Arquivo

Archive for the ‘Notícias’ Category

Bênção das crianças na Paróquia da Sé

No segundo dia de fevereiro, quarenta dias depois do Natal, a Igreja celebra a Apresentação do Senhor. Cumprindo a tradição, José e Maria levam Jesus a Jerusalém para O consagrarem a Deus e oferecem por Ele o sacrifício que a lei estipulava. Tudo se passa no Templo, centro da vida religiosa de Israel, espaço de encontro, de cumprimento de promessas e de revelação divina.

Diante do recém-nascido, Simeão, um senhor já avançado na idade, louva a Deus por ver cumpridas as promessas, exterioriza a sua alegria diante daquele que contempla como “Luz para as nações” e confessa estar pronto para partir ao encontro do Criador, porque os seus olhos já “viram a Salvação”.

A Apresentação do Senhor é a festa da luz, oportunidade para recordar a cada baptizado que, com as suas opções, gestos e palavras pode ser um reflexo dessa Luz. Não para ser o centro ou a referência, mas contribuindo para que todos possam ver e ser vistos com a claridade de Deus.

Celebrando esse acontecimento, a paróquia da Sé convidou todas as famílias a trazerem os seus filhos (crianças que ainda não frequentam a catequese) à Eucaristia dominical das 10H00, do dia 4 de fevereiro, para receberem uma Bênção especial, com o duplo sentido de exprimir a gratidão e louvor a Deus pelo dom dos filhos e, ao mesmo tempo, consagrar-Lhe e oferecer-Lhe os filhos, pedindo a sua bênção sobre eles. Ler mais…

Orada Senhora do Rosário – Memorial do 1.º Centenário das Aparições

MEMORIAL do 1.º CENTENÁRIO das APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA

Um sonho de edificar, em Fornos, Moimenta da Beira, um marco de fé no ano celebrativo do 1.º centenário, não passava de “UMA MARIA, de PEDRA”, ao sol, à chuva, à beira do caminho, entre as maias, no topo de um amontoado de pedras que o descuido deixou, há anos, no fim de um derrube de muros, para alargamento de caminho rural.

O sonho, contado e acarinhado, já não é sonho, é uma realidade, UMA ORADA, num plano elevado por dois muros de suporte, perpendiculares e ao nível da estrada alcatroada e do adro do cemitério local.

Destacamos:

1-“Maria de Pedra” e os 3 Pastorinhos, num bloco milenário, para ali transportado, onde foi esculpido o rosto de Francisco, o Papa, com a inscrição gravada de Peregrino da Paz e da Esperança.

2- Os Santos Francisco e Jacinta, canonizados pelo Papa, em 13 de Maio deste Ano Celebrativo, em Fátima, também num bloco milenar, mais pequeno e com a faixa de 1.º Centenário das Aparições e Nossa Senhora, Fátima, 1917-2017

3- Uma pedra, em forma de coração, achada entre os escombros dos muros derrubados, onde foi esculpida a frase pronunciada por um casal de septuagenários, de Viseu, que por ali passou antes de termos decidido que palavras nele gravaríamos.

4-Um castanheiro frondoso, com 4 ramos, árvore secular que resistiu às feridas causadas pelo corte de partes do seu tronco.

A semelhança com o sonho simples, inicial, apenas Maria, Mãe, de Pedra, à chuva e ao vento a olhar para quem passe e a convidar a acolher.

Hoje, a chuva caiu em abundância e há espelhinhos de água, mas tem havido réstias de sol que dão beleza indescritível àquele espaço!

O Ano do 1.º Centenário das Aparições foi marco na História de Fornos.

Desde a Visita Pastoral de D. António Couto, bispo de Lamego, em 29 de Outubro de 2016, às Autoridades Civis, à colaboração da Autarquia, aos muitos amigos, à celebração da Festa, Bênção e Inauguração, em 8 de Dezembro de 2017 e em 8 de Janeiro de 2018, sobretudo ao trabalho dedicado e atento do seu Pároco P. Diamantino Alvaíde.

A ORADA é um espaço aberto a convidar à visita em família, em grupo ou simplesmente só…

 

Odete Duarte, in Voz de Lamego, ano 88/10, n.º 4447, 6 de fevereiro de 2018

Falecimento do Irmão do Pe. Leontino Alves

O Senhor Deus, Pai de Misericórdia e de Bondade Infinita, chamou à Sua presença o Senhor António Carvalho Alves, irmão do reverendo Pe. Leontino Alves, Pároco de Queimada, São Romão e Tões, no Arciprestado de Armamar – Tarouca.

