Arquivo

Archive for the ‘Conselho Pastoral’ Category

Conselho Diocesano de Pastoral – 1 de julho de 2017

No passado sábado, 01 de julho, no Seminário Maior de Lamego, reuniu o Conselho Diocesano de Pastoral, sob a presidência de D. António Couto e com a presença da maioria dos conselheiros.

A agenda de trabalho estava dividida em duas grandes áreas: olhar para o percurso feito para identificar o mais e o menos conseguido; perspectivar algumas linhas de orientação para o próximo ano pastoral.

O encontro, cujo início estava marcado para as 9h30, começou com um tempo de oração, seguido de breve meditação do nosso bispo, a que se seguiu a aprovação da acta da reunião anterior. Depois, cada um dos presentes foi convidado a olhar para o ano prestes a findar e a identificar factos, etapas ou iniciativas que contribuíram para o concretizar do proposto e para o alcançar da meta geral fixada. O balanço identificou o muito conseguido, mas também o menos, sublinhando a importância de continuar no rumo proposto que é o da evangelização. A este propósito, D. António Couto não deixou de apontar para os evangelhos e para o exemplo de tantos, onde se encontram apelos e testemunhos de uma total dedicação ao Senhor que quer tudo e todos e não se contenta com calculismos e apenas alguns pormenores.

Em relação ao próximo ano, dentro das temáticas antes propostas, o tema geral andará à volta da caridade, sendo que ainda se esperam contributos de outros organismos diocesanos. A este propósito, ficou marcado um encontro para responsáveis de departamentos, serviços, movimentos e grupos com vista à elaboração do próximo plano pastoral.

Ainda houve uns minutos para sublinhar a oferta do Curso Básico de Formação Religiosa e outras oportunidades formativas possíveis.

A palavra final foi de D. António que, mais uma vez, agradeceu a presença e o esforço de todos, a quem apelou para continuarem a dar o seu melhor pela causa do Evangelho. O almoço encerrou os trabalhos.

JD, in Voz de Lamego, ano 87/34, n.º 4419, 4 de julho 2017

Conselho Pastoral Diocesano – 14 de janeiro de 2017

dscn0109

A vida pastoral de uma diocese deve-se substancialmente ao ritmo e à dinâmica que as estruturas eclesiais são capazes de implementar ao longo do tempo. Com esta mesma preocupação, reuniu-se, no passado sábado, dia 14, durante toda a manhã, o Conselho Pastoral Diocesano. Os trabalhos decorreram no Seminário Maior de Lamego, sob a presidência do Senhor Bispo e a participação de aproximadamente 40 pessoas, representantes dos diversos arciprestados, comissões e departamentos de pastoral, movimentos eclesiais e curia diocesana.

Após a oração inicial, o Senhor Dom António iniciou os trabalhos, congratulando-se com a presença de todos, apelando à intervenção consciente e assertiva de cada um, por forma a alcançarmos com mais clareza o denominador comum do pulsar pastoral da diocese. Lançou ainda duas ou três questões para provocar o diálogo. O Cónego Melo, assumindo a coordenação dos trabalhos, pediu de imediato que os presentes se pronunciassem sobre as atividades diocesanas realizadas desde o início do ano pastoral até então, e qual o balanço a fazer das mesmas. Ler mais…

Conselho de Pastoral: Ide e anunciai o Evangelho a toda a criatura

fotografia-2

No passado sábado, dia 10, na Casa de S. José, reuniu o Conselho Diocesano Pastoral, sob a presidência de D. António Couto e com a presença de quase todos os conselheiros. Entre os diversos temas propostos para análise e consideração, o ultimar do Plano de Pastoral para o novo ano que agora começa e que será vivido sob o lema “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda a criatura”.

O nosso bispo começou por apresentar alguns traços da Carta Pastoral que está a concluir e que norteará o referido plano. Um texto que se inspira nos últimos versículos do evangelho de Marcos (Mc 16, 14-24) e que procurará sublinhar a urgência da participação de todos nesta obra missionária da Igreja, enviada a todo o mundo e em todos os tempos. Os destinatários do anúncio e do convite todos, porque todos são prioritários. E nesta missão, que se cumpre na proximidade e com ternura, os anunciadores são convidados a serem testemunhas fiéis de Jesus Cristo, quais transparências do Senhor, e não meros animadores ou monitores. A Carta, que será publicada e divulgada no próximo Plano Pastoral, convida todos os diocesanos a serem “testemunhas que estremecem”, mais do que “animadores que entretêm”.

Para o cumprimento desta missão, com esta profundidade, todos são convidados a pensar, a ver, a falar e a fazer tudo quanto é “bem, belo e bom”, evitando tudo quanto possa afastar ou ofuscar o essencial. Será necessário encontrar e saber Jesus para “ver do ponto de vista de Jesus”, anunciando-o e testemunhando-se como Aquele que dá sentido pleno à vida.

A reunião ficou também enriquecida com as sugestões dos conselheiros, com destaque para a necessidade de se apostar na formação cristã dos fiéis da nossa diocese. Entre as diversas sugestões, ficou também aquela que prevê a realização do Dia da Família Diocesana em forma de peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, neste ano em que se assinalam os cem anos das aparições. Sobre o assunto haverá depois as confirmações necessárias.

O encontro terminou com o agradecimento, feito pelo Pastor diocesano, a todos os presentes, bem como o convite a participarem activamente na edificação da Igreja diocesana.

JD, in Voz de Lamego, ano 86/42, n.º 4378, 13 de setembro de 2016

CAMINHAR JUNTOS | CONSELHO DIOCESANO DE PASTORAL

527829_499748773419504_604595958_n

  1. Na manhã do último sábado, dia 23, na Casa de São José (Lamego) e com a presença de D. António Couto, reuniu o Conselho Diocesano de Pastoral. Apesar das ausências, algumas justificadas, o encontro decorreu de forma serena e profícua, cumprindo a agenda previamente enviada aos respectivos membros, oriundos das diversas realidades diocesanas. A sinodalidade eclesial é um bem que dinamiza as comunidades, responsabilizando e favorecendo a participação, tornando possível a visão da Igreja como um “nós” onde cada baptizado é sujeito.
  1. Após a oração inicial e a aprovação da acta da reunião anterior, os conselheiros foram convidados a partilhar experiências, impressões e conclusões quanto à forma como tem decorrido o ano pastoral. Uma partilha que identificou diferenças de ritmo, mas que sublinhou, com alegria e gratidão, o caminho já percorrido, as dinâmicas que tendem a implantar-se e uma maior participação dos fiéis leigos na vida diária das comunidades, dos grupos e movimentos. Apontaram também a necessidade de melhorar a articulação entre todos, nomeadamente através de uma comunicação e partilha mais atempadas e generalizadas.
  1. A evangelização é a finalidade primeira de toda a acção pastoral e responsabilidade partilhada por todos os baptizados, tal como se afirma no lema pastoral deste ano: “Ide e fazei da casa de meu Pai Casa de Oração e de Misericórdia”. Um percurso nem sempre isento de dificuldades, mas onde semear continua a ser urgente, nomeadamente através do testemunho, da proximidade e da atenção a todos. É verdade que há desafios novos, nomeadamente trazidos pela linguagem, pela indiferença ou demissão da família no acompanhamento e vivência da fé. Mas o Mestre manda lançar as redes e a diocese vai cumprindo a missão.
  1. O diálogo prosseguiu depois com a partilha de sugestões, mais concretamente sobre a vivência do Ano da Misericórdia em curso e sobre a preparação do Dia da Família diocesana, marcado para o Santuário de Nossa Senhora da Lapa, para o dia 25 de Junho.
  1. Assumindo e louvando o muito que se vai fazendo em algumas paróquias, zonas e arciprestados, foi sugestão generalizada a aposta na formação, nomeadamente no campo da oração. Será por aqui, onde os párocos assumem particular responsabilidade, que uma melhor compreensão da fé poderá conduzir a um compromisso e testemunho mais visíveis e duradouros.
  1. O Coordenador da Pastoral, Cón. José Manuel Melo, reforçou o convite para o encontro de formação/oração para colaboradores paroquiais, a realizar no próximo dia 13 de fevereiro, em três locais da diocese. E anunciou também o envio de material de apoio a todas as paróquias tendo em vista a vivência da fé em família durante a Quaresma que se aproxima (10 de fevereiro).
  1. O nosso bispo encerrou o encontro congratulando-se com a presença de todos, agradecendo o contributo de cada um e motivando a uma continuidade fiel e criativa na vivência e testemunho do Evangelho. Salientou, ainda, a necessidade de repensar a composição deste órgão consultivo, de forma a alargar a visão da realidade diocesana.

