Arquivo

Archive for the ‘Museu Diocesano de Lamego’ Category

Exposição no Museu Diocesano: Romarias AQUI no Coração da Vida

IMG_1404

No passado dia 25 o Museu Diocesano inaugurou a exposição “Romarias AQUI no Coração da Vida” da autoria da artista Ana Teixeira, natural de Lamego, filha do falecido Professor Teixeira, ilustre lamecense, a quem a filha quis homenagear pelo seu testemunho de fé, como regista na dedicatória que abre o catálogo da exposição.

O evento teve a parceria do Museu Diocesano, da Câmara Municipal de Lamego e do Núcleo do Porto da Associação de Antigos Estudantes de Lamego. Pelas 11h30 o Teatro Ribeiro Conceição acolheu os participantes para uma sessão solene onde usou da palavra o Dr. José Manuel Pinheiro da Mota, em nome da associação dos antigos estudantes, para dar as boas vindas aos presentes e saudar a Mesa de Honra composta pelo Sr. D. Jacinto Botelho, Bispo Emérito de Lamego, a Srª Vereadora da Cultura, Drª Andrea Santiago, o director do Museu Diocesano e o Doutor Agostinho Ribeiro, director do Museu Grão Vasco que proferiu uma brilhante palestra sobre “ O Sagrado e o profano no património edificado e artístico de Lamego.” Encerrou a sessão o Sr. D. Jacinto para homenagear o Professor Teixeira, relatando episódios da relação pessoal que manteve com o homenageado, que conheceu desde este presidiu ao júri do seu exame da antiga “Quarta Classe”.

De seguida, no Museu Diocesano, procedeu-se à inauguração da exposição, onde depois das palavras de acolhimento do director, Ana Teixeira apresentou as peças, expôs as motivações da temática, da escolha do local, da fé que recebeu do seu pai e das recordações da infância associadas à romaria de Nossa senhora dos Remédios. Agradeceu aos autores dos textos do catálogo, fazendo uma referência especial às homilias do Sr. D. António Couto na Festa de Nossa Senhora dos Remédios.

A mostra apresenta fotomontagens das romarias do Senhor da Boa Morte; de Nossa Senhora de Alcamé; de Nossa Senhora do Almurtão; de Nossa Senhora da Atalaia; de Nossa Senhora da Boa Viagem; da Romaria a Cavalo e, com particular destaque, de Nossa Senhora dos Remédios.

Neste ano jubilar em que as peregrinações e as romarias encontram um significado particular, foi gratificante acolher, no dia seguinte, um conjunto de 80 peregrinos da paróquia de São Tiago de Sande, conduzidos pelo seu Pároco que vindos a pé em romagem à Porta Santa da Catedral, visitaram as exposições do Museu Diocesano como preparação próxima para a entrada na porta jubilar. A mostra está patente ao público até ao dia 11 de Setembro, todos são bem-vindos e acolhidos com alegria como peregrinos que somos, aqui, no coração da vida.

Director do Museu Diocesano de Lamego,

in Voz de Lamego, ano 86/33, n.º 4369, 28 de junho de 2016

Museu Diocesano: a MEMÓRIA DOS DIAS

IMG_0748

No fim-de-semana passado, o Museu Diocesano, acolheu mais uma exposição de pintura, desta vez do pintor António de Matos Ferreira, residente na Lousã. “ Voltar a olhar os quadros de deMatos é como regressar à infância que não foi nossa, ou ao lugar onde a utopia se desmoronou.(…) A sua escola, ganhou-a insistindo, repetindo, alterando, destruindo, reconstruindotrabalho solitário, onde aprendeu a conviver dentro de si, com a arte.” – Carlos Carranca, catálogo da exposição.

Depois de ter passado pela mesma sala deste Museu, a exposição de fotografia Mutações (I) do autor Fausto Marsol, este ao apreciar muito o espaço, foi o elo de ligação entre deMatos e o Museu Diocesano, sendo ele a propor ao pintor a vinda a Lamego para expor algumas das suas obras. DeMatos sem hesitação e com confiança aceitou este desafio.

Foi esta a origem desta exposição “A Memória dos Dias”, título sugerido pelo pintor deMatos explicando que existem quadros pintados antes e depois de problemas de saúde graves que o afectaram de tal forma que ele quis fazer “memória”.

