Arquivo

Archive for the ‘Vida’ Category

Dia Internacional do Voluntariado no Hospital de Lamego

No dia 5 de Dezembro, celebrou-se o Dia Internacional do Voluntariado. A Liga dos Amigos do Hospital de Lamego, associação especialmente vocacionada para o apoio voluntário aos doentes hospitalizados, pretendeu valorizar esta data, sobretudo para manifestar aos seus Voluntários o muito apreço que lhe merece o seu trabalho altruísta, generoso e abnegado.

Houve um primeiro evento celebrativo, no próprio dia 5 de Dezembro, no qual a Direção e alguns Voluntários visitaram todos os doentes internados a quem deixaram, para além de uma palavra de conforto e de ânimo, uma pequena lembrança.

O momento mais forte destas comemorações, foi a Missa, celebrada na Igreja Catedral, no dia 9 de Dezembro, presidida pelo Senhor Cónego José Ferreira, em representação do Senhor Bispo da Diocese, e concelebrada pelo Monsenhor José Guedes. Nela agradecemos a Deus por todos, os vivos e os já falecidos, que contribuíram ou continuam a contribuir para a realização dos objetivos da Liga. Durante a cerimónia religiosa, foram impostas batas a novos Voluntários. O Coro da Liga abrilhantou, com a perfeição da sua interpretação, a Eucaristia. Ler mais…

Falecimento da Irmã do Padre António Pereira Duarte

4891395_orig

O Senhor Deus, Pai de Misericórdia Infinita, fez regressar à Sua presença a D. Maria Augusta Duarte, irmã do reverendo Padre António Pereira Duarte, Pároco de Nossa Senhora da Assunção de Pendilhe e de São Sebastião do Touro; Vice-Arcipreste de Castro Daire-Vila Nova de Paiva.

Funeral: 6 de dezembro – 15h00 – Igreja Matriz de Cujó, na Zona Pastoral de Castro Daire.

O Senhor Bispo D. António Couto, secundado pelo Presbitério de Lamego, une-se nas condolências ao Pe. António Pereira Duarte e aos seus familiares, confiando na benevolência de Deus e no conforto da amizade e da Palavra de Deus.

Deus lhe dê o eterno descanso e a nós nos mova a eternizar o que nos aproxima e nos faz ser família amada de Deus.

Falecimento do Pai do Pe. Valentim Fonseca

flor_20170505_pc

O Senhor nosso Deus, Pai de Bondade, de Misericórdia e de Sabedoria, chamou à Sua presença, para habitar na Sua morada eterna, o Sr. Valentim da Fonseca, Pai do reverendo Padre Valentim Fonseca, pároco de Cujó, Monteiras e Moura Morta.

Funeral: 2 de dezembro de 2017, pelas 15h00, na Igreja Paroquial de Ferreiros de Avões.

O Sr. Bispo D. António Couto e o presbitério de Lamego unem-se à dor e ao luto do Pe. Valentim e dos demais familiares, suplicando a Deus a misericórdia e a salvação, o acolhimento no Coração do Pai, pelo Filho no Espírito Santo. Que a fé e a Palavra de Deus sejam conforto e certeza para os seus familiares por quem também oferecemos a nossa oração e a nossa súplica.

 

SOCIEDADE PÓS MORTAL | Editorial Voz de Lamego | 31 de outubro

SOCIEDADE PÓS MORTAL

Em pleno Outono, quando a natureza se despede do verde e as cores amarelecidas anunciam o inverno, os cristãos professam a sua fé na comunhão dos santos e suplicam em favor dos que já partiram. Amanhã iniciamos o mês de novembro, o penúltimo do ano.

E falar do “mês das almas” é também lembrar a morte, essa temível e desconfortável realidade que esta sociedade vai escondendo, o que leva a caracterizá-la como “sociedade pós-mortal”. Não porque a morte tenha sido suspensa, como no livro de Saramago “As intermitências da morte”, mas porque paira a convicção de que o progresso acabará por retardar tal momento. Uma sociedade que se caracteriza pela “vontade de viver sem envelhecer, de vencer a morte com a técnica, de prolongar indefinidamente a vida” e que desafia o homem a preparar-se para “gerir a morte” (eutanásia).

Contudo, a morte continua a ser um obstáculo limitador do homem e do progresso ilimitado. O homem sabe que tem de morrer e isso incomoda-o, apesar do aumento da esperança de vida e do acréscimo de longevidade que prolonga a velhice e torna mais longa a espera da morte.

A religião também é afectada, já que se espera “da técnica, das tecnociências, das ciências biomédicas, aquilo que outrora se esperava da religião, ou seja, o sonho do prolongamento indefinido da vida”. Dito de outra maneira, espera-se que a ciência traga o que a religião prometeu durante séculos.

Para quem deseje ler algo sobre o tema, fica a sugestão do livro “Memória do limite. A condição humana na sociedade pós-mortal”, de Luciano Manicardi, no qual se expressa uma proposta de reflexão para melhor nos situarmos e avançarmos rumo a uma “ética da morte”, onde se conjuguem realidades como vulnerabilidade, compaixão, cuidado ou dignidade.

 

in Voz de Lamego, ano 87/48, n.º 4434, 31 de outubro 2017

Ferreiros homenageia Pe. Silvestre: 50 anos de trabalho paroquial

Rev. Padre Silvestre celebrou 50 anos de Sacerdócio em Ferreiros e pediu “Coragem no Caminho para a Santidade”

O dia 15 de Outubro de 2017, ficou marcado na Paróquia da Senhora das Candeias em Ferreiros de Avões. O nosso Rev. Pároco Joaquim Manuel Silvestre foi homenageado pelos seus 50 anos ao serviço das gentes desta Freguesia.

A homenagem teve início com a Missa Dominical, na qual crianças, jovens e adultos quiseram prestar ao seu Pároco uma prova de reconhecimento, pelos seus ensinamentos ao longo deste percurso, marcado no coração de todos. O desdobrável oferecido pelo homenageado aos presentes antes do início da missa, enriquecido pelo seu conteúdo, foi por todos lido e rezado simultaneamente no momento do Pai Nosso. As lembranças levadas pelas crianças ao altar no início da missa, nomeadamente um cestinho com 50 rosas, foram dum simbolismo de gratidão, simplicidade e amizade, que se estabeleceu reciprocamente no decorrer dos tempos. A beleza e o encanto predominavam na nossa Igreja, assim como o Grupo Coral que tão bem entoou, cânticos de alegria e de louvor, foram indicadores de júbilo, para quem caminhou lado a lado e esteve sempre presente nesta comunidade. Seguiram-se alguns testemunhos que fizeram recordar quanto foi importante nas nossas vidas, os valores religiosos, morais, culturais e sociais incutidos pelo nosso Rev. Pároco Joaquim Manuel Silvestre.

Seguiu-se um pequeno convívio, no Salão Paroquial, onde foi apresentado um vídeo retratando os passos dados por este Pároco ao longo de 50 anos. Viveram-se momentos de grandes emoções que evidenciaram o Bom Pastor de sempre e que há-de continuar a ser junto de todos nós.

Um bem-haja, Sr. Padre Silvestre, de todos os seus paroquianos.

Maria do Céu Teixeira, in Voz de Lamego, ano 87/47, n.º 4433, 24 de outubro 2017

XXIX Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar

Nos próximos dias 11 e 12 de novembro realizam-se, em Fátima, as XXIX Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar, subordinadas ao tema “O Evangelho da Família, Alegria para o Mundo”.

Esta iniciativa decorre no Edifício Paulo VI, Salão do Bom Pastor e está aberta a todo o Povo de Deus. Deseja-se que constituam o “grande plenário nacional da Pastoral Familiar, pelo bem pastoral e espiritual que podem proporcionar às nossas famílias.”

As inscrições, individuais ou em grupo, devem ser efetuadas através do e-mail pastoralfamiliar@diocese-lamego.pt , impreterivelmente até ao dia 25 de outubro, através da ficha incluída no folheto anexo. Este folheto, que contém o programa, um conjunto de informações, os custos das várias opções, a ficha de inscrição e um texto de apoio, foi já remetido às Paróquias e Departamentos Diocesanos. Está também disponível no sítio http://www.leigos.pt.

Estamos disponíveis para outros eventuais esclarecimentos.

 

 

Pelo Departamento Diocesano da Pastoral Familiar

 

in Voz de Lamego, ano 87/46, n.º 4432, 17 de outubro 2017

Um reparo: Água

Na nossa região, como em tantas do país, as consequências da seca prolongada vão sendo sentidas e comentadas. Não por falta de assunto, mas porque a situação é preocupante. A chuva tarda, as reservas de água nas albufeiras vai escoando e o sofrimento aumenta.

As previsões indicam que a seca vai continuar, que a chuva andará ausente e que, quando vier, será reduzida.

No fundo, todos sofrem com esta realidade que afecta a produção agrícola e a torna mais dispendiosa (captação e transporte de água, reservatórios, electricidade e outros combustíveis, etc), se reflecte no bolso dos consumidores (produtos mais caros) e no meio ambiente (desertificação, incêndios…).

As alterações climáticas estão a acontecer e a motivar mudança de certos hábitos, já que os recursos não são ilimitados. Multiplicam-se os estudos, as previsões e os apelos para uma utilização mais responsável dos meios disponíveis.

É verdade que o calor que se faz sentir proporciona dias de praia e o prolongar da pele bronzeada, que a ausência de frio motiva o passeio, o sair de casa e o adiar da compra de roupa mais quente, que os locutores deixaram de falar na chuva como algo triste e ruim… Mas os nossos agricultores desesperam e vão mostrando e denunciando prejuízos nas suas colheitas e plantações.

Por outro lado, há populações que já dependem da água potável que alguns carros-cisterna lhes levam, provocando o racionamento da mesma e alterando hábitos de vida. Neste particular, só as torneiras secas nos ajudarão a valorizar devidamente o precioso líquido! Porque, como a experiência nos ensina, só a ausência nos faz valorizar a presença e só a carência nos motivará a agradecer a abundância.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/45, n.º 4431, 10 de outubro 2017

Categorias:Opinião, Vida Etiquetas:, , ,