Arquivo

Archive for the ‘Escolas de Fé’ Category

Curso Básico de Formação Religiosa – início da caminhada

Tal como previsto, no passado dia 20 de outubro tiveram início os encontros de formação do Curso Básico de Formação Religiosa, organizado pelo Centro de Estudo Fé e Cultura (CEFECULT) da nossa diocese, com sede no Seminário de Lamego.

No total foram recebidas 46 inscrições e cerca de quatro dezenas compareceram para iniciar este percurso com vista ao aprofundamento e à vivência da fé. Oriundos de várias zonas pastorais, de perto e de longe, certamente que a duração (2 anos) pode parecer longa e que os encontros semanais exigirão perseverança, mas acreditamos que valerá a pena.

No primeiro dia, os inscritos foram convidados a chegarem mais cedo e a conviverem à volta de um chá e algo mais, por forma a proporcionar um momento inicial marcado pelo convívio e conhecimento de todos.

As recentes obras no edifício do Seminário, mais concretamente no rés-do-chão, possibilitam melhores condições para a concretização destes encontros, nomeadamente nos espaços e no aquecimento disponibilizados.

Parabéns a quantos se inscreveram e disponibilizaram para caminhar, apesar dos afazeres e das distâncias. E um agradecimento, também, aos Formadores pela forma pronta e preparada se dispuseram a ajudar e a acompanhar.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/48, n.º 4434, 31 de outubro 2017

CEFECULT – Centro de Estudos Fé e Cultura – início das atividades

HOJE, sexta-feira, dia 20 de outubro de 2017, iniciamos um percurso formativo que intitulámos Curso Básico de Formação Religiosa. Decorrerá no Seminário de Lamego, à sexta-feira, entre as 20h30 e as 22h20. Algumas dezenas de inscrições foram recebidas, mas há sempre lugar para mais alguém.

As Paróquias de Arícera e Goujoim prestam homenagem ao seu Pároco

As paróquias de S. Cristóvão de Arícera e de Santa Eulália de Goujoim, do arciprestado de Armamar e Tarouca, uniram-se no domingo, 10 de Setembro, na celebração das bodas de ouro de vida sacerdotal e paroquial do Rev. P. Artur Mergulhão. Associaram-se à homenagem os presidentes, vereadores e membros da Câmara Municipal de Armamar e da Junta da União das Freguesias de Arícera e Goujoim.

Às 12.00h, na igreja paroquial de Arícera, reuniram-se os fiéis das duas comunidades, para a celebração da Eucaristia. Este foi o momento alto de ação de graças a Deus e de gratidão dos paroquianos pela vida do sacerdote e pároco que os vem servindo ao longo de cinquenta anos. Um período de tempo da vida do P. Artur marcado pela presença física, assistência espiritual e proximidade familiar, com um dinamismo pastoral e social, imprimido desde o início da sua missão. A homenagem continuou num almoço de alegre convívio, servido num restaurante da região, com todos os que quiseram associar-se a esta manifestação de apreço.

Na Missa e no almoço, em plena comunhão entre os fiéis das duas comunidades e destes com o seu pároco, houve intervenções que, pela palavra e pelas ofertas, expressaram o reconhecimento agradecido, recordando momentos vividos desde os primeiros tempos de vida paroquial e lembrando os traços humanos e sacerdotais que caracterizam o P. Artur Mergulhão. Ler mais…

Conselho Diocesano de Pastoral – 1 de julho de 2017

No passado sábado, 01 de julho, no Seminário Maior de Lamego, reuniu o Conselho Diocesano de Pastoral, sob a presidência de D. António Couto e com a presença da maioria dos conselheiros.

A agenda de trabalho estava dividida em duas grandes áreas: olhar para o percurso feito para identificar o mais e o menos conseguido; perspectivar algumas linhas de orientação para o próximo ano pastoral.

O encontro, cujo início estava marcado para as 9h30, começou com um tempo de oração, seguido de breve meditação do nosso bispo, a que se seguiu a aprovação da acta da reunião anterior. Depois, cada um dos presentes foi convidado a olhar para o ano prestes a findar e a identificar factos, etapas ou iniciativas que contribuíram para o concretizar do proposto e para o alcançar da meta geral fixada. O balanço identificou o muito conseguido, mas também o menos, sublinhando a importância de continuar no rumo proposto que é o da evangelização. A este propósito, D. António Couto não deixou de apontar para os evangelhos e para o exemplo de tantos, onde se encontram apelos e testemunhos de uma total dedicação ao Senhor que quer tudo e todos e não se contenta com calculismos e apenas alguns pormenores.

Em relação ao próximo ano, dentro das temáticas antes propostas, o tema geral andará à volta da caridade, sendo que ainda se esperam contributos de outros organismos diocesanos. A este propósito, ficou marcado um encontro para responsáveis de departamentos, serviços, movimentos e grupos com vista à elaboração do próximo plano pastoral.

Ainda houve uns minutos para sublinhar a oferta do Curso Básico de Formação Religiosa e outras oportunidades formativas possíveis.

