Arquivo

Posts Tagged ‘Amoris laetitia’

Sacerdotes do Arciprestado Resende-Cinfães em reflexão…

cinfaes-lapa1

No passado dia 4 de julho os sacerdotes do Arciprestado de Resende-Cinfães reuniram no Seminário Menor de Resende para refletirem acerca de dois documentos do Papa Francisco: a Bula Misericordiae Vultus e a Exortação Pós Sinodal Amoris Laetitia. A reflexão foi orientada pelo recém Doutorado Pe. Diamantino Alvaíde que, numa linguagem simples e muito concreta nos transmitiu o verdadeiro sentido da Misericórdia de Deus, bem como o amor que se deve viver em família, baseando-se nos documentos papais acima referidos.

Das palavras do Pe. Diamantino pode-se concluir que a Misericórdia “é condição da nossa salvação sendo este o caminho que une Deus ao homem”. “A Misericórdia é sinal da omnipotência de Deus, sinónimo de justiça, verdadeiro rosto da Igreja e arquitrave da Igreja”, referia.

Quanto à Exortação Amoris Laetitia, esta não traz novidade doutrinal. No entanto trás a novidade do acolhimento. “Acolher todas as famílias, acolher os divorciados ou os recasados ou os desorientados da verdadeira concepção de Amor, propondo-lhes Deus, que não se reduz apenas à comunhão Eucarística”, afirmava o conferencista.

Foi deste modo os sacerdotes do Arciprestado de Resende-Cinfães encerraram o Ano Pastoral de 2015/2016 perspectivando já o Ano de 2016/2017 com o tema “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda a criatura”.

Pe. Fabrício Pinheiro, in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016

À conversa com o Pe. João Carlos sobre a Exortação do Papa Francisco

12509798_874797265952102_690395049492905522_n

Aquando da preparação das assembleias sinodais sobre a família (2014 e 2015), o povo de Deus foi convidado a manifestar-se e a contribuir para as mesmas, nomeadamente respondendo a questões que visavam recolher a opinião e o sentir dos baptizados. O Pe. João Carlos Morgado, Pró-Vigário Geral da nossa  Diocese de Lamego foi o responsável por essa recolha e posterior envio para a Conferência Episcopal. Numa altura em que a exortação Papal sobre o tema é notícia. Quisemos saber a sua opinião.

Após a leitura da exortação pós-sinodal e depois de ter coligido as sugestões de muitos diocesanos, sente que as expectativas foram satisfeitas?

Sim, sente-se de forma geral, que as sugestões, reflexões e problemáticas apresentadas nas respostas aos questionários foram tidas em conta. A Exortação Apostólica do Papa Francisco “Amoris Laetitia” é um documento longo e bastante inclusivo daquilo que é o sentir do Povo de Deus sobre as questões que se colocam às famílias do nosso tempo e que foi expresso na síntese das respostas aos dois inquéritos. Recordo que o primeiro questionário começava por “avaliar” o conhecimento dos batizados acerca do ensinamento bíblico e do Magistério da Igreja sobre a família e a sua receção na vida quotidiana. A exortação apostólica dedica todo o primeiro capítulo à exposição da doutrina sobre a família à luz da Palavra de Deus e no capítulo III, nomeadamente nos números 67 a 70, faz-se uma síntese dos principais ensinamentos do magistério sobre a família. No resto da “Amoris Laetitia” sente-se a mesma simetria no tratamento dos temas.

Como caracteriza o procedimento sinodal escolhido e vivido neste caso? 

Foram enviados às dioceses dois questionários. O primeiro, em 2014, tinha como finalidade permitir às Igrejas particulares participar ativamente na preparação do Sínodo Extraordinário, sob a temática do anúncio do Evangelho nos atuais desafios pastorais a respeito da família. O segundo, em 2015, foi feito a partir da Relatio Synodi que saiu do Sínodo Extraordinário e pretendia saber se a “Relatio” correspondia a quanto emerge na Igreja e na sociedade de hoje e que aspetos faltavam que se pudessem integrar. Houve assim um percurso sinodal que envolveu toda a Igreja. Todos os batizados tiveram a oportunidade de se exprimirem.

A leitura deste documento é aconselhada a todos, mas sabemos que nem sempre tal é viável. Que sugestões daria para uma leitura e reflexão na nossa Diocese?

