Arquivo

Archive for the ‘Vida’ Category

TESTEMUNHO E PROTAGONISMO

TESTEMUNHO E PROTAGONISMO

O testemunho é fundamental na Igreja e na vida do crente, como facilmente se verifica na história da instituição e de cada baptizado. Sem o testemunho dos primeiros cristãos e das gerações que se seguiram não teria sido possível concretizar a missão de anunciar, celebrar e viver o Evangelho. Perante a constatação/desafio “Vós sois testemunhas de todas estas coisas”, segue-se o mandamento “Ide por todo o mundo”.

Diante da missão a cumprir, os baptizados, individualmente ou em assembleia convocada (Igreja), não estão sós: o Espírito Santo vem em seu auxílio para congregar, acompanhar, fortalecer, animar, ajudar a ver e a decidir.

O Espírito participa na heroicidade protagonizada por quem se esforça para ser autêntico, próximo, bom samaritano, disponível… Numa palavra, o Espírito é decisivo para o testemunho, tão fundamental na evangelização: “o homem contemporâneo escuta com melhor boa vontade as testemunhas do que os mestres, ou então, se escuta os mestres, é porque eles são testemunhas” (Paulo VI, EN 41). O testemunho confere credibilidade e apresenta-se como sadia provocação e singular ensinamento.

A história apresenta-nos grandes testemunhos de vida e de fé, autênticos heróis. Mas também os vemos hoje, à nossa volta, nas mais variadas ocupações, no silêncio ou em lugares de decisão, no serviço prestado e no gosto de viver, na festa ou no sofrimento… Talvez não sejam notícia, nem os seus gestos discretos justifiquem reportagens ou fenómenos “virais” nas redes sociais, tantas vezes ocupadas por um certo narcisismo estéril.

Talvez seja preciso mudar de heróis, privilegiando o real face ao virtual, discernindo entre o ser e o parecer, escolhendo quem ensina a viver com verdade, seguindo quem aponta caminhos novos pelas opções que faz e exemplos que deixa…

O Espírito Santo, “protagonista da missão”, não cessa de vir para fazer de todos “protagonistas do testemunho”.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/24, n.º 44590, 15 de maio de 2018

EUTANÁSIA – VIDA | Editorial Voz de Lamego | 8 de maio de 2018

EUTANÁSIA – VIDA

Entre os dias 13 e 20, ligando as solenidades da Ascensão e do Pentecostes, viveremos a Semana da Vida. O tema escolhido, “Eutanásia… o que está em jogo?”, não é alheio ao debate já iniciado por quem anseia aprovar legislação favorável.

Eutanásia poderá traduzir-se por “boa morte” e ser compreendida como um acto médico que provoca intencionalmente a morte de um paciente com a finalidade de lhe aliviar o sofrimento, seja agindo com esse fim (eutanásia activa), seja abstendo-se de agir (eutanásia passiva).

Os seus defensores dirão sempre que a possibilidade legal não obriga a quem pensa de maneira contrária e não deixarão de sublinhar a liberdade individual.

Os que pensam de maneira contrária rejeitarão tais medidas legislativas e condenarão tais práticas, referindo-se-lhe como um homicídio e propondo a existência de cuidados paliativos acessíveis a todos.

Trata-se de evitar o “dever de matar” quando alguém propõe o “direito de morrer”, valorizando todas as vidas, também as que estão marcadas pela doença, pela deficiência ou pela idade. Porque a dignidade do ser humano se assegura com a vida e não com a morte. Por isso, enveredar por esta via pode apenas significar que a sociedade se demite de tratar os seus.

E se o médico se enganar no diagnóstico? A eutanásia poderá ou não fragilizar o doente e abalar a sua confiança nos hospitais? Um doente, um idoso ou limitado físico tenderá a ver-se como um fardo para alguém? Haverá tentações economicistas? Irão os cuidados paliativos ser incrementados ou deixarão de ser a primeira opção? Que consequências para a sociedade?

Há uns anos, “morrer com dignidade” seria ter acesso aos cuidados paliativos; hoje será um pedido de morte. Ao mesmo tempo que se cultiva a beleza, a festa, o corpo ou a eterna juventude, temos dificuldade em aceitar a fraqueza e a fragilidade.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/23, n.º 44589, 8 de maio de 2018

Dia Internacional do Voluntariado no Hospital de Lamego

No dia 5 de Dezembro, celebrou-se o Dia Internacional do Voluntariado. A Liga dos Amigos do Hospital de Lamego, associação especialmente vocacionada para o apoio voluntário aos doentes hospitalizados, pretendeu valorizar esta data, sobretudo para manifestar aos seus Voluntários o muito apreço que lhe merece o seu trabalho altruísta, generoso e abnegado.

Houve um primeiro evento celebrativo, no próprio dia 5 de Dezembro, no qual a Direção e alguns Voluntários visitaram todos os doentes internados a quem deixaram, para além de uma palavra de conforto e de ânimo, uma pequena lembrança.

O momento mais forte destas comemorações, foi a Missa, celebrada na Igreja Catedral, no dia 9 de Dezembro, presidida pelo Senhor Cónego José Ferreira, em representação do Senhor Bispo da Diocese, e concelebrada pelo Monsenhor José Guedes. Nela agradecemos a Deus por todos, os vivos e os já falecidos, que contribuíram ou continuam a contribuir para a realização dos objetivos da Liga. Durante a cerimónia religiosa, foram impostas batas a novos Voluntários. O Coro da Liga abrilhantou, com a perfeição da sua interpretação, a Eucaristia. Ler mais…

Falecimento da Irmã do Padre António Pereira Duarte

4891395_orig

O Senhor Deus, Pai de Misericórdia Infinita, fez regressar à Sua presença a D. Maria Augusta Duarte, irmã do reverendo Padre António Pereira Duarte, Pároco de Nossa Senhora da Assunção de Pendilhe e de São Sebastião do Touro; Vice-Arcipreste de Castro Daire-Vila Nova de Paiva.

Funeral: 6 de dezembro – 15h00 – Igreja Matriz de Cujó, na Zona Pastoral de Castro Daire.

O Senhor Bispo D. António Couto, secundado pelo Presbitério de Lamego, une-se nas condolências ao Pe. António Pereira Duarte e aos seus familiares, confiando na benevolência de Deus e no conforto da amizade e da Palavra de Deus.

Deus lhe dê o eterno descanso e a nós nos mova a eternizar o que nos aproxima e nos faz ser família amada de Deus.

Falecimento do Pai do Pe. Valentim Fonseca

flor_20170505_pc

O Senhor nosso Deus, Pai de Bondade, de Misericórdia e de Sabedoria, chamou à Sua presença, para habitar na Sua morada eterna, o Sr. Valentim da Fonseca, Pai do reverendo Padre Valentim Fonseca, pároco de Cujó, Monteiras e Moura Morta.

Funeral: 2 de dezembro de 2017, pelas 15h00, na Igreja Paroquial de Ferreiros de Avões.

O Sr. Bispo D. António Couto e o presbitério de Lamego unem-se à dor e ao luto do Pe. Valentim e dos demais familiares, suplicando a Deus a misericórdia e a salvação, o acolhimento no Coração do Pai, pelo Filho no Espírito Santo. Que a fé e a Palavra de Deus sejam conforto e certeza para os seus familiares por quem também oferecemos a nossa oração e a nossa súplica.

 

SOCIEDADE PÓS MORTAL | Editorial Voz de Lamego | 31 de outubro

SOCIEDADE PÓS MORTAL

Em pleno Outono, quando a natureza se despede do verde e as cores amarelecidas anunciam o inverno, os cristãos professam a sua fé na comunhão dos santos e suplicam em favor dos que já partiram. Amanhã iniciamos o mês de novembro, o penúltimo do ano.

