Arquivo

Archive for the ‘Entrevistas’ Category

Entrevista com Fábio Cecílio, o nosso campeão mundial de futsal

Reconhecido jogador de futsal, natural de Tabuaço, onde despertou para esta modalidade, mormente fazendo parte da AJAB (Associação Juvenil Abel Botelho), numa equipa que se batia com as melhores formações. Começou por volta dos 14 anos e é há 14 anos que tem vindo a encantar os adeptos deste desporto, despertando o interesse dos maiores clubes portugueses, a começar no Braga, depois o Benfica, onde jogou seis temporadas, e, na nova temporada, novamente no Braga. Ganhou diversos troféus, ao nível do clube, mas também da seleção. Foi campeão europeu e, no passado dia 3 de outubro, campeão do mundo. Portugal bateu a poderosa Argentina, e detentora do título de campeã mundial, por 2-1.

Obrigado, Fábio, por nos cederes um pouco do teu tempo para falares connosco.

VL – Quatro segundos para acabar a final do mundial, entre Portugal e Argentina, quando a bola foi ao poste. Que pensaste nesse momento? Vamos ser os novos campeões do mundo ou isto só acaba quando o árbitro acabar?

FC – O jogo só acaba aos 0 minutos, mas eu estava confiante que ia dar para nós. O sentimento era mesmo que íamos sair daquele jogo como campeões do Mundo.

VL – Quando o árbitro apitou para o final, que sentiste? Quais as emoções? Algum pensamento concreto? Quererias estar em algum lado nesse momento?

FC – Quando começou o campeonato do mundo, claro que sonhava em sair campeão, mas sabia que seria bastante difícil. Chegar à final foi algo inédito, que nunca tinha acontecido e ganhar o último jogo ainda é algo inacreditável. Às vezes ainda não acredito que é verdade.

VL – Como descreverias os momentos que se seguiram? Com a família? Com os adeptos? A chegada a Portugal?

FC – Primeiro festejámos em equipa, depois com os incríveis adeptos que nos acompanharam ao longo de todos os jogos. De seguida, fomos ter com a família que estava presente no pavilhão e aproveitar para festejar… já não os via há um mês. Na verdade, foram dois meses de estágio muito difíceis, mas tudo compensa. A chegada a Portugal foi emocionante. Estar no nosso país, rodeado de portugueses a festejar um título que tanto ambicionámos.

VL – Um momento também importante, pelo seu simbolismo, foi a receção que na segunda-feira tiveste no Palácio de Belém, com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Que reténs deste encontro? Nos cumprimentos pessoais, que é que o Presidente vos diz?

FC – Ir ao Palácio de Belém é sinal de que o nosso trabalho está a ser reconhecido e de que deixámos tantos milhões de portugueses orgulhosos de nós e da nossa modalidade. As palavras do Sr Presidente da República no seu discurso foram muito motivadoras. No abraço que nos deu a cada um de nós, transmitiu que está é estará sempre connosco.

VL – Numa vertente mais honorífica, és Comendador da Ordem de Mérito, comenda atribuída aquando da vitória de Portugal no europeu e, agora, Comendador da Ordem Infante D. Henrique. Que significado atribuís a estas insígnias?

FC – Ter estas insígnias significa que estamos a fazer bem o nosso papel. Estamos a representar bem o nosso país e a dar a conhecer ao mundo inteiro e, principalmente, estamos a honrar Portugal.

VL – Em 2018, Portugal foi campeão europeu de Futsal, modalidade que continua em expansão e a mostrar que os portugueses estão na primeira linha. Diferenças de vencer o europeu e o mundial? Que foi mais fácil ou que vos/te deu mais gozo?

FC – São vitórias diferentes. O Campeonato Europeu de Seleções foi o primeiro. Sonhei muito com isso e sempre achei que iria ser muito difícil de alcançar, mas conseguimos e admito que nos deu muita força para acreditar que o Mundial era possível. O Mundial tem muitas seleções em competição, mais do que o Europeu e, claro, estão sempre as melhores equipas do mundo, o que faz com que tenha um sabor especial.

VL – A seleção portuguesa de futsal, já tinha chegado a um terceiro lugar, mas não a uma final mundial. Em que momento percebeste, e os teus colegas, que a final era possível?

FC – Nós sempre acreditámos que era possível porque tínhamos e temos qualidade para isso. O jogo contra a Espanha foi o jogo que me fez acreditar ainda mais, porque foi um jogo difícil, intenso em que começámos bem, onde nos debatemos bem. Na segunda parte sofremos 2 golos e ainda assim acreditámos até ao último segundo e conseguimos dar a volta. Espanha é uma seleção com muitas conquistas, incluindo 2 campeonatos do mundo e nós conseguimos ganhar esse encontro e passar para as meias finais. Aí, já tinha um sentimento de que estava mais perto de sermos campeões.

VL – Mais difícil o trajeto de apuramento ou a fase final do campeonato do mundo?

FC – Sinceramente, ambos são difíceis. Todos os jogos são para ganhar e todos vão com esse objetivo. Não há margem para falhas em nenhuma ocasião.

VL – E depois do mundial vitorioso, o que se segue, a nível pessoal?

FC – Depois do mundial e de dois meses intensos, o que sabe bem é estar com a família e festejar com eles. Não há muito tempo para aproveitar, pois a vida segue e o clube precisa de nós.

VL – Como é que um jovem de Tabuaço, interior norte, foi parar ao palco do mundo? Achas que os jovens do interior poderão sonhar, no caso do futsal, em ingressar em clubes que militam no primeiro escalão, como Braga, Benfica, Sporting?

FC – Claro que sim! Felizmente a nossa vila tem muitos jogadores com um excelente percurso em que passaram por clubes “grandes” e espero que todos sejam uma inspiração para os jovens do interior. Tudo é possível, basta acreditar e lutar por isso.

VL – Segundo sabemos, o percurso até fazeres um contrato profissional, não foi nada fácil. Queres falar-nos como começou este sonho do futsal, do gosto pela bola até te tornares federado?

FC – É uma história muito longa. Comecei tarde a jogar futsal pela AJAB e, apesar de ser um sonho de miúdo, nunca acreditei que fosse possível. A verdade é que no momento em que planeava emigrar, quando terminei os estudos, surgiram alguns clubes interessados em mim. Fui para o Sporting Clube de Braga/AAUM e tornei-me profissional quando fui para o SL Benfica.

VL – Como conciliavas o futsal, os estudos, e o trabalho no campo?

FC – Não foi nada fácil. Eu levantava-me por volta das 5h da manhã e ia para o campo trabalhar. Depois almoçava e ia para a escola ter aulas. No final do dia, havia treino. Não foi fácil, mas eu precisava de o fazer. Precisava de ter o meu dinheiro, precisava de estudar para ter um futuro e, claro, precisava do futsal.

VL – Como é que te adaptaste à cidade e a Braga, na primeira passagem?

FC – O primeiro ano foi de adaptação. Eu praticamente nunca tinha saído de Tabuaço, muito menos viver fora e sozinho. Foi complicado até porque não tinha carro e, apesar de ser perto de Tabuaço, era muito difícil ir a casa visitar a família.

VL – Depois de dois anos no Braga, o desafio seguinte foi o Benfica, onde jogaste durante seis temporadas. Foi mais fácil a adaptação no Benfica? Maior visibilidade, maior exigência?

FC – O primeiro ano também não foi fácil a adaptação à cidade, não propriamente ao clube, mas à cidade. Calhou ir viver para o centro de Lisboa, na zona da Graça e, por isso, não foi fácil, mas ao longo do ano fui-me adaptando e conhecendo. Acabei por gostar muito. Tanto o Braga/AAUM como o SL Benfica são clubes que querem vencer, tal como eu.

VL – Como viveste o confinamento, devido à pandemia? Como é que a modalidade lidou com esta situação?

FC – No momento em que tudo fechou, não houve muito a fazer. Fomos para casa, ficámos fechados e a modalidade parou nos pavilhões. O treino continuou cada um em sua casa. Tínhamos que nos manter ativos. Claro que não foi fácil. É muito diferente treinar em casa com o espaço que temos, mas depois tudo voltou ao normal, felizmente.

VL – Uma mensagem para os jovens de Tabuaço ou deste interior onde se situa a diocese de Lamego. FC – Costumo batalhar sempre em três palavras: trabalho, dedicação e persistência. Se têm sonhos, seja qual for, nunca desistam. Tudo é possível! Mesmo ser do interior e ganhar um Campeonato da Europa ou do Mundo. É possível!

Categorias:Entrevistas Etiquetas:, ,

Entrevista com Ricardo Pereira: Viver para contar a história

Chama-se #lamegoeuacredito e é um novo projeto de cidadania que a imensa maioria dos lamecenses já conhece e acarinha. Criado em junho de 2019, por Ricardo Pereira, regista para a posteridade as histórias de vida de “admiráveis” homens e mulheres que construíram ao longo das últimas décadas a identidade deste território. “Entre nós, há um conjunto assinalável de pessoas cujo talento e engenho permanece na sombra. Este projeto pretende justamente lançar um pouco de luz sobre elas, criando um registo escrito que ficará para memória futura, através da sua publicação em livro, e que por enquanto já dou a conhecer através das redes sociais e da imprensa local, nomeadamente na “Voz de Lamego”, afirma.

O projeto que Ricardo Pereira se dedica nas horas vagas, e sem qualquer apoio, visa promover e valorizar aquilo que Lamego tem de mais genuíno que são as suas gentes e a caminhada que cada entrevistado percorre até concretizar algo que o distinga dos demais. “Pode ser um artesão, uma doceira, um atleta ou um professor aniversário. Há sempre algo que torna cada uma destas pessoas verdadeiramente única e que acrescenta, à sua maneira, valor e talento a esta terra que possui um potencial enorme”, explica.

Até ao momento, e apesar da exposição pública que o projeto #lamegoeuacredito proporciona, todos os convidados abriram as portas da sua vida e do seu coração para partilharem com o público a sua história pessoal e profissional. “Na verdade, aquilo que desconhecemos é como se não existisse. Por isso, já parti à descoberta de dezenas e dezenas de lamecenses, na cidade e nas freguesias rurais, e nenhum recusou até ao momento o convite para falar comigo. Este facto deixa-me muito orgulhoso e reflete a seriedade com que este projeto é visto na nossa comunidade”, adianta.

Natural de Lamego, Ricardo Pereira, desempenha aos 43 anos de idade os cargos de assessor de imprensa em duas das mais prestigiadas instituições da região: o Município de Lamego e a Santa Casa da Misericórdia de Lamego. O contacto próximo com os centros de decisão locais e o apoio à organização de importantes eventos que marcaram indelevelmente a vida do concelho nos últimos anos contribuiu para o desenvolvimento da sua consciência cívica que veio a culminar com a criação de #lamegoeuacredito.

