Arquivo

Archive for 11/11/2021

Castanha, potencial económico do Concelho de Penedono

Penedono é um dos concelhos do distrito de Viseu, situado nos limites da Beira Alta, possuidor de uma traça vincadamente medieval e que ostenta orgulhosamente um passado que remonta aos primórdios da nacionalidade. É aqui, por entre montes e vales, outrora calcorreados pelo “Insigne Magriço”, que se produz a melhor castanha martainha. Se em tempos remotos este fruto era a base da subsistência alimentar do povo Beirão e da Raia Transmontana, que a conservava utilizando técnicas ancestrais e consumia ao longo do ano, hoje, volvidos vários séculos, ei-la presente no quotidiano nacional e internacional assumindo o estatuto de Fruto Rei, que lhe confere uma notoriedade singular.

Sendo um concelho predominantemente agrícola, Penedono tem na sua produção de castanha o principal impulsionador da sua economia, sendo esta o garante da sustentabilidade de inúmeros agregados familiares.

Como tal, conhecedora da realidade concelhia, a Autarquia de Penedono, tem desenvolvido esforços na promoção deste fruto, acompanhando de perto as preocupações dos produtores e o trabalho desenvolvido no combate às pragas que assolam o castanheiro, nomeadamente a vespa da galha, a tinta e o cancro, promovendo o patrocínio financeiro de inúmeras largadas para o controle da vespa da galha que, segundo a Cooperativa Agrícola de Penela da Beira, se encontra controlada. Para além disso, a Autarquia de Penedono aposta numa estratégia de promoção da castanha, participando e realizando inúmeros eventos que têm como único propósito a exortação deste fruto tão querido dos portugueses. Neste ano de 2021, A Sra. Presidente da autarquia , Cristina Ferreira, numa ação de promoção da castanha martaínha do nosso concelho, que teve início a 24 de outubro, terá durante todos os fins de semana do mês de novembro, um assador de castanhas no  Centro Histórico, onde, quem nos visita, poderá saborear as deliciosas castanhas, assistir e participar em atividades  de índole cultural e visitar o Centro de Mostra e Divulgação de Penedono, um espaço físico onde pode encontrar produtos locais que vão desde a hortícola , mel, doçaria, artesanato e muito mais, produtos endógenos provenientes do saber ancestral dos Penedonenses.

 Penedono pode muito bem reclamar o estatuto de maior produtor de Castanha Martaínha, uma variedade que existe somente nesta região, sendo um fruto de montanha com particularidades bem específicas, quer seja no palato, na apresentação e mesmo na saúde, uma vez que possui capacidades nutritivas reconhecidas por inúmeros nutricionistas.

Castanha de Penedono para o mundo

Sendo a castanha a maior alavanca económica do concelho de Penedono, tem na Cooperativa Agrícola de Penela da Beira um dos seus maiores dinamizadores na medida em que, esta instituição, não só comercializa a castanha, como a promove e proporciona apoio técnico aos seus associados.

Numa altura em que decorre a campanha de 2021, importa saber que, na campanha transata, a Cooperativa Agrícola rececionou e comercializou 400 toneladas de castanha, que tiveram como destino diversos mercados (95% vocacionados à exportação e 5% reservados ao mercado nacional).

A nível internacional, a castanha made in Penedono marcou presença nos Estados Unidos, Itália, França, Alemanha e Suíça, prova cabal de que este é um fruto verdadeiramente apetecível, fazendo as delícias não só de quem a descobre pela primeira vez, bem como alimentando o mercado da saudade.

Na campanha que agora decorre, a Cooperativa Agrícola de Penela da Beira já rececionou cerca de 200 toneladas de castanha, pese embora, meteorologicamente, este tenha sido um ano atípico, com temperaturas muito baixas no período de verão. No entanto, a qualidade da castanha não terá sido afetada, uma vez que, no que concerne à quantidade, se estima que esta alcançará números bem próximos da campanha anterior.

Mecanização da apanha da castanha

A mecanização da apanha da castanha é uma realidade cada vez mais necessária, isto porque o seu cultivo padece do mal generalizado na agricultura de falta de mão de obra. Para além disso, sendo um produto sazonal e em que a apanha decorre num espaço temporal muito restrito (de outubro a meados de novembro), urge repensar os métodos de apanha da mesma.

Existem no mercado soluções mecânicas para o efeito que, felizmente, vão sendo adotadas por grandes produtores de castanha. É o caso do Sr. Paulo Neto que, ante a dificuldade em encontrar mão de obra, preparou os seus soitos para a apanha mecanizada, adquirindo uma máquina acoplada ao trator. Um investimento avultado, que se rentabilizou com o passar dos anos uma vez que, o trabalho que agora é realizado por ele e pela sua esposa, com a máquina, era efetuado por cinco ou seis mulheres durante um mês.

Para Paulo Neto, este é um excelente ano, ao contrário do que inicialmente se previa e, comparativamente com o ano anterior, a sua produção será idêntica, tanto em quantidade como em qualidade.

Porém, nem todos os produtores, devido às mais diversas circunstâncias, sejam elas económicas ou de índole social, optaram pela mecanização da apanha da castanha. Se por um lado se trata de um investimento avultado, só ao alcance de alguns, outros há que ainda mantêm, devido à idade, alguma resistência ao avanço do progresso. Mesmo assim, este será um progresso necessário, que certamente vingará com a sua implementação por novos produtores, uma realidade que vai sendo uma constante.

