Arquivo

Archive for the ‘Ano Pastoral’ Category

Editorial da Voz de Lamego: Chamados e enviados… sempre

O ano pastoral está a chegar ao seu final. A Diocese de Lamego, em conformidade com o ano extraordinário missionário, de outubro a outubro, de 2018 a 2019, procurou, conjugando com a proposta do nosso Bispo para um triénio dedicado à Igreja, acentuar a nossa condição de vocacionados e enviados, podendo ser traduzido por uma expressão que amadureceu na América Latina, de onde é originário o Papa Francisco: discípulos missionários.

Tivemos a oportunidade, em diversos encontros, formativos ou celebrativos, de nos debruçarmos sobre o discipulado, sobre a nossa vocação. Com efeito, desde o seio materno, ou, numa expressão do Bento XVI, desde sempre, no pensamento de Deus, que somos chamados à vida, à felicidade, concretizável na santidade que nos humaniza e nos irmana.

O encontro com a alegria, o encontro com Jesus leva inevitavelmente à partilha, ao testemunho, ao anúncio. Tal como o amor de Deus implica o amor ao próximo, pois não é possível amar a Deus sem, em consequência, amar o(s) que Ele ama, também não é possível aproximar-se de Jesus, experimentar a alegria do encontro, a vocação, sem redundar em festa a necessitar de ser comunicada a todos os que vamos encontrando. Da reflexão, importa adequar a vida toda, a minha e a tua vida, a vida em comunidade, para viver em dinâmica missionária. Todos, tudo e sempre em missão.

Ao longo do Evangelho, Jesus explicita o chamamento, envolvendo as nações de toda a terra e, por conseguinte, o envio de 72 discípulos (símbolo dos povos de toda a terra) a todos os lugares.

De entre os discípulos, Jesus escolherá 12, a quem deu o nome de Apóstolos, para que fossem mais próximos e assumissem uma responsabilidade maior. Os discípulos vêm de diferentes proveniências, sobretudo de classes mais pobres, da Judeia e da Galileia. Entre eles existem laços familiares (André e Simão, Tiago e João), laços de amizade, laços profissionais, ou nenhum tipo de laço. O critério parece ser apenas um: despojamento, pobreza, disponibilidade para amar e para servir, e para partir. Haveria também Tiago, o irmão do Senhor, portanto parente de Jesus. Curiosamente, os familiares de sangue aparecem pouco, a não ser para O levarem para casa, por se dizer que Ele estaria tresloucado. Todavia, os que seguem Jesus hão de estar disponíveis para servir, não para se servir, e para irem por todo o mundo anunciar o Evangelho, rompendo com as fronteiras familiares e nacionalistas. Amar até os inimigos. Samaritanos, pecadores, publicanos, cananeus, gregos, homens ou mulheres. Ir às periferias, como tem apelado o Papa Francisco.

A Igreja de Lamego também no próximo ano, e nos seguintes, é chamada e enviada em missão.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/32, n.º 4519, 16 de julho de 2019

Colégio de Arciprestes – Reunião ordinária

No dia 31 de maio, teve lugar no Seminário de Lamego mais uma reunião ordinária do Colégio de Arciprestes, da diocese de Lamego. Presidida pelo bispo diocesano, D. António Couto, com a presença dos vigários gerais, da coordenação pastoral e dos arciprestes e vice-arciprestes da nossa diocese, a reunião teve início às 10h00, com a oração de Hora Intermédia, e terminou pelas 13h00, seguindo-se o almoço.

Dando cumprimento à pré-definida agenda de trabalhos, houve três assuntos que mereceram particular refleção, discussão e decisão. O primeiro tema em análise foi a verificação do estado de preparação do, já próximo, Dia da Família Diocesana, a realizar a 22 de junho, no Santuário de Santa Eufémia, na zona pastoral de Penedono. Expuseram-se um conjunto de decisões já tomadas acerca do programa do dia, da celebração Eucarística, da tarde recreativa e do envio. Distribuíram-se tarefas e pediu-se o máximo empenho de todos para o que ainda falta fazer, sobretudo no que toca à necessária divulgação, para que ninguém fique de fora por falta de informação.

O segundo assunto de maior relevância, na ordem dos trabalhos, foi a preparação do lema pastoral para o próximo ano. De acordo com o que já tinha ficado pensado e decidido no ano passado, o plano pastoral do ano 2019/2020 desenvolverá a temática da sinodalidade, como estado permanente da vida eclesial. Mantendo a lógica do ano passado, e seguindo as diretrizes da carta pastoral do nosso bispo, a proposta é de que o tema verse sobre a “Igreja em caminho e em comunhão” (Carta Pastoral 2018/19, nº1). A seguir agendaram-se já algumas datas de atividades diocesanas, que já vão sendo habituais ao longo dos últimos anos.

