DESPORTO E FORMAÇÃO | Editorial Voz de Lamego | 19.06.2018

DESPORTO E FORMAÇÃO

Por estes dias, o futebol é motivo de reportagens e de conversa. Não tanto por causa do desmedido ego de alguns protagonistas, mas porque, de 14 de junho a 15 de julho, se realiza, na Rússia, mais um campeonato do mundo.

Para a Igreja, o desporto é um meio que favorece o crescimento integral da pessoa, ao mesmo tempo que pode servir a paz e a fraternidade entre os povos. Na última audiência geral, dia 13, o Papa saudou os intervenientes da competição e todos os que seguem o acontecimento à distância, desejando que seja uma ocasião de encontro, de diálogo e de fraternidade entre diferentes culturas e religiões, favorecendo a solidariedade e a paz entre as nações”.

“Dar o melhor de si” é o título de um documento do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, publicado no primeiro dia deste mês, no qual se condensa o pensamento eclesial sobre o desporto e se faz a analogia entre o esforço da competição e o compromisso da vida cristã. O desporto forma as pessoas, na condição de que seja “autêntico, humano e justo”.

A prática desportiva é salutar e deve incutir e cultivar valores e princípios que favoreçam o crescimento integral dos seus praticantes, que devem crescer com a convicção de que, na vida como no desporto, “não vale tudo” e que todos têm valor.

É verdade que a prática de alguns desportos é agendada para horários que colidem com momentos de formação e de celebração das nossas paróquias, originando desencontros, aumentando o número dos “não praticantes” e contribuindo para enfraquecer a pertença e a caminhada em comunidade.

Como recorda o livro bíblico, há tempo para tudo. Mas é preciso discernir e articular os diferentes momentos quando se deseja uma formação integral e integradora.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/29, n.º 4466, 19 de junho de 2018

Profissão da Fé na Paróquia da Sé

Apesar do tempo tristonho e chuvoso, nada alterou a alegria e o entusiasmo com que os paroquianos encheram a catedral este domingo para a celebração das dez horas.

Jovens, familiares e restantes elementos da comunidade paroquial preparavam-se para celebrar a Profissão de Fé dos jovens do 6.º ano.

Com um percurso catequético e uma maturidade que já lhes permite optar com liberdade e conhecimento, os jovens decidiram fazer diante de Deus e da comunidade reunida na Eucaristia a renovação única e pessoal das promessas por eles feitas por seus pais e padrinhos por ocasião do seu Batismo; a vela que nessa altura representou a Luz de Cristo foi agora novamente acesa com a ajuda de alguns Pais, símbolo do Amor que nos une a Deus, e no qual estes jovens querem continuar a sua caminhada; o Credo foi rezado com especial fervor, após o que invocamos o Espírito Santo para que nunca deixe de os guiar, e Nossa Senhora para que os ampare sempre com o seu amor de Mãe.

Terminada a Catequese da Infância, seguem agora o seu percurso com a Catequese da Adolescência, onde esperamos que continuem a “dar bons frutos” e a ser elementos válidos e bem formados da comunidade cristã.

IM, in Voz de Lamego, ano 88/28, n.º 4465, 12 de junho de 2018

DECIDIR E ACEITAR | Editorial Voz de Lamego | 12 de junho de 2018

DECIDIR E ACEITAR

 

Amanhã celebramos a memória litúrgica de um dos portugueses mais conhecidos no mundo, apesar de ter vivido poucos anos e de nunca se ter esforçado para ser “famoso”!

Conhecemos bem a história deste santo que, tendo nascido em Lisboa, se deixa seduzir pelos Franciscanos, em Coimbra, e parte para África, animado pelo espírito missionário, mas a quem a doença e a tempestade levam até terras italianas, onde acabará por morrer e ser sepultado, em Pádua. É “de Lisboa” porque ali nasceu e “de Pádua” porque ali morreu, mas é, sobretudo, da Igreja e de todos quantos nele encontram um exemplo motivador e um intercessor a quem recorrer.

Mais do que proporcionar umas “sardinhadas”, umas procissões, uns arcos ou uns foguetes, St. António ensina a não ficar parado, a valorizar o dom da vida, a gastar os talentos recebidos, a servir onde quer que se esteja e todos os que se encontram, a valorizar a Palavra e a não desistir de anunciar, mesmo sem plateias numerosas…

Deste português, o primeiro dos “santos populares” que junho nos apresenta, poderíamos reter a coragem para decidir e a disponibilidade para aceitar. Não se trata de aventureirismo ou simples espírito de rebeldia; a sua coragem é amadurecida e assenta na vontade de cumprir a vida. Por mais que ame e respeite quem o deseja por perto e com determinado rumo, assume a sua vida e decide afirmar a sua vontade. Um exemplo diante de tanta indecisão e comodismo que, às vezes, se observam.

