Arquivo

Archive for the ‘Mulheres na Igreja’ Category

Irmã Maria do Carmo – 25 anos de vida religiosa

No passado dia 14 de Outubro, foram comemorados os 25 anos de vida religiosa da nossa querida Irmã Maria do Carmo, enfermeira no Centro Social Filhas de São Camilo durante 10 anos da sua vida. Partiu para missão em Fátima há 2 anos atrás para o centro de enfermagem do Santuário para prestar apoio aos peregrinos.

Muitas são as memórias desta nossa querida Irmã, amiga de todos, de uma grande sensibilidade  humana e uma excelente profissional de enfermagem. Em todos os momentos de emergência arregaçava as mangas e fazia o possível e o impossível para salvar o utente.

Na celebração eucarística comemoramos os 25 anos da Irmã Maria do Carmo como religiosa e também o dia da Fundadora Madre Vaninni (geralmente celebra-se no dia 16 de Outubro), data muita especial para a congregação. Contamos com o Sr. Padre José Fernando como celebrante, tendo como co-celebrantes nossos utentes e padres Monsenhor Germano Lopes e Padre Domingos Pereira. A missa foi animada pelo grupo coral do Centro Social, agradecendo desde já a colaboração do Sr. José Manuel da Costa como organista.

Muitas foram as histórias contadas pelo Sr. Padre José Fernando acerca das vivências desta nossa Irmã nesta comunidade, agradecendo por levar a cabo uma missão tão grandiosa de cuidar dos doentes e enfermos.

Após a celebração, houve um momento de convívio entre todos os funcionários, utentes e suas famílias, bem como amigos de longa data da Irmã Maria do Carmo. Recebemos as Irmãs Camilianas de Espanha.

Muitos foram os abraços e palavras de carinho manifestadas neste dia tão especial para esta Irmã e para a nossa Congregação.

Agradecemos Irmã Maria do Carmo pela sua vida dedicada à missão, pela sua grande paixão pelos idosos, pelo serviço prestado aos peregrinos que chegam ao Santuário de Fátima todos os dias, pela dedicação à nossa comunidade religiosa.

Pedimos ao Senhor que abençoe sempre esta nossa Irmã e que Nossa Senhora de Fátima a ajude a ser fiel e perseverante na sua vida religiosa consagrada camiliana.

Bem haja a todos que colaboraram nesta festa!

in Voz de Lamego, ano 87/47, n.º 4433, 24 de outubro 2017

DIA DA MULHER

Celebrou-se esta semana mais um Dia da Mulher; dos imensos “dias de tudo” que existem, este ainda merece alguma atenção – não pelos jantares, pela distribuição indiscriminada de flores e bombons ou pelos descontos “especiais” do comércio, mas porque, efetivamente, ainda não há igualdade de oportunidades entre os dois sexos. E é a isto que o importante se resume!

Tendo tido início numa tragédia, penso que poucos se lembrarão hoje em dia como começou o dia 8 de Março a ser associado ás Mulheres.

Na América industrial, nos primórdios do trabalho feminino em áreas consideradas masculinas, um grupo de mulheres tentou manifestar-se pela igualdade de salários e condições de trabalho em relação aos seus colegas homens, recusando-se a abandonar as instalações da fábrica e boicotando o seu funcionamento. Ler mais…

SANTIDADE E SERVIÇO | Editorial Voz de Lamego | 30 de agosto

canonizacao_madre_teresa

O Jornal Diocesano, Voz de Lamego, regressa de férias e em vésperas da canonização de Madre Teresa de Calcutá, o nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, partindo do seu exemplo, para que nos procuremos ser santos. É uma vocação comum a todos, independentemente o estado de vida e/ou das circunstâncias pessoais, familiares, profissionais. Pequena e frágil, mas de uma grandeza humana e cristã inexcedível.

SANTIDADE E SERVIÇO

No próximo domingo, 04 de setembro, em Roma, o Papa presidirá à canonização de Madre Teresa de Calcutá (1910 – 1997) e a Igreja colocará, diante de todos, a figura frágil e discreta desta mulher, convidando à imitação do seu exemplo de vida e à confiança na sua intercessão junto do Senhor da Vida.

Cerimónias destas são comuns e sempre divulgadas, mas a contemporaneidade desta religiosa de origem albanesa (nasceu na Macedónia) faz a diferença, já que a sua fé, obra, testemunho e ensinamento marcaram a segunda metade do século passado.

