Arquivo

Posts Tagged ‘Arciprestado de Lamego’

Arciprestado de Lamego prepara Jornada Diocesana da Juventude 2018

Olhando para as respostas dadas pelos jovens da nossa Diocese ao inquérito realizado recentemente, constatamos que a Jornada Diocesana da Juventude (JDJ) se apresenta como o momento “mais importante do ano” e “o culminar de uma caminhada pastoral realizada ao longo de vários meses”.

Sabemos que ainda falta algum tempo para a JDJ 2018 mas, porque o tempo passa a correr, impõe-se uma preparação atempada. Conscientes deste desafio, os jovens do Arciprestado de Lamego já realizaram duas reuniões: no dia 22 de Outubro em Almacave e 18 de Novembro em Lalim. Num clima de união, tendo por base a passagem do Evangelho de São Lucas 1, 30 (“Não temas, Maria, porque encontraste graça junto de Deus”) os olhares estão voltados para os dias 18 e 19 de Maio e para o local escolhido para a realização desta XXXIII Jornada Diocesana da Juventude: a Barragem de Pretarouca.

No passado sábado, dia 18, também se deu inicio à Peregrinação da Cruz das JDJ pelas várias paróquias do Arciprestado. Os Jovens da Sé e de Almacave reuniram-se junto à Capela do Espírito Santo e partiram rumo à Igreja de Almacave levando a Cruz pelas ruas da cidade de Lamego enquanto entoavam alguns cânticos. No próximo Domingo, dia 26, a Cruz será entregue aos jovens de Ferreiros de Avões. Esta peregrinação será uma oportunidade para a criação de laços entre os jovens das várias paróquias, realização de momentos de oração comunitários, etc.

Equipa DDPJ Lamego, in Voz de Lamego, ano 87/51, n.º 4437, 21 de novembro de 2017

Arciprestado de Lamego: A caridade no coração da catequese

Foi este o tema que juntou cerca de 60 catequistas do arciprestado de Lamego no Seminário maior, no sábado dia 4, entusiasmados por se encontrarem (reencontrarem, quase todos !)  para passar a manhã em ambiente de aprendizagem, oração e louvor a Deus.

E foi orando que iniciamos os trabalhos , preparando-nos espiritualmente para o Encontro com Ele.

Assumindo e testemunhando a CARIDADE como indissociável da vida cristã, caridade e catequese são também inseparáveis.

Como integrar esta realidade na catequese ministrada nos dias de hoje em diferentes registos sociais, económicos e familiares foi o desafio que tentamos ultrapassar com a preciosa ajuda do P. Ângelo, do P. Aniceto e do P. José Fernando; á mesa presidiram o Sr Cónego Assunção e o Sr Cónego Melo. Ler mais…

Peregrinação do Arciprestado de Lamego aos Remédios: 28 de maio

Este ano, a peregrinação enquadra-se no Centenário das aparições de Fátima.

Começa na Sé Catedral às 16h e seguirá o percurso habitual até ao Santuário de Nossa Senhora dos Remédios.

O exemplo de um peregrino, como o papa Francisco, estará subjacente como estímulo e inspiração, nesta manifestação de devoção mariana dos fiéis do Arciprestado de Lamego.

Na capelinha das Aparições, no dia 12 de Maio, interpelou todos os peregrinos com uma provocação. “Que Mãe vamos visitar? A Bendita por ter acreditado ou a “Santinha” a quem se recorre para obter favores a baixo preço?

Certamente que o nosso Arciprestado vai expressar a sua fé n’Aquela que acreditou. Desde a procissão, aos cânticos, à liturgia, à recitação do Rosário e à participação na Eucaristia no recinto do Santuário, tudo será um meio ao nosso alcance, para honrarmos a nossa Mãe do Céu.

Maria não esquece os seus filhos que caminham como Ela outrora na peregrinação da fé; pelo contrário, como dizia Paulo VI no cinquentenário das aparições, em 1967: “Contemplando-os em Deus e conhecendo bem as suas necessidades… deles (seus filhos) se constitui Advogada, Auxiliadora, Amparo e Medianeira”.

Ela nos convoca. “Temos uma Mãe Admirável”. É a Senhora do SIM.