Por outro lado, é capaz de aceitar a novidade, abandonar-se à providência e não desesperar perante o que lhe sucede e que, aparentemente, contraria as suas opções. Mais do que fatalismo, aceita os desafios que o percurso escolhido lhe apresenta e permanece firme.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/28, n.º 4465, 12 de junho de 2018

RELEVÂNCIA E PRESENÇA | Editorial Voz de Lamego | 5 de junho de 2018

RELEVÂNCIA E PRESENÇA

A recente votação parlamentar “adiou” a legalização da eutanásia, já que os seus promotores não descansarão enquanto não puderem inscrever mais esse “avanço” na legislação portuguesa. Tal como na questão do aborto, o tema voltará à ordem do dia e os “arautos do progresso” inscreverão mais essa página na história lusa.

A este propósito, e a par dos defensores de tal prática, muitas foram os portugueses que se fizeram ouvir apelando ao “não”. E se noutros tempos caberia, maioritariamente, aos bispos e padres tal apelo, a verdade é que se ouviram outras vozes e se viram outros rostos nas manifestações concretizadas. O facto mostra que a Igreja cresceu, dando vez e voz a quem não é ministro ordenado, proporcionando aos fiéis leigos afirmarem-se como sujeitos.

Num tempo marcado pelo fim da cristandade e consequente perda de relevância da Igreja no debate público, saúda-se e sublinha-se a aparição de vozes formadas e informadas que enriquecem o debate e, de alguma forma, podem colmatar a ausência da hierarquia, tantas vezes ignorada pelos grandes meios de comunicação.

A Igreja sabe e assume que a perda de relevância no debate, a ausência do convite ou a invisibilidade a que, involuntariamente, é muitas vezes votada em nada diminuem a sua determinação em permanecer fiel ao Senhor, cumprindo a missão de anunciar o Evangelho, servir a humanidade e ser “sacramento de salvação”.

Porque enquanto a Igreja estiver disponível para servir, acolher, escutar, ocupar-se dos mais frágeis, marcar presença nos lugares não cobiçados… a Igreja permanecerá.

É verdade que a Igreja pode ter perdido a relevância de outros tempos, mas para ser fiel Àquele que a fez nascer será sempre mais importante estar presente, promovendo e defendendo a dignidade de todos.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/27, n.º 4464, 5 de junho de 2018

Paróquia de Almacave – Festa da Vida

A Catequese Paroquial de Almacave, celebrou com os catequizandos da Adolescência a sua FESTA DA VIDA fazendo assim, com aqueles que presentes, um tempo de reflexão e convívio conjunto sobre a temática da VIDA.

Estando nesta altura os decisores políticos a debater o problema de fim de Vida, numa tentativa de se legalizar mais um procedimento recorrente de morte, entre as muitas opiniões que se dividem, tivemos a nossa juventude, do Grupo Almacave Jovem e dos catequizandos, a refletir sobre o valor da Vida e o empenho a ter na sua defesa.

Começando com um tempo de atividades lúdicas e recreativas, organizadas pelo Grupo de Jovens, passou-se depois a um tempo de encontro, por grupos, onde todos, catequizandos, catequistas e jovens, elaboraram as frases de meditação para o ofertório e os pensamentos e palavras alusivas à VIDA.

Depois dos ensaios para os cânticos da Eucaristia e de um pequeno lanche, encaminharam-se para a Celebração Eucarística onde marcaram presença em conjunto com diversos familiares que os quiseram acompanhar.

A celebração presidida por Monsenhor Bouça Pires, e concelebrada pelos sacerdotes Pe José Abrunhosa e Pe Luís Rafael Azevedo, foi assim momento de festa e de oferenda pela VIDA destes jovens e acima de tudo pela VIDA, dom da Criação de Deus que devemos respeitar e usufruir com todas as dádivas que esse mesmo DEUS pôs ao nosso dispor.

Neste sentido, o Grupo de Jovens elaborou uma pequena lembrança para estes catequizandos, contendo algumas sementes num gesto simbólico de convite à VIDA que se prolongue na natureza e, no respeito pelo dom maravilhoso que temos ao nosso alcance.