E falar do “mês das almas” é também lembrar a morte, essa temível e desconfortável realidade que esta sociedade vai escondendo, o que leva a caracterizá-la como “sociedade pós-mortal”. Não porque a morte tenha sido suspensa, como no livro de Saramago “As intermitências da morte”, mas porque paira a convicção de que o progresso acabará por retardar tal momento. Uma sociedade que se caracteriza pela “vontade de viver sem envelhecer, de vencer a morte com a técnica, de prolongar indefinidamente a vida” e que desafia o homem a preparar-se para “gerir a morte” (eutanásia).

Contudo, a morte continua a ser um obstáculo limitador do homem e do progresso ilimitado. O homem sabe que tem de morrer e isso incomoda-o, apesar do aumento da esperança de vida e do acréscimo de longevidade que prolonga a velhice e torna mais longa a espera da morte.

A religião também é afectada, já que se espera “da técnica, das tecnociências, das ciências biomédicas, aquilo que outrora se esperava da religião, ou seja, o sonho do prolongamento indefinido da vida”. Dito de outra maneira, espera-se que a ciência traga o que a religião prometeu durante séculos.

Para quem deseje ler algo sobre o tema, fica a sugestão do livro “Memória do limite. A condição humana na sociedade pós-mortal”, de Luciano Manicardi, no qual se expressa uma proposta de reflexão para melhor nos situarmos e avançarmos rumo a uma “ética da morte”, onde se conjuguem realidades como vulnerabilidade, compaixão, cuidado ou dignidade.

 

in Voz de Lamego, ano 87/48, n.º 4434, 31 de outubro 2017

Ferreiros homenageia Pe. Silvestre: 50 anos de trabalho paroquial

Rev. Padre Silvestre celebrou 50 anos de Sacerdócio em Ferreiros e pediu “Coragem no Caminho para a Santidade”

O dia 15 de Outubro de 2017, ficou marcado na Paróquia da Senhora das Candeias em Ferreiros de Avões. O nosso Rev. Pároco Joaquim Manuel Silvestre foi homenageado pelos seus 50 anos ao serviço das gentes desta Freguesia.

A homenagem teve início com a Missa Dominical, na qual crianças, jovens e adultos quiseram prestar ao seu Pároco uma prova de reconhecimento, pelos seus ensinamentos ao longo deste percurso, marcado no coração de todos. O desdobrável oferecido pelo homenageado aos presentes antes do início da missa, enriquecido pelo seu conteúdo, foi por todos lido e rezado simultaneamente no momento do Pai Nosso. As lembranças levadas pelas crianças ao altar no início da missa, nomeadamente um cestinho com 50 rosas, foram dum simbolismo de gratidão, simplicidade e amizade, que se estabeleceu reciprocamente no decorrer dos tempos. A beleza e o encanto predominavam na nossa Igreja, assim como o Grupo Coral que tão bem entoou, cânticos de alegria e de louvor, foram indicadores de júbilo, para quem caminhou lado a lado e esteve sempre presente nesta comunidade. Seguiram-se alguns testemunhos que fizeram recordar quanto foi importante nas nossas vidas, os valores religiosos, morais, culturais e sociais incutidos pelo nosso Rev. Pároco Joaquim Manuel Silvestre.

Seguiu-se um pequeno convívio, no Salão Paroquial, onde foi apresentado um vídeo retratando os passos dados por este Pároco ao longo de 50 anos. Viveram-se momentos de grandes emoções que evidenciaram o Bom Pastor de sempre e que há-de continuar a ser junto de todos nós.

Um bem-haja, Sr. Padre Silvestre, de todos os seus paroquianos.

Maria do Céu Teixeira, in Voz de Lamego, ano 87/47, n.º 4433, 24 de outubro 2017