Por fim, o terceiro assunto puxado à discussão foi a análise da distribuição do clero diocesano, nos diferentes arciprestados. Os arciprestes e vice-arciprestes foram referenciando as situações mais críticas e anómalas, mencionando o caso de alguns sacerdotes que já não conseguem dar cumprimento normal à realização dos necessários trabalhos paroquiais. Alguns casos repetem-se, e foram já objeto de apreciação em anos anteriores, por este mesmo colégio. Outros são situações relativamente recentes.

Para terminar, o Senhor D. António agradeceu a presença, o empenho e o trabalho de todo. E reiterou a vontade de continuar a contar com todos neste serviço que foi pedido a cada um dos presentes.

Pe. Diamantino Alvaíde,  in Voz de Lamego, ano 89/26, n.º 4513, 2 de junho de 2019

Editorial Voz de Lamego: Luz que recria o mundo

Nestes dias não faltam belíssimas reflexões sobre a Páscoa. A Voz de Lamego eco de algumas. Um dos momentos mais marcantes destes dias é a Vigília Pascal, pelos sinais e símbolos que nos fazem visualizar a história da salvação, com particular incidência no mistério da entrega confiante de Jesus ao Pai, por nós.

Luz, palavra, água e pão. A celebração inicia com a bênção do Lume Novo. A nossa Luz, sempre nova, é Jesus, morto e ressuscitado. Na Encíclica Lumen Fidei, em sintonia com Bento XVI, o Papa Francisco sublinha que a fé é sobretudo luz, ainda que haja momentos de grande sofrimento, em que a dúvida assola e a confiança fica abalada. Com efeito, “a fé não é luz que dissipa todas as nossas trevas, mas lâmpada que guia os nossos passos na noite, e isto basta para o caminho… o serviço da fé ao bem comum é sempre serviço de esperança que nos faz olhar em frente, sabendo que só a partir de Deus, do futuro que vem de Jesus ressuscitado, é que a nossa sociedade pode encontrar alicerces sólidos e duradouros” (n.º 57). As trevas podem ser imensas, mas basta a luz de um fósforo, de um isqueiro ou de um telemóvel, para nos conseguirmos mexer e avançar confiantes.

Há momentos que precisamos de uma palavra amiga, mas talvez precisemos de quem nos escute. Não resolve os nossos problemas, mas conforta-nos saber que alguém nos escuta e tenta compreender-nos. Para que as palavras não sejam vazias, a urgência da escuta. Nesta noite santíssima escutámos longamente a Palavra de Deus, perscrutamos a presença de Deus na história que nos encaminha para Jesus. A Quem iremos? Só Tu tens palavras de vida eterna!

Água para o caminho. Quem bebe desta água, não volta a ter sede. Eu Sou a água viva. Tantas vezes em que um pouco de água fresca é o suficiente para equilibrar o nosso organismo, para tranquilizar a nossa sede, para nos dar forças para continuar a caminhar. A bênção da água, na Vigília Pascal, faz-nos recordar a água em que fomos batizados, a água que nos renova, tornando-nos novas criaturas. Senhor, dá-nos sempre dessa água! Um pouco de pão e de água. Eu Sou o Pão da vida. O Pão que Eu hei de dar é a Minha Carne. É um verdadeiro milagre Deus fazer-Se um de nós. Verdadeiro milagre que a morte seja superada pela vida, pela ressurreição. Milagre grandioso, que Jesus Se converta em Pão para se tornar alimento de muitos. Isto é o Meu Corpo, tomai e comei. É o Meu sangue, tomai e bebei!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/21, n.º 4507, 23 de abril de 2019

Abertura do ano catequético na Paróquia de Almacave

43232183_2166387183599853_8016438741520351232_o

Dado que, no final do ano não foi possível realizar a já habitual festa de Encerramento da Catequese Paroquial de Almacave, fez-se a opção de iniciar o ano catequético de 2018/2019, em festa com o convívio de toda a Comunidade de Almacave que se quis associar a este evento que decorreu no Parque Isidoro Guedes, no dia 6 de Outubro.

Foram centenas as crianças, as famílias e muitos lamecenses que estiveram presentes, tendo mesmo os Lobitos do acampamento LOBIDOURO estado presentes e participado na festa.

Se a Igreja deve ser alegria e, mais ainda, alegria do anúncio, neste Ano Missionário 2019, foi grato ver o espírito que ali reinava através de diversas atividades lúdicas da empresa Canários Infantis, que a todos foi atendendo com muito profissionalismo e carinho.

Na continuação, no Domingo dia 7 de outubro, decorreu a Eucaristia da receção aos catequizandos do 1º ano, com uma parte da totalidade dos inscritos. Muitas foram as famílias que os acompanharam e que depois estiveram presentes na reunião que se realizou no Centro Paroquial de Almacave onde, além dos diversos avisos, os catequizandos e as suas famílias tiveram oportunidade de conhecer as catequistas que os irão orientar, o espaço e as salas em que os seus filhos terão a sua catequese de iniciação.

