Arquivo

Posts Tagged ‘Bodas de Caná’

Editorial Voz de Lamego: A vida, a vinha e o vinho (generoso)

A diocese de Lamego é território de bons vinhos, não estivéssemos numa das regiões demarcadas mais antigas e mais conhecidas. Vinho generoso (tratado, fino, do Porto), que deu fama à região, mas também vinhos de mesa, brancos e tintos, vinho espumante. O pão não pode faltar à mesa dos portugueses, nem o vinho pode faltar às festas de verão, e das outras estações do ano, a casamentos e batizados, a aniversários. Mesmo com a proliferação de outras bebidas, o vinho continua a ser como que a base para as festas dos adultos!

Na Bíblia, a vida futura (o reino de Deus) é comparada a um banquete: “Sobre este monte, o Senhor do Universo há de preparar para todos os povos um banquete de manjares suculentos, um banquete de vinhos deliciosos: comida de boa gordura, vinhos puríssimos” (Is 25, 6).

No Evangelho de São João, o início da vida pública de Jesus acontece nas Bodas de Caná. Maria, Sua Mãe, é convidada. Jesus e os discípulos também estão entre os convidados. A determinada altura, Maria dá-se conta que está a faltar um dos ingredientes indispensáveis para a festa, e vai dizê-lo a Jesus: “Não têm vinho”. Na aparente relutância de Jesus, a confiança de Maria que vai ter com os serventes e lhes diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser”. Jesus manda que encham de água seis talhas, destinadas à purificação dos judeus, e manda que distribuam… a água transformada em vinho (Jo 2, 1-12). E o vinho é de primeira apanha! É possível fazer vinho sem uvas, mas não sem água! A qualidade e a abundância do vinho, fruto da bênção e da ação de Jesus é também antecipação e sinal de outra transformação: o vinho que se transformará no Seu sangue, abundância da vida nova e da Sua presença entre nós ao longo do tempo.

Que tem a ver o vinho com a vida? Muito! Além de nos convocar para a festa e para a partilha, ajuda-nos a perceber as relações entre as pessoas, também no seio dos casais, das famílias e da comunidade. A não ser alguém já “viciado”, a bebida é um convite à confraternização, à cumplicidade. A bebida desinibe e, não sendo em excesso, coloca as pessoas mais à vontade. Sendo vinho generoso, a amadurecer num pipo, precisa da vigilância do “vinhateiro”, que vai acrescentando mais vinho para não correr o risco de um dia encontrar o pipo seco! Assim, na vida, precisamos de ir acrescentando momentos, celebrações, encontros, amizade, para não ficarmos perdidos, sozinhos, a definhar! Precisamos dos outros e da sua companhia!

Por outro lado, quando o vinho, sobretudo em garrafa ou garrafão, é agitado, é necessário deixar que assente. A vida também precisa de tempos de repouso, paragem, reflexão, para que a turbulência (e as dificuldades) de momento não ofusquem a serenidade, o sentido e a confiança no futuro e nas pessoas. E, tal como vinho, a vida também precisa de respirar. Respirar e expirar o odor de Cristo, o sopro do Espírito.

A imagem da vinha está também muito presente na Sagrada Escritura. Isaías narra o cântico de amor à vinha, que é a casa de Israel, com todos os cuidados que Deus teve com ela: lavrou-a, limpou-a das pedras, plantou-a de cepas escolhidas, protegeu-a, erguendo uma torre ao centro e um lagar, vedou-a. O natural é que viesse a dar uvas, mas só deu agraços (cf. Is 5,1-7; Sl 79). Jesus utiliza a mesma imagem para falar do Reino de Deus.

O relacionamento num casal, na família, na comunidade, com os amigos precisa de ser cuidado em todo o tempo… é como a vinha, logo que acaba a vindima começa um novo ciclo: a poda e a empa, o despampar, a atenção ao “choro” das vides, às doenças que podem acontecer, ao clima, aos vários tratamentos, a poda em verde, tirando alguns ramos que não interessam e, posteriormente, cortar alguns cachos em excesso, potenciando a qualidade dos que ficam. Na vida precisamos deste cuidado permanente, para que o decorrer do tempo e as dificuldades não destruam o amadurecer do fruto…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 92/34, n.º 4665, 6 de julho de 2022

Os segredos das Bodas de Caná

Por Sr. D. António Couto, in Mesa de palavras

bodas caná fernando gallego (Small)1. A Igreja Una e Santa é hoje de novo convidada e, por isso, se reúne (é reunida) num banquete de espanto e de alegria, para saborear o Vinho Bom (kalós) e Último, cuidadosamente guardado até Agora (héôs árti), mas Agora oferecido pelo Esposo verdadeiro, que é Jesus (João 2,1-11). O segredo deste vinho Bom e Último é conhecido dos que servem (diákonoi) (João 2,9b), mas o chefe-de-mesa (architríklinos) «não sabia ‘DE ONDE’ (póthen) era» (João 2,9a).

 2. E, na verdade, aquele saber ou não ‘DE ONDE’ (póthen) era, aqui anotado pelo narrador, é a questão fundamental que atravessa o IV Evangelho, e aponta permanentemente para Deus. Provocação para uma sociedade indiferente, com saber, mas sem sabor, sem frio e sem calor, morna, à deriva, sem calafrios e sem Deus. E, todavia, já Nietzsche o dizia: «Ao homem que te pede lume para acender o cigarro,/ se o deixares falar,/ dez minutos depois pedir-te-á Deus». Entremos, pois, por esta auto-estrada repleta de sinalizações para Deus, pois ela vem de Deus, e por ela vem Deus, por amor, ao encontro dos seus filhos.

Ler mais…

Categorias:D. António Couto Etiquetas: