Arquivo

Posts Tagged ‘Bolo Rei’

A História do Bolo Rei

Era uma vez,

num lugar e tempo, muito distantes, que se designava Roma antiga, que nasceu a tradição de eleger o rei da festa, durante as celebrações pagãs e religiosas. Havia grandes banquetes e ditava a sorte através das favas, quem seria o rei daquela festa.

A Igreja Católica achou esta ideia tão interessante e porque decorria, anualmente, em dezembro, decidiu relacioná-lo com o período de tempo entre o nascimento de Jesus e o dia dos Reis, a 6 de janeiro, que ficaria marcado por uma fava que apareceria no bolo Rei. Seria doce e “representaria os presentes oferecidos pelos Reis Magos ao Menino Jesus aquando do seu nascimento. A côdea simbolizava o ouro, os frutos secos e cristalizadas representavam a mirra, e o aroma do bolo assinalava o incenso. Ao avistarem a Estrela de Belém que anunciava o nascimento de Jesus, os três Reis Magos disputaram entre si, qual dos três teria a honra de ser o primeiro a entregar ao menino os presentes que levavam. Como não teriam conseguido chegar a um acordo e com vista a acabar com a discussão, um padeiro confecionou um bolo escondendo no interior da massa uma fava. De seguida cada um dos três Reis Magos pegaria numa fatia, o que tivesse a sorte de retirar a fatia contendo a fava seria o que ganharia o direito de entregar em primeiro lugar os presentes a Jesus. O dilema ficou solucionado, embora não se saiba se foi, Gaspar, Baltazar, ou Belchior o feliz contemplado, segundo nos conta uma lenda bem antiga”.

Contudo foi na corte do rei Luís XIV que surgiu o “bolo Rei”, que se fazia especificamente para a época de Natal. Estando, assim bem documentada a sua origem.

Voltas e mais voltas na história, este delicioso manjar chegou a Portugal e, a partir de 1870, os bolos traziam escondido uma fava simbólica e, ainda, um brinde. 

A Confeitaria Nacional, na baixa pombalina, em Lisboa, foi a primeira casa em Portugal a realizar esta iguaria natalícia, o que fez com que melhorassem a qualidade das especialidades daquela casa e que granjeasse grande fama no nosso país. Um deles foi o célebre confeiteiro Gregório, que se baseou numa receita secreta de Bolo Rei que Baltazar Castanheiro Júnior trouxera de Toulouse, em 1869, contrariando outros relatos que indicam como ter vindo de Paris. Orgulha-se, esta confeitaria, de ter trazido a receita e a manter integralmente como receita francesa do sul de Loire. Balthazar Castanheiro Júnior, que aos seus méritos de confeiteiro juntava os de artista, trouxe uma cópia do quadro “Gateau des Rois”, de Jean-Baptiste Greuze, que durante anos teve exposto no seu estabelecimento como alusão a este famoso bolo. Como curiosidade é interessante ainda relembrar que, inicialmente, além da fava, posta em todos os Bolos Rei, alguns ocultavam prémios valiosos em ouro ou prata. Durante a quadra natalícia, a Confeitaria Nacional oferecia aos lisboetas uma exposição de tudo quanto de mais delicado e original a arte dos doces podia então produzir e claro o Bolo Rei. Assim o Bolo Rei atravessou com êxito os reinados de D. Luiz I, D. Carlos e D. Manuel II. De referir que a Confeitaria Nacional, devido à grande qualidade dos seus produtos, recebeu, em 1873, do rei D. Luiz I de Portugal, o alvará que a torna fornecedora oficial da Casa Real, condição essa que se manteve até à implantação da República, em 1910. Esteve ainda presente e ganhou prémios em exposições internacionais como a Exposição Universal de Viena de Áustria de 1873, a de Filadélfia de 1876; recebeu uma medalha na Exposição Universal de Paris de 1878 e na de Lisboa de 1884. A Confeitaria Nacional, um dos ex-libris da cidade de Lisboa, é uma casa que conta já com 187 anos de atividade comercial e industrial, sem nunca ter saído da mesma família, sempre no mesmo local e sempre com o mesmo critério, e a especialidade que a marcou, o famoso Bolo Rei. Aos poucos, outras confeitarias da cidade passaram também a fabricar o Bolo Rei, originando assim várias versões diferentes. Tradicionalmente este bolo de forma redonda, com um grande buraco no centro, é feito de uma massa fofa e branca, misturada com passas, frutos secos, e frutas cristalizadas.

