Arquivo

Archive for the ‘Bíblia’ Category

Editorial Voz de Lamego: Ouvi o rumor dos Teus passos…

O ruído é tanto! A azáfama! Os afazeres e as preocupações! As ofertas e os desafios! São tantas as vozes! O “zapping” comunicacional está tão acelerado! A multiplicidade de plataformas políticas e culturais, extremismos e propostas redentoras, com cariz revolucionário e transformador, com originalidade revestida de um passado prepotente e autocrático, que dificulta ouvir a voz da consciência e o rumor dos passos no jardim. As cidades, as vilas e as aldeias, as nossas povoações de um interior cada vez mais despovoado e desértico, têm demasiado ruído, demasiadas distrações, à janela ou na rua, no ecrã do telemóvel ou do televisor! Quem é que nos diz a verdade? Qual a opinião que devemos seguir? Quem é que nos vai mesmo ajudar? Quem é que se importa com a nossa vida atual?

No décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) foi-nos servido, como primeira leitura, o texto do livro dos Génesis que nos fala na queda dos primeiros pais, simbolizados/encorpados em Adão e Eva, e como, quando confrontados com os seus atos, passam as culpas. Tão mau como cair no remorso é cair no cinismo e na desculpabilização gratuita. Precisamos de amadurecer o nosso compromisso, de assumir os nossos atos e as nossas omissões. Eu e tu somos responsáveis pela saúde do mundo em que vivemos, admitindo que possa haver pessoas, grupos ou empresas que têm uma responsabilidade acrescida.

O texto de Génesis (3, 9-15) fala da nossa vida e da nossa história. Adão, que fizeste, onde estás? «Ouvi o rumor dos vossos passos no jardim e, como estava nu, tive medo e escondi-me». Eu não fiz nada, foi Eva? / Eva, que fizeste? Eu, eu não fiz nada, foi a serpente? E se perguntássemos à serpente ela diria que não teve nada a ver com o assunto, tinha sido a beleza apetitosa dos frutos da árvore! A culpa já não estaria numa decisão pessoal, mas estrutural ou, pelo menos, não estaria numa escolha consciente e deliberada, mas numa cedência irrefletida pela aparente bondade do fruto. Não seria desejo… o fruto é que estava a pedir para ser recolhido e comido! Uma parábola para outras situações da vida! Fiz isto, ou aquilo, mas não tenho culpa, ele/a estava a pedi-las, pôs-se a jeito, estava ali mesmo à mão de semear, se não fosse eu, seria outro! Se o fruto não se convertesse em furto (egoísta) resultaria em desperdício!

Há momentos em que já não vemos Deus, ofuscamos a Sua presença com os nossos apetites e manias. Mas o rumor dos Seus passos no jardim, na nossa vida, os sinais da Sua presença, continuam a fazer-se sentir. O pior mal, contudo, não está nos fracassos, mas na vergonha e no facto de escondermos o nosso rosto e o nosso coração do olhar amoroso de Deus, que nos santifica e nos ilumina. Por vergonha, não assumimos as nossas falhas e até envolvemos os outros nos nossos esquemas. Tantas situações em que arranjamos desculpas, justificações, distribuímos culpas pelos outros, sacudimos a água do capote!

Apesar das nossas dúvidas, incongruências, hesitações, afastamentos, Deus mantém o Seu amor por nós e não fecha nem portas nem janelas ao nosso regresso. Desde sempre a promessa: a descendência de Eva esmagará a cabeça da serpente! A promessa Deus encontra eco em Maria: eis a serva do Senhor, faça-se em mim a tua Palavra (Lc 1, 38). Somos família de Deus quando permitimos que a Sua graça nos preencha. «Quem fizer a vontade de Deus esse é meu irmão, minha irmã e minha Mãe» (Mc 3, 26). Perscrutemos os rumores dos passos do Senhor na nossa vida e deixemos que o Seu olhar nos toque a alma.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/30, n.º 4612, 8 de junho de 2021

ONDE ESTÁS? COMO ESTOU? | Editorial Voz de Lamego – 27.02.2018

ONDE ESTÁS? COMO ESTOU?