A próxima reunião deste Conselho acontecerá no próximo dia 28 de Maio.

J.D., in Voz de Lamego, ano 86/10, n.º 4347, 26 de janeiro de 2016

COMUNICADO | CONSELHO PASTORAL DIOCESANO

table-round-people-meeting-knowledge

Decorreu no passado sábado, dia 30, na Casa de São José, a reunião do Conselho Pastoral Diocesano.

Após um momento de oração e com o lema do Plano Pastoral “Ide e Construí Com Mais Amor a Família de Deus” como pano de fundo, o nosso Bispo deu início aos trabalhos com um desafio que a todos deve inquietar: “ir ao encontro de todas as famílias e envolve-las na tomada de consciência do seu valor, dignidade e missão e incentivar a grande comunidade cristã que é a Diocese a construir com mais amor a família de Deus, à luz da Boa Nova de Jesus”.

Dando cumprimento à Agenda dos Trabalhos o Programa debruçou-se essencialmente sobre as Linhas Prioritárias do ano em curso com destaque para os Conselhos Paroquiais e Arciprestais, as Equipas Arciprestais de Animação Pastoral e as Escolas de Vivência da Fé. Com o objetivo de uma maior eficácia de reflexão e partilha constituíram-se 3 grupos de trabalho em que lhes foi pedido que fossem apontados sinais de crescimento, situações a superar e caminhos a percorrer no âmbito das já referidas linhas prioritárias.

A partilha apontou para as seguintes necessidades:

  • Uma maior aproximação e trabalho em rede entre os diversos Conselhos Pastorais e Arciprestais;

  • Necessidade constante de formação e corresponsabilidade de todos;

  • A importância de retiros espirituais centrados em momentos marcantes do calendário litúrgico;

  • Apostar mais nas Escolas de Fé.

Estas Escolas de Fé mais não são do que ajudar a aprender a viver como cristãos. E aqui devem-se envolver cada vez mais os adultos fornecendo-lhes as ferramentas necessárias de vivência cristã, de fermento na comunidade e de testemunho. Esta aposta tem a ver com o “tempo” que a Igreja dedica à população mais adulta uma vez que 90% das nossas forças são centradas nas crianças e jovens.

O dia terminou com a apresentação do esboço programático da celebração do Dia da Família Diocesana a decorrer no dia 27 de junho de 2015.

João Ferraz, in Voz de Lamego, n.º 4316, ano 85/29, de 2 de junho de 2015

CONSELHO DIOCESANO DE PASTORAL |> Comunicado

IMG_2933

No dia 7 de Fevereiro, na Casa de São José, reuniu-se, sob a presidência do nosso Bispo, o Conselho Diocesano de Pastoral.

Da agenda de trabalhos constaram, entre outros pontos, a avaliação do ano pastoral em curso e a planificação de atividades futuras, nomeadamente a celebração do Dia da Família Diocesana, a ter lugar em Lamego no dia 27 de Junho.

Os participantes enfatizaram que se “sente a diocese a mexer”, os Conselhos Pastorais Paroquiais e Arciprestais têm envolvido um crescente número de leigos a refletir, planificar e a trabalhar sobre o Plano Pastoral Diocesano. Houve partilha de experiências concretas de implementação do plano a nível paroquial, arciprestal e diocesano. Importa que esta dinâmica cresça e se consolide.

