Editorial Voz de Lamego: Maria, modelo da Igreja em saída

“A Igreja negligencia algo que lhe é mandado se não louva Maria. Quando o louvor de Maria nela emudece, a Igreja afasta-se da palavra bíblica. Quando isso acontece também não louva a Deus de forma suficiente…. Maria foi uma dessas pessoas que se inserem de forma muito especial no nome de Deus, tanto que não O louvamos suficientemente quando A pomos de parte” (Cardeal Ratzinger / Bento XVI).

Em cada ano pastoral, Maria terá que ser, sempre, uma figura visivelmente presente. Ela ensina-nos a dizer sim, mesmo quando os nossos passos são vacilantes ou incertos. Ela dá-nos Jesus. Gera-O no seu sim e no seu ventre. Ela mostra-nos Jesus. Ela guia-nos para Jesus. Ela manda-nos obedecer a Jesus: Fazei tudo o que Ele vos disser. Com São José, ensina-nos a procurar Jesus, caso nos desencontremos d’Ele. Nos momentos de maior tensão, quando Jesus é acossado de variadas maneiras, Maria ensina-nos a persistência do caminho. Não se afasta. Vai para o meio da multidão. Segue Jesus de perto, mesmo que sujeita a injúrias ou ao destino do Filho. Prevalece a maternidade, a ligação umbilical, o amor, o sim a Deus. Hão de ter havido momentos em que Maria não podia mais: os maus tratos infligidos a Jesus, as agressões, o chorrilho de calúnias, o Seu corpo dilacerado pelas chicotadas, pelo peso da cruz e, para concluir, a crucifixão, em carne viva, quase irreconhecível… Maria, como Mãe, não vacilou, manteve-Se perto, como tantas Mães para as quais não há limites para protegerem os filhos ou respeitarem (em silêncio) as suas opções… E o reconhecimento vem também do alto da Cruz: eis o teu filho, eis a tua Mãe… e a partir dessa hora, o discípulo predileto recebeu-A em sua casa. Se queremos ser hoje os discípulos prediletos, já sabemos quem temos de levar/trazer para casa, e para a Igreja.

A Diocese de Lamego dá tom ao ano pastoral que se avizinha com o lema: Igreja em caminho e em comunhão. A dinâmica, de sempre, sublinhada nos últimos anos na diocese, e com insistência no magistério do Papa Francisco, faz-nos tomar consciência de somos Igreja em saída, que caminha ao encontro dos outros, sobretudo dos que estão nas margens sociais, religiosas, culturais, políticas e económicas, para com eles construirmos fraternidade, comunhão dos irmãos que reconhecem o mesmo Pai, assumindo-se como irmãos em Jesus Cristo. Maria é paradigma e modelo desta Igreja em saída para fomentar a comunhão: sai da sua vida calma para ser Mãe de Deus; apressa-se em ir em auxílio de Isabel, levando a alegria da salvação; nas Bodas de Canaã, sai da descrição de convidada para interceder pelos noivos; na Cruz, passa da sua casa para a casa de cada um de nós; depois da morte de Jesus, mantém a comunhão da comunidade, em oração e em espera.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/38, n.º 4525, 10 de setembro de 2019

Editorial da Voz de Lamego: Igreja sinodal e conciliar

O Deus revelado em Jesus Cristo é Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Um só Deus e três Pessoas distintas. É um mistério que se desvela em Cristo como comunhão de vida e de amor; paradigma, fonte e inspiração para a Igreja, modelada à imagem da Santíssima Trindade, acolhendo a diversidade de povos, línguas e nações, congregando-as como Povo de Deus, como Corpo de Cristo. Nestas duas imagens, Povo e Corpo, já temos a origem, divina, e a prevalência comunitária, mas inclusiva, dos seus membros. Um povo é constituído por pessoas, mas simultaneamente dá-lhes identidade, é este povo (de Deus) e não outro. Um corpo, do mesmo modo, é constituído por vários membros, distintos, mas que integram e formam o todo.

A Igreja em Lamego vai ser desafiada a caminhar em comunhão, numa perspetiva sinodal.

A palavra “sínodo”, de origem grega, é composta de duas palavras, “syn”, que significa “juntos”, e “hodos”, que significa “estrada ou caminho”. Pode entender-se como reunião ou assembleia (Igreja), valorizando-se mais a reflexão ou mais o caminho. Mas será sempre na perspetiva de nos pormos a “caminhar juntos”, procurando acolher a vontade de Deus na realidade atual, indo ao encontro daqueles que estão em situação mais frágil.

Sobretudo depois do Concílio Vaticano II, e com o Papa Paulo VI, foi dada relevância aos sínodos, instrumentos de auscultação sobre uma temática atual, preocupações e desafios, ou sobre a vida eclesial em determinado território (dioceses ou regiões do mundo), mais locais ou sob a presidência do Papa, no Vaticano. O concílio, por sua vez, é mais abrangente. Concílio provém do latim “concilium” e significa reunião, assembleia. Sínodo e Concílio são, como se vê, termos muito idênticos, ainda que a abrangência seja diferente. Há, a propósito, três tipos de concílios: provinciais, plenários e ecuménicos. Os mais conhecidos são os ecuménicos ou universais. São reconhecidos 21, sendo o primeiro o de Niceia, realizado no ano de 325, e o último o do Vaticano II, nos anos de 1962-1965. O concílio ecuménico reúne bispos do mundo inteiro, sob a autoridade do Bispo de Roma, o Papa. Acentua-se a colegialidade apostólica, entre os Bispos, como no início da Igreja com os 12 Apóstolos.

Logo nos primórdios da Igreja realiza-se o que foi considerado o primeiro concílio da Igreja, a assembleia dos Apóstolos, em Jerusalém. Paulo e Barnabé fazem chegar aos Doze uma discussão havida na Igreja de Antioquia sobre a forma de acolher os pagãos, predispondo-se a refletir com os Apóstolos e a regressarem com as decisões aí tomadas.

Mas já antes os Apóstolos se tinham reunido com comunidade para tomar decisões, como a escolha do Apóstolo que substitui Judas Iscariotes no grupo dos Doze ou a criação dos sete diáconos.  Vislumbre da sinodalidade da Igreja, que procura perscrutar os sinais dos tempos, colocando-se à escuta do Espírito Santo.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/37, n.º 4524, 3 de setembro de 2019

Mensagem do Papa para Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação

«Deus viu que era coisa boa» (Gn 1, 25). Ao início da Bíblia, o olhar de Deus pousa-se ternamente sobre a criação. Desde a terra habitável até às águas que sustentam a vida, desde as árvores que dão fruto até aos animais que povoam a casa comum, tudo é benquisto aos olhos de Deus, que oferece a criação ao homem como dom precioso que deve guardar.

Desgraçadamente, a resposta humana ao dom recebido foi marcada pelo pecado, pelo fechamento na própria autonomia, pela avidez de possuir e explorar. Egoísmos e interesses fizeram deste lugar de encontro e partilha, que é a criação, um palco de rivalidades e confrontos. Assim, colocou-se em perigo o próprio ambiente: coisa boa aos olhos de Deus, torna-se coisa explorável nas mãos humanas. A degradação aumentou nas últimas décadas: a poluição constante, o uso incessante de combustíveis fósseis, a exploração agrícola intensiva, a prática de abater as florestas… estão a elevar as temperaturas globais para níveis preocupantes. O aumento da intensidade e frequência de fenómenos meteorológicos extremos e a desertificação do solo estão a colocar à prova os mais vulneráveis entre nós. A dissolução dos glaciares, a escassez de água, o menosprezo das bacias hidrográficas e a considerável presença de plástico e microplástico nos oceanos são factos igualmente preocupantes, que confirmam a urgência de intervenções não mais adiáveis. Criamos uma emergência climática, que ameaça gravemente a natureza e a vida, inclusive a nossa.

