Taizé, um caminho de confiança e alegria

Escrever sobre o que se vivencia em Taizé durante uma semana não é uma tarefa fácil, pois, por um lado, a dimensão e a intensidade do que lá se experiencia não consegue nunca ser traduzida por palavras, faladas ou escritas, e, por outro lado, as expectativas, os anseios, e em consequência, a própria vivência da peregrinação, são tão pessoais que se corre o risco de se apresentar uma visão com um tom demasiado subjetivo no qual nem todos os participantes se revejam. Mas esse é um risco que se corre sempre que comunicamos, seja sobre que assunto for.

Ao partir para Taizé, muitos procuram fazer uma pausa no louco frenesim do mundo, “recarregar baterias” como se costuma dizer, procurar forças renovadas para enfrentar os desafios, ou buscar algo de novo. E também há quem vá em busca de respostas, em momentos difíceis do seu caminho, de como continuar a viver em meio ao sofrimento, até se é possível voltar a amar, ou procure reconfortar a sua fé. Depois de ter vivido Taizé e falado com tantos que lá estiveram, serão raros aqueles que não encontraram nenhuma destas coisas, senão mesmo todas. Julgo que vários aspetos evidentes da dinâmica que se vive em Taizé concorrem para que assim seja, e acho que todos aqueles que lá estiveram os reconhecerão. Ler mais…

Começar em jeito de agradecimento | Editorial Voz de Lamego

A missão evangelizadora da Igreja diz respeito a todos, por maioria de razão aos ministros ordenados, comprometidos precisamente com o anúncio do Evangelho, a começar pelo Bispo, estendendo-se ao presbitério e aos diáconos, conjugando a pregação com a caridade e com a santificação do povo de Deus, ao qual todos pertencemos como batizados. É uma missão de todos e a todos se destina. Ide e anunciai o Evangelho a toda a criatura.

Neste âmbito fui chamado a assumir a direção da Voz de Lamego, sucedendo ao reverendo Cónego Joaquim Dionísio que, durante 5 anos, nos fez chegar notícias da diocese e da região, da Igreja e do mundo, bem como reflexões pertinentes sobre a vida, a igreja, a fé, a cultura, a comunicação, a educação, contando com colaboradores diretos, como o reverendo Pe. Hermínio, designer e responsável pela imagem do Jornal, pela sua paginação, pela estética que desafia a folhear e a ler a nossa Voz Lamego, como a D. Aniceta, funcionária do Jornal, fundamental para na recolha e preparação final de textos, na gestão de assinantes, no atendimento a quem nos visita, na captação de publicidade.

O jornal diocesano chegou até hoje graças ao empenho e engenho de muitas pessoas. Como diocesano e como sacerdote, sublinho o trabalho realizado e que agora me responsabiliza e compromete. Continuo a contar com todos, com o meu antecessor imediato, Cónego Dionísio, com o Pe. Hermínio, com a D. Aniceta e com todos os nossos colaboradores que assinam crónicas, que redigem e nos enviam notícias, que nos fazem chegar fotografias para ilustrar os textos e com aqueles, pessoas e entidades, que equilibram a contabilidade do nosso jornal, ao contrataram espaços para publicitar e/ou divulgar os seus produtos e trabalhos.

Ao Monsenhor Armando Ribeiro – que já esteve nesta missão como Diretor e que sabe os contornos com que se gere um jornal – agradecemos a generosidade e boa vontade com a qual continuamos a beneficiar, nas sugestões pertinentes, na correção de provas, na promoção da língua portuguesa e na relevância da Voz de Lamego.

Que o Deus de toda a paz nos conceda a audácia, a sabedoria e alegria de continuarmos a servir a Palavra de Deus através da Voz de Lamego, divulgando a região, sempre com um olhar de bênção, de gratidão e louvor ao Senhor da Vida. Que os nossos colaboradores se sintam compensados por cada palavra que ajuda a aproximar, a refletir, a viver, a estreitar laços, a construir pontes! Que os nossos assinantes e os nossos leitores se sintam parte essencial deste projeto diocesano. Muito obrigado. Que Deus vos abençoe a todos e a todos Vos conceda saúde, paz e alegria.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/36, n.º 4473, 21 de agosto de 2018

SÍNODO – IDENTIDADE | Editorial Voz de Lamego – 24 de julho

SÍNODO – IDENTIDADE

No dia 6 de outubro de 2016, o Papa anunciou o tema da XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. De imediato foi elaborado o Documento Preparatório (com um questionário), publicado a 13 de Janeiro de 2017, juntamente com uma Carta aos Jovens, do Papa. Entre os dias 11 e 15 de setembro de 2017, em Roma, realizou-se um seminário internacional sobre a situação dos jovens no mundo de hoje. Mais recentemente (19-24 de março), também no Vaticano, com a presença de 300 jovens dos cinco continentes (cerca de 15 mil participaram através das redes sociais), teve lugar uma reunião pré-sinodal, concluída no Domingo de Ramos, com a entrega ao Santo Padre de um documento final.