Pela primeira vez desde a sua inauguração, este Museu tem patente uma exposição que teve uma pré-inauguração e uma inauguração oficial e poder-se-á afirmar que foi um sucesso.

A pré-inauguração foi no dia 6, sexta-feira, integrada nas “Tertúlias Gastronómicas – conversas ao redor da mesa”, organizadas pela Confraria Gastronómica de Lamego, pelas 18horas, onde os convidados e participantes puderam disfrutar dos belíssimos quadros expostos. Pelas 20horas seguiu-se um jantar onde o convívio e a fraternidade se fez sentir entre os participantes e confrades de várias confrarias. Enquadrado com as “conversas ao redor da mesa” e como não só de alimentos se sustenta o corpo, Fausto Marsol com o seu saber de escrita e culinária deixou os presentes presos às suas palavras, seguindo-se deMatos, fazendo também uma ligação entre a pintura e a gastronomia.

Já no dia seguinte, sábado dia sete, foi então inaugurada a exposição com abertura ao público em geral. Esteve presente nesta inauguração o Sr. José Redondo, administrador da empresa do Licor Beirão, que patrocinou o catalogo da exposição, onde antes de se subir à sala da exposição, utilizou o auditório do Museu e numa pequena palestra acerca do “Licor de Portugal” criou água na boca para saborear aquele delicioso licor, que foi servido, aquando da tão aguardada abertura.

Esta exposição estará patente ao público no Museu Diocesano até ao dia 7 de junho, juntamente com as exposições “Iconóstase” e “Oração e Misericórdia”.

Aguardamos a sua visita.

Wilson Teixeira, in Voz de Lamego, ano 86/23, n.º 4362, 10 de maio de 2016

MEMÓRIAS DE TIMOR EM LAMEGO | Exposição

Museu diocesano-exposição1

Até 31 de maio…

O Museu de Lamego e o Museu Diocesano de Lamego inauguraram este sábado, 2 de maio, mais uma exposição ao abrigo do projeto [EM]COMUM. “Memórias de Timor em Lamego” constitui uma oportunidade de viajar pelo artesanato tradicional timorense e por um conjunto de peças habitualmente conservadas nas reservas do Museu de Lamego.

Durante a cerimónia de inauguração, que contou com a presença do coordenador da exposição e técnico do Museu de Lamego, José Pessoa, do Diretor do Arquivo-Museu Diocesano, Pe. João Carlos Morgado e de Artur Pombinho, da Associação dos Amigos do Povo de Timor Lorosae de Lamego, foi unanimemente recordado o lamecense Mário Lemos Pires, General e último governador português de Timor Leste, a quem se deve, em última instância, esta exposição, pela doação ao Museu de Lamego de uma réplica miniatural em filigrana de prata da casa tradicional de Lospalos pela sua viúva em 2012.

Desde então, anualmente, o Museu de Lamego assume o compromisso de expor esta peça por ocasião do aniversário da independência de Timor.

Em 2015, juntam-se à Casa de Lospalos doações mais antigas, estas feitas por “um homem deslumbrado pela beleza oriental”, o Comandante Humberto Leitão, como destacaram os presentes. Mais uma vez, os agradecimentos também se direcionaram para a família Mascaranhas Gaivão que voltou a abrir as portas da sua coleção particular e a partilhar com o público as suas próprias memórias.

Todos os contributos reunidos dão origem a “Memórias de Timor em Lamego”, patente até dia 31 de maio, no Museu Diocesano de Lamego.

in Voz de Lamego, n.º 4312, ano 85/25, de 5 de maio de 2015

ENCONTRO DE COROS

coros-todos

“Quem bem canta, duas vezes reza” (Stº. Agostinho)

ENCONTRO DE COROS

Decorreu, no dia 31 de Março de 2015, na Catedral de Lamego, em plena Semana Santa, um Encontro de Coros Litúrgicos, organizado pelo Departamento Diocesano de Música Sacra.00

Participaram neste encontro quatro Coros:

– Grupo Coral da Paróquia de S. Pedro de Castro Daire;

– Grupo Coral da Paróquia de Santíssimo Salvador de Resende;

– Grupo Coral da Universidade Sénior Jerónimo Cardoso-Lamego;

– Coro da Catedral de Lamego.

O acolhimento aos participantes aconteceu no Museu Diocesano, com uma palavra de boas vindas proferida pelo Pe. João Carlos, Pró Vigário Geral.