“No fundo, este projeto de cidadania é uma carta de amor escrita a Lamego. Tenho uma confiança profunda no talento e na generosidade dos lamecenses. Na capacidade desta pequena comunidade em superar os desafios do devir. Seleciono as pessoas para dialogarem comigo sobre a sua vida e o seu trabalho. Algumas escolhas podem parecer óbvias, outras surpreendentes, mas todos têm uma história que, na minha opinião, merece ser partilhada”, sublinha em entrevista ao jornal “Voz de Lamego”.

Ricardo Pereira ama a sua terra, até nas pequenas imperfeições que a tornam verdadeiramente única. Falar de amor-próprio também é isto: acarinhar e valorizar aquilo que de bom nasce e floresce à sua volta. As suas publicações nas redes sociais têm um alcance “enorme”, chegando muitas vezes a mais de 20 mil pessoas, segundo as estatísticas. “Toda esta aceitação e as abordagens muito positivas que me fazem na rua, deixam-me muito feliz. Já tive pessoas, vindas por exemplo de Viana do Castelo ou do Porto, antigos militares no CTOE, que regressaram a Lamego após muitos anos de ausência, arrebatados por algum escrito meu”, recorda.

As histórias que conta não são apenas as de quem já viveu muito. Ricardo Pereira também dá voz aos jovens empreendedores do concelho de Lamego: “Considero isto muito relevante: mostrar o caminho do futuro. Acredito que apenas a criação de riqueza que gera emprego e fixa a nossa população poderá garantir a revitalização social e económica da cidade de Lamego e do Interior do país”. Por esta razão, já promoveu o trabalho de muitos empresários ligados a diversas áreas de atividade, desde a agricultura à arte do restauro, do comércio tradicional aos novos agentes hoteleiros, mostrando uma cidade que se abre ao mundo e recebe os forasteiros de braços abertos.

E o que é que Lamego tem de especial?É a joia do Douro. Possui a capacidade de aglutinar um misto de talento, ideias e recursos culturais, absolutamente críticos para garantir o nosso crescimento e desenvolvimento. Os diálogos que mantenho mostram que a criatividade é o maior recurso endógeno desta comunidade. Além disso, somos o centro histórico da primeira região vinícola demarcada do mundo, berço do mais internacional e reconhecido produto português: o vinho do Porto. Lamego é um orgulho!”, enaltece em entrevista ao jornal “Voz de Lamego”.

Em simultâneo, Ricardo Pereira também já promoveu diversas ações de cidadania ativa. No início da pandemia da COVID-19, o projeto  #lamegoeuacredito doou e distribuiu aos lamecenses mais de 250 máscaras de proteção reutilizáveis, sobretudo a idosos e doentes crónicos. Entregou, por exemplo, equipamentos deste género à Delegação de Lamego da Liga Portuguesa Contra o Cancro e à Cruz Vermelha de Lamego que fizeram chegar as máscaras às pessoas mais necessitadas deste tipo de proteção. “Dinamizei esta ação solidária com o objetivo de proteger a saúde dos lamecenses mais vulneráveis num momento muito difícil para a vida da nossa comunidade. Quero deixar aqui uma palavra de reconhecimento pelo altruísmo e espírito solidário demonstrado pelas nossas voluntárias que dedicaram, durante o primeiro confinamento, o melhor do seu tempo para dar aos outros as ‘armas’ certas para enfrentar esta grave pandemia”, afirma.

Mais tarde, numa iniciativa de contornos distintos, propôs dar um pequeno contributo para apoiar, num momento crítico e de grande instabilidade, os empresários do setor da restauração. Assim, agregou num único local diversa informação sobre o serviço de takeaway e de entregas ao domicílio disponibilizado pelos restaurantes e tasquinhas locais. Aderiram voluntariamente dezoito empresas do setor. “Com a pandemia, a crise que paralisou o setor da restauração pôs em causa a sobrevivência de muitos postos de trabalho e foi sobretudo estes que quisemos ajudar. Conseguimos gerar mais procura, oferecendo às pessoas um roteiro simples sobre a oferta que existe na cidade de Lamego a este nível. O feed back que obtivemos foi muito positivo”, refere Ricardo Pereira.

Já durante a última época de verão, a iniciativa “Memórias de Lamego” nasceu de um desafio lançado pelo projeto de cidadania “#lamegoeuacredito”, junto de vários artistas locais ou que têm ateliê instalado no concelho para ajudar os idosos a reviver, através da arte, experiências guardadas na memória. Numa parceria inédita, cinco pintores ajudaram a resgatar a memória afetiva dos idosos do Lar de Arneirós. As suas pinturas, de diferentes estilos artísticos, ocupam agora um lugar de destaque na nova sala de estar da instituição, o local onde passam a maior parte do tempo. “O objetivo primordial foi criar algo parecido com um baú de memórias que liberte do esquecimento recordações antigas, aumentando, deste modo, o bem-estar destas pessoas em idade avançada. Julgo que este desígnio foi plenamente conseguido. Estamos agora abertos à doação de novas obras”, explica.

Questionado sobre a possibilidade de um dia enveredar por uma participação política ativa, Ricardo Pereira afirma que o “futuro a Deus pertence”, mas acrescenta que neste momento não faz parte dos seus planos. “Como cidadão livre, mantenho, obviamente, intactos os meus direitos cívicos. O meu legado é de um Homem apaixonado pela vida. Gosto do diálogo democrático e de debater com contraditório, mas a minha missão no imediato é continuar a valorizar Lamego e os Lamecenses”, sublinha.

in Voz de Lamego, ano 91/43, n.º 4625, 22 de setembro de 2021

Grande entrevista Voz de Lamego com Manuel Joaquim Porfírio

Lurdes e Manuel Joaquim Porfírio começaram, em 1982, com um pequeno estabelecimento de venda e transformação de carnes. Nessa altura, apenas produziam salpicão, moira, chouriça e presunto, produtos que, ainda hoje, continuam a ser de referência, e os preferidos dos consumidores, fruto da sua consolidada e reconhecida qualidade. Esta notoriedade foi alcançada através da total dedicação, e elevada experiência, em todos estes anos de trabalho

O Voz de Lamego foi até Lalim para conhecer um pouco da história de sucesso dos proprietários e fundadores da Fumeiros Porfírios, Lda., Lurdes e Manuel Porfírio. A entrevista realizada a Manuel Porfírio permiti-nos conhecer a história das suas vidas e que levou ao sucesso que conhecemos hoje.

“Desde cedo que trabalhei com carnes. O meu pai trabalhava na mesma área, ou seja, o bichinho passou para mim também, o que fez com que em 1978, com 18 anos, começasse a trabalhar por conta própria.”

O primeiro talho foi licenciado já a trabalhar por conta própria contando sempre com o apoio da família que, para o empreendedor, é a base de tudo.

“Em 1982 casei-me. Foi esta união que me levou ao sucesso que tenho hoje. A minha esposa ao terceiro dia depois do casamento já fazia fumeiro, ela dedicou-se completamente a este negócio.

Em 1983, comecei a comercializar para o Pão de Açúcar, em Alcântara, no entanto tive de deixar de o fazer porque ainda não havia licenciamento para tal”.

Os proprietários sempre tiveram espírito de trabalho e de inovação o que o faz ter o sucesso que tem hoje.  Ao lado de um grande homem, caminha sempre uma grande mulher, por isso a sua postura resiliente é um dos pilares dos Fumeiros Porfírios.

Com o aumento da procura fez com que a produção feita num pequeno estabelecimento, em Lalim e registado como “casa Rita”, que advém do pai de Manuel Porfírio, Joaquim da Rita, deixasse de satisfazer os pedidos dos clientes. Como resultado, em 1988 a empresa mudou-se para instalações industriais de maior dimensão, em Mondim.

Com esta mudança, que permitiu o aumento da produção, a 6 de janeiro de 1993 surgiu a empresa como a conhecemos hoje, Fumeiros Porfírios, Lda. Este novo espaço tinha como finalidade a produção e comercialização para o Pão de Açúcar.

Em 1995 inauguraram uma nova unidade fabril em Lalim que permitiu o fornecimento de grandes superfícies, onde o Pingo Doce e Makro desempenharam um papel importante.

Conta o empresário em tom de comédia e orgulhoso – “Ofereci salpicões para a inauguração das 20 lojas Pingo Doce e assim começou uma boa relação de negócios”.

“Chegámos a pensar que era demais e perguntava-me do porquê de uma fábrica tão grande”, admite o Sr. Porfírio.

A atitude que trabalha o sucesso continuava e, passados dois anos, a fábrica já era pequena e a produção estava constantemente a esgotar.

A fábrica em questão, “fábrica antiga” como carinhosamente a denomina, no início tinha autorização para transformar 80 porcos por semana e, nesses dois anos, o público já pedia mais do que isso.

O aparecimento da Makro como cliente foi uma vantagem muito grande para o desenvolvimento do negócio.

“Quando a Macro se implementou em Portugal, nós não fomos contactados pela Macro. Foi o Dr. Mário Rui, um elemento da empresa, que me contactou. veio a Lamego, pedindo para eu me reunir com ele. Passado um mês estávamos a fornecer esta empresa como ainda hoje o fazemos”.

Manuel Joaquim conta-nos ainda que a parceria com o Pingo Doce os levou a outros patamares, descrevendo o início deste negócio com o “trampolim” da empresa.

“O início de um sucesso maior foi, em todos os sentidos, o contacto com a rede de supermercados Pingo Doce. A exigência deles obrigou-me a modernizar, ainda que tenha continuado com o produto tradicional. Outras exigências têm a ver com a higiene e segurança alimentar, muito mais prementes. Temos auditorias todos os anos, mais do que uma, se for necessário. As exigências ajudam a melhorar a qualidade, permitindo que os nossos produtos chegassem mais longe.

Se não fosse o Pingo Doce, se não fossem as grandes superfícies, hoje não estaríamos no patamar que estamos. A exigência deles ajudou-nos bastante, permitiu-nos desenvolver a empresa, aumentando a rapidez na entrega do produto e a segurança alimentar”.

Para conseguirem responder a estas novas exigências, procederam, em 2009, ao aumento das instalações.

Apesar de todo o sucesso da Fumeiros Porfírios, Lda, Manuel Joaquim, não esquece a região e os estabelecimentos menores. O mercado tradicional representa agora 70% dos negócios da empresa e são de extrema importância para o sucesso da empresa.