Na raiz de tudo, o fato de termos esquecido quem somos: criaturas à imagem de Deus (cf. Gn1, 26-27), chamadas a habitar como irmãos e irmãs a mesma casa comum. Não fomos criados para ser indivíduos que se assenhoreiam; fomos pensados e queridos no centro duma rede da vida constituída por milhões de espécies, amorosamente unidas por nosso intermédio ao Criador. É hora de redescobrir a nossa vocação de filhos de Deus, irmãos entre nós, guardiões da criação. É tempo de arrepender-se e converter-se, de voltar às raízes: somos as criaturas prediletas de Deus, que, na sua bondade, nos chama a amar a vida e a vivê-la em comunhão, conectados com a criação.

Por isso, convido veementemente os fiéis a dedicar-se à oração neste tempo que, partindo duma iniciativa oportunamente nascida em campo ecuménico, se configurou como Tempo da Criação: um período de oração mais intensa e de ação em benefício da casa comum, que tem início em 1 de setembro, Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, e termina a 4 de outubro, memória de São Francisco de Assis. É ocasião para nos sentirmos ainda mais unidos aos irmãos e irmãs das várias confissões cristãs. Penso de modo particular nos fiéis ortodoxos que celebram, desde há trinta anos, este Dia de Oração. Sintamo-nos em sintonia profunda também com os homens e mulheres de boa vontade, conjuntamente chamados, no contexto da crise ecológica que tem a ver com todos, a promover a salvaguarda da rede da vida, de que fazemos parte.

Este é o tempo para voltar a habituarmo-nos a rezar imersos na natureza, onde espontaneamente nasce a gratidão a Deus criador. Dizia São Boaventura, cantor da sabedoria franciscana, que a criação é o primeiro «livro» que Deus abriu diante dos nossos olhos, para que, admirando a sua ordenada e maravilhosa variedade, fôssemos levados a amar e louvar o Criador (cf. Breviloquium, II, 5.11). Neste livro, cada criatura foi-nos dada como uma «palavra de Deus» (cf. Commentarius in librum Ecclesiastes, I, 2). No silêncio e na oração, podemos escutar a voz sinfónica da criação, que nos exorta a sair dos nossos fechamentos autorreferenciais, descobrindo-nos envolvidos pela ternura do Pai e felizes por partilhar os dons recebidos. Neste sentido, podemos dizer que a criação, rede da vida, lugar de encontro com o Senhor e entre nós, é «a rede social de Deus» (Francisco, Discurso às guias e aos escuteiros da Europa, 3 de agosto de 2019). Isto leva-nos a erguer um cântico de louvor cósmico ao Criador, como ensina a Escritura: «tudo o que germina na terra bendiga o Senhor; a Ele, a glória e o louvor eternamente!» (Dn 3, 76).

Este é o tempo para refletir sobre os nossos estilos de vida, verificando como muitas vezes são levianas e danosas as nossas decisões diárias em termos de comida, consumo, deslocação, utilização da água, da energia e de muitos bens materiais. Em demasia, nos estamos assenhoreando da criação. Optemos por mudar, assumir estilos de vida mais simples e respeitadores! É hora de abandonar a dependência dos combustíveis fósseis, empreendendo rápida e decididamente transições para formas de energia limpa e de economia sustentável e circular. E não esqueçamos de ouvir as populações indígenas, cuja sabedoria secular nos pode ensinar a viver melhor a relação com o meio ambiente.