P. Joaquim de Assunção Ferreira (Arcipreste de Lamego),

in Voz de Lamego, ano 87/27, n.º 4412, 16 de maio de 2017

Arciprestado de Lamego | Encontro de Acólitos

dscn0136

SOMOS OS BRAÇOS DE CRISTO!

Realizou-se no passado sábado, dia 25, no Seminário Maior de Lamego, um Encontro Arciprestal de Acólitos, chamada a que os acólitos das diversas paróquias responderam em força, estando presentes cerca de 70 acólitos de Vila Nova de Souto del Rei, Cambres, Penajoia, Ferreirim, Sande, Valdigem, Figueira, Queimadela, Cepões, Penude, Almacave e Sé ( desculpem se me passou alguma…).

Os trabalhos iniciaram -se, como não podia deixar de ser , orando; ao Senhor Jesus , a quem servimos no altar, ao mártir São Tarcísio, padroeiro mundial dos acólitos, ao beato Francisco, padroeiro português dos acólitos.

Após umas palavras de boas vindas e incentivo do P. Joaquim Dionísio, nosso anfitrião, o Pe. Bouça Pires apresentou, em tom de conversa com a assembleia, os critérios necessários para ser um bom acólito: o “GOSTAR”, o “QUERER”, foram explorados em profundidade, e os presentes levados a interrogarem-se –   É de minha vontade ou fui obrigado? Gosto mesmo?  Quero muito?  Amo a Jesus o suficiente?  O suficiente para vencer os obstáculos da preguiça, dos comentários dos outros, das atividades mundanas que nos chamam? O suficiente para avançar para os critérios seguintes? Ler mais…

A celebração do Natal do Senhor tem o seu ponto alto na Missa do Galo

pedras-missa-do-galo

Cumprindo a tradição, mas não só, também por convicção, os cristãos da nossa diocese, das paróquias irmãs da Sé e de Almacave, de Cepões, Cambres, Avões, Penude, Britiande, e muitas mais, reencontraram-se na Sé de Lamego para juntos celebrarem a primeira Eucaristia do Dia de Natal.

Para muitos é um reencontro anual, em particular para os filhos da terra ausentes que nesta época retornam á terra onde cresceram para passar “as festas”.

É, por todos os motivos, uma missa mágica e emocionante, vivida com um espírito muito próprio, impossível de reproduzir noutras celebrações, e que, com as memórias das muitas Missas do Galo da nossa infância, estabelece um fio condutor que reafirma a nossa identidade de cristãos, Filhos de Deus, unidos á volta do Menino, um sentido de pertença que não nos deixa desviar do que é importante na nossa vida.

Este ano tivemos connosco, não física mas espiritualmente, os nossos irmãos cristãos das terras massacradas da Síria e do Iraque, que finalmente puderam celebrar o Natal, mas em igrejas em ruínas , desabrigados do frio intenso, sem condições de conforto, mas imensamente felizes por poderem rezar e estar juntos ! Que lição para nós, cristãos acomodados !

Foi uma missa alegre, mas sempre com a inquietude de espírito que advém de sabermos que ainda há quem seja perseguido por ser cristão, e por eles rezamos sempre, não só hoje,mas ao longo de todo o ano.

O beijo com que recebemos o Menino Jesus irá transformar-se ao longo de 2017 num grande beijo a todos os nossos irmãos em Cristo, sob a forma de oração, caridade, misericórdia, uma mão estendida, um gesto de carinho…

IM, in Voz de Lamego, ano 87/08, n.º 4393, 3 de janeiro de 2017

Vigília de Oração pelos Seminários – 12 de novembro em Arneirós

Semana dos Seminários 2015 - Olhou-os com MisericórdiaNeste Domingo teve início a Semana de Oração pelos Seminários. Este ano o tema é: MOVIDOS PELA MISERICÓRDIA DE DEUS. Desde já se convida para a oração individual ou comunitária em cada casa e em cada Paróquia pelos nossos Seminários e pelos nossos Seminaristas.
Outro convite que fazemos é para a Vigília de Oração que acontecerá dia 12 de Novembro pelas 21h na Igreja de Arneirós (Vila Nova de Souto D,El Rei). Além da presença e participação dos nossos Seminaristas dos dois Seminários (Maior de Lamego e Menor de Resende), estará connosco presidindo o Sr. D. António Couto, nosso Bispo. Desde já a todos o nosso obrigado pelo amor, pela dedicação e pela generosidade que têm para com os nossos Seminários.