D. António Couto, Bispo de Lamego, em nome e comunhão com o Presbitério diocesano, manifesta as suas mais sinceras condolências ao Padre Leontino e aos seus familiares e amigos, confiando-os a Deus, na certeza da vida eterna, onde havemos de nos encontrar todos reunidos em Igreja triunfante.

A Missa Exequial será celebrada pelas 16h00, 1 de fevereiro de 2018, na Igreja Matriz de Várzea da Serra.

Que em Deus descanse e que a certeza da ressurreição dos mortos nos incentive a viver cada vez melhor, procurando, pelo compromisso com o bem, treinar-nos para vivermos em comunhão plena com o Senhor.

Almacave Jovem – “As Pressões que enfermam os jovens de hoje”

No passado dia 12 de janeiro de 2018, pelas 21h30, teve lugar no Centro Paroquial de Almacave uma conferência/debate intitulada “Pressão na vida dos Jovens, na escola e no trabalho”, no âmbito da Campanha Nacional que tem vindo a ser promovida pela Juventude Operária Católica e cujo tema deu nome a este debate e que se enquadra no lema do nosso Plano Pastoral. O encontro foi dinamizado por dois jovens orientadores membros da JOC.

Esta reflexão pretende alertar para uma realidade que ainda tende a ser muito menosprezada pela sociedade: a pressão que é exercida sobre os jovens quer em ambiente familiar, estudantil quer profissional. Um outro objetivo é consciencializar que todos nós, Jovens ou menos jovens, temos um papel importante no combate e prevenção deste problema.

Numa primeira fase, os dinamizadores apresentaram-nos o seu método de ação perante este tipo de situações que consiste em três etapas fundamentais: o VER (analisar o problema), o JULGAR e o AGIR (para transformar). De seguida, todos os presentes foram convidados a partilhar uma experiência (pessoal ou não) que retratasse uma situação de pressão ou de sintomas de pressão. Ler mais…

INTERIORIDADE – ENCERRAMENTOS | Editorial Voz de Lamego | 16/01

INTERIORIDADE – ENCERRAMENTOS

Por estes dias foram várias as ocasiões em que se falou dos CTT (Correios), para informar que, em 2018, encerrarão alguns balcões e serão dispensados centenas de funcionários. Também não faltaram vozes de protesto, manifestações junto dos balcões a fechar, apelos aos governantes, testemunhos de quem vai perdendo o pouco que tem.

Recorde-se que o Estado alienou a empresa em 2014 (a concessão pode ser revertida até 2020), por recomendação da “troica”, e que os lucros se têm mantido. Mas se tais decisões são tomadas durante este período, como não será após 2020! Não se perspectivam melhorias.

Desta vez, os 22 encerramentos estão previstos, na sua maioria, para as zonas de Porto e Lisboa. Mas se o critério economicista imperar, é possível que se sigam alguns dos poucos balcões que ainda se mantêm na nossa região.

Mais uma vez, as populações são privadas de um serviço de proximidade, retirando-lhes qualidade de vida e aumentando o desconforto por permanecerem em zonas com pouca densidade populacional. Os que vão ficando têm que ir cada vez mais longe para obterem determinados serviços (saúde, banco, correio, pagamentos, reformas…).

A privatização deste serviço levou a esta situação, já que quem investe quer retirar dividendos do investimento feito. Acontece que, num país com povoamento e rendimentos tão assimétricos, nem sempre o lucro é possível. E é aí que o Estado deve intervir, para garantir igualdade de oportunidades. Se ao privado move o lucro, ao Estado incumbe não deixar ninguém para trás.

As populações do interior, sem expressividade para determinar eleições, maioritariamente idosas e sem capacidade reivindicativa vão-se conformando com estas estranhas medidas, que os afastam, cada vez mais, dos centros de decisão.

Apesar de pequeno, há regiões e populações do nosso país que continuam desconhecidas (esquecidas) por quem é mandatado para governar e servir todos.

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/07, n.º 4444, 16 de janeiro de 2018

Um livro do nosso Diretor: AO RITMO DO TEMPO. Olhar a atualidade

Joaquim Dionísio decidiu-se pela publicação de um livro, pois «a vida de um jornal impresso é curta», diz ele na Abertura. Na verdade, um jornal lê-se e arruma-se quando não se lhe dá outro lugar menos próprio para o seu muito ou pouco valor; o livro lê-se e guarda-se na estante da casa, normalmente em lugar digno num escritório ou mesmo numa sala.

O leitor de VL vai lendo, certamente, em cada semana, o texto que facilmente se descobre como sendo da autoria do seu Director; só que, e acontece a todos, já não se lembrará do que ele nos quis dizer e comunicar; daí o nascer de uma decisão, agora tomada.