Na cidade do Porto, o Bolo Rei foi introduzido em 1890, por iniciativa da Confeitaria Cascais, segundo uma receita que o proprietário, Francisco Júlio Cascais, trouxera de Paris, receita muito semelhante à da Confeitaria Nacional.

Salazar chegou, posteriormente, a proibir a colocação da fava e do brinde, no bolo rei, cujo nome também não agradava, mas anos mais tarde voltou a ser permitido.

O Bolo Rei está em cada mesa de Natal, em Portugal, e não se limita a ser um bolo vistoso e de um sabor único, é, também, um símbolo da nossa tradição.

 

Andreia Gonçalves,  in Voz de Lamego, ano 90/03, n.º 4538, 10 de dezembro de 2019

Andreia Gonçalves entrevista Presidente da Câmara de Tabuaço

O Bolo Rei de Tabuaço

O Bolo Rei de Tabuaço tem fama e diz quem conhece que é realmente delicioso. O segredo ninguém o conhece, para além dos pasteleiros do concelho. 

Por isso, nos dias 7 e 8 de dezembro, havia vários bolos reis, cheios de cor, disponíveis aos olhos e ao paladar de todos os que passaram no Palácio do Gelo, em Viseu.

Foi com Carlos Carvalho, Presidente da Autarquia de Tabuaço, que a Voz de Lamego tentou perceber a importância de levar esta iguaria natalícia até à capital de distrito.

Porque é que o bolo rei de Tabuaço é tão especial? 

Essencialmente pela forma como é confecionado desde sempre! A receita da massa, que continua ainda hoje a ser segredo, aliada à qualidade da fruta e dos frutos secos conferem-lhe características únicas que o transformam no melhor dos bolos reis!!

Porquê, na sua opinião, foi importante fazer uma mostra deste produto, em Viseu, no passado fim de semana? 

Entendemos que um produto tão especial merece ser o mais amplamente divulgado! E para além das diversas ações que ao longo do ano o Município leva a cabo nesse sentido, entendemos aproveitar esta época festiva para uma promoção de grande escala na nossa Capital de Distrito. Convidamos todos os produtores a marcar presença e assim poderem dar a conhecer, e provar, a todas as pessoas, que passarem pelo Palácio do Gelo nesses dois dias, o Bolo Rei de Tabuaço.

Gosta de bolo rei? É para si algo que não pode faltar à sua mesa, nas festividades natalícias? 

Como qualquer tabuacense, gosto imenso de bolo rei! E não pode faltar na mesa de Natal. Aliás, é também nossa intenção, bem como de quem produz, alargar a época de produção ao resto do ano. Porque, apesar de todos associarem este produto apenas a esta quadra festiva, acreditamos que as suas características únicas, bem como a sua, enorme, qualidade justificam a que esteja na nossa mesa todos os dias.

O Natal é uma época especial. Quer deixar uma mensagem a todos? 

Gostaria de desejar a todos um Santo e Feliz Natal e um 2020, pleno de realizações. Em especial a todos os nossos emigrantes que não vão poder estar juntos de nós e aqueles que, infelizmente, por momento menos bons estejam a passar.

E porque acredito que todos nós nesta época acabamos por ser melhores seres humanos que nos restantes dias do ano, deixar o desafio, sem querer cair no lugar comum, de tentarmos fazer deste estado de espírito uma constante e trazermos mais Natal às nossas vidas e às de quem nos rodeia.

in Voz de Lamego, ano 90/03, n.º 4538, 10 de dezembro de 2019