Na localidade de Bebeses encontramos o Sr. Diamantino, outro produtor de castanha que se mostra reservado com os resultados da campanha 2021, não por existir uma discrepância entre a qualidade e quantidade da castanha, mas sim pela dificuldade que tem em encontrar mão de obra para a apanha. Recorreu a uma das várias empresas de prestação de serviços agrícolas mas, mesmo essas, se debatem com o mesmo problema.

Quanto ao escoamento do seu produto, o Sr. Diamantino, não sendo sócio da Cooperativa de Penela da Beira, mostrou-se agradado com os preços praticados e, à semelhança de anos anteriores, não sentiu qualquer dificuldade no mesmo.

A comercialização da castanha não é um monopólio exclusivo da Cooperativa Agrícola de Penela da Beira, existindo outros intervenientes, tais como comerciantes, devidamente habilitados, que compram diretamente ao produtor, para além de intermediários locais que a vão adquirindo, para posteriormente a venderem a retalho. Poderemos estimar que a produção de castanha em Penedono transcende, largamente, as 500 toneladas.

A castanha e a sua componente turística

Para além do aspeto económico, vital à economia Penedonense, a temática da castanha assume cada vez mais um papel primordial no setor do Turismo.

Se nos tradicionais meses de verão Penedono verifica picos de visitantes, atraídos pela sua história e pelo seu património edificado, é na época das castanhas, em pleno outono, que se verificam fluxos de visitantes próximos dos verificados na dita época alta de turismo.

Com paisagens únicas, de soutos com frondosos castanheiros, solos repletos de ouriços e castanhas em tons de ouro, Penedono torna-se destino de eleição dos amantes da natureza e das tradições que envolvem o fruto rei, como a apanha e os tradicionais magustos regados com a famosa jeropiga que, em sintonia, geram um verdadeiro manjar dos Deuses.

Ora, assim sendo, este fluxo de turistas tem repercussões económicas no tecido hoteleiro concelhio, pois aqueles que nos visitam planeiam atempadamente a sua estadia, de forma a vivenciar todo o processo de apanha da castanha.

A Quinta da Picoila, espaço de agroturismo, pertença da D.ª Isaltina Cabral, tem verificado um aumento de reservas de turistas para a sua propriedade. Aqui encontram um ambiente único de turismo rural onde podem desfrutar do maravilhoso espaço, passear pelos soitos, apanhar castanhas e sentir de perto a dinâmica característica desta época.

Importância da castanha na gastronomia local, em particular na doçaria.

Penedono, muito justamente, é conhecido hoje como uma zona onde se produz das melhores castanhas da variedade martainha. A castanha é consumida enquanto fresca e de uma forma sazonal, no período entre setembro e janeiro. A base alimentar das nossas castanhas já vem dos nossos antepassados, sendo estas muito multifacetadas nos usos culinários. É um alimento muito versátil, em termos de confeção, podendo comer-se cozida com erva doce, assada, como acompanhamento de pratos, na base de sopas ou na confeção de apetitosas sobremesas e bolos. O público mais informado já reconhece este conjunto de utilizações alternativas para a castanha, utilizando-a de forma mais corrente na sua alimentação.

Desde os tempos medievais que a cultura deste fruto é muito importante, quer como alimento, mas também primordial como um bem comercial.

Note-se que a castanha pode ser desfeita e reduzida a puré, transformar-se em “farinha” para bolos e pães ou até ser comida como um substituto da batata.

Muitas são as sugestões para o uso deste fruto de outono, dadas as suas propriedades que permitem a produção de diversos produtos, desde a castanha fresca até aos seus derivados sujeitos a transformação.

Destaca-se na vila de Penedono a Padaria e Pastelaria Castelo, situada no Bairro do Prazo, cuja proprietária D. Gina Andrade Aguiar confeciona vários doces bem conhecidos do nosso dia a dia, adaptando-os e introduzindo a castanha como elemento principal. Destacam-se o pastel de nata, a queijada, o brigadeiro, a tarte, o pudim e o bolo-rei, todos eles com o sabor único deste fruto.

Para a promoção da qualidade, diversidade e inovação da castanha, bem como de outras matérias-primas locais, a Câmara Municipal de Penedono promoveu, em novembro de 2014, e inserido no Mercado do Magriço, a 1ª edição do concurso “PENEDOCE” (cujo júri foi presidido pelo Chefe Hernâni Ermida).

Neste concurso, a textura, o aspeto visual, o sabor, o uso de outros ingredientes, todos de proveniência local, para além da castanha, bem como a criatividade demonstrada pelo artesão/pasteleiro na execução da iguaria, foram fatores tidos em conta. Assim, foram premiados os dois doces de castanha mais originais e bem conseguidos (o ouriço de castanha e o biscoito de castanha), quer pelo caráter tradicional ligado às raízes da doçaria regional, quer pelo aspeto inovador representado por uma nova e criativa abordagem e apresentação.

A versatilidade da castanha, na opinião de D. Gina Andrade Aguiar, foi umas das bases do sucesso da sua empresa nos últimos anos, muito por consequência de tal evento promovido pelo Município de Penedono.

A realização deste tipo de concursos, como o referido anteriormente, que tem como objetivo principal mostrar a criatividade e inovação do uso deste fruto na cozinha, promove também os pratos regionais à base do mesmo.

Continuará a ser objetivo futuro do Município apoiar e dar a conhecer a evolução de todos os produtos em redor deste fruto, para a promoção do concelho e do empreendedorismo local, bem como para a valorização do mesmo, através da sua qualidade e diferenciação.

in Voz de Lamego, ano 91/49, n.º 4631, 3 de novembro de 2021