Em relação ao Dia da Família Diocesana refletiu-se sobre a necessidade de envolver a diocese inteira para que seja um acontecimento que marca o nosso sentido de pertença à Igreja diocesana. Neste sentido recolheram-se propostas sobre o horário, o local e as dinâmicas de funcionamento, criando-se dentro do Conselho Diocesano de Pastoral uma comissão de trabalho para a organização mais específica deste dia. Esta comissão agregará a si outros elementos que possam ajudar na planificação e na logística deste evento.

O Conselho Diocesano de Pastoral pede a todos os agentes pastorais que anotem na sua agenda esta iniciativa, já programada no plano diocesano, e sensibilizem as paróquias, movimentos, comunidades religiosas, comissões, departamentos e serviços diocesanos para uma envolvência o mais participativa e festiva possível neste dia.

O Sr. D. António Couto enfatizou a importância deste conselho trazer as propostas e o sentir do terreno (chão) da diocese, realçou o papel indispensável dos fiéis leigos na ação pastoral da Igreja e formulou o desejo de que esta dinâmica laical se torne o agir normal da diocese.

 

Secretariado do Conselho Diocesano de Pastoral

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4300, ano 85/13, de 10 de fevereiro de 2015

Carta Pastoral de D. António Couto | 2014-15 | Ide com mais amor…

carta_pastoral4

IDE E CONSTRUÍ COM MAIS AMOR A FAMÍLIA DE DEUS

«Os filhos são um dom de Deus»

(Salmo 127,3)

«Toda a paternidade, como todo o dom perfeito, vêm do Alto, descem do Pai das Luzes» (Tiago 1,17; cf. Efésios 3,15).

«Sois membros da família de Deus»

(Efésios 2,19)