A primeira sugestão é dada pelo próprio Papa, que logo no início da exortação propõe: “Devido à riqueza que os dois anos de reflexão do caminho sinodal ofereceram, esta exortação aborda, com diferentes estilos, muitos e variados temas. Isto explica a sua inevitável extensão. Por isso, não aconselho uma leitura espiritual apressada. Poderá ser de mais proveitoso, tanto para as famílias como para os agentes de pastoral familiar, aprofundar pacientemente uma parte de cada vez ou procurar nela aquilo de que precisam em cada circunstância concreta. É provável, por exemplo, que os esposos se identifiquem mais com o capítulo IV e V, que os agentes pastorais tenham especial interesse pelo capítulo VI, e que todos se sintam muito interpelados pelo VIII. Espero que cada um, através da leitura, se sinta chamado a cuidar com amor da vida das famílias, porque elas ‘não são um problema, são sobretudo oportunidade’.” (AL, 7)

Sei que isto está já a ser feito na nossa diocese. Por exemplo os responsáveis pelo CPM estão agora a estudar os números do documento que se referem à necessária e adequada preparação para o Matrimónio e que o Papa tanto sublinha( AL 205 -211). Também as Equipas de Nossa Senhora começaram já a estudar a exortação nas suas reuniões de casais. Nos recentes Cursilhos de Cristandade a Exortação Apostólica Amoris Laetitia fez parte dos documentos do magistério estudados e recomendados para estudo.

Em algumas regiões da diocese já se consolidaram as realizações anuais de assembleias (arciprestais ou de zona) de famílias, assim como as celebrações comunitárias das Bodas de Ouro e de Prata Matrimoniais. Aliás o Papa Francisco, no nº 223, considera um recurso válido “animar os cônjuges a reunirem-se regularmente para promoverem o crescimento da vida espiritual e a solidariedade nas exigências concretas da vida. Liturgias, práticas devocionais e Eucaristias celebradas para as famílias, sobretudo no aniversário do matrimónio”. Tudo serão oportunidades para refletir sobre a exortação e talvez não fosse impraticável a distribuição de um exemplar da mesma a cada uma das famílias presentes, que depois a poderiam estudar em casal e redescobrir a alegria do amor que este documento sublinha no título e no conteúdo.

Os órgãos de informação da diocese, desde a Voz de Lamego aos paroquiais, tem dado desde a primeira hora publicidade e “chaves de leitura” da exortação. Tendo esta uma acentuada componente missionária, como aliás os demais documentos do Papa Francisco, urge fazer das famílias atores da nova evangelização, com uma pastoral de conjunto que congregue sinergias.

Teremos naturalmente de,também, estar atentos às situações novas da família, tratadas no Cap. VIII, e aos desafios pastorais que nos lançam para “acompanhar, discernir e integrar a fragilidade” a partir das indicações que a exortação nos dá e dos caminhos que deixa abertos e que será necessário aprender a percorrer. É andando que se faz caminho.

in Voz de Lamego, ano 86/22, n.º 4361, 3 de maio de 2016

ACOLHER E DISCERNIR | Editorial Voz de Lamego | 19 de abril de 2016

CONSISTORIO-CARDENALES-PAPA-FRANCISCO-2014-FAMILIA2-1

A Viagem do Papa Francisco à Ilha de Lesbos, na Grécia, a um campo de Refugiados, abre como destaque a Voz de Lamego desta semana. Uma viagem breve, mas com uma marca provocatória para todos, a começar pelas autoridades, mas também para as nossas comunidades cristãs. No Avião Papal, a acompanhar o regresso de Francisco ao Vaticano, três famílias de refugiadas, para refazerem as suas vidas em Itália. Não foi uma escolha aleatória, mas correspondem a famílias que tinham os papéis em ordem.

No Editorial desta semana, o Pe. Joaquim Dionísio, Diretor da Voz de Lamego, prepara-nos para ler a Exortação Apostólica do Papa Francisco sobre a Família, A Alegria do Amor.

ACOLHER E DISCERNIR

Contrariando as expectativas jornalísticas de alguns e o exagerado temor de outros, a recente Exortação pós-sinodal não apresenta qualquer mudança doutrinal. Mais do que preocupar-se com normas, regras ou interdições, o Papa convida as famílias a viverem de maneira evangélica.

O texto, que quer promover a família na Igreja e na sociedade através do diálogo e da acção, está apresentado em 325 parágrafos divididos por nove capítulos e é fruto de um sínodo vivido em dois momentos (sessão extraordinária em 2014 e ordinária em 2015).

Acolhendo e citando as proposições sinodais, Francisco consagra vários capítulos a recordar a doutrina da Igreja católica, para quem a família é uma experiência humana e humanizante que importa acolher, acompanhar e promover. Nesse sentido, o Sumo Pontífice apela a um olhar positivo sobre as famílias, convidando todos a imitarem a atitude de acolhimento protagonizada por Cristo, o modelo a seguir. Porque, mesmo quando algum baptizado não vive em conformidade com a doutrina, continua a pertencer à Igreja.

Defendendo a unidade de doutrina e da práxis, mas lembrando a imagem do poliedro (figura com muitas faces planas), fica claro que o Papa não quer definir, a partir de Roma, todos as consequências da fé cristã, deixando às Igrejas locais a busca de soluções mais inculturadas e atentas.

