Arquivo

Posts Tagged ‘Caminhada Quaresma-Páscoa’

CAMINHADA QUARESMA-PÁSCOA | 2.º Domingo da Quaresma

O segundo domingo da Quaresma traz-nos à reflexão a saída de Abraão da sua terra, por vontade expressa de Deus, que o manda partir. Daí que a nossa caminhada proponha a colocação de um par de sandálias e um globo terrestre, junto à cruz.

A palavra solidão, por sua vez, remete-nos para aquele que é um dos dramas do nosso tempo, que torna a cruz de muitas vidas mais pesada, mas que o Evangelho deste domingo nos ajuda a resolver. A afirmação de Pedro: “Senhor, como é bom estarmos aqui” (Mt 17, 4), demonstra bem que a solidão não é uma questão de lugar ou de ausência de gente, mas falta de reconhecimento da presença de Deus no meio de nós.

2.º DOMINGO DA QUARESMA

Preparação: Arranjar um par de sandálias e um globo terrestre ou um mapa mundo
Momentos da Eucaristia: – No final da primeira leitura

– Após a leitura do Evangelho

Gesto: Imediatamente a seguir à primeira leitura colocar o globo terrestre no chão (por debaixo da cruz) ou colar na cruz o mapa mundo (a significar a saída de Abraão da sua terra) e as sandálias em frente ao globo.

Após a leitura do Evangelho, antes da homilia, colar na cruz a palavra: SOLIDÃO

in Voz de Lamego, ano 87/17, n.º 4402, 7 de março de 2017

DIOCESE DE LAMEGO EM CAMINHADA – QUARESMA 2017

caminhada-quaresma-pascoa_2016-2017

PREPARAÇÃO: Construir uma cruz de madeira. A cruz deve permanecer inclinada (apoiada num dos braços), num local visível da Igreja. Tanto quanto possível deve ser pintada ou revestida de preto de um dos lados e de branco do outro. Deve estar segura e de fácil acesso, por forma a poderem ser coladas algumas palavras ao longo dos domingos. Pode ser colocada logo na Quarta-feira de cinzas, ou então no início da Eucaristia do Primeiro Domingo da Quaresma, com a parte preta virada para a frente.

OBJETIVO DA CAMINHADA:

– Dar realce aos textos litúrgicos que são propostos para cada domingo da Quaresma e da Páscoa, já que cada gesto, símbolo e palavra tem a ver sempre com as leituras do dia;

– Procurar que, durante este tempo, as pessoas levem consigo uma mensagem visual ou um símbolo material que as faça recordar a celebração dominical;

– Acentuar, através dos pequenos gestos da liturgia, a importância destes dois tempos litúrgicos e a sua diferença em relação ao tempo comum;

– Envolver o maior número de pessoas, grupos e estruturas da paróquia na preparação dos gestos, das palavras a colar, dos símbolos a distribuir ao longo dos vários domingos;

– Sem alterar a o fundamental da estrutura da celebração, nem a tornar mais demorada, fazer com que esta se torne mais participativa e envolvente.

RAZÕES PARA A CAMINHADA:

– Realizar as propostas do plano pastoral diocesano, no seguimento do que já vem sendo feito ao longo do ano;

– Dar cumprimento ao lema pastoral deste ano, proposto pelo nosso bispo, relevando a urgência de ir a toda a criatura levar o Evangelho.

 

1.º DOMINGO DA QUARESMA

Momentos da Eucaristia: Admonição inicial e profissão de fé

Gesto: Após a saudação inicial da Eucaristia deve ser lida a admonição.

– No fim da homilia, antes do Credo, colar na cruz a palavra: TENTAÇÕES

Admonição inicial:

Estamos no início de um tempo litúrgico, particularmente importante para a vivência da fé do povo cristão. São quarenta dias de uma caminhada intensa e profunda de significado, que nos conduzirão à Páscoa da Ressurreição.

Para podermos mergulhar mais seriamente neste mistério salvífico da paixão, morte e ressurreição de Jesus, vamos este ano prolongar a nossa caminhada não só pela Quaresma, mas também pelo Tempo Pascal.

O destaque será dado à Cruz. A cruz que nos fala do sofrimento atroz de Cristo, da sua dolorosa caminhada até ao Clavário e da sua arrepiante morte, entre dois malfeitores. A cruz que nos fala do sofrimento de tantos irmãos e irmãs, nas escaladas íngremes das suas vidas. A cruz que nos fala das nossas próprias angústias e dores. Refletiremos, durante a Quaresma, sobre aquilo que a torna mais pesada e mais penosa.

Mas a cruz não é derrota, é essencialmente vitória! Por isso, ao longo do Tempo da Páscoa, teremos oportunidade de nos deixar envolver pelas consequências gloriosas da Cruz redentora de Cristo. Vamos ornamentá-la, de domingo a domingo, para que se nos afigure uma verdadeira árvore de Vida.

in Voz de Lamego, ano 87/16, n.º 4401, 28 de fevereiro de 2017