O amor fontal de Deus-Pai

  1. «Deus é amor» (1 João 4,8 e 16) e «amou-nos primeiro» (1 João 4,19), e «nós amamos, porque Deus nos amou primeiro» (1 João 4,19). Então, o amor que está aqui, o amor que está aí, o amor que está em mim, o amor que está em ti, o amor que está em nós, «vem de Deus» (1 João 4,7), e «quem ama nasceu de Deus» (1 João 4,7). Deus amou-nos primeiro, ama-nos e continua a amar-nos sempre primeiro com amor-perfeito (êgapêménos: part. perf. pass. de agapáô), isto é, amor preveniente, fiel, consequente, permanente (1 Tessalonicenses 1,4; Colossenses 3,12). Ama-nos a nós, que estamos aqui, e foi assim que nós começámos a amar. Se não tivéssemos sido amados primeiro, e não tivéssemos recebido o testemunho do amor, não teríamos começado a amar, e nem sequer estaríamos aqui, porque «quem não ama, permanece na morte» (1 João 3,14), sendo então a morte, não o termo da vida, mas aquilo que impede de amar, e, portanto, de nascer!
  1. Portanto, se «quem ama nasceu de Deus» (1 João 4,7), o amor que há em nós é remissivo, remete para outrem, remete para a origem. O que é a origem? A origem é o que está antes do começo, a quem a Bíblia e uma parte da humanidade chamam Deus, e nós, cristãos, por imagem, chamamos «Pai». Nova genealogia do amor: o Pai ama o Filho (João 3,35; 5,20), e ama também o mundo (João 3,16), a ponto de enviar o seu Filho ao mundo para lhe manifestar esse amor (João 3,16; 1 João 4,9-10). Só o semelhante conhece o semelhante, e lhe pode comunicar o seu amor. O Pai ama e conhece o Filho Unigénito, e comunica-lhe o seu amor. Como o Pai ama e conhece o Filho Unigénito, também o Filho Unigénito ama e conhece o Pai (Mateus 11,27), e o pode revelar os seus discípulos fiéis (João 15,9), tendo, para tanto, de descer ao nosso nível, fazendo-se homem verdadeiro, semelhante a nós (Filipenses 2,7; Hebreus 2,17). Na verdade, comunica-nos o amor do Pai, e dá-nos a conhecer tudo o que ouviu do Pai (João 15,15). E nós somos convidados a entrar nesse divino colóquio, a acolher esse amor desmesurado, e a passar a amar dessa maneira, como fomos e somos amados (João 13,34; 15,12).
  1. Assim, o amor que está em nós, ou em que estamos nós, o amor entre marido e esposa, entre pais e filhos, entre amigos, entre nós, não provém nem de uns nem de outros. Nem sequer de si mesmo. O amor não é meu nem é teu. O amor não é nosso. O amor é dado. Claro. Se «quem ama nasceu de Deus», não é nossa a patente do amor, e temos mesmo de ser extremamente cuidadosos quando pretendemos ajuizar acerca do amor que há nos outros. A antiga equação nivelada: «Ama o próximo como a ti mesmo» (Levítico 19,18), é plenificada e subvertida pela equação paradoxal: «como Eu vos amei» (João 13,34; 15,12). Mesmo aqueles que desconhecem a fonte do amor, é dela que o recebem. Neste sentido, em que a fé se une à razão, não é o casal que faz o amor; é o amor que faz o casal. Do mesmo modo que não é o casal que faz os filhos; é o amor que os faz. São um dom de Deus (Salmo 127,3). Atravessa-nos um calafrio quando nos apercebemos que a humanidade transmite, de idade em idade, de pais para filhos, algo de eterno. Amor eterno, tão terrivelmente ameaçado de idade em idade!
  1. É esse amor eterno, primeiro e derradeiro, verdadeiro, que nos faz nascer como irmãos. O lugar que, de forma mais imediata, nos mostra a fraternidade, é a família. E é verdade que, numa família, os filhos, não deixando de ser diferentes na ordem do nascimento, da saúde, da inteligência, temperamento, sucesso, são iguais. E são iguais, não obstante as suas acentuadas diferenças. São iguais, não em função do que são ou do que têm ou do que fazem, mas em função daquilo que lhes é dado e feito. Em função do amor que os precede, o amor dos seus pais, e, em primeira ou última instância, o amor fontal de «Deus-Pai» (Ad gentes, n.º 2), pois nós somos também, diz o Apóstolo, filhos de Deus (1 João 3,2), filhos no Filho (Romanos 8,17.29), membros da família de Deus (Efésios 2,19). É esse amor primeiro que nos torna livres e iguais, logo irmãos. A fraternidade é o lugar em que cada um vale, não por aquilo que é, por aquilo que tem ou por aquilo que faz, mas por aquilo que lhe é feito, antes e independentemente daquilo que deseja, pensa, projeta e realiza, e em que o seu ser é ser numa relação de amor incondicionada, que não é posta por ele, mas em que ele é posto. A verdadeira fraternidade ensina-nos que a nossa consciência não é a autoconsciência daquilo que fazemos, mas a hétero-consciência daquilo que nos é feito e que nós somos sempre chamados a reconhecer e a cantar com renovada alegria, como Maria: «O Todo-poderoso fez em mim grandes coisas» (Lucas 1,49).

O limiar do mistério em cada nascimento

  1. Ó abismo da riqueza, da sabedoria e da ciência de Deus! (Romanos 11,33). Ó abismo do amor de Deus! Caríssimos pais e mães, os filhos que gerais e que vedes nascer, são, antes de mais, vossos ou são de Deus? Dir-me-eis: este filho é nosso, fomos nós que o geramos, fui eu que o dei à luz, nasceu neste dia, tenho aqui a cédula de nascimento. E eu pergunto ainda: sim, mas porquê esse, e não outro? É aqui, amigos, que entra o para além da química e da biologia, entenda-se, o para além de nós. É aqui, amigos, que entramos no limiar do mistério, na beleza incandescente do santuário, onde o fogo arde por dentro e não por fora. É aqui que paramos ajoelhados e comovidos à beira do inefável e caímos nos braços da ternura de um amor maior, novo, paternal, maternal, que nenhuma pesquisa biológica ou química explicará jamais. Todo o nascimento traz consigo um imenso mistério. Sim, porquê este filho, e não outro? Porquê este, com esta maneira de ser, este boletim de saúde, este grau de inteligência, estas aptidões, esta sensibilidade própria? Sim, outra vez, porquê este filho, e não outro, com outra maneira de ser, outro boletim de saúde, outro grau de inteligência, outras aptidões? Fica patente e latente, evidente, que, para nascer um bebé, não basta gerá-lo e dá-lo à luz. Quando nasce um filho, é também Deus que bate à nossa porta, é também Deus que entra em nossa casa, é também Deus que se senta à nossa mesa, é também Deus que nos visita. Há outra paternidade, a de Deus, por detrás da nossa vulgar paternidade, participação da verdadeira paternidade de Deus. Na verdade, «toda a paternidade, como todo o dom perfeito, vêm do Alto, descem do Pai das Luzes» (Tiago 1,17; cf. Efésios 3,15).