A palavra final foi de D. António que, mais uma vez, agradeceu a presença e o esforço de todos, a quem apelou para continuarem a dar o seu melhor pela causa do Evangelho. O almoço encerrou os trabalhos.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/34, n.º 4419, 4 de julho 2017

CEFÉCULT – proposta de formação e aprofundamento da fé

CENTRO DE ESTUDOS FÉ E CULTURA DA DIOCESE DE LAMEGO

Para começar no próximo ano pastoral, 2017-2018. Abertas as inscrições. Leia – Partilhe – lance o desafio – Convide

CENTENÁRIO DAS APARIÇÕES | ESCOLA DE FÉ

O ainda vivo Papa Bento XVI visitou apostolicamente o nosso país em 2010, passando também pelo Santuário de Fátima, como muitos recordarão. Apesar de ter sido essa a única vez que ali veio como responsável máximo pela Igreja, a verdade é que já peregrinara até este santuário noutras ocasiões. E também é verdade que conhecia bem a “mensagem de Fátima” já que, entre outros textos escritos, foi o autor do comentário teológico ao, assim denominado, “segredo de Fátima”, enquanto desempenhava a missão de Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Eleito Papa para suceder a João Paulo II, em 2005, recebeu os bispos portugueses em 2007, na visita “ad limina”. Foram notícia as suas palavras quando, no encontro final, pediu aos nossos bispos para se empenharem na renovação da pastoral das suas dioceses. Mas, entre o muito que disse, estavam também afirmações que, nas vésperas de comemorarmos o primeiro centenário das aparições, poderíamos recordar:

“Amados Bispos de Portugal, há quatro semanas encontrastes-vos no Santuário de Fátima com o Cardeal Secretário de Estado que lá enviei como meu Legado Especial no encerramento das celebrações pelos 90 anos das Aparições de Nossa Senhora. Apraz-me pensar em Fátima como escola de fé com a Virgem Maria por Mestra; lá ergueu Ela a sua cátedra para ensinar aos pequenos Videntes e depois às multidões as verdades eternas e a arte de orar, crer e amar. Na atitude humilde de alunos que necessitam de aprender a lição, confiem-se diariamente, a Mestra tão insigne e Mãe do Cristo total, todos e cada um de vós e os sacerdotes vossos directos colaboradores na condução do rebanho, os consagrados e consagradas que antecipam o Céu na terra e os fiéis leigos que moldam a terra à imagem do Céu. Sobre todos implorando, pelo valimento de Nossa Senhora de Fátima, a luz e a força do Espírito, concedo-lhes a minha Bênção Apostólica”.

Olhar para Fátima como “escola de fé” e para Maria como mestra é motivador e apresenta-se como oportunidade para caminhar e crescer como crente, indo muito além do mero espaço que se visita, da recordação que se compra, da fotografia que se guarda, da água que se bebe ou das pessoas que ali se encontram. Porque uma “escola” exige disponibilidade para escutar, humildade para aprender, vontade para cumprir, abertura à novidade e disponibilidade para mudar.

As celebrações do centenário, as canonizações anunciadas, a presença do Papa, as multidões esperadas… são factos singulares que ficarão na história humana e sempre serão notícia.

Mas, verdadeiramente, o mais importante será cada um olhar para Fátima com vontade de aprender e contemplar Maria com vontade de avançar.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/24, n.º 4409, 25 de abril de 2017

COMUNICADO: Conselho Diocesano de Presbíteros

Na manhã do passado dia 24 de fevereiro, no Seminário Maior de Lamego, reuniu o Conselho de Presbíteros da nossa Diocese, sob a presidência do nosso Bispo.

Foi-nos pedido para analisar, debater e refletir assuntos que já tinham sido amplamente discutidos no Colégio dos Arcipretes e nas reuniões de Arciprestados e Zonas Arciprestais:

  • ausência de alguns sacerdotes na vida pastoral da Diocese;
  • lançamento do Centro de Estudos Fé e Cultura (CEFÉCULT);
  • como passar de uma pastoral convencional e tradicional para uma Igreja evangelizadora, em “saída”,  que vá ao encontro de todas as criaturas.

Quanto à ausência sistemática de alguns sacerdotes, nos encontros de índole pastoral e de formação,  as razões apresentadas são múltiplas e diversificadas,  desde as pessoais, ao desinteresse, ao puro comodismo, por estarmos absorvidos por outras ocupações e também por um certo clima de impunidade. De qualquer forma pudemos concluir que a razão mais importante prende-se com a falta de identidade sacerdotal. É necessário imprimir um novo vigor e entusiasmo à nossa adesão a Jesus Cristo crucificado  e ressuscitado, porque aqui reside o núcleo fundamental da nossa fé. Daqui brota a seiva que deve percorrer todo o tecido presbiteral. Só desta forma encontraremos o sentido da nossa vida cristã e sacerdotal e do trabalho que desenvolvemos a favor dos nossos irmãos. Pede-se, por isso, a todos os sacerdotes que contribuam, através do encontro, da partilha, da oração e do convívio são e fraterno, para a reaproximação de quem está ou se sinta mais afastado. Ler mais…