Nas mais variadas circunstâncias do dia-a-dia, já atendemos chamadas de telemóvel e já escutámos outros a fazer o mesmo. E talvez já tenhamos dado conta que a mobilidade do prestável aparelho e dos seus utilizadores veio tornar possível e bastante usual a pergunta: “Onde estás?”.

Certamente que não será apenas a curiosidade ou vontade de controlar; pode revelar, também, preocupação perante a demora, o querer saber do paradeiro de quem se gosta ou o sentir alívio por constatar que se está próximo… Ou seja, pergunta-se para se saber do outro.

Também Adão e Eva, ao esconderem-se após tomarem consciência do acto realizado (comer o fruto da árvore proibida), ouviram do Criador a mesma pergunta: “Onde estás?” (Gn 3, 9).

Atentos, continuamos a ouvir tal pergunta. E compreendemos que esta visa mais do que saber da nossa localização; busca, sobretudo, provocar tomadas de consciência. Na verdade, o “onde” poderia entender-se “como”. Mais do que controlar, a pergunta evidencia a preocupação de quem ama.

Por outro lado, e como em tantos momentos da vida, também na Quaresma pode surgir a oportunidade de nos perguntarmos “Onde estou?”, em vez do habitual “Onde estás?”. Longe ou perto? Aproximo-me ou afasto-me? Sigo o caminho ou vou pelo atalho?

Na resposta, só tenho que ser o que sou, nem mais nem menos. E mesmo o silêncio não deixa de ser uma resposta. E não é precisa qualquer circunstância especial para escutar e perguntar-se. Quantas vezes a oportunidade surge em locais ou ocasiões banais das nossas vidas!

Se “Onde estás?” proporciona revelar a localização, “Onde estou?” permitirá confrontar-se e decidir-se. Na primeira basta olhar em volta para se situar; na segunda é preciso olhar-se e assumir-se.

Podemos formular mais vezes a primeira, mas não podemos evitar, de vez em quando, escutar a segunda!

 

Pe. Joaquim Dionísio, in Voz de Lamego, ano 88/13, n.º 4450, 27 de fevereiro de 2018

Dia da Bíblia

O Pe. Mário José dos Santos, natural da nossa diocese, de Tabuaço, é membro da família Paulista e escreveu-nos para divulgar uma iniciativa prevista para o dia 01 de outubro, na nossa Sé, em Lamego.

Nessa data, logo a seguir à festa de S. Jerónimo, o grande biblista e tradutor da Palavra de Deus (Vulgata), e com a presença de D. António Couto, celebrar-se-á um pontifical para assinalar o Dia da Bíblia, sugerido pelo Papa Francisco, mais concretamente “Entronização da sagrada Escritura e celebração do primeiro Domingo da Bíblia em Portugal”.

O objectivo é “conseguir, em toda a Igreja, a instituição oficial dum Domingo Bíblico e entronizar por todo o lado a Bíblia nas Igrejas à semelhança e com o relevo possível que tem o Sacrário: as 2 mesas! A Palavra é como a Eucaristia: em ambas está a PRESENÇA! É isto o que se pretende incutir no Povo juntamente com a leitura assídua da Bíblia”.

in Voz de Lamego, ano 87/42, n.º 4427, 12 de setembro 2017

Curso Bíblico “Nossa Senhora na Bíblia”

Pelo 10.º ano consecutivo decorreu em Lamego mais um Curso Bíblico, de organização conjunta das Paróquias de Almacave e Sé, contando como orientador pelo 4.º ano o Bispo de Lamego D. António Couto, que mais uma vez partilhou os seus dons de orador e de sabedoria que a todos cativa.

Nos três dias do Curso, de 4 a 6 de Abril, as mais de 150 pessoas presentes no Centro Paroquial de Almacave, de diversas paróquias do Arciprestado de Lamego, puderam ouvir falar de Maria e do seu papel de Mulher e Mãe, descrito na Bíblia, desde a Anunciação do Anjo até à Ressurreição de Jesus.

Estando a decorrer o Centenário das Aparições de Nossa Senhora em Fátima, a escolha do tema foi pertinente pela sua contemporaneidade e pela necessidade de percebermos a docilidade e afabilidade da “Virgem desposada”  que disse o Seu SIM a Deus e se tornou a “Arca do Senhor” carregando no Seu ventre o Salvador Jesus Cristo.

Foram percorridas diversas Orações, desde a Avé-Maria, ao Magnificat a primeira oração de Maria, passando pela primeira oração a Maria, no ano 300, mostrados os textos dos Evangelistas que escreveram sobre Ela e no-La deram a conhecer através da Palavra de Deus, num caminhar constante de descoberta da beleza da Vida de Maria, enquanto presente fisicamente na Terra.

Foi-nos ainda apresentada Nossa Senhora como a “compositora” que guardava no Seu coração tudo o que se passava, como um “vaso que recebe”, numa alusão ao nosso modo de vida que deverá “ser um vaso como Maria com docilidade e disponibilidade para tornar a Palavra de Deus fecunda na nossa vida”. Assim com e como Ela se poderão abrir caminhos novos na nossa vida, para nós e para os outros.

A figura de Maria, apresentada na Bíblia, ora como MULHER, ora como MÃE, a serva do Senhor, é assim “a compositora que compõe tudo com extrema carinho e tece a Sua melodia da Alegria” e que “canta Deus como nós o fazemos no Terço”, foi assim ao longo dos três dias que tivemos a graça de A descobrir na sua beleza, docilidade, oferta e doçura pela palavras proferidas por D. António do Couto

Sendo Maria a Medianeira de todas as graças, é Ela que vai “(re)lembrando” a Deus e ao Seu Filho as nossas necessidades e anseios, no Seu olhar de doçura maternal, ouvindo os nossos gritos e súplicas e depondo-as junto do Pai e do Filho para obtenção  das graças divinas.

Isolina Guerra, in Voz de Lamego, ano 87/22, n.º 4407, 11 de abril de 2017

Semana do Papa Francisco

Encontrar e  conhecer Jesus

“Sabemos quem é Jesus, mas talvez não o tenhamos encontrado pessoalmente, falado com Ele, e não o tenhamos ainda reconhecido como o nosso Salvador”, disse o Papa Francisco no Angelus, neste domingo, aos cerca de 40 mil fiéis e peregrinos presentes na Praça São Pedro, partindo do evangelho do dia, onde se relatava o encontro de Jesus com a Samaritana.

Ir ao poço buscar água é cansativo e monótono; seria bom ter à disposição uma fonte que jorra água! Mas Jesus fala de uma água diferente, evidenciou Francisco. Quando a mulher se deu conta de que aquele homem com quem estava falando era um profeta, abriu-se a ele e fez-lhe perguntas religiosas. “A sua sede de afecto e de vida plena não fora saciada pelos cinco maridos que teve, aliás, experimentou desilusões e enganos”, acrescentou o Pontífice. “Por isso a mulher fica impressionada com o grande respeito que Jesus tem por ela e quando Ele lhe fala da verdadeira fé, como relação com Deus Pai ‘em espírito e verdade’, então intui que aquele homem poderia ser o Messias, e Jesus – coisa raríssima – confirma-o: ‘Sou eu, que falo contigo’. Ele diz ser o Messias a uma mulher que tinha uma vida tão desordenada”, observou. Ler mais…

Semana da Bíblia em Valdigem, Figueira e Queimadela

biblia-melo2

Entre 22 de janeiro e 12 de Fevereiro as comunidades paroquiais de Valdigem, Figueira e Queimadela tiveram a oportunidade de viver a Semana da Bíblia. Para lá das celebrações eucarísticas de abertura e encerramento, formaram-se, em cada comunidade, diversos grupos que se reuniram em algumas casas, durante vários dias, com o fim de refletir, partilhar e sobretudo rezar alguns textos da Sagrada Escritura.