Membros de uma nova família

  1. Há, portanto, também uma nova familiaridade. A partir de Deus. Na verdade, no comportamento Misericordioso de Jesus transparece uma nova familiaridade, que assenta a sua fundação muito para além dos meros laços biológicos e anagráficos das nossas famílias. Prestemos atenção ao luminoso dizer de Jesus no caixilho literário de Marcos:

 «E vem a mãe dele e os irmãos dele, e, ficando fora, enviaram quem o chamasse. E estava sentada à volta dele a multidão, quando lhe dizem: “Eis que a tua mãe e os teus irmãos e as tuas irmãs estão lá fora e procuram-te”. E respondendo-lhes, diz: “Quem é a minha mãe e os meus irmãos?”. E tendo olhado à volta, para os que estavam sentados em círculo ao seu redor, diz: “Eis a minha mãe e os meus irmãos. Na verdade, aquele que faz a vontade de Deus, este é meu irmão e irmã e mãe”» (Marcos 3,31-35).

Ensinamento espantoso de Jesus que põe em causa a validade de uma maternidade e fraternidade meramente biológicas, fundadas sobre os direitos do sangue [«a tua mãe e os teus irmãos e as tuas irmãs… procuram-te»], para afirmar uma nova familiaridade aberta pelo horizonte novo do éschaton, do último, do primeiro e último, do novíssimo: «aquele que faz a vontade de Deus, este é meu irmão e irmã e mãe». No novo horizonte da vontade do Pai, não se deixa de ser mãe, irmão ou irmã. Não são, porém, esses laços familiares que nos dão direito a amar e a ser amados, mas o termos sido encontrados pelo Amor, que agora somos chamados a testemunhar. «Vós sois testemunhas (mártyres) destas coisas», diz Jesus (Lucas 24,49). Sermos designados por Jesus testemunhas das coisas de Jesus é sermos chamados a envolver-nos de tal modo na história e na vida de Jesus, a ponto de a fazermos nossa, para a transmitir aos outros, não com discursos inflamados ou esgotados, mas com a vida! Sim, aquela história e aquela vida são a nossa história e a nossa vida. Sentir cada criança como filho, cada mulher como mãe e todo o semelhante como irmão ou irmã não é simples retórica, mas a transcrição verbal do novo real compreensível à luz do projeto Criador, Primeiro e Último, em que o mundo aparece como uma única casa e os seus habitantes como uma só família. Nascerá então o mais belo relato. Sim, o relato re-lata, isto é, põe em relação, une, reúne, enlaça, entrelaça. E re-lata, isto é, põe em relação, une, reúne, enlaça, entrelaça duplamente: primeiro, porque faz uma re-lação dos acontecimentos, unindo-os para formar um belo colar; segundo, porque põe em relação o narrador e o narratário. Sim, quando eu e tu e ele e ela, nós todos, relatarmos a mesma história, e não histórias diferentes, nesse dia luminoso e bendito começamos a nascer como irmãos, não pelo sangue, mas pela liberdade. Sim, só o relato nos pode aproximar tanto, fazendo-nos, não apenas estar juntos, mas nascer juntos, como irmãos. Portanto, irmãos e amigos, deixai que grite bem alto aos vossos ouvidos: mais amor, mais família, mais oração, mais missão, mais formação. Mais. Mais. Mais.