in Voz de Lamego, ano 86/50, n.º 4386, 8 de novembro de 2016

Monsenhor Bouça Pires | 25 anos ao serviço da Paróquia de Cambres

dscn0075

A paróquia de S. Martinho de Cambres, no arciprestado de Lamego, organizou uma homenagem ao seu pároco, Mons. José Fernandes Bouça Pires, para assinalar os 25 anos de missão deste sacerdote naquela paróquia duriense. Aconteceu no domingo passado, 16 de outubro, com a Eucaristia às 11h, seguida de almoço/convívio numa casa de turismo rural existente naquela terra.

Em outubro de 1991, Mons. Bouça Pires foi solenemente apresentado às gentes de Cambres como o seu novo pároco, numa cerimónia que contou com a presença do então Vigário Geral da diocese e hoje Bispo emérito de Lamego, D. Jacinto Botelho. A nomeação do novo pároco era esperada há muito, já que o Cón. Joaquim Cardoso havia falecido em fevereiro desse ano. Ler mais…

Encontro de Catequistas do Arciprestado de Lamego

IMG_4374

Decorreu no passado dia 7 de Novembro uma Ação de Sensibilização para Catequistas do Arciprestado de Lamego que veio a congregar 78 catequistas das diversas paróquias que o compõe.

A formação catequética torna-se um elemento cada vez mais necessário ao exercício do múnus do Catequistas que, têm de adequar os seus conhecimentos na área da Metodologia Catequética, para que seja possível elaborar uma sessão de Catequese devidamente enquadrada com os objectivos que norteiam os atuais catecismos, de uma maior exigência teórica- prática, mantendo acima de tudo a face de Testemunha da Mensagem que levam aos outros.

Foi muito gratificante encontrar um grupo maioritariamente jovem, o que demonstra o interesse das paróquias e dos párocos em fazer a actualização de todos os que são responsáveis pela evangelização, como resposta aos apelos do  Papa Francisco para uma Igreja renovada.

A formação passou pela reflexão sobre o método catequético, que teve a sua origem na forma de catequizar de Jesus Cristo, partindo da Experiência Humana de cada um para, fundamentada na Palavra de Deus, levar a uma mudança de vida, através da Expressão de Fé.

A necessidade intrínseca dos catequistas passa sempre pela necessidade de preparação de uma catequese prática e seus passos, pelo que, em trabalho de grupos, por ano catequético, foram feitas elaborações de uma catequese modelo para que se possa perceber o que lhe está subjacente.

Os atuais catecismos têm diversas especificidades e propostas que nem sempre se enquadram na realidade local onde na maioria das pequenas paróquias não existe um número ideal de catequizandos e onde nem seque se consegue frequência para todos os anos, por baixa da população local,l o que leva a que muitas vezes não possam ser aproveitados em todas as suas potencialidades e recursos de apoio existentes.

Há que acima de tudo, cumprir o apelo do Papa Francisco de que os Catequistas se tornem criativos na transmissão da Mensagem da Igreja, dinamizando a Catequese atractiva e agradável, mantendo sempre a Tradição da Igreja como comunicação entre gerações.

I.G.in Voz de Lamego, ano 85/50, n.º 4337, 10 de novembro

Visita Pastoral de D. António Couto na Paróquia de Meijinhos

20150712_160613

Paróquia de Nossa Senhora da Piedade de Meijinhos

Decorreu nos dias 9 e 12 de Julho.