O material recolhido nestas iniciativas foi vasto e foi sendo sintetizado para ser integrado no Instrumento de Trabalho agora divulgado e estruturado em três partes. A primeira, ligada ao verbo “reconhecer”, recolhe diferentes momentos de escuta da realidade e faz um ponto da situação dos jovens. A segunda, orientada pelo verbo “interpretar”, oferece chaves de leitura para as questões decisivas no discernimento sinodal. A terceira, cujo objectivo é “escolher”, recolhe elementos para ajudar os participantes sinodais a decidir.

Numa perspetiva geral, parece que o tema da identidade é transversal, com o objectivo de ajudar os jovens a encontrar um sentido para a vida e um lugar na sociedade. Isto é, chamar cada jovem à vocação, ao compromisso, à felicidade.

Diante da iniciativa eclesial, algumas vozes temem pela sua eficácia. Mais do que atrair os jovens como o mundo os trai, talvez fosse melhor perguntar o que é que a Igreja pode trazer de essencial e único aos jovens. Mais do que encontrar os jovens, deveríamos atraí-los.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/34, n.º 4471, 24 de julho de 2018

Os Meninos da caverna… visto a partir das redes sociais

  • “O que mais chamou a atenção no salvamento dos meninos da caverna da Tailândia foram a falta de gritos histéricos, de chantagens emocionais e de tentativas dos pais de culpar alguém, tão comuns, infelizmente, na nossa cultura.

  • O comportamento propositadamente controlado, para que não piore a situação nem acrescente variáveis indesejáveis, constitui belo exemplo de como lidar, de forma inteligente, com dificuldades extremas. O que fica de mais relevante no episódio são: o comportamento dos meninos, o dos pais e a generosidade daqueles que arriscaram a vida para salvá-los.”

  • “Marinha Tailandesa diz que não sabe se resgate em caverna é milagre ou ciência”

  • A corda guia usada pelo mergulhador acabou a determinada altura. Aí o mergulhador sobe para tomar ar e é precisamente quando encontra os meninos sentados à sua frente. Ele disse que se a corda fosse mais longa teria passado debaixo de água e não os teria encontrado.

  • Apenas um dos meninos sabia inglês e pode comunicar com o mergulhador britânico. É o único cristão do grupo e aprendeu idioma num projeto missionário organizado pela sua igreja

  • A chuva manteve-se discreta durante 3 dias, não afetando a operação. No entanto, choveu muito nas áreas ao redor.

  • Um mergulhador relata que logo após todos saírem da caverna as bombas de água pararam de funcionar. Se tivesse acontecido antes seria um grande desastre.

  • Um dia depois do resgate choveu o dia todo e a caverna ficou totalmente inundada

  • Todos os meninos foram resgatados em condições de saúde surpreendentes que nem os médicos conseguiram explicar.

  • Mesmo diante de inúmeras diferenças linguísticas e culturais, foram coordenados procedimentos sem qualquer dificuldade de entendimento

  • Em todo o mundo os homens rezaram para que as crianças e treinador fossem resgatadas com vida e com saúde.

HL, in Voz de Lamego, ano 88/33, n.º 4470, 17 de julho de 2018

Categorias:, Notícias Etiquetas:,

DESTINO DO PATRIMÓNIO | Editorial Voz de Lamego | 17.julho.2018

DESTINO DO PATRIMÓNIO

Nos últimos dois dias de novembro, decorrerá, no Vaticano, um congresso internacional para debater o destino a dar às igrejas que deixem de estar afectas ao culto das comunidades católicas.

A desertificação humana de muitas regiões, o abandono da prática religiosa e a escassez de clero têm levado ao encerramento e abandono de igrejas e locais de culto. E o que se passa noutros países vem a caminho, sobretudo do interior português, cada vez mais idoso e vazio. Mas não será apenas uma questão de utilização; também a sua preservação está em jogo.