A empresa conta já com três talhos, o primeiro foi em Lalim, a menina dos olhos de Manuel, o segundo em Tarouca e o terceiro em Lamego. O empresário não pára e conta já com um minimercado no mesmo espaço do talho sediado em Lamego e o de Tarouca está para breve, adianta.

Quando questionado sobre uma história que o tenha marcado durante toda esta jornada, Manuel Joaquim partilhou com a Voz de Lamego uma das curiosidades do início da empresa, quando a marca ainda não era reconhecida.

 “No início parei muitas vezes a chorar, sozinho. Eu oferecia os meus produtos para começarem a serem comercializados e ouvi muitas vezes que não o iriam comercializar porque era uma marca que ninguém conhecia e que não iriam lucrar com isso. Hoje, muitos deles são nossos clientes. Passados dez anos, foram eles a contactar-nos e a pedir para comercializar o nosso produto. Mas no início, o que mais me magoou foi ouvir um não através daquelas palavras”. Mas nem todas as lágrimas, nem todas rejeições levaram os empresários a desistir. Lutaram sempre e conseguiram chegar onde ninguém imaginava.

Este não foi o único relato acerca do início difícil. Manuel e Lurdes investiram cinco mil contos (vinte e cinco mil euros) e, passado um ano, garante que deviam o dobro ao banco, mas passados quatro anos já estavam a iniciar as obras do primeiro talho. “Eu perdi aqui cinco mil contos, e eles estão cá. Foi aqui que os perdi e é aqui que os vou encontrar”.

Apesar de todo o sucesso e das dificuldades superadas o proprietário admite ter ainda alguns objetivos e ambições. De todo o material que produz afirma ter um favorito, o presunto e é com essa peça que quer chegar a novas marcas.

A qualidade leva tempo.
Acreditamos no que é bom. No que se fazia antigamente, sem cópias. Apurámos esta arte até aos dias de hoje e levámos até à sua mesa o sabor intenso da charcutaria fumada, perfeita para juntar amigos e família. As nossas carnes são trabalhadas à mão, uma a uma. Para todos e para cada um. São criteriosamente escolhidas e envolvidas em temperos tradicionais para ganharem forma e serem dadas ao tempo. Sem pressas.

O novo projeto já está para ser iniciado, apesar de já ter sofrido inúmeras obras, vão agora dar início a mais uma etapa de obras na “fábrica velha” e, dentro de um ano conta em ter um aumento de mais de 30/40% no fabrico do presunto. Atualmente, os Fumeiros Porfírios produzem cerca de 35 mil presuntos anualmente e a ambição é chegar às 50 mil unidades em 2022.

Além de conhecer bem a palavra sucesso, no mundo empresarial, também conhece a palavra sucesso relativamente ao ambiente familiar, sucesso que afirma ser fulcral para que tudo esteja bem e continue a crescer como empresa.

“Para ser um negócio de sucesso, primeiro tem de haver seriedade, transparência e a vontade trabalhar, esse é o ponto número um para trabalharem connosco, tanto fornecedores como clientes. Esta empresa andou dez ou quinze anos a evoluir muito lentamente. Tenho quatro filhos e eu queria formar os meus quatro filhos porque sabia que seriam uma mais valia para nós. Felizmente isso aconteceu.

Eu e a minha esposa nunca parámos, gastámos muitas horas, muito tempo delicado à família. Todas as semanas havia a rotina de ir levar os filhos ao Porto, Viseu e Coimbra e às sextas-feiras a fazer o mesmo trajeto na recolha.

Sabia que se eles, os meus filhos quisessem, com eles esta empresa teria um arranque mais forte.

Esta fábrica nova que já está a trabalhar a 100% ficou em quase 4 milhões de euros e só nasceu porque os nossos filhos estão cá e são eles que são uma mais valia agora”.

Além do ambiente familiar e de entreajuda que Manuel Joaquim adota no dia-a-dia com os seus colaborados também acaba por ajudar os seus conterrâneos a ter um “ganha-pão”.

O proprietário possui vários hectares com o fim de criar gado, mas devido à imensa procura do mercado, acaba por ter vários fornecedores portugueses e para alguns produtos, fornecedores residentes na terra ou terras vizinhas.

“Claro que o produto não vem logo com o máximo de qualidade. No início acabei por não usar o produto, no entanto, fui aconselhando os criadores, para uma produção de qualidade e em quantidade. Todos eles têm as melhores das intenções e isso é percetível. São uma peça bastante importante para os Fumeiros Porfírios. Havia pessoas que já não criavam gado há muitos anos e agora são meus fornecedores assíduos e tenho o compromisso de lhes comprar o gado todo”.

Mais do que uma grande empresa, estamos a falar de pessoas muito humanas. Cada vez que a empresa cresce, tenta envolver nesse sucesso todos os seus colaboradores.

Ao longo deste percurso, os empresários conseguiram ultrapassar os diferentes obstáculos e, em 2018, inauguraram mais uma nova e moderna fábrica. Esperam assim, chegar a novos horizontes e atingir novos objetivos, quiçá criar novas oportunidades.

A nossa promessa:
a Fumeiros Porfírios tem como visão o respeito pelas origens, o orgulho na tradição transmontana e a promessa de proteger um saber artesanal que está na origem de carnes fumadas com características singulares.

Lurdes e Manuel Joaquim Porfírio começaram, em 1982, com um pequeno estabelecimento de venda e transformação de carnes. Nessa altura, apenas produziam salpicão, moira, chouriça e presunto, produtos que, ainda hoje, continuam a ser de referência, e os preferidos dos consumidores, fruto da sua consolidada e reconhecida qualidade. Esta notoriedade foi alcançada através da total dedicação, e elevada experiência, em todos estes anos de trabalho.

in Voz de Lamego, ano 91/42, n.º 4624, 15 de setembro de 2021

Entrevista com o Pároco de Penude, Pe. Adriano Cardoso

A Voz de Lamego foi até Penude para conhecer o projeto presidido pelo Padre Adriano, como pároco, à frente de uma das paróquias maiores da diocese, de um centro social paroquial que começou a funcionar há 10 anos (27 de julho de 2011), e a criação de uma vacaria. O Padre Adriano Cardoso contou-nos como tudo surgiu e a importância que dá à comunidade; cada passo dado é a pensar na mesma.

O que o levou a seguir a vocação?

O ambiente familiar, a forma como fui educado levou a que seguisse a vocação de padre. Comecei com uma longa etapa em Castro Daire com uma grande equipa, um projeto que me acrescentou muito, mas, ao fim de 25 anos, optei por mudar de paróquia, procurando novos desafios.

Penude era uma terra que tinha uma certa sedução, e recuando a 1996, tinha muita população e bons padres. Um grande padre que a população não esquece é o Sr. Padre Borges, depois disso, de 1978 até 1996, esteve cá o Sr. Padre Germano, um padre mais doce, mais suave. A minha vontade de me mudar para Penude surgiu muito pela ideia que tinha da terra, uma paróquia com fortes raízes religiosas, com uma prática cristã acentuada. Quando aqui cheguei o objetivo era inovar mentalidades, transformar e mexer com a comunidade.

Passados 25 anos, nota-se essa diferença?

Acho que sim, no entanto não consegui alcançar todos os objetivos que queria. A emigração aumentou bastante, os jovens, a maioria do sexo masculino, opta muito por sair do país e, mais recentemente, também os do sexo feminino, diminuindo assim a população residente.

De que modo a pandemia condicionou a paróquia de Penude?

A visão que temos da paróquia não é necessariamente a mesma. A dispensa da missa dominical é um dos exemplos. Com estas dificuldades também conseguimos tirar coisas boas como a notoriedade da fidelidade de muitos. Temos vindo a assistir a grandes mudanças, as paróquias estão totalmente diferentes na relação com a religião e com o padre.

Para lidar com as pessoas temos de respeitar o espaço de cada um, a liberdade, a construção, a opinião e a participação. Embora, hoje, se fale muito da igreja com uma base de construção laical, como esperamos todos, acho que ainda estamos longe porque, de algum modo, as pessoas ainda não falam com o à vontade que deviam nas reuniões para casamentos e batizados.

Tem vindo a notar, de certa forma, um afastamento da comunidade?

Eu acho que não, a aderência é praticamente a mesma, no entanto estes dois anos serviram para manifestar a autenticidade de muita outra gente que vai ultrapassando tudo, não abdicando da prática religiosa.

Uma novidade importante disto tudo é que as pessoas passaram de uma prática religiosa por legalismo, por obrigação, para a prática religiosa brotar como uma necessidade interior.

Há 25 anos, quando chegou a Penude, a prática religiosa passava de geração em geração, os avós passavam aos pais e netos e os pais faziam questão de manter esses costumes no seio familiar. Sentem que isso, hoje, ainda acontece?

Os avós, sem dúvida. Agora, a faixa etária dos pais, é a que mais emigra e dos mais novos, poucos são os que vão ficar cá na terra. O aspeto religioso tem de ter uma fibra interior, há uma volta que tem de se dar.

Estamos a chegar a uma atitude de maior verdade daquilo que somos. A religião já não é tão passada por gerações, vem do interior de cada um.

Temos de acreditar na verdade da igreja e Jesus Cristo. A felicidade das pessoas está, antes de mais nada, no conseguirem ser aquilo que desejam interiormente e não propriamente em ser a capa social e obrigatoriedade, há outro espaço de realização e identificação.

Tem outras ocupações para além da igreja?

Já tive, já fui professor. Procurei sempre ter uma autonomia de vida em relação à comunidade, isto é, ter sempre uma profissão de onde vem a estabilidade do meu viver, do meu presente e também garantir o futuro com a minha reforma. Vivi sempre de uma profissão paralela.

Como surgiu a ideia da vacaria? Que contratempos e vantagens dá à comunidade?

Candidatámo-nos a um programa a nível nacional. Este projeto tinha um valor de um milhão e quinhentos mil euros, mas só nos financiavam seiscentos e cinquenta mil. Para conseguir seguir com o projeto tínhamos de arranjar forma de arrecadar o resto do dinheiro.

Os proprietários destes terrenos, terrenos baldios, tinham acabado de fazer um contrato com as eólicas, contrato de aluguer destes mesmos terrenos em que, durante trinta anos, iriam receber umas rendas que corresponderiam a, mais ou menos, um milhão e duzentos mil euros.

Com isto, eu reuni a comunidade, apresentei a proposta aos donos dos terrenos, apresentei o projeto, ao que, a comunidade votou favoravelmente. Assim nasceu este projeto em prol da comunidade.

O objetivo aqui é também retribuir à comunidade o seu gesto, fazendo com que os baldios de Penude ganhem dinâmica e também dar dinheiro, trabalho, desenvolvimento e também limpeza.

Havia a opção de reflorestação e da criação de gado. A reflorestação iria acrescentar pouco a Penude, ao longo de trinta anos não iria acrescentar nada à comunidade, correndo ainda o risco de os incêndios acabarem com todo o projeto e, no caso de correr bem, quem beneficiaria com isso seria o estado. Aqui o objetivo é o bem-estar da comunidade.

Este gado, é gado arouquês. No passado, em Penude, haviam mil ou mais vacas, cada família tinha três ou quatro. Volto a referir, isto é tudo pela comunidade.

Já gastámos mais de um milhão de euros no projeto, estamos ainda a pagar três ordenados anuais, o que resulta em despesas na ordem dos sessenta mil. Com a alimentação do gado e as restantes contas, resulta numa despesa de cento e vinte anuais e nós, por enquanto não atingimos esse valor em receitas.

Tudo começou com quarenta vacas e todos os machos são vendidos, isto quer dizer que, há um crescimento lento, todos os anos aumentamos o número de vacas em vinte ou trinta. Este ano já temos cento e vinte vacas, daqui a dois anos já teremos, eventualmente, cento e cinquenta. Temos licença parta ter duzentas e três, assim que atingirmos esse número, se ainda for eu a presidir o projeto, vou tentar ir para as quatrocentas.

Tudo isto é um processo, com cento e cinquenta vacas vamos conseguir cobrir os gatos anuais e, depois, com o aumentar do número de gado, vamos fazer deste projeto, um projeto rentável.

in Voz de Lamego, ano 91/38, n.º 4620, 4 de agosto de 2021

Entrevista com o Dr. Miguel Mota, Presidente da ESTGL

Dr. Miguel Mota, presidente da ESTGL, o polo académico de Lamego, conta-nos, um pouco mais sobre o polo universitário. Politécnico, situado bem no centro de Lamego, todos os anos traz novas caras à cidade, caras que, acabam esta fase do seu percurso académico com uma costela lamecense.

No final de mais um ano letivo é hora de analisar o que correu bem e ver o que se pode melhorar, sempre a pensar no melhor para os alunos. Em setembro começa mais um ano, 2021/2022 e o Dr. Miguel Mota conta-nos um pouco de tudo.

1 – Como começou esta caminhada e o que o levou a estar aqui, como presidente da ESTGL?

Foi no ano de 2008 que, como Professor Assistente Convidado, comecei a lecionar unidades curriculares na área de Matemática na ESTGL.

Encarei, à data, essa oportunidade como mais uma experiência profissional que, com toda a sinceridade, pensei ser temporária. A minha paixão pela academia, enquanto estudante, voltou a ser despertada e prendeu-me à ESTGL de corpo e alma, levando-me a fazer o doutoramento em Gestão para prosseguir a carreira de docente do Ensino Superior. Desempenhei, ao longo desta última década, vários cargos na Instituição nomeadamente: Diretor de Curso, Diretor de Departa mento, Coordenador do Empreendedorismo, membro do Conselho Técnico Científico,

Presidente do Conselho Pedagógico e membro do Conselho Académico do IPV. Em outubro de 2019 tomei posse como Presidente da Escola e, já neste ano, como elemento do Conselho Geral do IPV.

2 – Quais as licenciaturas que a ESTGL disponibiliza?

A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego iniciou as suas atividades no ano letivo de 2000/2001 com as licenciaturas de Gestão e Informática e Gestão Turística, Cultural e Patrimonial, sendo a oferta formativa para 2021/2022 assente em três grandes áreas, as tecnologias, a área social e a gestão, compostas por 7 Cursos Técnicos Superiores Profissionais, 6 Licenciaturas e 2 Mestrados. A ESTGL oferece os seguintes CTeSP: Informática Industrial; Intervenção Social e Comunitária; Gestão Comercial e Vendas; Integração de Sistemas e Serviços de Telecomunicações; Assessoria e Comunicação Organizacional; Enoturismo; Tecnologias e Programação de Sistemas de Informação. Oferecemos, também, as seguintes licenciaturas: Gestão e Informática; Gestão Turística, Cultural e Patrimonial; Engenharia Informática e Telecomunicações; Serviço Social –regime diurno; Serviço Social – regime Pós-Laboral; Secretariado de Administração. Atualmente temos dois mestrados disponíveis o de Gestão de Organizações Sociais e de Gestão do Património Cultural e Desenvolvimento Local. A estreita ligação empresarial permite uma adaptação da oferta formativa às necessidades das organizações e dos negócios, da qual resulta uma constante inovação de programas e de metodologias de ensino ativo e de desenvolvimento profissional. Paralelamente à aprendizagem teórica, nas licenciaturas, desenvolvemos as competências transversais necessárias para um primeiro contacto com o mercado de trabalho ou para que os alunos prossigam os seus estudos.

Nos mestrados, preparamos profissionais especializados, por áreas funcionais vitais na Região. A ESTGL conta, este ano letivo, com cerca de 700 alunos provenientes de todo o território nacional e, também, alunos internacionais.

3 – Quais serão os desafios futuros para a ESTGL?

O principal desafio é o de projetar a ESTGL no território, implementando dinâmicas que permitam transmitir à comunidade que a Instituição é de todos e existe para servir as populações. O trabalho que temos desenvolvido pretende afirmar esta escola como uma escola de ensino politécnico de referência da região do Douro, desde Cinfães até Vila Nova de Foz Côa. Pretende-se que todos os concelhos, deste território sintam a ESTGL como a SUA ESCOLA de Ensino Superior. Na atual sociedade do conhecimento e perante um mercado altamente concorrencial e competitivo, a avaliação e classificação dos estabelecimentos de ensino superior é um imperativo a curto prazo, determinado pela capacidade de captação de estudantes, pela qualidade dos seus cursos, pela internacionalização e pela sua produção científica. A internacionalização é, de facto, uma aposta institucional, com a ligação a organizações e a instituições de ensino superior em Salamanca, em Ávila, em Valladolid, em Vigo, etc. Apesar trabalharmos principalmente com Espanha, neste momento, estamos a alargar e a estabelecer novas parcerias com a Bélgica, Polónia, Suíça e Lituânia.

As parcerias internacionais são, sem dúvida, uma exigência a nível académico, mas para nós é fundamental este estabelecimento de parcerias, assim como para os nossos alunos. A ESTGL, relativamente à sua oferta formativa, está a trabalhar, em cooperação com os seus parceiros (públicos e privados), na criação de novas formações em todas as nossas áreas de intervenção.

Na área das tecnologias, analisando o mercado e as necessidades dos nossos parceiros, criamos um novo Mestrado e um CTESP em parceria com a SOFTINSA. Este último vai ter a sua primeira edição já este ano letivo de 2021/2022, sendo uma inovação no que diz respeito às metodologias de ensino e aos apoios aos alunos.

Na área do turismo, a comunidade tem lançado vários desafios à nossa ESTGL que nos têm permitido ajudar a potenciar o desenvolvimento turístico regional através do Nosso Património. Destes de safios destacamos: A Rota das Catedrais (em fase de implementação pela CCDR-n e que inicia em Santiago de Compostela passando por Braga, Porto e a termina na nossa Sé de Lamego), A promoção do Távora-Varosa, O Caminho de Santiago (com duas rotas a passar pelo nosso território) e, por último, destacamos um trabalho, recentemente termina do, a Rota do Românico (cuja apresentação se realizou no dia 12 de julho). As novas for mações nesta área passam por pós-graduações direcionadas para a região do Douro e para o Turismo Gastronómico, sendo esta última um projeto a articular com a Escola de Hotelaria do Douro. A área Social continua a ser uma forte aposta da escola, com a licenciatura em Serviço Social, o CTESP de Intervenção Social e Comunitária, estando a preparar-nos para novas ofertas formativas nas Ciências Sociais e Humanas. Na área da Gestão continuamos a apostar nas formações existentes e a desenvolver novas, nomeadamente, mestrados, licenciaturas cuja lecionação esperamos iniciar no ano letivo 2022-23. Sendo uma região muito assente nos Serviços, será importante criar sinergias neste setor através de formação especializada.

O investimento na Investigação é uma prioridade. O investimento em atividades de Investigação e Desenvolvimento (I&D) torna-se cada vez mais importante e essencial em instituições de ensino superior, assumindo-se como um complemento essencial à for mação, promovendo a criação de novos saberes científicos e tecnológicos, com potencial de transferência para a sociedade em geral. A aposta em projetos desenvolvidos por estudantes e docentes é uma premissa fundamental. Paralelamente à atividade letiva, a ESTGL deseja incrementar a organização de eventos de divulgação da escola, entre outros de carácter científico e pedagógico, destinados aos seus estudantes e à comunidade envolvente. Pretendemos, igualmente, continuar a promover iniciativas de índole cultural e o envolvimento da escola em ações culturais e sociais.

4 – Nesta situação pandémica, certamente surgiram novas dificuldades que obrigaram a inovar ou moldar os métodos de ensino. Como se adaptaram?

Efetivamente a situação pandémica obrigou um esforço suplementar por parte de todos, docentes, não docentes e alunos, a quem não podemos deixar de agradecer. A passagem de um regime presencial para o regime não presencial, numa primeira fase, implicou a necessidade de adaptação a novas metodologias de ensino, com recurso às novas tecnologias que muitos não dominavam (docentes e alunos). No entanto, este esforço foi conseguido, apesar das dificuldades. O retorno gradual às atividades letivas presenciais e os planos de contingência foram muito bem-sucedidos dada a colaboração de toda a comunidade.

5 – O polo universitário de Lamego está um pouco distante da sede do instituto politécnico de Viseu, considera que se sente mais a academia e que o facto de serem menos alunos permite uma maior proximidade com os mesmos?

Efetivamente a Família ESTGL, como é designada, carateriza-se pela proximidade entre estudantes, estudantes e docentes, estudantes e pessoal não docente. Esta situação facilita muito o processo ensino-aprendizagem pois permite ao estudante o acompanhamento contínuo dos conteúdos lecionados com um contacto direto com o território e as necessidades dos parceiros. No entanto, a proximidade com Viseu tem sido uma constante com o crescente empenho numa Instituição colaborativa e envolvente.

6 – Como são as relações com os restantes polos do instituto politécnico de Viseu?

O Instituto Politécnico de Viseu é composto por cinco unidades orgânicas que se complementam e que estão em plena sintonia.

O trabalho atual passa pela criação de sinergias e de ofertas formativas transversais, com um objetivo comum de afirmar o Instituto (Educação, Formação, Transferência do conhecimento) no Território. A relação entre as escolas do instituto é salutar.

7 – Lamego é uma cidade pequena, considera esse fator benéfico para que haja o espírito de entreajuda entre as várias instituições locais?

A ESTGL, ao localizar-se numa cidade interior, de pequena dimensão, efetivamente beneficia com este facto, pois torna-se dinamizadora do desenvolvimento deste território, em estreita colaboração com os atores regionais. Importa não esquecer que a ESTGL está localizada numa Comunidade Intermunicipal, CIM Douro, que conta com cerca de 200.000 habitantes e mui tas empresas e organizações. Todos, em conjunto, desempenham um papel fundamental na região, pelo que a entreajuda é fundamental para Lamego e o Douro se projetarem e afirmarem cada vez mais o seu Património (material e imaterial) no país e no mundo. Sabemos que os territórios de baixa densidade são persistentes e mais resilientes. A ESTGL, faz parte desta rede de persistência.

8 – Há muitos estudantes que deixam a sua terra para estudar em Lamego e uma integração rápida pode ser crucial para o sucesso académico. De que forma a ESTGL facilita a integração dos alunos?

A integração dos estudantes é fundamental para o sucesso académico. Lamego propicia essa situação, nomeadamente o saber receber próprio da região, a proximidade existente, todas as dinâmicas criadas para acolhimento dos novos estudantes, quer pela Associação de Estudantes, quer pelo projeto Mentores em Ação que está em fase de implementação e que ajuda neste processo de inclusão. A integração numa escola de menor dimensão é facilitada pela proximidade entre alunos, discentes e docentes e discentes e funcionários. Há muita familiaridade.

9 – Chegamos agora ao fim de mais um ano letivo, fazendo uma análise do mesmo, com certeza que há mais pontos positivos do que negativos. O que há a melhorar e o que se pode aprender com o ano transato?

A consciência das nossas limitações é algo fundamental para nos superarmos, ano após ano. O ano transato foi mais um ano marcado pela COVID-19, marcado pelo distanciamento físico que nos levou a pensar que a razão da nossa existência são os nossos alunos e que, independentemente das dificuldades é a eles que temos que chegar, são sempre a nossa prioridade. Assim, a afirmação da ESTGL no território nacional e internacional é algo prioritário para nós trabalharmos. Irmos ao encontro das necessidades do território, dos empregadores, … de forma a conseguirmos que os nossos estudantes tenham possibilidade de um futuro promissor é o nosso objetivo principal.

10 – Gostaria de deixar uma mensagem aos estudantes que estão perto de ingressar no ensino superior? Porque deveriam optar por estudar na ESTGL?

Basta dizer que a Família ESTGL está de braços abertos para vos receber. Efetivamente, possuímos uma diversidade de formações, em estreita relação com a região, permitindo um ensino prático de referência e com níveis de empregabilidade superiores a 85%.

Em Lamego os estudantes encontrarão segurança, convívio, uma receção muito pessoal numa cidade histórica inserida numa região ímpar- Douro. Estamos a trabalhar para são de escola de excelência.

Entrevista VL com Filomena Matias

O restaurante A Tasquinha do Matias, é um espaço simples, mas altamente recomendável pela boa comida que apresenta, dos petiscos regionais aos substanciais milhos à lavrador, a marrã à tasquinha e o cozido à portuguesa. Para conhecer A Tasquinha do Matias, tem de conhecer Filomena Matias Pinto, a proprietária.

Filomena Matias Pinto é conhecida pelo amor que tem pela aldeia, carinho das pessoas e, como é obvio, pelos milhos no pote. Milhos no pote, prato esse que já foi premiado no concurso gastronómico “7 maravilhas à mesa” com o 3º lugar.

“Estes milhos fazem com que tenhamos as pessoas que temos.”

“Eu quando vim da suíça, precisava de emprego, já tinha 40 anos, e, por isso, era complicado arranjar emprego. Foi aí que pensei em arriscar na tasquinha que a minha mãe já tinha há algum tempo, tasquinha que, com a viragem do euro, a minha mãe não conseguiu gerir.

De 2000 até 2005 a tasquinha esteve fechada, e não podia ser assim. Esta torre e esta paisagem mereciam ter visibilidade, tinha de arranjar uma forma para que isso acontecesse.”

“Comida normal não ia fazer com que as pessoas fizessem o desvio para visitar esta ponte e torre romana, a torre e ponte de Ucanha.”

Torre e ponte de UCANHA

O monumento mais icónico de Tarouca é a torre e ponte de Ucanha, a mais bela ponte medieval Portuguesa e está classificada como Monumento Nacional desde 1910.Se na idade média muitas pontes com torres fortificadas foram erguidas, quase todas desapareceram, a que esteve associado a existência da sua proibição a partir de 1504, pelo rei dom Manuel I. Em Portugal ainda existem fortificadas, a ponte de Ucanha que está em perfeito estado de conservação.

“No início servia 20 refeições diárias, isto ao fim-de-semana, só ontem servi 302 refeições.

Temos gente de todo o lado, algarve, Alentejo, porto, Guimarães, Braga, Gerês. De abril a outubro foram 72 autocarros, cheios, até à Ucanha, à tasquinha do Matias.

“Fizemos 200 Km para comer os seus milhos e ainda temos a viagem de volta” – são estas palavras que compensam todo o trabalho diário. “

Foram já algumas figuras publicas que tiveram o prazer de conhecer a Sr. Filomena, uma das celebridades foi mesmo o presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

“Ele adorou os milhos e também me adorou a mim” – disse a proprietária da tasquinha do Matias em gargalhadas.

“Ainda me manda cumprimentos pelos jornalistas”.

Qual foi a refeição mais marcante que serviu até hoje?

“Foi uma refeição com a Maria João Abreu e o Fernando Mendes, fizeram questão de atuar, e fazer um pouco de comédia aqui no restaurante. Essa foi, sem dúvida, uma das refeições mais marcantes. Houve mais uma que me tocou muito, um cliente que era cego quis fazer o pedido de casamento à sua namorada aqui, colocámos tudo conforme foi pedido e assim foi, tão gratificante…”

 in Voz de Lamego, ano 91/36, n.º 4618, 21 de julho de 2021

Entrevista com Frederic Cardoso

Frederic Cardoso, clarinetista, obteve vários prémios em concursos nacionais e internacionais e dedica uma parte significante do seu trabalho à música da câmara e à música contemporânea.

Frederic Cardoso, clarinetista, obteve vários prémios em concursos nacionais e internacionais e dedica uma parte significante do seu trabalho à música da câmara e à música contemporânea.

Enquanto solista ou parte integrante de ensembles, estreou cerca de 130 obras em Portugal, Alemanha, Bélgica, Espanha e Holanda, sendo dedicatório de muitas delas. Neste âmbito apresentou-se em festivais como Ciclo Estado da Nação (Casa da Música, Porto), Festival Dias da Música Eletroacústica (Seia), Festival Mixtur (Barcelona, Espanha), e Donaueschingen Music Festival (Donaeuschingen, Alemanha).

A sua discografia inclui discos em áreas tão diversas como a música contemporânea, erudita, improvisada, pop e world music.

Colaborou com a Banda Sinfónica Portuguesa Fundação Orquestra Estúdio e Orquestra Filarmónica das Beiras. Ministrou também cursos de aperfeiçoamento em Portugal Continental e insular, tendo apresentado um fórum sobra a música Portuguesa para clarinete e eletrónica, como professor convidado, no Conservatório Real de Antuérpia (Bélgica).

Natural de Tarouca, Frederic é licenciado e Mestre em Interpretação Artística pela Escola Superior de Música e artes do espetáculo e Mestre em Ensino de Música pela Universidade do Minho. Atualmente encontra-se a finalizar o Doutoramento em Música- Especialidade de Interpretação na Universidade de Évora. O membro efetivo da Banda Sinfónica Transmontana é também professor de Clarinete e Orquestra de Sopros do Conservatório de Música de Paredes.

“Desde que comecei a tocar clarinete nunca tive dúvidas de que aquilo fazia parte de mim”

Frederic Cardoso Começou pela banda juvenil de Gouviães com influência direta do pai, mas não foi o Clarinete o seu primeiro amor, quando ingressou na banda juvenil, o seu instrumento era o solfejo. Só depois de alguns trabalhos e atuações é que foi forçado a escolher entre o saxofone e o clarinete, optando pelo clarinete. O músico diz que a escolha não foi difícil, e que não foi o som dos instrumentos que influenciou a sua escolha, mas sim o aspeto dos mesmos.

“Quando ingressei na academia houve um grande choque de ideias muito por causa do tipo de formação, o professor da academia implementou novos métodos e ideias às quais não estávamos habituados.”

Frederic frequentou a academia de música até 2003, candidatou-se à escola superior de arte de Mirandela posteriormente afirmando que, na altura, era o que mais se enquadrava ao seu trajeto e, a melhor forma de atingir todas as suas metas.

“Enquanto intérprete não preciso só de estudar o instrumento várias horas como também preciso de ter um papel de investigador, preciso de aprofundar o lado mais teórico.

Para uma obra preciso de estudar o contexto sociocultural, o contexto da época para depois conseguir otimizar a minha performance”

“O clarinetista Frederic Cardoso é um verdadeiro motor de um assinalável número de obras de câmara em que o seu instrumento tem parte destacada”

Fernando Lapa- Compositor

“Um clarinetista de grande personalidade e versatilidade”

Ada Gentile- Compositora

in Voz de Lamego, ano 91/34, n.º 4616, 7 de julho de 2021

Entrevista a Mavis Monteiro – Diretora do Colégio de Lamego

O final de junho marca o final de mais um ano letivo na maioria das escolas, depois de mais uma jornada faz-se o balanço do que correu bem, do que correu menos bem e do que se pode melhorar. O Colégio de Lamego não é exceção, apesar dos bons resultados estarem à vista de todos, o Voz de Lamego quis saber mais, e, para isso, nada melhor que entrevistar uma das principais responsáveis de todo o sucesso, a presidente do Colégio, Mavis Monteiro.

1. Há quanto tempo está à frente da instituição? Quais são as principais responsabilidades?

Assumi a presidência da direção do Colégio de Lamego, que partilho com o Dr. António Martins, professor no Colégio há já vários anos, em setembro de 2017.

As nossas principais responsabilidades são as próprias de um estabelecimento escolar, agravadas pela maior exigência de quem confia os seus educandos a uma escola privada e, no nosso caso, por termos alunos e alunas em regime de internato. Quem investe na educação dos seus filhos, confiando-os a uma instituição como o Colégio, exige qualidade e rigor em termos académicos, mas exige igualmente a transmissão e solidificação de valores que constituem a base de uma boa formação humana. Esta é a nossa primeira e principal responsabilidade: formar crianças e jovens capazes de assumir a sua responsabilidade social, individual e coletiva, colocando o seu saber e as suas competências ao serviço do desenvolvimento pessoal e da sociedade em geral. E esta responsabilidade é ainda maior por o Colégio de Lamego ser uma instituição secular de referência nacional. Ajuda-nos o apoio e colaboração dos Ilustres Mestres Beneditinos residentes no Colégio, bem como uma equipa de docentes com excelentes qualidades académicas e humanas.  

2. Como descreveria o ambiente e o ensino da instituição?

O ambiente do Colégio é como o de uma família que se quer e dá bem, com um forte espírito de entreajuda e solidamente unida, apesar de, tal como em qualquer família, haver momentos menos bons e até difíceis. Ter alunos internos potencia ainda mais este ambiente. Estas crianças e jovens são como se fossem nossos filhos. Damos-lhes a atenção, o amor e o carinho de que tanto precisam, tal como repreendemos e dizemos “não” sempre que necessário e eles, tal qual verdadeiros irmãos, apoiam-se mutuamente e zangam-se mais do que é preciso para logo fazer as pazes.

Claro que o facto de sermos uma comunidade de pequena dimensão também contribui para este ambiente familiar. Todos se conhecem e o convívio entre os alunos dos diferentes anos e ciclos não só é possível como é uma realidade, contribuindo para o desenvolvimento de competências sociais que numa escola “grande” não é, de todo, possível. Aliás, a existência de alunos de diferentes nacionalidades permite um convívio natural e saudável com a diferença e a multiculturalidade, tão importantes no mundo global em que vivemos.

O desporto e a vida em contacto com a natureza, que o nosso pavilhão e a quinta do Colégio permitem e que tanto fomentamos, também contribuem para um ambiente unido e saudável.

No que respeita ao ensino, a competência, dedicação e empenho dos professores que compõem o corpo docente do Colégio garante o ensino de qualidade que atualmente nos caracteriza. Claro que a qualidade do ensino não garante, por si só, os bons resultados escolares, mas, reconhecendo as fragilidades que os “rankings” das escolas apresentam, acredito que foi o fator preponderante que permitiu que, no nosso concelho, o Colégio ficasse posicionado em 1.º lugar nos exames nacionais do ano anterior.  

3. São estas instituições que acabam por fazer parte da imagem de uma cidade. O que acrescenta o colégio à cidade de Lamego? E a cidade, em que aspetos beneficia a instituição?

O Colégio de Lamego constitui uma oferta educativa diferente para as crianças e jovens da nossa cidade. É a opção para quem pretende um ensino mais personalizado e individualizado, naturalmente possível pelo número de alunos existente em cada turma e pelos apoios individuais que disponibilizamos; para quem precisa de um estabelecimento de ensino que garanta um horário alargado e em que os alunos estão permanentemente acompanhados; para quem pretenda que os seus filhos cresçam numa escola em que os valores morais, a inclusão e a convivência multicultural são uma realidade e fazem parte da sua formação ou, ainda, para quem simplesmente pretende que os filhos tenham as atividades extracurriculares no estabelecimento de ensino que frequentam. As atividades que o Colégio disponibiliza, já incluídas nas propinas, bem como as que são ministradas por entidades parceiras que vão ao Colégio, permitem que pais e filhos não precisem de se deslocar entre locais, assim minimizando o stress e a sempre difícil compatibilização de horários. 

A partir deste ano letivo, o Colégio oferece ainda dois cursos profissionais até agora inexistentes no concelho e que constituem mais uma opção educativa para os nossos jovens

Ao longo dos seus 162 anos de existência o Colégio de Lamego constituiu e continua a constituir um estabelecimento educativo de referência. Por aqui passaram figuras insignes do panorama nacional, como Aquilino Ribeiro, para falar do passado; Fernando de Almeida, atual Diretor do Instituto Nacional Ricardo Jorge, ou Armando Mansilha, rosto público da rede CUF, para referir o presente. Claro que há milhares de antigos alunos cujos percursos tanto nos orgulham; alguns, atuais docentes do Colégio, que disponibilizaram o seu tempo e a sua competência para ensinar aqueles que, à sua semelhança, escolheram o “velho casarão da Ortigosa” para a sua formação académica, assim contribuindo para “levar” o nome da cidade de Lamego a todo o território nacional e cada vez mais para além-fronteiras.

O espaço e a credibilidade que estamos a conquistar a nível internacional permitem dar a conhecer a nossa cidade e atrair estudantes que, quiçá, a escolham para o seu futuro pessoal e profissional.

Por sua vez, a cidade de Lamego, pela sua beleza natural, história, segurança e simpatia das suas gentes, inspira a uma maior certeza dos pais na decisão de escolher o Colégio para os seus filhos. Também a confiança que os órgãos autárquicos depositam na nossa instituição, concretamente na atual direção, que publicamente assumem e partilham, beneficia o Colégio na medida em que denota a nossa qualidade formativa.

 4. Com certeza que existem alunos que a marcaram de uma ou de outra forma. Há alguma história que queira partilhar?

Sabe que a grande proximidade que existe com todos os alunos, desde o 1.º ao 12.º ano (sei o nome de todos, sem exceção), permite um acumular de histórias dos mais variados géneros e todas elas deixam a sua marca. A porta do meu gabinete está sempre aberta para receber os alunos e eles sabem disso… Desde histórias engraçadíssimas, próprias do “Flagrantes da Vida Real”, até às que partem o coração mais gélido, há tantas histórias dignas de partilha que é difícil escolher uma. Quem sabe um dia as possa compilar e publicar.

Apesar dos meus 54 anos e de três filhos já adultos, as histórias experienciadas com os alunos têm-me proporcionado uma permanente e gratificante aprendizagem pessoal. Já vivi inúmeras alegrias com os alunos, mas também já chorei por alguns e com alguns, tal qual sucede com os nossos filhos, só que, aqui, a responsabilidade pesa ainda mais porque são “nossos” sem o serem.

Contudo, podendo não ser as que nos marcam mais, as histórias que acabam bem são aquelas em que um aluno vem para o Colégio apenas por opção dos pais e passado algum tempo fica por vontade própria, ou quando parte genuinamente agradecido pelo caminho percorrido nesta casa ou com a imensa alegria de ver concretizados os seus objetivos.

5. Como asseguram a comunicação escola-família?

A nossa proximidade com a família permite uma comunicação regular e eficaz, através de qualquer meio de comunicação.

6. Quais os cursos disponibilizados pelo Colégio de Lamego? 

O Colégio disponibiliza, para além do ensino básico, todos os cursos científico-humanísticosciências e tecnologias, línguas e humanidades, ciências socioeconómicas e artes visuais – e vamos iniciar, em 2021/2022, os cursos profissionais de Técnico Administrativo e Vitrinismo, ambos totalmente comparticipados e, como tal, sem qualquer custo para os estudantes que optem por esta via.

Para além destes cursos, o Colégio oferece também um Centro de Estudos, que funciona durante todo o ano letivo e Programas de Atividades para os períodos não letivos, ambos abertos a alunos de outras escolas.

7. Sente que os alunos saem daqui prontos para a vida profissional?

Sem dúvida! Os inúmeros casos de sucesso de antigos alunos falam por si.

O Colégio de Lamego sempre incutiu nos seus alunos os valores do trabalho, do rigor, do esforço e da resiliência e o lema beneditino, “PER ASPERA AD ASTRA”, continua a ser um dos princípios que rege a formação dos atuais alunos. Desde o 1.º ano que começam a perceber que os resultados dependem do trabalho, do empenho e do comportamento.

Fundamental a este processo formativo é a prática desportiva que fomentamos. As regras, o espirito de equipa, o treino, o esforço, o respeito pelos colegas e pelos adversários, o saber lidar com a derrota e a capacidade organizativa a que o desporto obriga, contribui de forma muito positiva para que os alunos adaptem os mesmos valores à sua vida académica e, mais tarde, à sua vida profissional.

Para ajudar a gerir a pressão que, desde cedo, muitos começam a sentir, estamos a iniciar um trabalho de educação emocional, transversal a todos os níveis de escolaridade.

Incutindo valores fundamentais e estimulando a autorregulação emocional, estamos certos de que estamos a criar as raízes necessárias para que os nossos alunos integrem e lidem da melhor forma com a vida profissional que escolherem.  

Há poucos dias, um aluno que vai sair do país dizia-me, na hora em que se despediu, “Obrigado por me terem relembrado e feito reavivar em mim valores que já me tinha esquecido que existiam.” Senti que tínhamos cumprido a nossa missão! Mais alguém a quem tínhamos ajudado a ganhar asas para voar sozinho e para bem longe.   

8. Muitas vezes, passamos mais tempo no local de trabalho do que em casa e, por isso, é importante haver um ambiente familiar com os colegas de profissão. Sente que o ambiente no Colégio é agradável, um ambiente familiar?

O que já referi a propósito do ambiente que se vive no Colégio abrange todos os nossos colaboradores. O espírito de cooperação e entreajuda nota-se nas mais pequenas coisas e há verdadeiras relações de amizade entre alguns. Nem a pandemia travou o companheirismo que sempre se fez sentir!

Estamos de corpo e alma no Colégio, dedicamo-nos a 100% aos nossos alunos e trabalhamos para um objetivo comum: a sua excelente formação académica e humana.

“Juntos somos Colégio!” é a expressão que carateriza e espelha a nossa forma de estar, viver e sentir o Colégio.

9. Quais são as expectativas do Colégio para daqui a dez anos?   

Confiando no trabalho que temos desenvolvido e no seu reconhecimento por parte de toda a comunidade educativa, temos expectativas elevadas. Daqui a dez anos, esperamos, em primeiro lugar, manter connosco os alunos que estão atualmente no 1.º e 2.º anos de escolaridade e aumentar o número total de alunos, mantendo a qualidade de ensino existente. Depois, criar protocolos com algumas universidades, nacionais e estrangeiras, que permitam aos nossos alunos uma escolha mais informada e consciente para a sua vida académica futura; voltar a ter equipas campeãs nacionais de voleibol em vários escalões; ter uma quinta pedagógica em pleno funcionamento e os campos de futebol relvados e repletos de crianças e jovens.  

E acreditamos que é possível! Afinal, “PER ASPERA AD ASTRA”.

in Voz de Lamego, ano 91/34, n.º 4616, 7 de julho de 2021

Entrevista com Miguel Duarte, Diretor da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego

Miguel Duarte disse-nos que quando aceitou o desafio para o cargo de Diretor da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego tinha como principal missão dar continuidade ao grande projeto que já tinha iniciado há mais de 20 anos.

O seu maior desafio é que a Escola tenha um papel determinante no desenvolvimento do território do Douro, ser um centro de inovação e competitividade na área da Gastronomia. O seu maior propósito é ter uma escola com o propósito de Educar e Formar para a Sustentabilidade o destino Douro, promovendo um consumo sustentável dos recursos endógenos da região.

“Estou há dois anos como diretor da escola, têm sido 2 anos atípicos, entrei com um desejo e ambição enormíssima, mas rapidamente vi tudo isso condicionado pela pandemia. Este é um setor de formação que é muito penalizado com a questão da pandemia porque a transição para o online só pode ser feita em algumas vertentes, pois seria impossível juntar a componente prática e o online”.

Apesar de todo o contributo que o diretor e a Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego já deram à região, Miguel Duarte mostra que há vontade para contribuir muito mais, ajudar a resolver problemas da região e valorizá-la.

“Daqui a 10 anos espero ainda estar a trabalhar no setor, se possível, neste território. Com todos os projetos que temos em mãos espero que, num futuro próximo, esses projetos estejam a dar frutos e sejam reconhecidos, não só pelas pessoas que estão envolvidas, mas também para que, quem nos visita, possa desfrutar de um território mais coeso em termos territoriais, mas coeso a nível social e mais sustentável. Uma das minhas metas passa por valorizar esta região, que tem imenso para oferecer”.

Um dos grandes objetivos desta região é que haja um território que trabalhe em rede e, desde que a escola se instalou em Lamego, uma das coisas que tentou promover foi a ligação com o meio, privilegiando bastante a rede de contactos que tem, privilegiando os parceiros.

“O nosso sucesso é também o sucesso dos nossos parceiros. Temos uma ligação muito forte com as câmaras municipais, há uma relação bastante boa com a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego, desenvolvemos também imensos projetos com a universidade de Trás-os-Montes na área da gastronomia e alimentação e ainda com todas as escolas profissionais do interior”.

A Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego conta agora com 270 alunos inscritos, muitos deles oriundos de outras cidades, que acabam por residir em Lamego.

“Muitos dos alunos estão deslocados da residência da família, o que faz com que os docentes tenham a preocupação de dar um acompanhamento mais personalizado aos alunos. Nas residências fazemos muitas sessões de cinema, leitura, teatro e muitas outras atividades. Fazemos isso para que os alunos sintam que têm aqui uma comunidade muito próxima deles”.

Miguel Duarte falou ainda das oportunidades que quer que os alunos da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego tenham. Grande parte das escolas do nosso setor estão situadas no litoral, havendo apenas três escolas no interior, mas isso não preocupa o diretor.

“O facto de sermos das poucas escolas do interior, faz com que pareça que estamos distantes do mundo global, o que não acontece. Hoje em dia nós conseguimos colocar Lamego e o Douro. É por isso que faço questão que os meus alunos participem em concursos e atividades, sei que, se participarem, são os melhores”.

Todo este esforço, para que os seus alunos se mantenham entre os melhores da sua área, tem dado frutos, tendo mesmo alunos a representar o país, fora de portas.

O aluno da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego, Gonçalo Graça, conquistou recentemente o primeiro lugar da categoria de Cozinheiro Aprendiz no concurso Interescolas 2021.

A prova foi organizada pelas escolas do Turismo de Portugal. Gonçalo Graça, que estuda no curso de Gestão e Produção de Cozinha, garantiu a sua participação nos Encontros Europeus da Associação Europeia de Escolas de Hotelaria e Turismo que se vai realizar na Estónia.

O concurso Interescolas teve lugar no início deste mês de junho, contando com a participação de 12 escolas e perto de 100 alunos que competiram durante três dias na Escola de Vila Real de Santo António, no Algarve. Em prova estiveram 12 categorias ligadas às áreas de formação ministradas nas escolas de hotelaria e turismo do país.

O diretor, Dr. Miguel Duarte, está otimista em relação ao próximo ano letivo e apela a todos os que realmente gostam da área de hotelaria e turismo a juntarem-se à equipa da Escola de Hotelaria e Turismo do Douro-Lamego.

As candidaturas à Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego estão abertas, até 20 de julho, através de um processo online e gratuito, disponível em escolas.turismodeportugal.pt, para alunos nacionais e estrangeiros.

Cozinha, Pastelaria, Restauração e Bebidas, Hotelaria/Alojamento são alguns dos cursos disponíveis, com uma forte componente ligada ao desenvolvimento pessoal, às soft skills e à preparação dos jovens para uma ação ambiental e socialmente responsável. No último ano, 93% dos candidatos conseguiu colocação no Curso/Escola da sua primeira opção.

No próximo ano letivo, é também reforçada a aposta na capacitação das empresas e formação dos profissionais em novas áreas emergentes do turismo, como o Turismo Literário, Turismo de Luxo, Turismo de Saúde e Bem-Estar, bem como, no segmento da alimentação saudável, com uma nova oferta em Cozinha e Pastelaria Vegetal.

Perante os desafios dos últimos meses, a Escola de Hotelaria e Turismo do Douro Lamego tem vindo a introduzir mudanças significativas na sua organização e metodologia de formação, adequando-as à mudança digital acelerada que pauta o setor. Em 2021/2022, a Escola irá continuar a apostar no processo de transformação digital que consolidará as soluções de ensino à distância, a produção de suportes pedagógicos digitais e de apoio ao estudo.

Para preparar os profissionais do futuro com competências adequadas às exigências do setor do turismo, que acrescentem valor às empresas, que atuem com responsabilidade, ética e sustentabilidade e que assegurem um serviço de qualidade focado nos clientes e no desenvolvimento de experiências únicas, é essencial rever modelos e conteúdos, utilizar a tecnologia e os recursos digitais, mas também, criar projetos colaborativos com outras escolas e outras entidades e, sobretudo, com as comunidades locais e as empresas.

Neste sentido, a EHTDL procura dinamizar conteúdos nas áreas do digital, da sustentabilidade, da gestão, do marketing e vendas, novos conteúdos cognitivos nas áreas da análise de dados, do pensamento crítico e analítico e nas áreas colaborativas, gestão das emoções, da ética, da comunicação e relação social, da flexibilidade e adaptabilidade, da criatividade e autoaprendizagem.

Têm, igualmente, vindo a adicionar novos suportes tecnológicos e digitais, como softwares colaborativos, plataformas educativas e suportes digitais a processos de aprendizagem autónoma, mas também, criado parceiras colaborativas com outras escolas e universidades, empresas e as comunidades locais, ultrapassando as barreiras físicas da escola e estruturando um novo conceito de escola, enquanto comunidade de aprendizagem.

Paralelamente, têm vindo a ser introduzidas novas metodologias de educação-formação, com projetos piloto de aprendizagem baseada em projetos, de aprendizagem experiencial e de aprendizagem integrada, onde a formação deixa de estar focada na transmissão de conhecimento para estar focada na geração de competências através da resolução de situações concretas, do envolvimento em projetos reais, na resolução de questões identificadas nas empresas e nas comunidades. Através da concretização de experiências reais, os alunos vão desenvolvimento competências efetivas de pensamento analítico, de tomada de decisão, de liderança e de comunicação, adaptando-se e aprendendo a ser flexíveis, relacionais, focados nas soluções, empreendedores e inovadores.

O novo ano letivo 2021/2022 será focado na capacitação das equipas, em que se pretende enriquecer a Bolsa de Formadores com mais talento, em que será feito um reforço das parcerias nacionais e internacionais com outros níveis de ensino, e um maior investimento em novos meios e recursos digitais e tecnológicos para consolidar a área de inovação da escola.

Os grandes desafios da Escola nos próximos anos:

A EHTDouro Lamego pretende ser uma alavanca no desenvolvimento do território do Douro

  • Apoiar o Douro como um Pólo de Inovação e Competitividade.
  • Ajudar a tornar o Douro como um Território Ambientalmente Sustentável e Socialmente Inclusivo.
  • Apoiar o Douro como um Território em Rede, suportado em parcerias institucionais.

Projeto Centro Enogastronómico do Douro

  • Valorizar o património cultural do Douro através da promoção da Gastronomia enquanto marca distintiva da Região.
  • Preservar e promover a autenticidade dos produtos locais na gastronomia através da sua qualificação.
  • Manter viva a tradição de uma gastronomia que foi criada com os produtos da terra respeitando a lógica da sazonalidade.
  • Contribuir para a preservação da memória culinária do Douro.
  • Dar fôlego aos produtores locais contribuindo para a divulgação dos seus produtos e promovendo o enriquecimento local.
  • Identificar a gastronomia Duriense em função das disponibilidades/necessidades locais e também das festas e tradições.
  • Promover um encontro profícuo e cada vez mais ativo entre a gastronomia local e os vinhos do Douro.

Esperamos, assim, contribuir para a competitividade e qualidade do serviço prestado pelas empresas.

Queremos ser uma escola referência nas boas práticas “Km 0”, uma escola que trabalha em rede alargada com parceiros Institucionais e com os agentes económicos do setor.

Queremos ser uma escola Inclusiva e socialmente responsável e interveniente no seu ambiente territorial e agentes do setor do Turismo.

Seguindo sempre o nosso propósito “Educar e Formar para a Sustentabilidade o destino Douro, promovendo um consumo sustentável dos recursos endógenos da região”.

 in Voz de Lamego, ano 91/32, n.º 4614, 23 de junho de 2021

Entrevista com Joaquim Paulino Bernardes – Administrador E. Leclerc

Tendo a Voz de Lamego uma matriz cristã, procurámos entrevistar um ou outro empresário que obteve sucesso no espaço territorial da Diocese de Lamego e cujo empreendedorismo lhes permitiu criar vários postos de trabalho, contribuindo para o desenvolvimento da região, mas igualmente com uma componente social, com ligações mais ou menos estreitas à Igreja. Com a colaboração do Pe. José Ferreira, pároco da Sé e Cónego do Cabido, lançamos questões sobre o relacionamento com os funcionários e sobre a função social da riqueza.

Será possível conjugar investimento e compromisso cristão? Ser empresário de sucesso sem sacrificar as pessoas a números e percentagens?

Foram a estas e outras questões que o Sr. Joaquim Bernardes, administrador do hipermercado E. Leclerc de Lamego, respondeu, revisitando também a sua vida, nomeadamente como emigrante e, no regresso a Portugal, as etapas que o levaram a enveredar pelo movimento E. Leclerc, fixando-se em Lamego.