Este é o tempo de empreender ações proféticas. Muitos jovens estão a fazer-se ouvir em todo o mundo, invocando decisões corajosas. Sentem-se dececionados com as demasiadas promessas não cumpridas, com compromissos assumidos e depois transcurados por interesses e conveniências parciais. Os jovens lembram-nos que a terra não é um bem para se dissipar, mas herança a transmitir; lembram-nos que esperar no amanhã não se reduz a um belo sentimento, mas é um dever que requer ações concretas hoje. A eles, devemos respostas verdadeiras, não palavras vazias; factos, não ilusões.

As nossas orações e os nossos apelos visam sobretudo sensibilizar os responsáveis políticos e civis. Penso de modo particular nos Governos que se vão reunir nos próximos meses para reiterar compromissos decisivos que orientem o planeta para a vida, em vez de o lançar para a morte. Vêm-me à mente as palavras que Moisés proclamou ao povo como uma espécie de testamento espiritual, antes de entrar na Terra Prometida: «Escolhe a vida para viveres, tu e a tua descendência» (Dt 30, 19). São palavras proféticas, que poderemos aplicar a nós mesmos e à situação da nossa terra. Escolhamos a vida! Digamos não à avidez de consumos e aos delírios de omnipotência, caminhos de morte; tomemos percursos clarividentes, feitos de renúncias responsáveis hoje para garantir perspetivas de vida amanhã. Não cedamos às lógicas perversas dos lucros fáceis; pensemos no futuro de todos!

Neste sentido, reveste-se de particular importância a iminente Cúpula das Nações Unidas para a Ação Climática, durante a qual os Governos deverão mostrar vontade política de acelerar, drasticamente, as medidas para se alcançar o mais rápido possível o nível zero de emissões de gases com efeito estufa e conter o aumento médio da temperatura global em 1,5°C relativamente aos níveis pré-industriais, em consonância com os objetivos do Acordo de Paris. Além disso, no próximo mês de outubro, a Amazónia – cuja integridade encontra-se gravemente ameaçada – estará no centro da atenção duma Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos. Aproveitemos estas oportunidades para responder ao clamor dos pobres e da terra!

Cada fiel cristão, cada membro da família humana pode contribuir para tecer, como um fio subtil mas único e indispensável, a rede da vida que a todos abraça. Sintamo-nos implicados e responsáveis por tomar a peito, com a oração e o compromisso, o cuidado da criação. Deus, amante da vida (cf. Sb 11, 26), nos dê a coragem de realizar o bem, sem esperar que sejam outros a começar, sem esperar que seja demasiado tarde.

Vaticano, 1 de setembro de 2019.

Papa Francisco

Editorial da Voz de Lamego: Em caminho e em comunhão

O caminho faz-se caminhando. Pouco importa ter intenção de caminhar, dizer que se gosta e se vai caminhar se não se der um primeiro passo. É a vida. Pode custar a começar. Mas sem o primeiro não há o segundo passo, nem o terceiro passo.

Alguns ficam no início, outros à beira do caminho, outros voltam para trás, outros perdem-se e seguem por atalhos. O caminho é sempre mais fácil quando não vamos sozinhos. Um anima o outro, com uma palavra, uma provocação, um sorriso ou pegando pela mão ou, quem sabe, como o bom pastor, levando aos ombros. Agora ajudo eu. A seguir sou ajudado!

Jesus, para nós cristãos, é o próprio Caminho. “Eu Sou o caminho, a Verdade e a Vida”. Só por Ele vamos ao Pai. Se, por um lado, Ele vem em busca das ovelhas perdidas, por outro lado é o alimento e o alento, é o caminho, é por Ele e com Ele que prosseguimos.

A Igreja em saída não é uma descoberta do Papa Francisco – pese embora o mérito e a intuição com que tem desafiado os cristãos –, a Igreja em saída deriva de Jesus e da Sua missão. Ele sai, vem do Altíssimo, ao nosso encontro. E sai tanto que Se faz um de nós para connosco caminhar. A Sua vida pública é marcada pelo caminhar por aldeias e cidades para anunciar o Evangelho. Cedo se percebe que não é um excêntrico como, por exemplo, João Batista. Jesus não Se isola, a não ser para os momentos de oração e intimidade com o Pai, pelo contrário, rodeia-Se de pessoas, dos apóstolos, dos discípulos e das mulheres que os acompanham, como discípulas e ajudando, por certo, na logística das deslocações.

