Arquivo

Archive for the ‘Serviço Cáritas’ Category

Cáritas de Lamego: Um Adeus ao Amigo D. António Francisco

Passaram-se uns escassos dias desde que o Senhor D. António Francisco nos deixou.  Parece ainda um sonho, a verdade é nua e crua, Deus achou por bem levá-lo para junto de Si, mas para nós foi um choque, foi como se de um membro da nossa família se tratasse.

Um Homem e um Amigo especial para  muitos que com ele privaram, e não foram poucos, sim, o Sr. D. António tinha – os  em muitos locais, desde a terra que o viu nascer até aos lugares mais diversos. Era uma pessoa afável, simples, serena e  disponível para escutar, para dialogar, para aconselhar, em suma, uma pessoa cheia de conhecimento, de afazeres inerentes aos cargos desempenhados, mas  sempre com um sorriso expresso no rosto, olhar atento e  preocupado com os mais frágeis, com os pobres e famílias mais vulneráveis.

Não foi por acaso que há bem pouco tempo tenha sido designado pela Conferência Episcopal,  Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana. Na sua última entrevista concedida à Agência Ecclesia, face ao novo desafio que acabava de abraçar, referiu: “ …Iniciei o meu trabalho há um mês… Estamos a dar passos e temos preocupações, mas temos também sonhos e propósitos. Temos também um desejo muito grande de trabalhar e estar presente neste espaço tão necessário como é a ação socio-caritativa da Igreja. Temos de ter capacidade de lermos a realidade e escutarmos o mundo. Temos de estar disponíveis para dar resposta às novas formas de pobreza e aos novos desafios da sociedade moderna.” 

É nesta senda que, inspirados na postura do Sr. D. António Francisco face aos desafios dos dias de hoje, num mundo tão desprovido de valores, a Cáritas Diocesana de Lamego procurará exercer a sua missão junto dos que mais precisam.

Obrigado Sr. D. António e que Deus o tenha na Sua Infinita Glória.

Isabel Duarte Mirandela da Costa

Cáritas Diocesana de Lamego

in Voz de Lamego, ano 87/43, n.º 4428, 19 de setembro 2017

Um reparo: DONATIVOS

Nos últimos dias foram notícia os donativos, ou melhor, o paradeiro dos mesmos. Ao que parece, algum do dinheiro oferecido para auxiliar as vítimas do incêndio de Pedrógão Grande andará em parte incerta.

Acreditamos que haverá uma explicação para o sucedido e que será possível seguir o rasto do dinheiro, ficando a saber quem o recebeu e como o distribuiu.

Mas será que era necessário chegar a este ponto, deixando no ar suspeitas que levarão os doadores a repensar a sua generosidade? E se o descrédito afecta futuras angariações de verbas, a ocasião não deixará de provocar interrogações sobre situações passadas: será que o dinheiro chegou sempre aos seus destinatários? Como tem sido feito o controlo das verbas? Um Estado que é tão arguto em vigiar fiscalmente os cidadãos não consegue vigiar-se quando se trata de recolher e distribuir o que não lhe pertence? Será assim tão difícil anotar o que entra e o que sai, bem como o seu destino?

A comunicação social vai alertando para o facto e dar-lhe-á destaque durante algum tempo, até que outro assunto apareça. E vai, também, relatando acontecimentos mais antigos, dando vez e voz a algumas vítimas a quem muito foi prometido e a quem pouco ou nada foi chegando.

Nos momentos de catástrofe não faltam referências aos milhões que vão ser destinados para apoiar as vítimas. Meses ou anos depois, os milhões tornaram-se apenas tostões. E quanto à celeridade dos processos também estamos esclarecidos: a morosidade dos institutos públicos contrasta bem com a prontidão e proximidade das nossas gentes e das instituições particulares.

Por isso, já que os dinheiros públicos tardam em chegar, não sejam os responsáveis pela “coisa pública” a atrasar ou desbaratar o auxílio dos privados. Não estorvar ainda é, às vezes, a melhor ajuda!

JD,  in Voz de Lamego, ano 87/42, n.º 4427, 12 de setembro 2017

Dia Internacional da Caridade

No próximo dia 5 de Setembro de 2017, vai celebrar-se o Dia Internacional da Caridade, data que assinala o aniversário da morte de Madre Teresa de Calcutá,  uma mulher simples que dedicou a sua vida aos pobres e que representava alguns dos valores que dignificam o ser humano ”compaixão, generosidade, solidariedade, alegria e esperança.”

Foi a ONU(Organização das Nações Unidas) que instituiu a data como forma de lembrar a todo mundo o trabalho que é realizado pelas instituições de cariz social, governos e demais pessoas que procuram ajudar os outros, quer monetariamente, quer através do diálogo ou qualquer outra atitude que vise o alívio da sua dor.

Este ano, a  Cáritas Diocesana de Lamego para comemorar a efeméride, irá levar a efeito as seguintes ações:

  • Dado que dentro de dias arrancará mais um ano escolar,  a CDL vai proceder a uma recolha de material para  o efeito ( cadernos, canetas de colorir, dossiers, máquinas calcular, entre outros), nos próximos dias 2 e 3 de Setembro, nas instalações do Supermercado Continente. Esta atividade resulta de uma parceria com a Associação Karingana Wa Karingana e o Instituto de Apoio à Criança, no sentido de apoiar as crianças carenciadas.
  • No dia 5 de Setembro, pelas 18h30m mandará celebrar uma Missa de Ação de Graças, na Sé Catedral de Lamego, por todos aqueles que contribuem com os seus donativos ( monetários, géneros alimentares, roupas e  outros) para permitirem que a Cáritas possa exercer a sua Missão da defesa do Bem-Comum, através da Pastoral Social, fomentando a partilha de bens e a assistência em situações de calamidade e emergência.

No Dia Internacional da Caridade, reflitamos na mensagem que nos é legada pelo Papa Bento XVI, na Carta Encíclica Deus Cáritas Est, 2005, nº25, “ Para a Igreja, a caridade não é uma espécie de atividade de assistência social que se poderia, mesmo, deixar aos outros, mas pertence à sua natureza, é expressão irrenunciável da sua própria essência.”

Isabel Mirandela, Presidente da Cáritas Diocesana de Lamego,

in Voz de Lamego, ano 87/40, n.º 4425, 29 de agosto 2017

Paróquia da Mêda veste-se para Concerto Solidário

A Casa Municipal da Cultura de Mêda, vestiu-se no passado dia 30 de julho,para um concerto Solidário pelas vítimas de Pedrogão Grande, Figueiró dos vinhos e Castanheira de Pêra. Esta atividade organizada pela paróquia de Mêda (Grupo de catequistas), reuniu neste espaço muitos corações solidários que participaram de forma ativa, por todas as vítimas deste incêndio.

Ao longo de toda a tarde de domingo, vários artistas musicais do concelho, subiram ao palco, para este Concerto Solidário com lotação esgotada, tendo na plateia o Sr. Pe. Basílio Firmino, Sr. Presidente da Câmara e o Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Mêda.

Parabéns a todos os grupos que participaram, mostrando assim que tudo se pode fazer com talento da “Prata da Casa”.

Os donativos foram entregues voluntariamente e um quadro foi doado para o efeito, e, leiloado por duas vezes. Os fundos criados num bar de apoio às pessoas que ali se encontravam, reverteu para o mesmo fim!

No final do concerto, foi anunciado que os donativos tinham totalizado cerca de mil e oitocentos euros, revertendo a favor da Cáritas Nacional, para reforçar o apoio às populações afetadas!…

Resta-nos agradecer a todas as pessoas que exaltaram a solidariedade do povo português, neste caso, a comunidade de Mêda, e a sua capacidade de ajudarem os seus irmãos a reerguerem-se após uma tragédia.

Hoje são eles que precisam, amanhã poderemos ser nós!…

 

Catequistas: Cristina Branco e Conceição Lourenço

in Voz de Lamego, ano 87/39, n.º 4424, 8 de agosto 2017

Um reparo: ajudas

O incêndio que vitimou mais de sessenta pessoas e destruiu casas e outros bens de muitas famílias, em Pedrógão Grande, foi há um mês.

Desde a primeira hora se movimentaram indivíduos, grupos e instituições para socorrer os sobreviventes com bens de primeira necessidade. Como habitualmente acontece nestas situações, a partilha foi grande e a generosidade da população devolveu esperança e dignidade às vítimas.

Os apelos sucederam-se e as iniciativas juntaram quantias avultadas que, quando devidamente aplicadas, poderão minimizar as perdas sofridas. Os responsáveis políticos, desde cedo, prometeram ajudas e comprometeram-se a ser céleres na atribuição de verbas e no solucionar das dificuldades. Quantas vezes a diminuição dos procedimentos burocráticos já seria uma grande ajuda! Ler mais…

UM REPARO… Corrigir… sobre os incêndios…

Os portugueses continuam a chorar as vítimas mortais do recente incêndio florestal, ao mesmo tempo que se solidarizam com aqueles que perderam os seus bens. A partilha atenta e oportuna já começou e vai crescer.