Com a Bíblia nas mãos, as pessoas foram convidadas a ler e refletir, num primeiro encontro, nos dois relatos da criação, orientado pelo pároco destas comunidades: Cón. José Manuel Melo. A ideia fundamental que se tentou transmitir é que o primeiro relato não é mais importante que o segundo e vice-versa. Ambos são relevantes, por isso estão os dois colocados na Sagrada Escritura. Uma outra ideia que foi bem reforçada é que não importa muito saber a ordem da criação do universo, ou se de facto aconteceu mesmo nos sete dias, incluindo o dia do descanso. Importa sim saber que foi e é Deus o Criador de todo o Universo e que o ser humano tem nele um estatuto especial.

O segundo e terceiro encontro foram orientados por Animadores de Grupos Familiares. O segundo encontro teve como tema: “Encontrar-se com Jesus na sabedoria dos idosos”. Tendo como base o texto de Lc 2, 21-40, as pessoas foram convidadas a refletir apenas no papel de duas personagens presentes nesta passagem: Simeão e Ana. É importante salientar que sob a inspiração do Espírito Santo, a vida destas personagens cruzam-se, no templo de Jerusalém, com a vida de Jesus. Também nós somos convidados a estar atentos aos sinais de Deus, à semelhança do “velho” Simeão e de Ana. Este encontro terminou com um texto do papa Francisco, proferido na praça de São Pedro, em Roma, em 28/10/2014, dirigido aos idosos e avós presentes.

O terceiro encontro teve como tema “encontrar-se com Deus na natureza”. Foi mais um outro olhar sobre a Criação, agora na perspetiva de cultivar em todos atitudes de apreço e contemplação pela maravilha da natureza, bem como ajudar a crescer na consciência da responsabilidade humana no cuidado da mesma.

A Semana da Bíblia terminou com um encontro geral para todos os grupos em cada paróquia, onde se refletiu na passagem da queda de Adão e Eva, orientado pelo reitor do Seminário Maior de Lamego: Pe. Joaquim Proença Dionísio. Foram muitos os que se movimentaram ao longo desta semana com o objetivo de melhor conhecer a Palavra de Deus. É necessário que estes encontros continuem, pois nos tempos que correm é urgente para nós cristãos conhecer cada vez mais e melhor as Escrituras.

Vítor Teixeira Carreira

VI ano, SML, in Voz de Lamego, ano 87/16, n.º 4401, 28 de fevereiro de 2017

Formação Bíblica para jovens da Diocese de Lamego

jovens-biblia

Formação Bíblica

“Podia estar perdido Como um náufrago no mar

E ainda perder tudo, até o alento… Podia estar faminto

Como uma criança sem lar Mas eu sei que a Tua palavra Sempre me sustentará…”

 No passado dia 4 foi nos dada a oportunidade de aprofundarmos o nosso conhecimento sobre a Bíblia. Reunidos no Seminário de Lamego, o Departamento dos Jovens ajudou-nos a perceber que apesar de ser um livro “tão velho” ele tem tudo a ver com gente “tão nova” como nós.

Durante a manhã, após uma oração onde invocamos o Espírito Santo, recebemos a visita do Sr. Bispo, D. António Couto, que nos indicou o caminho para este dia de descoberta. De facto, no princípio deste percurso necessitávamos de uma orientação geral que nos ajudasse a compreender toda a jornada: a riqueza da Palavra de Deus não está num conjunto de palavras escritas num papel mas está naquilo que transparece, na profundidade do sentido daquilo que está escrito e que é lido, que é anunciado! Ler mais…