Vai à sinagoga ou acolhe as multidões. Sente necessidade de ir a outros lugares para se encontrar com pessoas. O mandato que nos deixa é explícito: ide e fazei discípulos. Caminho e comunhão. Anúncio do Evangelho e formação de comunidades que vivam a experiência da fé, a prática da caridade, marcados pela esperança que abarca a humanidade, a história e o tempo até à eternidade.

Onde dois ou três estiverem reunidos em Meu nome, Eu estou no meio deles (Mt 20, 18). Estarei convosco até ao fim dos tempos. Eu e o Pai somos Um. “Não peço apenas por estes, mas também por aqueles que acreditam em Mim, por meio da sua palavra: para que todos sejam um; tal como Tu, Pai estás em Mim e Eu em Ti, que também eles estejam em nós” (Jo 17, 20-21).

O compromisso missionário visa a construção da fraternidade cristã. Um só Pastor, um só rebanho.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/35, n.º 4523, 27 de agosto de 2019

In Memoriam: Mons. Henrique Paulo da Fonseca

Celebrar a memória dos homens é próprio da História; celebrar a memória de um Sacerdote é próprio da Igreja; celebrar um Pároco deve ser obrigação de um paroquiano, Pároco ou não como ele ou simplesmente um paroquiano que com ele viveu, compartilhou as mesmas aspirações e preocupações, mesmo que a vida os separasse para mais longe ou os retivesse por mais perto.

Fui paroquiano do P.e Henrique, deixa-me e deixai-me que assim me dirija e ele e dele fale; dois anos mais novo do que ele no Seminário onde estudámos e convivemos, tudo era a vivência de um caminhar para a meta onde ambos gostaríamos e queríamos chegar: o Sacerdócio. Ele recebeu-o na Sé de Lamego em 15 de agosto de 1959 e eu no Santuário dos Remédios em igual dia de 1961.

Nesta última data ele era já pároco de Numão, uma freguesia vizinha da minha; ali vivia o seu Sacerdócio, partilhando com sua irmã a pobre casa transformada em residência para os dois, a empregada e, mais tarde, o agora Mons. José Guedes, que com ele fez o seu estágio pastoral. A vida não era fácil, mas foi assim que o P.e Henrique mereceu ser chamado «lutador» ao logo da sua vida e assim apontado por seu irmão no dia do seu funeral. Ali me deslocava, acompanhando nas férias o meu Pároco, P.e Fernando Teixeira Dias; mais tarde encontrávamo-nos com o P.e Henrique, que havia de lhe suceder na paroquialidade de Numão e da Horta, aqui depois da doença e transferência do P.e Fernando. Memórias não esquecidas, porque vividas e divididas entre Padres, amigos, cada um nas suas missões, comuns na sua especificidade, mas separadas no terreno de trabalho.

Já padre, também me enviaram para o meu concelho de Vila Nova de Foz Côa, com Mós e Santo Amaro para o meu cuidado pastoral, onde o P.e Henrique me conduziu para a tomada de posse. E nova etapa da vida começava para mim, continuando ele meu pároco e eu, padre, a ser o seu paroquiano. Condividíamos trabalhos, embora limitados pela dificuldade de locomoção e deslocação, mas se os tempos eram outros, a mesma era também a nossa missão e preocupação.

A vida que nos tinha aproximado acabou mesmo por nos separar; duas ausências no Estrangeiro, pároco na região de Lamego, as distâncias separavam-nos para o trabalho, mas não para a amizade. E as minhas idas à Horta eram quase sempre de visita ao P.e Henrique, que já tinha ali a sua residência.