A esse propósito, esperemos que o Estado e as instituições bancárias não apliquem as habituais taxas, o que seria duplamente triste e penalizador: privaria as vítimas de mais alguma ajuda e atentaria contra a vontade dos doadores.

A nível eclesial, os nossos bispos optaram por atribuir à Cáritas nacional a coordenação na angariação e distribuição das verbas recolhidas. E convidaram todas as comunidades a doarem, para aquele efeito, os ofertórios das celebrações do próximo dia 2 de julho. É verdade que a Cáritas de Lisboa foi há pouco tempo alvo de notícias menos positivas, mas a Cáritas nacional é independente e tem condições para levar a bom termo o trabalho que lhe foi atribuído. E porque de donativos se trata, ficamos à espera que a mesma Cáritas divulgue, atempada e globalmente, os montantes recebidos e distribuídos. Ler mais…

Inauguração da Loja Social na Obra Kolping de Portugal

A Obra Kolping de Portugal e o seu projeto  “Solidary Ties” inserido no programa de Serviço de Voluntariado Europeu conquistaram mais um objectivo com a inauguração da Loja Social Kolping. Variado material que pode ser adquirido a preços baixos e que contribui para a missão da organização.

“Esta Loja Social é um bem que deve ser acarinhado e bem recebido por esta comunidade de Lamego”. Foi desta forma que o Dr. João Dias, Vice- Presidente da Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade Social e todos os presentes que através de aplausos e sorrisos se referiram e deram as boas vindas,no passado dia 22 de Junho, ao mais recente projeto concretizado pela Obra Kolping de Portugal. Foram várias as personalidades da sociedade que a convite da Direção estiveram presentes na inauguração da Loja Social resultado de um trabalho de quase 3 meses feito pelos dois voluntários Gregos que a instituição acolhe no âmbito do programa de Serviço de Voluntariado Europeu e do projeto “Solidary Ties”. No programa das festividades houve antes da cerimónia e depois de umas palavras por parte do Presidente da Direção da Obra Kolping , um colóquio moderado pelo Pe. João Carlos Morgado, Pró-Vigário Geral da Diocese de Lamego e Praeses Nacional da Obra Kolping, onde se abordaram temas como a Economia Social, cuja exposição ficou a cargo do Dr. João Dias, Vice-Presidente da CNIS. De seguida o Professor Guilherme Bernardo, Presidente da Liga dos Amigos do Hospital de Lamego deu um emotivo testemunho sobre todo o trabalho protagonizado pelos voluntários no Hospital de Lamego que este ano comemoram 25 anos e cuja Liga foi recentemente galardoada com a medalha de mérito municipal pela CM de Lamego. No final da sessão houve a apresentação do projeto de SVE “Solidary Ties” e da Loja Social apresentada pela Coordenadora do Projeto de SVE e membro da Direção OKP, Professora Graciema Gonçalves que se mostrou visivelmente satisfeita com um projeto que classificou como “exigente e que por isso é motivo de grande satisfação saber que ele foi concretizado” e que contou “sempre com o apoio e grande abertura por parte da Direção da Obra Kolping”.

A inauguração propriamente dita da Loja Social contou com a bênção conjunta dos três sacerdotes presentes, Pe. João Carlos, Pe. Valentim e Pe. Diogo que abençoaram, mais um lugar, onde a missão da Obra Kolping irá ajudar quem mais necessita.

A cerimónia terminou com um lanche convívio, oferecido pela Direção da OKP a todos os presentes nos jardins da Sede Nacional, com o sol a iluminar esta iniciativa nobre.

José Eduardo Cação

Estagiário da OKP

in Voz de Lamego, ano 87/33, n.º 4418, 27 de junho 2017

Pedrógão Grande: Cáritas quer devolver as casas às pessoas

Já foram identificadas mais de 20 habitações destruídas e várias fábricas ligadas à indústria da madeira

O presidente da Cáritas Portuguesa disse que a instituição está comprometida com a “urgência de devolver a casa às pessoas” depois da campanha de recolha de roupa, durante esta segunda-feira. “Queremos transparência e rigor, mas nada de burocracia e vamos insistir para que nada obstaculize a urgência de devolver a casa às pessoas”, afirmou Eugénio Fonseca, referindo que há já a identificação de mais de 20 casas destruídas e várias fábricas ligadas á indústria da madeira.