Pelas 5 horas da tarde, o Sr. Bispo reuniu-se com os crismandos numa das salas da residência paroquial. Seis jovens, um pouco tímidos, mas de coração aberto e disponível para receber o Sr. D. António. A timidez deu lugar à serenidade e à abertura da mente e do coração. O Sr. Bispo começou por explicar os momentos principais da Administração do sacramento do Crisma: a profissão de Fé, a oração e imposição das mãos e a unção. Sempre numa atitude de diálogo, explicou principalmente o  significado da unção. Às seis, a população de Meijinhos reuniu-se na Igreja Paroquial para a celebração da eucaristia e administração do sacramento da Santa Unção. Foi um momento de ternura para com os mais fragilizados e doentes. Desde mais velhinhos aos que se arrastaram com canadianas, todos estavam presentes. A Eucaristia foi animada pelo grupo coral. O sr. Bispo baseando-se nas leituras próprias do dia ferial pediu a todos que temos de ser construtores da paz e da união entre os irmãos. Os irmãos venderam José, mas também foi Deus que o enviou ao Egito para um dia mais tarde os socorrer e ajudar. A conclusão é óbvia: todos nós, como José, temos de ter os braços abertos para receber os nossos irmãos e ser semeadores da paz, do amor e da alegria. Recordou ainda o exemplo de S. Francisco de Assis que se despojou de tudo e começou a viver uma nova vida. No Final deste dia, reuniu-se com os agentes pastorais desta comunidade (Conselho Económico, responsáveis da Mensagem de Fátima do Apostolado da Oração, Grupo Coral, Irmandade do Santíssimo e Comissão da Festa de S. Brás). A Todos os presentes, o Senhor Bispo quis saber o que faziam e como faziam. A todos convidou a fazer uma nova evangelização, recordando as palavras do papa Francisco “Igreja em saída”.

Com muito calor e rajadas de vento, às 4 horas da tarde, a comunidade de Meijinhos recebeu o Sr. Bispo. Este brincou com a situação lembrando o dia de Pentecostes e que faltavam os baldes de óleo para verdadeiramente, na comunidade de Meijinhos se concretizar esse momento ímpar na vida da Igreja.

Iniciou-se a Eucaristia solenizada pelo grupo coral e por toda a assembleia, nomeadamente pelos confirmandos que leram as leituras, a oração dos fiéis e levaram os dons ao altar para o ofertório. Na homilia o Sr. Bispo começou com as palavras da saudação inicial “é com o título de irmãos e irmãs que nos devemos reunir neste local”, depois pegando no salmo 85, salmo do dia, em que nos fala “encontraram-se a misericórdia e a fidelidade, abraçaram-se a paz e a justiça, a fidelidade vai germinar da terra e a justiça descerá do Céu”, falou-nos de árvores novas que temos de cultivar na nossa vida. As árvores da paz, da misericórdia, da justiça e da fidelidade. Do evangelho salientou o envio dos apóstolos dois a dois e enviou-os sem nada, mas pediu-lhes que confiassem nesse Pai (Abba) com ternura, afecto e solicitude. Pediu a todos que sejam capazes de abrir os braços aos irmãos tal como a padroeira Nossa Senhora da Piedade, abriu os abraços ao seu filho com a mesma ternura e amor. O pároco agradeceu ao sr. Bispo a sua presença e as orientações e os convites que nos fez. Ao fim da celebração houve um lanche convívio aberto a toda a população. Sentimos pena de que o Sr. Bispo tivesse tão rapidamente devido às suas tarefas. Para Meijinhos inicia-se uma nova caminhada na vivência da fé.

Padre Inocêncio Fernandes,  in Voz de Lamego, n.º 4321, ano 85/35, de 14 de julho de 2015

Visita Pastoral de D. António Couto na Paróquia de Várzea de Abrunhais

DSC00132

De 8 a 12 de Julho decorreu a Visita pastoral na paróquia de São Pedro de Várzea de abrunhais. Na tarde do dia 8, o Sr. Bispo visitou os doentes em número de dez a quem levou uma mensagem de esperança e do amor de Deus com a administração da Santa unção e da sagrada comunhão. . Visitou depois as capelas de S. sebastião, de S. António e de S. Aleixo onde os habitantes destes lugares se reuniram para receberem o Senhor Bispo. Partindo da vida destes santos deixou uma mensagem a todos os presentes: o testemunho de fé de S. Sebastião, o amor à sagrada escritura e a necessidade de levar o Evangelho aos outros de S. António e o desprendimento e a necessidade da partilha de S. Aleixo. Este dia terminou com a visita à sede da Junta de Freguesia e com um jantar no Centro Desportivo oferecido pela Junta de Freguesia. No dia 10, começou com encontro com os crismandos no salão do Centro paroquial. O Sr. Bispo explicou aos crismandos os momentos principais do sacramento do Crisma: a profissão de fé, a imposição das mãos e a oração e o ato do Crisma. Recordou que o óleo crismal benzido na quinta feira santa e, com o qual os crismandos iam ser ungidos na fronte, era para chegar ao coração e os encher dos dons do Espírito Santo. Seguidamente, reuniu-se com os agentes pastorais (Conselho Económico, catequistas, responsáveis da Mensagem de Fátima e da Associação do Apostolado da Oração, leitores, acólitos e Grupo Coral). Partindo da sua experiência como missionário em Moçambique, numa região do norte, num 24 de Dezembro para celebrar a missa do Galo, alertou os presentes a para a necessidade de evangelizar e para isso é necessário maior empenho e responsabilidade daquilo que somos “baptizados”, “filhos de Deus” e “membros da Igreja”. Não podemos calar, nem ter medo ou vergonha de ser testemunhas da alegria e do amor de Deus. Terminou este dia com a celebração da Eucaristia e a administração da Santa Unção na Igreja Paroquial.