Voz de Lamego – Agradecemos, desde já, a oportunidade em nos conceder uns momentos para conversar connosco. Como é que se tornou aderente do movimento E.Leclerc?

Fui imigrante em França entre a década de 70 e 80 e conheci o E.Leclerc como cliente.

Os supermercados distinguiam-se dos restantes pela defesa constante do poder de compra dos consumidores em todas a áreas de consumo: combustíveis, produtos alimentares, moda, livros, auto, etc… Os preços eram de facto muito mais baratos. Na localidade em que vivia, no distrito de Lyon, reparei que um pequeno comerciante que conhecia pessoalmente e onde também fazia compras, abriu um supermercado E.Leclerc na periferia da cidade e que explicou-me que o fundador do grupo E.Leclerc, o Sr. Edouard Leclerc, autorizava que comerciantes independentes abrissem uma loja com o seu nome desde que vendessem mais barato, trabalhassem em âmbito famíliar (marido e mulher trabalhariam lado a lado) e repartissem os resultados da empresa com todos seus colaboradores.

Quando no início da década de 90 regressei a Portugal, abri um minimercado na cidade do Cartaxo e vi nascer os primeiros grandes supermercados e hipermercados. Conhecendo a missão da marca E.Leclerc em França, estabeleci contactos, e, após muita burocracia e dificuldades que tive que ultrapassar, consegui abrir com a minha esposa o E.Leclerc de Lamego em dezembro de 1996.

Como é que funciona o movimento E.Leclerc?

É um movimento cooperativo em que a empresa familiar, constituída por um casal, é proprietária do seu ponto de venda e são também coproprietários da marca E.Leclerc, tornando-os responsáveis pelo legado do seu fundador, o Sr. Edouard Leclerc. A sua missão, na década de 40 (pós-segunda guerra mundial) era ajudar os Franceses a acederem a produtos alimentares a preço baixo, comprando grandes quantidades de produtos para os vender mais baratos, tornando-se, por isso, este movimento precursor da distribuição moderna. É uma história muito rica de grandes combates sempre a favor dos consumidores e que os leitores podem conhecer em (http://movimento-leclerc.pt/)

Passado tantos anos do início desta cadeia de supermercados E. Leclerc, ainda se mantêm os objetivos que estiveram na génese da sua fundação?

Sem dúvida. Esta missão mantém-se válida e é hoje atualizada do ponto de vista social e dos valores que a norteiam. A titulo de exemplo no E.Leclerc promovemos: um consumo responsável (não vendemos crédito ao consumo); igualdade e ética no local de trabalho; a compra a fornecedores e produtores locais, apoiando assim o tecido económico local; a descentralização das competências e das decisões, beneficiando diretamente a qualificação e o número de empregos gerados por loja em oposição a grupos centralizados; o apoio as iniciativas culturais, sociais e desportivas locais que respondem ás solicitações da população local;

Como foi mudar de terra e fixar-se em Lamego?

Eu e a minha esposa mudamo-nos em 1995 com a convicção, desde o primeiro momento, que seria uma mudança definitiva. E assim foi. Considero-me hoje um Lamecense e em conjunto com a minha família criámos laços, amizades e afinidades que dão sentido à nossa vida e, no meu caso particular, à minha missão pessoal. Descobri gente de fibra e perseverante que muito estimo e respeito, pois acompanharam-nos do ponto de vista pessoal e profissional. Refiro-me também a todos os colaboradores com quem trabalho e com quem já trabalhei.

Como é a sua relação com os colaboradores?

Somos uma equipa familiar e todos conhecem as suas responsabilidades e a sua missão. Dispõem de uma grande autonomia e de um ambiente trabalho saudável podendo falar comigo sobre qualquer questão, sempre que o entenderem.

Esta é uma empresa de gente com “fibra”, em que mais de 30% dos colaboradores têm mais de 20 anos de casa e apenas 2% são contratos a prazo. Tentei sempre fazer do local de trabalho dos meus colaboradores um porto de abrigo, promovendo situações laborais estáveis. Gostaria de enumerar as boas memórias e histórias que guardo com os meus colaboradores ao longo de 25 anos, mas seria necessário escrever um livro. Aproveito a oportunidade para reconhecer publicamente o empenho e o valor de todos os homens e mulheres que comigo vão construindo e consolidado esta casa. A todos quero manifestar a minha gratidão.

Quantos são?

Nas épocas sazonais, de verão e natal, somos mais, mas a média anual são cerca de 130 colaboradores diretos e cerca de 15 indiretos (seguranças, limpeza e reposição externa).

Conhece-os pessoalmente?

É evidente que os conheço. Como é que posso cumprimentá-los e falar com eles se não souber o seu nome? Atualmente, tenho 40 funcionários que trabalham comigo há mais de 20 anos.

Alguns dos colaboradores são mesmo a segunda geração dos que começaram em 1996. Ou seja, trabalham os pais, os filhos e quem sabe, um dia, os netos. Infelizmente, a memória atraiçoai- me algumas vezes, levando a alguma troca de nomes.

Promove algum momento de convívio?

Sim, formais e informais, mas o mais simbólico é a organização anual do jantar de Natal que envolve sempre um número elevado de colaboradores na preparação e planeamento. É uma noite de partilha entre todos, em que distribuímos presentes aos mais jovens e festejamos os valores cristãos desta época.

São também beneficiários dos resultados da empresa?

Em 24 anos de atividade reparti todos anos, parte dos resultados da empresa com os colaboradores. É justo que, se contribuíram para os lucros da empresa, possam também beneficiar de uma gratificação em função do seu empenho e mérito. Os restantes resultados são investidos, localmente, de forma a melhorar continuamente as condições da atividade e desempenho da empresa.

Pensa que o respeito pela ética no trabalho também beneficia economicamente a empresa?

Sem dúvida, que isso é um imperativo que se impõe. Com base nas minhas convicções religiosas e valores pessoais que cultivo, não poderia ter   outra missão que não fosse promover os valores éticos e morais no trabalho, nomeadamente, encorajando um ambiente de trabalho saudável, de respeito mútuo e assente na honestidade. Quando se têm profissionais com um sentido ético no desempenho do seu trabalho, e com valores morais, há menos possibilidade  de furtos, desvios ou corrupção e isso também é importante dentro de uma organização e na sociedade em geral, como sabemos.

Este é um jornal regionalista… De que modo a região tem beneficiado da atividade da empresa?

Julgo que já fui respondendo a esta questão, mas podemos resumir da seguinte forma: emprego de mão de obra mais qualificada nas lojas, fruto de uma gestão mais descentralizada; a promoção de carreiras profissionais a longo prazo da quase totalidade dos seus colaboradores; a partilha dos lucros e dos resultados alcançados há mais de 24 anos; apoiamos e privilegiamos a produção local, permitindo o acesso de pequenos produtores de todas as áreas de produção; a possibilidade de contratar prestadores e empresas locais de serviços e de indústria para as suas necessidades locais, reforçando as sinergias; graças à nossa rede de dimensão europeia, conseguimos propor aos clientes produtos de grandes marcas, mas também os de marca própria, a preços muito baixos. Os nossos clientes reconhecem-no e quem compra sabe que aqui as compras ficam mais baratas. É esta a nossa missão.Posso concluir que as populações locais podem aceder a uma oferta de produtos e serviços que geralmente só estão acessíveis em centros urbanos de maior dimensão. Mas a missão E.Leclerc é precisamente disponibilizar tudo a preços baixos;

De que modo a sua formação cristã o tem influenciado no seu agir empresarial?

Reconheço que, nestas duas décadas a empresa tem apoiado, economicamente, iniciativas de carácter religioso, no âmbito paroquial da cidade, mas também doando géneros alimentares e não só, a inúmeras iniciativas sociais, culturais e religiosas em várias centenas de milhares de euros. Mas neste campo, prefiro que sejam as associações, as instituições da Igreja local, e mesmo os beneficiários diretos a destacar o papel humanitário da empresa. Fi-lo sempre pelas minhas convicções religiosas sem esperar nada em troca. A minha formação espiritual tem ajudado a saber humanizar a empresa e a dar-lhe um sentido de proximidade com os mais necessitados, quando há campanhas humanitárias.

A sua empresa tem contribuído para iniciativas na região?

Sem dúvida. Tentamos sempre que possível, participar em iniciativas várias e ajudar as instituições que prestam assistência à população e na organização de eventos que promovem o concelho e a região.

Embora a ajuda não deva ser interesseira …pode atrair mais clientes?

As empresas devem desenvolver o seu papel social em função das emergências e necessidades sociais da região em que se insere. Como cristão, este é um papel natural feito de forma desinteressada, mas cujo reconhecimento emerge de forma lenta. Tenho o privilégio de perceber ao longo de 25 anos, que contribuímos para as melhorias das condições de muitos concidadãos, clientes, mas também não clientes. Confirmo que em prazos longos e com decisões consistentes as políticas sociais geram reconhecimento.

É possível conjugar lucro, ajudando a fixar famílias?

Claro que sim. Trabalhamos todos no sentido de desenvolver a empresa e o setor do comércio e serviços e, nesse sentido, apoiar o desenvolvimento local. Ao manter e criar emprego, as pessoas têm um rendimento estável que lhes permite fixarem-se no concelho e concelhos limítrofes e manterem um nível económico e social estável, diminuindo a emigração.

Que diria a alguém que queira investir na região?

A realização nesta área não advém do resultado económico direto, sendo, contudo, essencial para a continuidade da atividade se projetar a longo prazo, desenvolvendo sinergias com o tecido económico e social locais.

Como é que lidou com este tempo de pandemia?

Com muita esperança e paciência. Foi um desafio a uma escala global com consequências negativas do ponto de vista social e económico. A nível laboral foi difícil, pois enfrentamos um momento imprevisível e sem precedentes, mas contei sempre com o empenho e a colaboração dos funcionários que se esforçaram muito para mantermos todos os nossos serviços a funcionar com qualidade e segurança. Por outro lado, também verifiquei maior disponibilidade e tempo para um recolhimento e maior convívio com a família.

É possível ser cristão e ser empresário de sucesso? Como conciliar?

Acredito seriamente que sim. É possível ser cristão em toda e qualquer circunstância e em qualquer contexto. É este o desafio de ser cristão no século XXI. Os cargos de maior responsabilidade para com a sociedade são hoje submetidos a enormes pressões de lucros a curto prazo, às vezes sem olhar a meios, mas não devemos ceder naquilo em que acreditamos. É uma questão de coerência e de verdade para quem acredita e orienta a sua vida pela mensagem do Evangelho.

in Voz de Lamego, ano 91/30, n.º 4612, 8 de junho de 2021