De seguida todos se dirigiram para a Sé, que estava repleta de gente, para escutar as vozes daqueles que louvam a Deus cantando.

O responsável do Departamento Diocesano de Música Sacra, Pe. Marcos Alvim, na palavra de abertura, falou da importância do canto litúrgico e agradeceu a presença de todos.

Cada coro cantou quatro cânticos de natureza litúrgica.

A palavra final foi dirigida pelo Pe. Joaquim Dias Rebelo, Vigário Geral, que se congratulou com a iniciativa, felicitando organizadores e participantes.

No final, todos os elementos cantaram um cântico em conjunto, cuja partitura fora previamente enviada aos diretores de coro para os devidos ensaios.

O objetivo destes encontros é aumentar a partilha e a aproximação entre pessoas que professam a mesma fé e aumentar competências na transmissão da Palavra de Deus pela música e pelo canto.

in Voz de Lamego, n.º 4308, ano 85/21, de 7 de abril de 2015

Início das VISITAS PASTORAIS no Arciprestado de Lamego

Arciprestado-Lamego1

No dia 25 de Janeiro, pelas 16 horas, ocorreu mais um evento de preparação das Visitas Pastorais às paróquias do Arciprestado de Lamego. Reuniram-se os membros dos Conselhos Pastorais Paroquiais e do Conselho Pastoral Arciprestal, no anfiteatro do Museu Diocesano, para participarem numa conferência de D. António Couto, Bispo de Lamego sobre “Visitas Pastorais”. O Arcipreste de Lamego, Pe. Joaquim Assunção, começou por saudar os presentes, cerca de oito dezenas de membros destes Conselhos, com uma palavra de introdução alusiva à natureza e finalidade desta actividade arciprestal, a decorrer entre Fevereiro e Julho de 2015.

Arciprestado-Lamego2

A visita pastoral é uma das formas, corroborada pela experiência de séculos, com a qual o Bispo mantém contactos pessoais com o povo de Deus, reavivando as energias das comunidades cristãs e dos intervenientes na missão da Igreja, encorajando e chamando todos os fiéis à renovação da fé e da vida cristã bem como a uma actividade apostólica eficaz e de acordo com as exigências atuais”.

Em seguida, o sr. Bispo, proferiu uma bela e rica alocução, citando o Diretório para o Ministério Pastoral dos Bispos, e diversas passagens bíblicas do Novo Testamento, para explicitar o sentido da palavra “visita”. “A Visita Pastoral é um acontecimento de graça que, de algum modo, reflete aquela tão especial visita com a qual o Supremo Pastor (1 Pedro 5,4) Jesus Cristo, visitou e redimiu o seu povo (Lucas 1, 68) (n.º220)”.

Fez notar ainda que a palavra “bispo”, no texto grego, desenha um olhar de cima para baixo, mas que não é um olhar de superioridade mas antes “um olhar maternal e paternal, um olhar de graça”. Nesta ordem de ideias, mais adiante afirmou: “Pondo as coisas neste grau de beleza e de exigência, a mim com vosso bispo, compete-me através da visita pastoral, ser no meio de vós a transparência pura de Jesus Cristo, e encher de mais amor e alegria a família de Deus espalhada pelas 24 Paróquias deste Arciprestado de Lamego”.

Com a sala do museu diocesano a transbordar, e perante uma assembleia recheada de muitos fiéis leigos, a representar as suas Paróquias, dirigiu-se-lhes de modo particular nestes termos: “Quero que esta Visita pastoral sirva também para vos dizer que vós sois protagonistas da Evangelização, e que a vossa missão de evangelizadores é necessária e fundamental para a renovação do tecido reticular da nossa Diocese de Lamego, toda unida e reunida à volta de Jesus Cristo”.

Terminada a Conferência, os participantes dirigiram-se ao Centro Social e Paroquial da Sé, para um frugal lanche/convívio. Terminou a jornada com a Eucaristia na Sé Catedral, presidida por D. António Couto e concelebrada pelos sacerdotes do Arciprestado, que contou com a numerosa participação destes membros dos Conselhos de Pastoral, a assinalar, deste modo, o início oficial das Visitas Pastorais no Arciprestado de Lamego.