O Coro de Pais e Filhos de Almacave continua a saga da sua missão acolhendo todos os familiares que se pretendam juntar e esperam continuar a fazer a animação da Eucaristia dominical das 10 horas, realizando-se os seus ensaios pelas 11 horas, no mesmo espaço e tempo em que os seus filhos se encontram, na Catequese.

Que Santa Maria Maior de Almacave abençoe o nosso Ano Catequético e ilumine a nossa Paróquia neste Caminho de Missão

Isolina Guerra, in Voz de Lamego, ano 88/43, n.º 4480, 9 de outubro de 2018

Editorial Voz de Lamego – A salvação não se nega a ninguém

parcerias

Expressão popular que sublinha a ligação mínima entre as pessoas quando a relação, mais próxima, mais pessoal, mais familiar, se quebrou. O vínculo de confiança e cumplicidade foi quebrado, mas não o que está na base da convivência social, humana e cristã.

Nas nossas aldeias, nas pessoas de mais idade, existe esta prática, esta consciência que “Bom dia” ou “Boa tarde” é o mínimo para uma pessoa decente, para uma pessoa de bem. O outro pode até não responder, fazer de conta, virar a cara para o lado, responder torto, dizer algum palavrão, mas a minha consciência leva-me a cumprimentá-la de qualquer jeito, mesmo que continue a desejar-me mal. E logo se acrescenta que essa é uma atitude cristã. O cristão não pode andar de costas voltadas para o outro.

Num primeiro momento, muitas vezes, é difícil cumprimentar o outro, ainda que a correr!

“Não lhe falo, não fala para mim, mas dou-lhe sempre a salvação, a salvação não se nega a ninguém. Primeiro não me respondia, agora já vai respondendo. Mas mesmo que não me respondesse, continuava a dar-lhes a salvação. Nós não somos animais. Temos contas a dar a Deus e Deus não quer que andemos de candeias às avessas. Claro que não seremos amigos, pelo menos como dantes. O que ela me fez não se faz a ninguém, nem ao pior inimigo! Mexer com a minha família, com o meu bom nome, isso é que não, mas não lhe quero mal, desejo para ela o que desejo para mim e para os meus. E se a visse numa valeta não deixaria de lhe deitar a mão. Não, nem pensar. Deus me livre! Seria o/a primeiro/a ajudar. Afinal, somos cristãos, somos irmãos. Foi isso que aprendi na doutrina. Foi isso que os meus pais sempre me ensinaram. Ajudar, fazer o bem sem olhar a quem e dar sempre a salvação. A salvação, a salvação não se nega a ninguém, a ninguém, mesmo que custe e que tenhamos que engolir em seco!”.

O estilo de Jesus vai ainda mais longe. Perdoar 70×7, perdoar sempre. Procurar reconciliar-se com quem nos fez mal e não apenas a quem fizemos mal. Perdoar é divino. Há quem diga que Jesus, na Cruz, teve essa dificuldade e por isso pede ao Pai que lhes perdoe, pois não sabem o que fazem”! Ele por agora ainda não consegue perdoar-lhes! Do Papa Francisco um apelo semelhante: se não conseguires ainda perdoar a tal pessoa, reza por ela, para que aos poucos Deus dilate o teu coração.

Uns dias depois do início do novo ano pastoral… se a salvação não se nega a ninguém, então o compromisso (obrigatório) de levarmos a salvação a toda a gente!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/43, n.º 4480, 9 de outubro de 2018

Paróquia de Tabuaço – Encerramento da Catequese 2018

Com a chegada das férias escolares, chegam habitualmente também as férias na catequese, ainda na nossa Paróquia se tivesse prolongado alguns sábados. No itinerário de 10 anos de catequese, fomos celebrando, em cada ano de catequese, uma festa que sublinhou o que ao longo do ano se foi refletindo e aprofundando.

No dia 30 de junho, sábado, vivemos o Encerramento da Catequese, com muitos meninos já de férias! Tínhamos previsto este dia para o Santuário de Santa Maria do Sabroso, na paróquia vizinha de Barcos, mas a instabilidade do clima fez-nos ficar por casa. Num primeiro momento, no Centro Paroquial, jogos tradicionais e lanche partilhado. Num segundo momento, na Igreja Matriz, a celebração da Santa Missa, com alguns gestos e intervenções específicas da catequese.

Como catequistas quisemos deixar uma mensagem à comunidade e sobretudo aos pais dos nossos meninos, e que foi linda no momento de ação de graças:

“Chega ao fim mais um ano de catequese.