Foi pouca a minha colaboração para a construção da nova igreja da minha terra, mas não deixei de o acompanhar quando era preciso ir onde eu me sentia mais à vontade para o que fosse preciso; e não lhe neguei a minha colaboração a vários níveis, sempre que era necessário.

Era a alegria do P.e Henrique receber o Clero que na sua casa se reunia para reuniões do Arciprestado ou o colega que o visitava. Voltou a residir em Numão, mas já pouco nos encontrávamos; a vida tornou-se mais complicada para mim, mas sabia que podia contar com ele e com a sua amizade nos diversos encontros do Clero Lamecense.

Em Viseu foi o nosso último encontro de vida, na sua terra natal, a Póvoa, o encontro do paroquiano ainda vivo com a antigo Pároco, agora falecido; trouxe comigo a «memória» escrita que o nosso novo colega e seu pároco escreveu; em cima da minha mesa de trabalho, ela lembra-me o Homem, o Padre e o Amigo que perdi para este mundo, mas ganhei junto de Deus.

Obrigado, P.e Henrique, por tudo que me ensinaste, ajudaste e fizeste para que o teu paroquiano pudesse ser o Padre que ambos queríamos ser e creio que fomos: Deus não falta aos Seus amigos. Ainda não tínhamos, mas tenho agora diante dos meus olhos a palavra do Papa Francisco: «Peçamos a Deus a graça de recordar todos os dias que não somos esquecidos por Ele». Lembrou-se de ti e chamou-te para te recompensar dos teus trabalhos por Ele; da minha parte confio que não Se esquecerá de mim. E tu, por aí mais perto, pede-Lhe também por mim. Obrigado!

Pe. Armando Ribeiro, in Voz de Lamego, ano 89/34, n.º 4522, 20 de agosto de 2019

Editorial Voz de Lamego: Igreja em comunhão

Prefiro uma Igreja acidentada por sair, que uma Igreja “raquítica” por permanecer encerrada por medo ou por comodismo. São palavras do Papa Francisco que nos ajudaram a refletir sobre o lema pastoral da Diocese de Lamego para 2019/2020: “Igreja em caminho. Igreja em comunhão”. Enquanto esperamos pela Carta Pastoral do nosso Bispo, a apresentar a 28 de setembro, partiremos novamente das palavras do Santo Padre para refletirmos sobre a acentuação sinodal da Igreja.

Não basta partir! Partimos para levar Jesus, para dar Jesus aos outros, para transparecer Jesus, para, como Ele, cuidarmos dos mais frágeis. Não vamos sós. Não vamos em nosso nome. Mas em nome da comunidade, em nome da Igreja. Acentuação lunar da Igreja que reflete Jesus, a verdadeira Luz, assim como a Lua reflete a luz do Sol. Como membros da Igreja, também nós havemos de refletir a Vida de Jesus.

Em muitas das suas intervenções, o Papa junta dois vocábulos: caminhar e juntos. Não basta caminhar, mas caminhar juntos, inseridos na comunidade. Esta, à imagem da Santíssima Trindade, faz-nos avançar, ajuda-nos a não nos fecharmos sobre nós e não nos iludirmos com as nossas verdades! Juntos, apoiamo-nos, ajudamos a transportar a cruz uns dos outros. Pertencemo-nos, somos responsáveis pelos outros e eles por nós. Em Jesus, acentua-se a irmandade/fraternidade. Ele vem como Filho (de Deus) e logo Se assume como (nosso) Irmão. “Meu e Vosso Pai”. A oração que nos ensina é preenchida pela primeira invocação: Pai-nosso. Não Pai meu ou Pai teu, mas nosso. Colocamo-nos sob a mesma paternidade, assumimos a mesma filiação. Não é possível viver Cristo sem a comunidade, sem a Igreja, pois esta é o Seu Corpo, é no Corpo de Cristo que nos reconhecemos como irmãos uns dos outros e como filhos do mesmo Pai do Céu.

Outra das insistências do Papa é precisamente a construção da civilização do amor. Expressão muito cara aos seus Predecessores. Para isso, a aposta terá que ser na cultura do diálogo e do encontro, na opção pela ternura e pelo amor. E, como é óbvio, o encontro dá-se entre pessoas que se colocam em situação de igualdade e, de preferência, em situação de pertença mútua. Assim o diálogo, assim o amor. Vive-se. Partilha-se. Enriquece-se em comunidade, em família.

Jesus chama 12 Apóstolos que simbolicamente representam todo o povo. Ou chama e envia 72 discípulos, chama discípulos de todas as nações para os enviar a todas as nações. Vão dois a dois. Partem da comunidade e seguem ligados à comunidade. Não vão sós. Individualmente. Onde estiverem dois ou três reunidos em Meu nome, Eu estarei no meio deles. Sós, podemos equivocar-nos, perder-nos no caminho, desanimar…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/34, n.º 4522, 20 de agosto de 2019

Editorial da Voz de Lamego: A Igreja em caminho

O caminho da Igreja em Lamego é Jesus e em Jesus cada uma das pessoas que vive ou que visita o território que se estende de Cinfães a Foz Côa, de Castro Daire a São João da Pesqueira, de Vila Nova de Paiva a Armamar, integrando 14 concelhos, 6 arciprestados. Como sublinhou o concílio Vaticano II, o caminho da Igreja é o homem (GS 22).

E neste caminho, a nossa diocese desafia-nos a refletirmos durante três anos sobre a identidade, a realidade, a vocação e a missão da Igreja. O primeiro ano, 2018-2019, sob a dinâmica vocacional e missionária – Igreja de Lamego, chamada e enviada em missão –; o segundo ano sob a dinâmica sinodal – Igreja em caminho e em comunhão –, e o terceiro ano em abordagem da realidade mais concreta da Igreja peregrina no chão da nossa diocese.

De Cristo fluem rios de água viva, que geram vida e nos alimentam, dando sentido aos nossos dias, sentido além do tempo e da história, da nossa fragilidade e finitude. A água parada, estagnada, acabará por se tornar salubre, inquinada, imprópria para consumo, deixará de ser lugar de vida e onde nenhuma vida sobrevirá, a não ser que seja oxigenada pela terra… assim a vida da Igreja e a nossa vida.

A determinada altura Jesus diz aos Seus discípulos: vamos a outros lugares, anunciar o Evangelho, foi para isso que Eu vim ao mundo. Com efeito, os Evangelhos mostram que Jesus não se fixa num lugar específico, a não ser em Nazaré durante mais de 30 anos, tempo de enraizamento, em que Jesus, num ambiente familiar, aprende o valor da família, da amizade, da solidariedade entre vizinhos que se ajudam e se protegem mutuamente, o valor do trabalho honesto e o sacrifício de quem trabalha a terra e com esforço  sobrevive, pagando os elevados impostos que pesam sobre a maioria dos judeus, vivam em Nazaré ou vivam em Belém. A vida pública de Jesus é tempo de sementeira, é necessário lançar mãos ao arado e espalhar sementes de amor, de perdão e de esperança, de paz e de justiça.

No último conclave, o então Cardeal Bergoglio, que viria a ser eleito Papa (Francisco), fixava o caminho da Igreja – sair ao encontro dos mais frágeis, indo às periferias geográficas, mas sobretudo existenciais. Nos dias que se seguiram à Sua eleição, esta seria uma das palavras mais usadas. Uma Igreja a caminhar, em saída, comprometida com as periferias, em dinâmica missionária. Um Igreja lunar, disponível para comunicar a Luz do Sol, Jesus Cristo e como Ele, Bom Pastor, indo em busca das ovelhas perdidas.

 

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/34, n.º 4521, 13 de agosto de 2019