Pe. Joaquim Assunção Ferreira, Arcipreste

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4298, ano 85/11, de 20 de janeiro de 2015

Exposição – CANCRO DA MAMA | Museu Diocesano | 19 a 24 de outubro

exposição

Decorreu de 19 a 24 de Outubro, no Museu Diocesano de Lamego, uma exposição fotográfica de onze mulheres, que surpreendidas pela temível doença, testemunham a sua história alicerçada na esperança, na coragem e na vontade de a superar.

Na sessão de abertura, às 21 horas de 18 de Outubro, estiveram presentes os seus mentores, Adelaide Sousa e Tracy Richardson, assim como uma das “Guerreiras”, natural de Lamego e que superou com sucesso esse inimigo silencioso. As entidades religiosas, civis e militares, estiveram também representadas.

Decorrida a primeira meia hora, em que as cerca de oitenta pessoas iam passando os olhos por cada uma das onze fotografias expostas e respectivos testemunhos, uma voz lírica, maravilhosa, silenciou o salão. Aos poucos, foi surgindo da sala contígua, em suas vestes medievais e encantando com seu canto, Filipa Taipina, que nos brindou com algumas melodias acompanhadas pela harpa que ela mesmo tangia.

Projectou-se de seguida, um pequeno documentário sobre estas mulheres “Guerreiras”, destacando-se em cada uma o sentimento e a atitude que as caracteriza. Anunciou-se em primeira mão, a publicação do livro “Mulheres Guerreiras – Histórias de Esperança, Coragem e Superação” de Adelaide Sousa e Tracy Richardson, para o dia 23 de Outubro.

Finda a apresentação, Adelaide Sousa tomou a palavra e mobilizou a atenção de todos os presentes, falando sem tabus sobre o cancro da mama que não escolhe idade nem sexo. Seu marido, Tracy Richardson, no uso da palavra, em Inglês, congratulou-se com a presença de muitos homens na sala, pois o cancro da mama não é exclusivo das mulheres, também vitima homens, embora em menor número.

A Lamecense Dra. Teresa Nunes, deu o seu testemunho e apelou aos presentes para a importância de uma permanente vigilância, pois quando menos se espera, somos surpreendidos, e o sucesso da cura tem a ver com a precocidade da detecção e tratamento.

Foi um acto essencialmente pedagógico, pois para além da mensagem de cada fotografia, os mentores e organizadores sensibilizaram os presentes para esta temática.

O senhor Presidente da Liga dos Amigos do Hospital de Lamego proferiu também algumas palavras de agradecimento a quantos se empenharam na concretização desta acção cívica.

Seguiu-se um “Porto de Honra” servido no átrio de entrada do Museu Diocesano que gentilmente cedeu as suas instalações para a realização deste evento.

A direcção da LAHL agradece reconhecidamente aos mentores e colaboradores que proporcionaram a realização desta actividade.

A Direcção, in VOZ DE LAMEGO, 28 de outubro de 2014, n.º 4286, ano 84/48

Museu Diocesano – exposição “Viagem ao Oriento no séc. XIX”

ImagemImagem

O Museu Diocesano de Lamego inaugurou mais uma oportuna exposição, no dia 8 de junho, sob o tema “Viagem ao Oriente no Século XIX” e que estará disponível até ao dia 14 de setembro do corrente ano de 2014.

Na apresentação da Exposição, enquadra-se a sua relevância:

“Um excecional núcleo de fotografias do século XIX promete transportar os visitantes para um novo mundo a partir do próximo dia 8 de junho. “Viagem ao Oriente no séc. XIX” está a chegar e com ela toda a magia da fotografia, num tempo em que a Europa se fascinava com as imagens deste novo meio, que possibilitava um novo conhecimento do planeta e das múltiplas culturas distantes.

Do Cairo a Jacarta, do Egito das pirâmides e do deserto aos príncipes de Java, passando através do Canal do Suez, Port Said, o Mar Vermelho, o Oceano Índico, a Índia e as colónias portuguesas, Bombaim e Ceilão, Timor, Java e as Índias Holandesas, esta é uma viagem pelo Oriente, entre 1880 e 1895, no auge da descoberta e do fascínio da Europa pelo Oriente.

Paisagens, ambientes urbanos, arquiteturas, grandes obras de engenharia, o passado, o presente e a construção do futuro desfilam de fotografia em fotografia, que constituem também o rasto das pegadas portuguesas pelo Mundo.

Esta exposição é assim o mote para uma viagem no tempo e no espaço, através da fotografia, janela aberta para a memória”.

Ler mais…