 O sentido da vida recebida e dada

  1. Na origem dos nossos termos «matrimónio» e «património» está o «dom» como «munus», como bem sublinha e explica o famoso linguista francês Émile Benveniste, seguido por Eugenia Scabini e Ondina Greco, no domínio da psicologia social. Munus faz parte de uma rede de conceitos relacionais, que obriga a uma «restituição». Quem não entra neste jogo do munus diz-se immunus, «imune». E voltam as perguntas contundentes: quem recebe a vida, como e a quem a restitui? Salta à vista que não podemos «restituir» a vida a quem no-la deu. Há, neste domínio, uma assimetria originária nas relações familiares. Verificada esta impossibilidade de «restituir» a vida a quem no-la deu, poderíamos pensar em «restituir» em termos análogos: então, o filho poderia, por exemplo, responder ao dom da vida recebida, tomando a seu cargo e cuidado os pais enfraquecidos e velhinhos. Mas este não é o único modo de «restituição» nem o mais significativo. O equivalente simbólico mais próximo é «restituir» em termos generativos (generativo e generoso têm a mesma etimologia), dando, por sua vez, a vida e assumindo a responsabilidade de pôr no mundo uma nova geração. Dar a vida e tomar a seu cuidado uma nova geração é mesmo o modo mais apropriado de «restituir» à geração precedente. Situação paradoxal: respondemos ao débito que nos liga à geração anterior com um crédito em relação à geração seguinte. E os avós têm muito a ganhar com os netos, e estes com aqueles. Todos sabemos. Da família humana à grande família de Deus, passando pela família religiosa. Também por isso, a Bíblia é um livro de nascimentos e de transmissão: da vida e da fé e da graça. Vamo-nos hoje apercebendo de que o mundo em que estamos tem muitas dificuldades em transmitir a vida e a fé e a graça, a cháris, o carisma, que envolve a nossa vida pessoal e da nossa família humana, mas também a vida da Igreja, família de Deus, e das diferentes famílias religiosas. Talvez por isso, nos voltemos tanto para trás, e se fale tanto em voltar às origens, refundar. Mas o caminho a empreender não passará mais por gerar novos filhos na vida e na fé e no carisma? Parece-me que é esta a tarefa que todos temos pela frente, em casa, na Igreja, família de Deus, e nas famílias religiosas.

Missão: «restituição» para a frente

  1. Impõe-se, portanto, não a preservação, a conservação, a autoconservação, mas a missão, que é a verdadeira «restituição» a Deus e aos irmãos. Já atrás nos ocupámos a verificar, em termos familiares, a impossibilidade de «restituir» a vida a quem no-la deu. O Salmista também se pergunta no que a Deus diz respeito: «Como «restituirei» ao Senhor por todos os seus benefícios que Ele me deu?» (Salmo 116,12). Sim, como «restituirei» ao Senhor o amor que há em mim? Como «restituiremos» ao Senhor o amor que há em nós? O Salmista responde: «O cálice da salvação erguerei, e o Nome do Senhor invocarei. Os meus votos ao Senhor cumprirei, diante de todo o seu povo» (Salmo 116,13-14). Sim, o Salmista sabe bem que não pode «restituir» diretamente a Deus, mas sabe também que pode sempre agradecer a Deus (restituição análoga), e, passando de mão em mão, em fraterna comunhão, o cálice da salvação, anunciar a todos que Deus atua em favor do seu povo, faz em nós grandes coisas, sendo este anúncio ação de evangelização ou generosa «restituição» generativa. É assim que, de forma empenhada, generosa e apaixonada, como testemunha S. Paulo, se vão gerando (1 Coríntios 4,15; Filémon 10) e dando à luz novos filhos (Gálatas 4,19).
  1.  Amados irmãos e irmãs, não nos é permitido, nesta encruzilhada da história, ficar quietos, desanimados, tristes e calados. Ou simplesmente entretidos, ensonados e descomprometidos, como crianças sentadas nas praças, que não ouvem, não ligam, não respondem (Mateus 11,16-17; Lucas 7,31-32). Para esta tarefa imensa da transmissão da fé e do amor e da vida verdadeira, vida em grande, todos estamos convocados. Ninguém se pode excluir, ou ficar simplesmente a assistir. São sempre necessários e bem-vindos mais corações, mais mentes, mais entranhas, mais braços, mais mãos, mais pés, mais irmãos. Uma Igreja renovada multiplica as pessoas que realizam serviços e acrescenta os ministérios. A nossa vida humana e cristã tem de permanecer ligada à alta tensão da corrente do Amor que vem de Deus. E temos de ser testemunhas fortes e credíveis de tanto e tão grande Por isso e para isso, podemos aprender a rezar a vida com o orante do Salmo 78:

