Arquivo

Archive for 28/07/2021

Entrevista VL com Filomena Matias

O restaurante A Tasquinha do Matias, é um espaço simples, mas altamente recomendável pela boa comida que apresenta, dos petiscos regionais aos substanciais milhos à lavrador, a marrã à tasquinha e o cozido à portuguesa. Para conhecer A Tasquinha do Matias, tem de conhecer Filomena Matias Pinto, a proprietária.

Filomena Matias Pinto é conhecida pelo amor que tem pela aldeia, carinho das pessoas e, como é obvio, pelos milhos no pote. Milhos no pote, prato esse que já foi premiado no concurso gastronómico “7 maravilhas à mesa” com o 3º lugar.

“Estes milhos fazem com que tenhamos as pessoas que temos.”

“Eu quando vim da suíça, precisava de emprego, já tinha 40 anos, e, por isso, era complicado arranjar emprego. Foi aí que pensei em arriscar na tasquinha que a minha mãe já tinha há algum tempo, tasquinha que, com a viragem do euro, a minha mãe não conseguiu gerir.

De 2000 até 2005 a tasquinha esteve fechada, e não podia ser assim. Esta torre e esta paisagem mereciam ter visibilidade, tinha de arranjar uma forma para que isso acontecesse.”

“Comida normal não ia fazer com que as pessoas fizessem o desvio para visitar esta ponte e torre romana, a torre e ponte de Ucanha.”

Torre e ponte de UCANHA

O monumento mais icónico de Tarouca é a torre e ponte de Ucanha, a mais bela ponte medieval Portuguesa e está classificada como Monumento Nacional desde 1910.Se na idade média muitas pontes com torres fortificadas foram erguidas, quase todas desapareceram, a que esteve associado a existência da sua proibição a partir de 1504, pelo rei dom Manuel I. Em Portugal ainda existem fortificadas, a ponte de Ucanha que está em perfeito estado de conservação.

“No início servia 20 refeições diárias, isto ao fim-de-semana, só ontem servi 302 refeições.

Temos gente de todo o lado, algarve, Alentejo, porto, Guimarães, Braga, Gerês. De abril a outubro foram 72 autocarros, cheios, até à Ucanha, à tasquinha do Matias.

“Fizemos 200 Km para comer os seus milhos e ainda temos a viagem de volta” – são estas palavras que compensam todo o trabalho diário. “

Foram já algumas figuras publicas que tiveram o prazer de conhecer a Sr. Filomena, uma das celebridades foi mesmo o presidente Marcelo Rebelo de Sousa.

“Ele adorou os milhos e também me adorou a mim” – disse a proprietária da tasquinha do Matias em gargalhadas.

“Ainda me manda cumprimentos pelos jornalistas”.

Qual foi a refeição mais marcante que serviu até hoje?

“Foi uma refeição com a Maria João Abreu e o Fernando Mendes, fizeram questão de atuar, e fazer um pouco de comédia aqui no restaurante. Essa foi, sem dúvida, uma das refeições mais marcantes. Houve mais uma que me tocou muito, um cliente que era cego quis fazer o pedido de casamento à sua namorada aqui, colocámos tudo conforme foi pedido e assim foi, tão gratificante…”

 in Voz de Lamego, ano 91/36, n.º 4618, 21 de julho de 2021

Editorial Voz de Lamego: Jonas foi lançado ao mar

Estaremos ainda no mesmo barco?

Há mais de um ano, em 27 de março de 2020, o Papa Francisco subia a praça do São Pedro, num momento extraordinário de oração, lançando diversos desafios. Estamos todos no mesmo barco, sob uma tempestade que a todos surpreendeu. A pandemia do novo coronavírus colocou a descoberto muitas fragilidades. “A tempestade desmascara a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projetos, os nossos hábitos e prioridades… Com a tempestade, caiu a maquilhagem dos estereótipos com que mascaramos o nosso «eu» sempre preocupado com a própria imagem; e ficou a descoberto, uma vez mais, aquela (abençoada) pertença comum a que não nos podemos subtrair: a pertença como irmãos”.

Desta pandemia sairemos melhores ou piores, mas não iguais. A esperança é que esta tempestade nos fizesse sentir verdadeiramente irmãos, para que todos se sentissem em casa, no mesmo barco, sob o mesmo céu e a caminhar sobre o mesmo chão. Havia quem profetizasse um tempo novo, em que tudo seria diferente, exultando a certeza de que ficaria tudo bem. Exultaram os ambientalistas (desencarnados da vida), pois o ambiente tornou-se mais respirável. Alguns (quase) sugeriram que o ser humano está a mais na terra!

Há muito tempo…

Deus chama Jonas e envia-o à grande cidade de Nínive, uma terra estrangeira, para dizer aos seus habitantes que estão à beira da destruição. Jonas hesita e segue, de barco, noutra direção, pouco interessado no destino dessa cidade. Abate-se uma grande tormenta e os tripulantes lançam sortes para saber de quem é a culpa, que recai em Jonas. Pegam nele e deitam-no ao mar. E a tempestade acalmou. Jonas acabará por cumprir a missão a que estava chamado por Deus e anuncia a necessidade de conversão.

Jonas tornou-se pesado. Não tanto do corpo, mas da consciência. Para ele, Nínive ser destruída ou salva seria igual. Não se lembra que o chão é o mesmo e estão debaixo do mesmo Céu. Também aqui a imagem do barco é sugestiva. Alguns pensarão que a desgraça dos outros não os atinge ou que sucesso alheio fere a sua paz. Na verdade, Jonas ficou irritado quando verifica que a cidade não foi destruída, pois os seus habitantes souberam mudar de vida!

“O Senhor interpela-nos e, no meio da nossa tempestade, convida-nos a despertar e ativar a solidariedade e a esperança” (Papa Francisco).

Se estamos no mesmo barco, cuidemos para que não se afunde. Passado mais de um ano, e quando as coisas parecem encaminhar-se para a bonança, nomeadamente com a vacinação, olhamos para o lado e vemos que alguns estão em belos camarotes, protegidos do sol e da chuva e com seguranças à porta; outros estão no convés a espreguiçar-se à espera de serem servidos; outros estão no porão a trabalhar no duro, alguns foram lançados borda fora, excluídos, por se recear que o barco tivesse peso a mais!

Ao tempo de Jesus, ouvimos por estes dias, com poucos recursos, cinco pães e dois peixes, é possível alimentar muitas pessoas. O milagre da multiplicação revela-se na partilha. No nosso tempo, a multiplicação é facilitada pela ciência e pela técnica, não faltam recursos, mas há muitas pessoas a morrer à fome, a mendigar uma côdea de pão, sem casa, sem acesso nem à educação nem à saúde. Não falta a multiplicação, nem o excesso, falta a solidariedade.

Quando uma pessoa passa privações, vendo a opulência dos vizinhos, mais tarde ou mais cedo vai sentir inveja, revolta, e vai perceber que talvez não esteja a usufruir daquilo a que tem direito pelo trabalho ou pelas riquezas do solo que habita. Um país (ou continente) por vacinar, vai promover a replicação dos contágios…

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 91/37, n.º 4619, 28 de julho de 2021