Assim, a sensibilização às gerações futuras poderá ser um tempo de responsabilização sobre o seu advir, pois todas as decisões agora tomadas serão aqueles que eles irão herdar, para o bem ou para o mal.

Que Santa Maria Maior os ilumine e ajude a caminhar na fé e na defesa da VIDA.

Isolina Guerra, in Voz de Lamego, ano 88/26, n.º 4463, 29 de maio de 2018

EUTANÁSIA – PSEUDO-AVANÇO | Editorial Voz de Lamego | 29 de maio

EUTANÁSIA – PSEUDO-AVANÇO

Os deputados eleitos pelos portugueses para os representarem na Assembleia da República discutem e votam, hoje, propostas legislativas destinadas a legalizar a prática da eutanásia, assumida  como prioridade por alguns desses eleitos.

A sociedade actual lida mal com a velhice, esconde a morte e detesta estar dependente e perder a autonomia. A idade provoca limitações físicas e a perda de faculdades, as rugas não poderão ser continuamente disfarçadas e a eficiência deixará a desejar. Como continuar a viver numa sociedade que privilegia o individualismo e a eficácia? Como aparecer com as marcas da idade quando o aspecto físico é tão valorizado? Em que alturas da vida ou em que circunstâncias uma vida perde dignidade?

Por outro lado, o culto da liberdade individual (autonomia que não tolera a presença do Outro) leva a querer deixar a cada um a decisão de antecipar a morte. Mas poderá alguém gravemente doente ou afectivamente abandonado ser totalmente livre para antecipar o fim?

Certamente que ninguém poderá ser obrigado a solicitar tal acto, mesmo que legalmente possível, e que os profissionais de saúde poderão evocar reservas de consciência. Mas, como noutras vezes, não faltarão pedidos para morrer nem voluntários para satisfazer tais vontades.

Opiniões contra e a favor têm sido expressas por muitas pessoas, com toda a legitimidade. Como crentes, sabemos que a vida é um dom recebido e que em todos os momentos da vida não estamos sós, porque estamos na mão de Deus. Assim, viver a vida toda é louvar o seu Criador e assumi-la em todos os momentos um acto de gratidão e fidelidade.

Desconhecendo o desfecho da votação, mas esperando que tal iniciativa não venha a ter sucesso, será, no entanto, de esperar que os seus proponentes não desistirão facilmente e tudo farão para concluir mais um “pseudo-avanço civilizacional”.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/26, n.º 44592, 29 de maio de 2018

OUSAR PEREGRINAR | Editorial Voz de Lamego | 22 de maio de 2018

OUSAR PEREGRINAR

Nos primeiros dias de maio, a passagem de milhares de peregrinos em direcção a Fátima proporciona notícias, imagens e sons de gente que caminha. Alguns espectadores, sentados no sofá e acomodados nas suas certezas, interrogam-se sobre a iniciativa e desvalorizam tamanho esforço. Mas mais importante do que a fundamentação das motivações e a verbalização da experiência, cada peregrino sabe porque caminha e porque quer chegar.

A peregrinação é uma iniciativa que tem um sentido, um objectivo, uma motivação e apresenta-se como oportunidade para “pôr em causa”, interrogar, agradecer, buscar…

O termo “peregrino” designa aquele que vai “através dos campos” e, por conseguinte, se torna um estrangeiro face ao seu contexto de vida, aos seus hábitos, às suas preocupações quotidianas, distanciando-se do seu porto seguro, das suas certezas, das ideias recebidas e nem sempre vividas.

Numa linguagem mais próxima, peregrinar será deixar a “zona de conforto” e confrontar-se com a busca de respostas e metas. E se o habitual é percorrer distâncias para chegar a algum local sagrado, a verdade é que a vida pode ser descrita como uma peregrinação e, então, fazer-se peregrino será ousar questionar-se e buscar um sentido: Porque existo? Qual o meu lugar no universo? O que posso fazer ou dar ao meio onde vivo? Como partilhar, transmitir o que recebi? Como realizar a minha vida o melhor possível? Uma peregrinação de horas, semanas, meses pode ajudar a compreender o sentido e dar-lhe uma direcção.

Também por estes dias, em diversas zonas pastorais, há peregrinações que se organizam e recomenda-se a participação.

Mas se “ir” é importante, não o será menos “sair”: de si, da rotina, do sofá, da facilidade, da bancada… e ousar. Porque, peregrinar é próprio de quem não quer acomodar-se e protagoniza um sadio inconformismo.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/25, n.º 44591, 22 de maio de 2018