«As coisas que nós ouvimos e conhecemos,

o que nos contaram os nossos pais,

não o esconderemos aos seus filhos,

contá-lo-emos à geração seguinte:

os louvores do Senhor e o seu poder,

e as suas maravilhas que Ele fez.

Ele firmou o seu testemunho em Jacob,

e a sua instrução pôs em Israel.

E ordenou aos nossos pais,

que os dessem a conhecer aos seus filhos,

para que o saibam as gerações seguintes,

os filhos que iriam nascer.

Que se levantem e os contem aos seus filhos,

para que ponham em Deus a sua confiança,

não se esqueçam das obras do Senhor,

e guardem os seus mandamentos» (Salmo 78,3-7).

Amados irmãos e irmãs, há coisas que não podemos mais dizer sentados, que é como quem diz, assim-assim, de qualquer maneira ou de uma maneira qualquer. O Amor de Deus, que enche a nossa vida, tem de ser dito com a vida levantada, com um dizer grande, transbordante, contagiante e transformante, com razão, emoção, afeto e paixão. Retomo o dizer do orante e transmissor da fé: «Que se levantem e os contem aos seus filhos» (Salmo 78,6). Ou, de outra maneira: «Uma geração enaltece à outra as tuas obras» (Salmo 145,4). Ou como Maria: «A minha alma engrandece o Senhor» (Lucas 1,47).

Todos-para-todos

10. Para esta tarefa imensa da transmissão da fé e do amor e da vida verdadeira, vida em grande, convoco todos os diocesanos da nossa Diocese de Lamego: sacerdotes, diáconos, consagrados, consagradas, fiéis leigos, pais, mães, avôs, avós, famílias, jovens, crianças, catequistas, acólitos, leitores, agentes envolvidos na pastoral, membros dos movimentos de apostolado. A todos peço a graça de promoverem mais encontros de oração, reflexão, formação, partilha e amizade. Mais. Mais. Mais. A todos peço a dádiva de uma mão de mais amor às famílias desconstruídas e a todos os irmãos e irmãs que experimentam dificuldades e tristezas. Mais. Mais. Mais. A todos peço que experimentemos a alegria de sairmos mais de nós ao encontro de todos, para juntos celebrarmos o grande amor que Deus tem por nós e sentirmos a beleza da sua família toda reunida. Que cada um de nós sinta como sua primeira riqueza e dignidade a de ser filho de Deus. E para todos imploro de Deus a sua bênção, e de Maria a sua proteção carinhosa e maternal.

Santa Maria de um amor maior,

do tamanho do Menino que levas ao colo,

diante de ti me ajoelho e esmolo

a graça de um lar unido ao teu redor.

Protege, Senhora, as nossas famílias,

todos os casais, os filhos e os pais,

e enche de alegria, mais e mais e mais,

todos os seus dias, manhãs, tardes, noites e vigílias.

Vela, Senhora, por cada criança,

por cada mãe, por cada pai, por cada irmão,

a todos os velhinhos, Senhora, dá a mão,

e deixa em cada rosto um afago de esperança.

Lamego, 27 de setembro de 2014, Dia da Igreja Diocesana

+ António, vosso bispo e irmão


DOCUMENTO PARA DOWNLOAD:

Carta Pastoral de D. António Couto > AQUI.