Ao contrário de tantos santos que nos são temporalmente distantes, a proximidade da fundadora das Missionárias da Caridade (1950) motiva a uma maior atenção, graças também aos meios que registaram a sua fisionomia, guardaram a sua voz e divulgaram a sua acção.

Servir foi a sua divisa, destacando-se pelo serviço humilde aos “mais pobres entre os pobres”, aos que viviam em ruas esquecidas pelo poder ou em favor de gente socialmente irrelevante.

Teresa de Calcutá é exemplo quando ensina a acolher sem distinção ou quando serve sem esperar honras, mas também o é quando denuncia a falta de amor ao próximo e o egoísmo que impede de nascer ou quando desafia os poderosos a fazer diferente. E não deixa de ser grande quando, na opinião de alguns, tem desabafos que poderão evidenciar alguma dúvida. A Bíblia mostra-nos exemplos de crentes que, sem duvidarem da sua fé e de Deus, não deixaram de questionar-se diante do mistério da vida ou do aparente silêncio de Deus.

A santidade é transversal e pode ser atingida no silêncio orante de um mosteiro, nas ruas sujas de Calcutá existentes noutros países, à volta das panelas de uma cozinha ou num qualquer trabalho honesto.

Afinal, a santidade é fruto do serviço.

in Voz de Lamego, ano 86/40, n.º 4376, 30 de agosto de 2016

ORDENAÇÃO DIACONAL | Editorial Voz de Lamego | 17 de maio

1463061839_041604_1463063686_noticia_normal_recorte1

O destaque de primeira página da edição da Voz de Lamego para esta semana vai para a Semana da Vida, que decorre de 15 a 22 de maio, sob a temática: CUIDAR DA VIDA. A TERRA É A NOSSA CASA, numa ligação próxima sobre a Carta Encíclica de Francisco, Laudato Si’.

Mas outros assuntos se podem encontrar no interior do jornal, além das reflexões-interpelações dos habituais colonistas, ainda a ressonância da Visita Pastoral de D. António Couto à Ponte do Abade, Crisma na Sé de Lamego, 1.ª Comunhão na Paróquia de Almacave, Bênção das Obras de restauro da Igreja de Vale de Figueira, na Zona Pastoral de Tabuaço, 6.º Ano do Seminário e as atividades pastorais pelas quais se prepararam para o sacerdócio.

Um dos temas que o Papa Francisco colocou na agenda da Igreja é a possibilidade de ordenação diaconal das Mulheres. Além da notícia reproduzida, da Agência Ecclesia, o nosso Diretor, Pe, Joaquim Dionísio, lança algumas pistas para o debate-reflexão, enquadrando o diaconado feminino:

ORDENAÇÃO DIACONAL

No âmbito do desejado protagonismo feminino na vida da Igreja, o Papa Francisco aproveitou o recente encontro com religiosas de todo o mundo para anunciar a criação de um grupo de trabalho que reflicta sobre a possível ordenação diaconal das mulheres.

O tema é delicado e complexo, mas o Papa reconheceu ser o momento de colocar a questão e lançar o debate. Tal convite sinodal revela vontade de esclarecer posições e ensinamentos, bem como o querer cultivar da pluralidade na participação eclesial.

A figura do diácono é de instituição apostólica e, progressivamente (até finais do primeiro milénio), destaca-se no conjunto dos ministérios eclesiais. Mas importa referir que, no Novo Testamento, o termo “diakonos” é bastante genérico e usa-se para caracterizar diversos serviços ou ministérios na Igreja, aparecendo como imagem do servidor humilde, de que Cristo é o exemplo. O diácono protagoniza a atitude esperada de todo o Povo de Deus, já que a Igreja não existe senão para servir.

Atualmente, o diácono permanente  é visto como alguém que cumpre certos serviços eclesiais ou está integrado no serviço pastoral. Isto é, pode assumir um serviço mais sectorial e diocesano ou pode integrar-se numa paróquia e ser considerado como “um pastor com competências limitadas”. O seu ministério (serviço) não está ligado à presidência da comunidade, como o dos pastores, nem ao seu fundamento estrutural, mas à própria maneira de ser da Igreja, como um serviço eclesial da caridade fraterna.

O debate será longo e alargado e talvez a grande questão diga respeito à sacramentalidade de tal ordenação: em que medida esta participação ministerial no sacerdócio de Cristo, na sua dimensão de serviço, está ligada ao mesmo sacerdócio, mas na dimensão propriamente sacerdotal? Será que os obstáculos colocados a propósito da ordenação de mulheres ao presbiterado não valerão para o diaconado?

in Voz de Lamego, ano 86/24, n.º 4363, 17 de maio de 2016