No dia 12, bem cedo os jovens e outras pessoas.  embelezaram o adro com uma passadeira de flores e com uma saudação ao senhor Bispo. Às 10 horas e 30 minutos, chegou o Sr. Bispo e com o aplauso das pessoas e alegria estampada nos rostos nos dirigimos para a Igreja. À entrada da porta principal, o Sr. Bispo beijou a cruz paroquial, num gesto de amor Àquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida da nossa peregrinação nesta terra. Começou a celebração da Eucaristia com uma saudação feita por um dos crismandos dando as boas vindas ao pastor. A Eucaristia foi animada pelo grupo Coral e onde os crismandos intervieram, ativamente, na celebração. Leram as leituras, a oração dos fíéis, levaram as ofertas para a Eucaristia. Após a leitura do Evangelho, o Sr. Bispo, baseando-se nos textos proclamados, fez a homilia. Da 1,ª leitura, recordou-nos que somos ouvintes da Palavra de Deus e tal como Oseias que Deus pegou nele e o enviou ao povo de Israel para profetizar, assim, também nós, temos de estar atentos e não resistir ao chamamento de Deus. Da segunda leitura, apontou o exemplo de Paulo que caiu de si abaixo, embora muitos pensam que caiu de um cavalo, para se tornar escravo de Cristo e dedicar toda a sua vida a ensinar e viver Jesus. No Evangelho, Jesus envia os apóstolos dois a dois, chama-os e envia-os para levar o amor de Deusa todos os corações, mas envia-os sem nada, despojados de tudo: sem pão, alforje, sem dinheiro. Recordou o exemplo de S. Francisco de Assis que quando foi alcançado por Cristo se despojou de tudo, deitou fora tudo o que tinha: vestuário, dinheiro, casa e se convenceu que há outra maneira de viver e que há coisas que não se compram nos supermercados porque não se vendem: alegria, paz e amor. O Evangelho, a Palavra de Deus também não se compram. O que nos falta é convencermo-nos que há esta maneira de viver. Às vezes, fazemos demais contas à vida. Precisamos de confiar uns nos outros, abrir os nossos braços e transportamo-nos uns aos outros. Temos de ser capazes de anunciar o Evangelho e relativizar tudo o resto, levar aos outros o amor, a alegria, a paz – a tal realidade nova a que nos chama. O pároco agradeceu a presença do Sr. Bispo e a todos os que participaram na organização e concretização de todos os momentos da visita pastoral. Ao fim da Eucaristia, dirigimo-nos como verdadeira igreja ao cemitério onde fizemos memória daqueles que nos antecederam e nos transmitiram os valores do evangelho. Terminámos com um almoço/convívio no Centro Desportivo de Várzea de Abrunhais.

Terminou a visita pastoral, mas, ao mesmo tempo, inicia-se um novo passo da caminhada desta comunidade da diocese de Lamego, que agradece a Deus tudo o que viveu e se vai empenhar em concretizar os apelos feitos pelo Senhor Bispo, partilhando com todos as maravilhas que realizou nesta comunidade com a ajuda de S. Pedro, padroeiro desta paróquia de Várzea de abrunhais.

Padre Inocêncio Fernandes, in Voz de Lamego, n.º 4321, ano 85/35, de 14 de julho de 2015