Assim, a originalidade deste texto está na ênfase dada ao discernimento espiritual, destacando a importância da formação da consciência e o discernir de elementos positivos em situações que podem parecer imperfeitas ou inacabadas. A pastoral não é nem uma engenharia de soluções acabadas nem a cega aplicação de normas.

A Igreja é convidada a reencontrar os que estão fora (periferias), no seu ambiente familiar, e a acompanhá-los no caminho, com a Palavra de Deus e a oração, promovendo a progressão na fidelidade a Cristo.

in Voz de Lamego, ano 86/22, n.º 4359, 19 de abril de 2016

A ALEGRIA DO AMOR. Exortação apostólica pós-sinodal sobre a família

Capa_final

Papa defende maior abertura, acompanhamento e «discernimento» das situações dos católicos divorciados e rejeita soluções únicas, sem abordar diretamente a possibilidade de acesso à comunhão ou alterar doutrina. O card. Ch. Schoenborn, arcebispo de Viena, apresentou a exortação, considerando que o caminho de “discernimento”, proposto aos católicos divorciados é “delicado, mas necessário”.

O Papa propõe, na sua nova exortação apostólica sobre a família, um caminho de “discernimento” para os católicos divorciados que voltaram a casar civilmente, sublinhando que não existe uma solução única para estas situações. “Não se devia esperar do Sínodo ou desta exortação uma nova normativa geral de tipo canónico, aplicável a todos os casos”, sublinha Francisco, no documento divulgado na passada sexta-feira, com o título ‘Amoris laetitia’ (A Alegria do Amor).

Tal como aconteceu com o relatório final da assembleia de outubro de 2015, a exortação apostólica pós-sinodal não aborda diretamente a possibilidade de acesso à Comunhão pelos divorciados recasados, que é negada pela Igreja Católica, mas numa das notas do texto, o Papa observa que “o discernimento pode reconhecer que, numa situação particular, não há culpa grave”. “Ninguém pode ser condenado para sempre, porque esta não é a lógica do Evangelho”, escreve Francisco.

O Papa apresenta critérios de reflexão, recordando que há “condicionamentos” e “circunstâncias atenuantes” que podem anular ou diminuir a responsabilidade de uma ação.

“Por isso, já não é possível dizer que todos os que estão numa situação chamada ‘irregular’ vivem em estado de pecado mortal”, precisa. Estas pessoas, reforça, precisam da “ajuda da Igreja”, procurando os “caminhos possíveis de resposta a Deus”, e “em certos casos, poderia haver também a ajuda dos sacramentos”.

O texto apela a um “responsável discernimento pessoal e pastoral dos casos particulares”, reconhecendo que há situações em que “a separação é inevitável” e, por vezes, “até moralmente necessária”. “Acompanhar”, “discernir” e “integrar” são as indicações centrais do Papa nesta matéria, integradas numa “lógica da misericórdia pastoral”. “Temos de evitar juízos que não tenham em conta a complexidade das diversas situações e é necessário estar atentos ao modo em que as pessoas vivem e sofrem por causa da sua condição”, assinala Francisco.

A exortação apostólica com as conclusões do Sínodo da Família, que decorreu em duas sessões (2014 e 2015), fala na necessidade de um “adequado discernimento pessoal e pastoral”, recordando que “o grau de responsabilidade não é igual em todos os casos”.

“Um pastor não pode sentir-se satisfeito apenas aplicando leis morais àqueles que vivem em situações ‘irregulares’, como se fossem pedras que se atiram contra a vida das pessoas”, adverte o Papa. Para o card. De Viena, que participou nas duas assembleias sinodais, “é uma armadilha centrar tudo neste ponto” dos divorciados recasados.

O texto refere que é missão dos padres “acompanhar as pessoas no caminho do discernimento segundo o ensinamento da Igreja e as orientações do bispo”, apelando a um “exame de consciência” das pessoas em causa sobre a forma como trataram os seus filhos ou como viveram a “crise conjugal”.

Francisco sublinha ainda a importância da recente reforma dos procedimentos para o reconhecimento dos casos de nulidade matrimonial.

O pontífice observa que os divorciados que vivem numa nova união se podem encontrar em situações “muito diferentes”, que não devem ser “catalogadas ou encerradas em afirmações demasiado rígidas”. “Não devem sentir-se excomungados, mas podem viver e amadurecer como membros vivos da Igreja”, realça. Para o Papa, mais importante do que uma “pastoral dos falhanços” é o esforço de “consolidar os matrimónios e assim evitar as ruturas”.

A exortação pós-sinodal coloca os filhos como “primeira preocupação” para quem se separou, com atenção ao seu sofrimento. “O divórcio é um mal, e é muito preocupante o aumento do número de divórcios”, lamenta o Papa.

in Voz de Lamego, ano 86/21, n.º 4358, 12 de abril de 2016