Chega até nós como verdadeira prenda de Natal e estamos certos de que muitos dos seus leitores o quererão ter ao seu lado, na mesa de trabalho e em lugar de fácil acesso, para uma leitura mais repousada e melhor aproveitamento de uma palavra, que se define como um olhar a atualidade, seguindo o ritmo do tempo.

Não querendo fazer trocadilhos com as palavras do título, lembro um professor estrangeiro que dizia que o título de um livro devia ser sempre apelativo; aqui, o apelo está feito pela realidade do jornal, onde o Diretor segue o ritmo do tempo para estar em sintonia com os seus leitores.

Ao começar pela história do automobilista que segue em contramão, mas não se importa com os que lhe buzinam, pois se crê fazer a viagem pela pista certa, diz que «às vezes, nos comportamos como este condutor incauto»,e aí encontra o motivo para as duas primeiras páginas, onde nos diz que o Advento nos coloca no rumo certo, enquanto «tempo de espera atenta e activa…, na certeza de que a vida está sempre adiante».

A partir daí, cabe ao leitor descobrir o rumo a tomar numa vida que não se quer ao acaso, mas segura, porque se segue na via certa que nos leva onde queremos chegar.

Podemos orientar-nos na caminhada pelo «ritmo» indicado no título do livro. Aceite, amigo, a leitura deste livro, pelo qual damos os parabéns a Joaquim Dionísio, o Diretor de VL, que entra no rumo e no ritmo de quem quer ser útil aos seus leitores. Começar é difícil; continuar é mais fácil e isso vai acontecer, certamente; o saber e a força de vontade que norteiam  Joaquim Dionísio em ajudar os outros , num tempo em que as dúvidas aparecem de todos os lados, é garantia de que estamos em presença  de um autor que não deixará os seus trabalhos em favor e ao serviço da comunidade onde estamos inseridos.

Por isso e mais uma vez, os parabéns ao autor.

P.e Armando Ribeiro, in Voz de Lamego, ano 88/06, n.º 4443, 9 de janeiro de 2018

Livro do Pe. Fabrício: Pastoral do Encontro e nova Evangelização

Análise da Paróquia de Penajóia

Vivemos num tempo marcado pela pobreza relacional onde o anonimato, a solidão, a individualidade e a incomunicabilidade se fazem sentir.

No trabalho (livro) apresentado pelo bispo da nossa Diocese, D. António Couto), no passado dia 16 de dezembro, tive como objetivo, abordar a Nova Evangelização como a capacidade de ir ao encontro de todos, dos homens e das mulheres do nosso tempo, para dar continuidade ao anúncio de Jesus Cristo.

Para tal tive a preocupação de analisar alguns conceitos que deveremos ter em conta, nomeadamente, o conceito de Ação Pastoral, de Evangelização e de Encontro. Conceitos estes que, de algum modo, são para nós desafios, os quais, nos foram propostos pelo Concílio Vaticano II e que nunca chegarão ao seu termo, pois são estímulos que devem estar sempre em constante desenvolvimento e atualização, em permanente aggiornamento como tão, belamente, caracterizava Sua Santidade João XXIII.

A Ação Pastoral e, neste caso, a Pastoral do Encontro é a ação de quem tem de guiar, de abrir caminhos, de orientar, de velar, de cuidar, de acolher e de preservar o homem e o mundo como nos diz o Papa Francisco na sua última Carta Encíclica Laudato Si.

Num último momento do trabalho apresento algo mais concreto de uma realidade particular que é a Análise à realidade da Paróquia de Santíssimo Salvador de Penajóia, no desejo de dar a conhecer os seus vários dinamismos, os seus vários vetores de ação pastoral no que diz respeito à prática da Pastoral do Encontro à Nova Evangelização.

É necessária uma grande atitude de humildade e de abertura à renovação da Igreja, sem medos nem preconceitos, é urgente uma transformação do coração do Homem para que este possa, aberta e alegremente aderir a novas renovações que o futuro possa proporcionar.

O Encontro de ontem não é o mesmo de hoje, nem será o mesmo de amanhã. O Encontro deve acompanhar sinais dos tempos, de modo a que prolifere as ações necessárias à Nova Evangelização.

O meu contributo neste trabalho é apenas abrir horizontes de reflexão e ajudar a entender o modo como devemos estar sempre atentos às realidades que nos circundam, de tal forma que sejamos capazes de conseguir fazer chegar a todos os corações a verdadeira Palavra da Salvação que, pela Fé acreditamos ser o próprio Jesus Cristo Encarnado para todos e por cada um de nós.

 

O Autor do Livro: Pe. Fabrício Pinheiro,

in Voz de Lamego, ano 88/06, n.º 4443, 9 de janeiro de 2018