Voz de Lamego | 2 de novembro de 2016

vida

A abrir o Jornal Diocesano, a SEMANA DOS SEMINÁRIOS, de 6 a 13 de novembro de 2016. Outros temas estão bem vincados nesta edição da Voz de Lamego, como a Vista Pastoral de D. António Couto à Paróquia de São João Batista de Moimenta da Beira, a Vigília Missionária em Vila da Ponte, no passado dia 29 de outubro, ainda ecos do testemunho do Selecionador Nacional, Fernando Santos, na Paróquia da Mêda, no passado dia 21 de outubro. Outros dos temas bem vincados nesta edição a celebração de Todos os Santos e a comemoração dos Fiéis Defuntos. O Editorial do nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, debruça-se precisamente sobre esta comemoração dos fiéis defuntos e da forma como encaramos a morte.

VIDA A CUMPRIR

A comemoração de todos os fiéis defuntos recorda que a morte é uma realidade cuja assunção é necessária e possível, já que é uma passagem no seguimento de Cristo ressuscitado.

Para muitos, a morte continuará a ser a “grande questão”, um lugar de combate que provoca angústia, perturbação, revolta ou resignação. Daí que o medo que incute leve a civilização ocidental moderna a ocultá-la. Como reagir, orientar-se, comportar-se diante desta “humilhação” final da história pessoal?

Para o cristão, que não está imune à sensação de perda, a morte é o encontro definitivo com Cristo, o vencedor ressuscitado. Por isso recusa o desespero e entrega-se nas mãos do Senhor.

O nosso Deus é o Deus da vida e não um tirano que a subtrai, que a rouba ou que separa. Porque o amor não tira nem corta, mas concede, edifica, cumpre, vivifica… O Deus revelado por Jesus quer o homem vivo (St. Ireneu). “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (Jo 10, 10).

O crente sabe que está a caminho, “homo viator”, sustentado pela esperança, e Deus pede-lhe que percorra o seu caminho de forma consciente e responsável, aproveitando para crescer, para se relacionar, para se cumprir. A vida tem um sentido.

Como encarar, então, a morte?

A morte pode ser vista como meta num percurso cumprido e conseguido. E nunca será demais a atenção a prestar ao caminho para poder alegrar-se na meta: “Combati o bom combate, terminei a corrida, permaneci fiel” (2 Tm 4, 7).

Deus criou a vida, que conhece o nascimento e a morte, um início e um cumprimento (vida cumprida, completa). Assim, o fim de uma vida, a morte, será simplesmente o seu cumprimento, porquanto a morte não é o contrário da vida, mas do nascimento.

in Voz de Lamego, ano 86/49, n.º 4385, 1 de novembro de 2016

SANTOS ANÓNIMOS | Editorial Voz de Lamego | 25 de outubro

The fresco at Holy Trinity Church in Lorain, photographed after Wednesday morning mass, August 26, 2009. The church is scheduled to close December 13th, and the future of the fresco, painted by Romeo Celleghin, remains up in the air. (Gus Chan / The Plain Dealer)

Nas páginas centrais da edição da Voz de Lamego desta semana, o destaque para as Visitas Pastorais em Fráguas e em Vila Nova de Paiva, bem como o testemunho de fé e de vivência cristã do Selecionador Nacional, Eng. Fernando Santos, no Arciprestado da Mêda, Penedono, São João da Pesqueira e Vila Nova de Foz Côa. A abrir o jornal, o destaque a solenidade de Todos os Santos e dos Fiéis defuntos. É também esta a temática proposta pelo nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio.

SANTOS ANÓNIMOS

Os católicos iniciam o penúltimo mês do ano com uma festa em honra dos que passaram pela vida “fazendo o bem”. No dia 1 de novembro celebramos a Solenidade de Todos os Santos, com origens no séc. IV e que, depois de várias datas, foi fixada neste dia, no séc. IX.

A festa da santidade enaltece o testemunho responsável e livre. Por isso, lembrar os santos não é apenas recordar exemplos de vida, mas também comprometer-se com uma resposta ao chamamento divino. A santidade é para todos e está ao alcance de todos.

Um teólogo católico do século passado falou de “cristãos anónimos” para referir todos os homens e mulheres de boa vontade que, não tendo tido acesso à revelação de Jesus Cristo, vivem a sua vida de acordo com os princípios evangélicos. A intuição valeu-lhe muitas críticas, mas serviu também para alargar horizontes.

Na festa da santidade, poderíamos também falar dos “santos anónimos”, aqueles de quem não sabemos o nome, que nada escreveram e que jazem em campa rasa, mas que neste dia honramos e que, na comunhão dos santos, nos acompanham:

  • os que se fizeram próximos de todos;
  • os pais que, com maior ou menor dificuldade, se empenharam na defesa e promoção da vida;
  • os fiéis leigos que, vencendo o comodismo, se esforçaram na transmissão da fé e na edificação das comunidades;
  • os ministros ordenados que se doaram ao povo que lhes foi confiado;
  • crianças, jovens e adultos a quem a doença abreviou a vida e que, sem culparem Deus, permaneceram fiéis;
  • as vítimas da intolerância, do egoísmo, da exploração e da indiferença que viveram sem sorrisos e sem liberdade…

Porque a santidade não é resultado de um processo canónico, mas fruto de uma vida singular.

in Voz de Lamego, ano 86/48, n.º 4384, 25 de outubro de 2016