Por muito que nos entristeça, as nossas comunidades, por si só, não terão possibilidade de assumir todos os encargos que um tal património arquitectónico exige. Se até há pouco tempo a comunidade se movimentava para conseguir meios que lhe permitissem construir e preservar, agora esperam-se orientações para reutilizar os espaços, já que a diminuição das comunidades e das ofertas não será suficiente para tudo.

E é aqui que entra a necessidade de garantir financiamento. A par do contributo dos fiéis, dos peditórios e ofertas, privadas ou de dinheiros públicos, será preciso pensar na forma de conseguir algum apoio junto de quantos visitam e usufruem de tal património. Trata-se de garantir meios para a sua preservação.

E o que acontecerá aos imóveis com limitado interesse turístico ou que estejam fora dos circuitos a visitar?

O assunto não é novo, a solução encontrada em alguns países europeus pode não ser a melhor, mas existe a vontade de debater e encontrar critérios que salvaguardem o valor de símbolo espiritual, cultural e social dos imóveis no seio da comunidade.

Certamente que aparecerão propostas e soluções. Mas tudo isto nos recorda que somos um povo que caminha na história e que devemos encontrar respostas para as diferentes circunstâncias.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/33, n.º 4470, 17 de julho de 2018

Falecimento do Padre Manuel Augusto da Costa Pinto

O Senhor Deus, Pai de Misericórdia Infinita, chamou à Sua presença, o nosso irmão sacerdote Pe. Manuel Costa Pinto.

Nasceu a 7 de maio de 1928.

Foi ordenado Sacerdote a 22 de dezembro de 1964.

O Senhor Bispo, D. António Couto, em comunhão com o seu presbitério e com toda a Diocese de Lamego, reza ao Senhor por este irmão sacerdote, agradecendo a Deus o dom da sua vida e do seu ministério sacerdotal, na esperança da sua ressurreição em Cristo Jesus, até àquele dia em que também nós seremos chamados para a Sua morada eterna.

Aos familiares e amigos, a comunhão na dor, na oração e na fé.

A celebração da Santa Missa, de corpo de presente, é neste Domingo, pelas 17h00 na Igreja Matriz de Cetos, Zona Pastoral de Castro Daire.

Que o Deus da Vida lhe conceda a vida eterna.

ENCERRAMENTO E PROXIMIDADE | Editorial Voz de Lamego

ENCERRAMENTO E PROXIMIDADE

O balcão da Caixa Geral de Depósitos, no Desterro, à entrada de Lamego, foi encerrado. Depois de termos visto o mesmo na Praça de Comércio, agora um outro, ficando apenas o da Avenida 5 de outubro, onde é difícil estacionar e o atendimento demorado.

Mas a situação poderá ser ainda mais complicada noutras zonas do país.

Lá se vai o serviço de proximidade, o serviço com rosto humano. Desta vez foi o banco estatal, aquele que os portugueses vão ajudando a sustentar. Somos importantes para “aguentar” as dívidas e pagar pelos erros de gestores pagos principescamente, mas já não somos assim tão importantes para um serviço próximo e eficiente.

É verdade que há muitos serviços que podem ser feitos a partir das ligações de internet, mas muitos dos clientes deste banco não sabe o que é isso e preferem um encontro com alguém que atenda, escute, aconselhe, clarifique, resolva… Os menos capazes continuam a ser deixados para trás.

Percebemos o que está em jogo: os balcões tenderão a diminuir, os lugares de trabalho deixarão de existir, a despesa com funcionários e instalações serão reduzidas, os lucros aumentarão, os gestores receberão generosos prémios… E tudo isso à custa de uma menor presença em locais cada vez mais vazios e menos atractivos para viver.

O interior, cada vez mais desertificado, tende a ser olhado de quatro em quatro anos e, diga-se, com reduzida atenção. Os seus votos já não decidem maiorias. Será também, por isso, que o sucessivo encerramento de serviços não faz parte das agendas política e mediática, mais ocupadas com o futuro da geringonça, os cães em restaurantes, a mudança de sexos aos 16 anos, na legalização da eutanásia…

O interior, ou a “província” como alguns dizem, não pode apenas ficar com silêncio e ar puro!

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/32, n.º 4469, 10 de julho de 2018

Categorias:Editorial, Opinião Etiquetas: