Arquivo

Archive for the ‘Testemunho’ Category

Animação Vocacional por terras de Armamar

No passado dia 12 de novembro, a comunidade do Seminário de Lamego foi em ação de promoção vocacional às paróquias do Sr. Pe. Leontino. Fomos até São Romão cujo padroeiro tem o mesmo nome, de seguida fomos até Tões, em que a padroeira é Santa Senhorinha, depois fomos até Queimada sendo padroeiros S. Pedro e S. Paulo e de onde é natural o Pedro, seminarista do 9ºano.

Na nossa eucaristia, o Tiago, seminarista do 12ºano, falou um pouco da sua ida para o Seminário e sobre o que era o Seminário. A irmã Claudina também enriqueceu a eucaristia com a sua história de vida.

De seguida, dirigimo-nos até ao lar de S. João Batista onde tivemos a oportunidade de conhecer o espaço e onde pudemos almoçar.

Agradecemos ao Sr. Pe. Leontino esta excelente oportunidade e esperamos regressar o mais brevemente possível.

Diogo Ferreira, 9.º ano,

in Voz de Lamego, ano 87/50, n.º 4436, 14 de novembro de 2017

Visita Pastoral de D. António Couto à paróquia de Nespereira – Cinfães

Esteve entre nós, desde o passado dia 5 de Outubro até ao dia 8 do mesmo mês, o Bispo de Lamego, Sua Excelência Reverendíssima, o Senhor Bispo D. António José da Rocha Couto, venerando Bispo da Diocese de Lamego.

Esta visita, está inserida no calendário das visitas pastorais às paróquias da Zona Pastoral de Cinfães.

No dia 5, pelas 16:30, foi recebido na Capela de S. Brás, onde celebrou missa e administrou o Sacramento da Santa Unção a várias dezenas de idosos vindos de toda a paróquia e do lar de idosos. Agradecemos a disponibilidade da direção do Lar pelo transporte que realizaram com muita eficiência. Todos sentiram um contentamento ímpar pela oportunidade de receberem, por parte de D. António, a Santa Unção.

De seguida dirigimo-nos para o Centro Paroquial. Sua Excelência Reverendíssima teve um encontro com os Crismandos e seus padrinhos para lhes explicar o sentido do Sacramento que iriam receber no domingo seguinte. Convidou-os a viverem segundo o Evangelho, a acolherem os dons de Deus, tornando-se membros vivos da comunidade cristã. Ler mais…

Vigília Missionária em Vila da Ponte | 2017

Missionários da Paz!

Foi no passado sábado, dia 28 de Outubro, que os JSF Vila da Ponte nos acolheram para a já “tradicional” Vigília Missionária. Ali nos juntamos, mais de 80 jovens e adultos, para em conjunto com aquela comunidade paroquial rezarmos pelas missões, tendo como principal intenção a oração pela paz nos 5 continentes.

Ao entrarmos na Igreja deparamo-nos com um cenário pouco habitual: um grande muro feito com rede, blocos de cimento, arame farpado, correntes fechadas com um cadeado. Estava tudo demasiado cinzento! Porquê? Porque na parte inicial da Vigília íamos ser alertados para os muros que existem à nossa volta: “Muros que separam países… Muros que dividem famílias… Muros que nos envergonham…”

No entanto, depois de uma dinâmica penitencial, um jovem quebrou aquelas fronteiras abrindo o cadeado e permitindo que surgisse diante dos nossos olhos a palavra PAZ. Depois, à medida que rezávamos pela paz em cada continente, todo o cenário foi ganhando cor. Seguidamente escutamos um texto do Papa Francisco e uma passagem do Evangelho que nos alertavam para a necessidade de sermos anunciadores da paz de Jesus: ”A paz esteja convosco. Assim com o Pai me enviou também eu vos envio a vós!”

Entretanto, era hora de escutarmos o testemunho da Ana Pereira, uma Jovem Sem Fronteiras, que este ano partiu em voluntariado missionário para Cabo Verde. Pudemos ver algumas imagens da missão realizada e ouvi-la partilhar connosco alguns dos momentos que mais a marcaram. Para terminar, ela desafiou-nos a abraçar as pessoas que estavam ao nosso lado, mas a abraçar com o “coração”, quebrando os muros que existem à nossa volta.

Seguiu-se a Adoração ao Santíssimo, que é sempre um momento reflexão, uma forma de ”calar a nossa boca” que nos permite descobrir as nossas próprias barreiras e nos fortalece para conseguirmos construir juntos a paz mundial que todos tanto ansiamos.

Depois da Vigília não faltou um lanche de convívio que já é tão característico desta atividade.

Não posso terminar sem acrescentar uma nota pessoal quanto à organização em geral: se entramos num ambiente que à partida seria de guerra, à medida que fomos orando tudo mudou e conseguiram que sentíssemos como é urgente sermos missionários da paz!

Parabéns, mais uma vez, pelos pequenos pormenores que fazem a diferença.

Gisela Barreiro, JSF Godim, in Voz de Lamego, ano 87/48, n.º 4434, 31 de outubro 2017

As Paróquias de Arícera e Goujoim prestam homenagem ao seu Pároco

As paróquias de S. Cristóvão de Arícera e de Santa Eulália de Goujoim, do arciprestado de Armamar e Tarouca, uniram-se no domingo, 10 de Setembro, na celebração das bodas de ouro de vida sacerdotal e paroquial do Rev. P. Artur Mergulhão. Associaram-se à homenagem os presidentes, vereadores e membros da Câmara Municipal de Armamar e da Junta da União das Freguesias de Arícera e Goujoim.

Às 12.00h, na igreja paroquial de Arícera, reuniram-se os fiéis das duas comunidades, para a celebração da Eucaristia. Este foi o momento alto de ação de graças a Deus e de gratidão dos paroquianos pela vida do sacerdote e pároco que os vem servindo ao longo de cinquenta anos. Um período de tempo da vida do P. Artur marcado pela presença física, assistência espiritual e proximidade familiar, com um dinamismo pastoral e social, imprimido desde o início da sua missão. A homenagem continuou num almoço de alegre convívio, servido num restaurante da região, com todos os que quiseram associar-se a esta manifestação de apreço.

Na Missa e no almoço, em plena comunhão entre os fiéis das duas comunidades e destes com o seu pároco, houve intervenções que, pela palavra e pelas ofertas, expressaram o reconhecimento agradecido, recordando momentos vividos desde os primeiros tempos de vida paroquial e lembrando os traços humanos e sacerdotais que caracterizam o P. Artur Mergulhão. Ler mais…

Cáritas de Lamego: Um Adeus ao Amigo D. António Francisco

Passaram-se uns escassos dias desde que o Senhor D. António Francisco nos deixou.  Parece ainda um sonho, a verdade é nua e crua, Deus achou por bem levá-lo para junto de Si, mas para nós foi um choque, foi como se de um membro da nossa família se tratasse.

Um Homem e um Amigo especial para  muitos que com ele privaram, e não foram poucos, sim, o Sr. D. António tinha – os  em muitos locais, desde a terra que o viu nascer até aos lugares mais diversos. Era uma pessoa afável, simples, serena e  disponível para escutar, para dialogar, para aconselhar, em suma, uma pessoa cheia de conhecimento, de afazeres inerentes aos cargos desempenhados, mas  sempre com um sorriso expresso no rosto, olhar atento e  preocupado com os mais frágeis, com os pobres e famílias mais vulneráveis.

Não foi por acaso que há bem pouco tempo tenha sido designado pela Conferência Episcopal,  Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana. Na sua última entrevista concedida à Agência Ecclesia, face ao novo desafio que acabava de abraçar, referiu: “ …Iniciei o meu trabalho há um mês… Estamos a dar passos e temos preocupações, mas temos também sonhos e propósitos. Temos também um desejo muito grande de trabalhar e estar presente neste espaço tão necessário como é a ação socio-caritativa da Igreja. Temos de ter capacidade de lermos a realidade e escutarmos o mundo. Temos de estar disponíveis para dar resposta às novas formas de pobreza e aos novos desafios da sociedade moderna.” 

É nesta senda que, inspirados na postura do Sr. D. António Francisco face aos desafios dos dias de hoje, num mundo tão desprovido de valores, a Cáritas Diocesana de Lamego procurará exercer a sua missão junto dos que mais precisam.

Obrigado Sr. D. António e que Deus o tenha na Sua Infinita Glória.

Isabel Duarte Mirandela da Costa

Cáritas Diocesana de Lamego

in Voz de Lamego, ano 87/43, n.º 4428, 19 de setembro 2017

Almacave: ação de graças pela vida de D. António Francisco

COMUNIDADE PAROQUIAL DE SANTA MARIA MAIOR DE ALMACAVE

AÇÃO DE GRAÇAS PELA VIDA DE D. ANTONIO FRANCISCO

(Eucaristia de 7.º dia)

A Comunidade Paroquial de Almacave, reuniu-se para louvar e dar graças a Deus pela vida de D. António Francisco dos Santos que, nesta Paróquia viveu em Equipa Sacerdotal durante largos anos, com Monsenhor Simão Botelho e Monsenhor José Guedes.

Muitas vezes ele nos dizia que tinha pena de não ter mais tempo para a ação pastoral na Paróquia, devido aos seus múltiplos afazeres e ia pedindo, a nós leigos, que continuássemos a apoiar os sacerdotes, nomeadamente o seu amigo Pe José Guedes, que ele sabia ir ficar muito desamparado com a sua ausência, aquando da sua ordenação episcopal.

 No entanto, no tempo que por aqui passou deixou a sua marca indelével de humildade, de serenidade, de solidariedade silenciosa junto dos que precisavam, sempre ao serviço do outro (e bastava vê-lo trazendo um disfarçado saco de medicamentos para umas determinadas pessoas que assistia).

Mesmo nos momentos de maior sofrimento com a situação de saúde de sua mãe, nunca deixou de ter um sorriso, ainda que débil da sua tristeza interior, ou de ter uma alegria mais efusiva quando connosco participava em festas da Catequese ou de celebrações paroquiais. Ler mais…

Homilia na Missa exequial de D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto

Irmãos caríssimos

Surpreendido ainda pelo súbito falecimento do Senhor D. António Francisco dos Santos, Bispo do Porto, nosso irmão e amigo, correspondo à indicação que me foi feita para presidir a esta Santa Missa Exequial.

Com simplicidade e emoção o faço. Longos anos de amizade, a coincidência de idade e de percurso eclesial, tudo me aproximou do Senhor D. António Francisco, em muitos encontros institucionais e pessoais, projetos e desafios das nossas missões e tarefas. Sempre nele encontrei disponibilidade e competência, além da muita estima recíproca.

Num momento como este, são muitas as palavras possíveis, como aliás têm sido proferidas por grande número de pessoas da Igreja e da sociedade, não faltando o depoimento de altas figuras da vida nacional e local. Todas aliam sentimentos de admiração e já saudade pela grande figura pessoal, eclesial e social que entre nós viveu e verdadeiramente conviveu, pois grande e marcante era a sua capacidade de estar com os outros e, ainda mais, de estar para os outros. Ler mais…