O presidente da Cáritas Portuguesa visitou este domingo as zonas atingidas pelos incêndios, em Pedrógão Grande, com o presidente da Cáritas Diocesana de Coimbra, onde se encontrou membros do governo e com responsáveis autárquicos. Eugénio Fonseca adiantou que a reconstrução das casas ardidas vai envolver as câmaras municipais, nomeadamente na elaboração de projetos e licenciamentos, as seguradoras dos imóveis, caso existam, e a reconstrução é assegurada pela Cáritas Portuguesa com os donativos recolhidos pela campanha ‘Cáritas com Portugal abraça vítimas dos incêndios’.

A conta ‘Cáritas com Portugal abraça vítimas dos incêndios’ tem o número 0001 200000 730 e o IBAN PT50 0035 0001 00200000 730 54, na Caixa Geral de Depósitos.

“Nós faremos tudo em articulação com o governo, nomeadamente o ministério da Administração interna e do Trabalho Solidariedade e Segurança Social e com as câmaras municipais respetivas”, referiu o presidente da Cáritas Portuguesa.

Em 2016, a campanha ‘Cáritas Ajuda as Vítimas dos Incêndios em Portugal’ recolheu 311.856,67, refere a página da internet da Cáritas Portuguesa e foram reconstruídas 2 casas no Sardoal, 4 na Anadia, que vão ser entregues em julho, e 2 em Arouca, a concluir posteriormente, disse Eugénio Fonseca.

A Cáritas Portuguesa fez também um donativo de 200 mil euros para a ajuda de emergência, a Cáritas Diocesana de Coimbra 100 mil e a Cáritas Diocesana de Viana do Castelo 5 mil.

in Voz de Lamego, ano 87/32, n.º 4417, 20 de junho 2017

Conta solidária a favor dos familiares das vítimas de Lamego

Foi recentemente aberta uma conta solidária para angariar verbas que se destinam a ajudar as crianças e as viúvas do trágico acidente na fábrica de pirotecnia “Egas Sequeira” situada na freguesia da Penajóia, em Lamego, da qual resultou o desaparecimento de oito pessoas. Ao longo dos últimos dias, muitos cidadãos anónimos e beneméritos têm manifestado a intenção de ajudar a minorar o sofrimento e a precária situação destas pessoas. Assim, esta conta solidária estará activa até ao próximo dia 31 de agosto, tendo sido aberta ao abrigo da legislação vigente. Os interessados em contribuir devem utilizar os seguintes dados:

Título da Conta: APOIO SOLIDÁRIO FAMÍLIA VÍTIMAS LAMEGO

NIB: 0045 2090 40288314812 17

IBAN: PT50 0045 2090 4028 8314 8121 7

in Voz de Lamego, ano 87/23, n.º 4408, 18 de abril de 2017

Delegação da Cruz Vermelha de Lamego | Recolha de alimentos

No passado dia 1 e 2 de Abril , a Cruz Vermelha em parceria com as lojas Sonae, levou a efeito em todo o país, uma recolha de alimentos, tendo como finalidade a sua doação a famílias carenciadas.

Durante estes dias centenas de voluntários da Cruz Vermelha Portuguesa estiveram em todas as lojas CONTINENTE e BOM DIA em ação de recolha alimentos.

Esta ação nacional foi acompanhada de campanha de comunicação da iniciativa da Sonae e uma grande mobilização da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), tendo como objetivo beneficiar milhares de pessoas carenciadas através das Estruturas Locais participantes.

A Delegação de Lamego da CVP aderiu a esta iniciativa, estando presente nas superfícies comerciais “ CONTINENTE em Lamego e “BOM DIA” em Castro Daire.

Participaram 25 voluntários das freguesias de Almacave/Sé, de Magueija, da Penajoia e ainda, de alunos da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego.

Mais uma vez os portugueses (Lamecenses) mostraram a sua solidariedade e contribuíram com cerca de 1400 quilos de alimentos. Ofereceram produtos como o azeite, óleo, arroz, massa, enlatados diversos, leite, açúcar, sal, bolachas, leite em pó, papas lácteas para bebé, bolachas, chá, café solúvel, barras energéticas, entre outros bens essenciais.

A Delegação de Lamego através da sua loja Social tem vindo a funcionar como complemento da intervenção social do Concelho, visando atenuação dos efeitos nefastos da pobreza e da exclusão Social, através da cooperação entre entidades e cidadãos ativos no desenvolvimento de uma verdadeira cadeia de solidariedade que tem ajudado a diluir alguns dos problemas sociais existentes no Concelho.

Esta é uma iniciativa que irá ajudar a suprimir as necessidades básicas de muitas famílias que procuram apoio junto da Cruz Vermelha Portuguesa, numa altura em que o país enfrenta grandes desafios.

in Voz de Lamego, ano 87/22, n.º 4407, 11 de abril de 2017