No início, partimos como uma caravana à procura do grande tesouro que estava para lá do deserto. Partimos à descoberta do nosso maior amigo, Jesus, e à descoberta de nós mesmos…

Aonde chegamos?!

Este é o momento de agradecer ao Senhor, pelo dom da vida, pela Sua presença, pela transformação que produziu em nós e naqueles com quem partilhamos a vida, pelas descobertas feitas, pelo crescimento feito na Fé e no Amor, tudo o que vivemos juntos nos nossos grupos e com toda a nossa comunidade cristã.

É Jesus quem dá sentido à nossa vida, às coisas boas e menos boas que fazemos. A Ele queremos agradecer por todos e por cada um de nós.

As férias estão a decorrer, mas Jesus não tem férias… como todos sabemos!

Gostaríamos de deixar dois desafios, sobretudo aos pais.

Primeiro: Levai os vossos filhos à grande festa de Jesus, a Eucaristia, ou entrem com eles numa Igreja e rezem em conjunto a oração que Ele nos ensinou, Pai-nosso. Façam isto algumas vezes. Eles vão gostar de ver Jesus.

Segundo: Um desafio e um pedido: necessitamos de catequistas para o próximo ano, contamos com a vossa melhor colaboração. Todos não somos de mais. Ouçamos a voz de Jesus: a Messe é grande mas operários são poucos. Precisamos uns dos outros. Precisamos de todos. Precisámos de vós.

Que o Deus de Jesus Cristo, Pai, Filho e Espírito Santo, a todos nos guie e nos desperte para o serviço em Igreja e em sociedade e a todos nos abençoe com a Sua paz e ternura”.

No final da Eucaristia, o nosso Pároco agradeceu o nosso trabalho dedicado ao longo de todo o ano pastoral de 2017-2018.

Grupo de Catequistas de Tabuaço, in Voz de Lamego, ano 88/31, n.º 4468, 3 de julho de 2018

Paróquia de Almacave – Encerramento do Ano Pastoral

Há alguns anos para cá que, no último domingo de Junho, a Paróquia de Santa Maria Maior de Almacave encerra as atividades pastorais com um convívio que envolve algumas centenas de paroquianos. Este ano, o convívio aconteceu no Santuário de Nossa Senhora da Abadia, no Gerês, com uma breve passagem por São Bento da Porta Aberta. Mais do que um mero passeio é uma ocasião para conviver com aqueles que, fazendo parte da comunidade paroquial, partilham durante o ano a pertença ativa à Paróquia. Fora do ambiente de trabalho e do quotidiano tantas vezes monótono, é sempre uma oportunidade para se criarem laços mais profundos de amizade e de comunhão paroquial.

A Eucaristia é sempre o ponto mais alto deste encontro alargado. É o Grupo de Jovens que marca sempre presença neste dia, animando liturgicamente a celebração eucarística. O entusiasmo e a alegria que se gera através do canto, fazem da Eucaristia a grande Festa, onde todos nos sentimos irmanados na celebração da mesma Fé que dá sentido à vivência comunitária expressa em tantos momentosos da vida pastoral paroquial.

Esta comunhão testemunha-se depois na partilha dos farnéis que, neste dia, se abrem para todos numa mesa comum.

Na Eucaristia, em que se celebrava a Solenidade do Nascimento de são João Batista, um dos Párocos, P. José Guedes, apelou para o compromisso comunitário de sermos também uma “comunidade precursora e profética” que prepara o caminho para que a Boa Nova de Jesus chegue a todos os paroquianos e, igualmente, à necessidade da “coerência de vida evangélica, para que dêmos um testemunho ousado das razões da nossa Fé com o mesmo ardor e a generosidade de João Batista”.

Chegava o momento de regressarmos a casa. Mas antes, já em Cabeceiras de Bastos, era preciso “dar cabo” dos farnéis que os vários autocarros ainda guardavam. Entre o petiscar e a música, a dança estendeu-se a todos que, mesmo já com alguma idade menos jovem, mostraram que para a dança não há idades.

Chegámos, à nossa Paróquia de Almacave, felizes e mais ricos porque vivemos um dia de muita comunhão fraterna, agradecendo a Deus as maravilhas que em nós operou ao longo deste ano pastoral.

Embora já em tempo de férias, as Conferências Vicentinas continuarão o seu trabalho semanal de cuidar dos que mais precisam e os jovens reunir-se-ão, às sextas-feiras, agora para prepararem a peregrinação à Comunidade Ecuménica de Táizé (Borgonha-França) que ocorrerá de 3 a 13 de Agosto.

Mais uma vez sentimos e experienciámos que, mais do que nunca, saber partilhar a fé, a alegria e a vida com os outros é a expressão mais bonita de sermos e mostrarmos que somos Paróquia.

FS, in Voz de Lamego, ano 88/30, n.º 4467, 26 de junho de 2018