Início > Editorial, Vida > Editorial da Voz de Lamego: Ensaio sobre a cegueira

Editorial da Voz de Lamego: Ensaio sobre a cegueira

Não, não é a sugestão do livro de José Saramago, ainda que, pessoalmente, goste muito dos seus livros, mas, a sugerir, talvez começasse por recomendar “A Jangada de Pedra”, pela originalidade, pela criatividade e pela história que constrói unindo as duas pátrias da península ibérica. Mas não se trata de aconselhar esta leitura, mas de partir da cegueira a que a população fica sujeita. Em pouco tempo a cegueira espalha-se. As autoridades isolam (em quarentena) os que ficam cegos. É tão surpreendente que não é possível gerir um problema que se agudiza. As decisões iniciais até parecem sensatas. É necessário isolar todos os que ficam cegos, para evitar o contágio do resto da população. Os soldados, armados até aos dentes, garantem que ninguém sai, um manicómio vazio, devoluto, murado em todo o perímetro, rapidamente convertido em aquartelamento para a quarentena. Mas também os soldados e as autoridades acabam, sem se saber como, de ficar cegos. Só restará a mulher do primeiro cego, que mantém a visão. Em alguns momentos talvez também ela desejasse não ver o que fazem as pessoas quando sabem que os outros não estão a ver! José Saramago cria parábolas muitos sugestivas, sobre o mundo atual, em vários livros como, o já citado, “A Jangada de Pedra”, “A Caverna”, “A Viagem do Elefante”, “O Homem duplicado” ou “O Ensaio sobre a Lucidez”.

A pandemia provocada pelo novo corona vírus veio suscitar uma ampla reflexão. O Papa Francisco, no momento de oração extraordinário, a 27 de março, sublinha que não era possível viver de forma saudável num mundo doente. Doente pelo egoísmo, pela prepotência, pela discriminação racial, social, cultural, religiosa. Doente pela indiferença em relação aos pobres, às pessoas e povos que vivem na miséria. Doente no exacerbado consumismo e na exploração exaustiva dos recursos naturais, sem a solidariedade intergeracional necessária para a sobrevivência do planeta. Estamos no mesmo barco e a destruição deste a todos afetará, não apenas no futuro, mas já vislumbrável nos nossos dias. A pandemia mostra que pobres ou ricos, mais novos ou mais velhos, países desenvolvidos ou em desenvolvimento, todos podem ser contaminados. Claro que os cuidados de saúde continuam a depender em grande escala do poder económico e do desenvolvimento dos povos. Milhares de pessoas morrerão de fome antes da Covid19 ou derivado a esta mas sem que haja possibilidade de verificar tal casualidade.

Sairemos diferentes da pandemia!? Melhores ou piores. Em momentos extraordinários, vem ao de cima o melhor e/ou o pior de nós. Como se tem visto! Tantos voluntários… mas continua a haver comportamentos desonestos de quem se serve das situações de precaridade para esmagar o seu semelhante! Continuamos a assistir a contendas demolidoras, a politiquices de caserna, não se discutem medidas, medem-se os ganhos político-partidários e age-se em conformidade. Há tantas pessoas que continuam a ser esquecidas!

Deveremos aprender com as adversidades! Será que voltaremos mais maduros?

E, por falar em voltar… a provocação saramaguiana, quando ninguém nos vê, ou talvez apenas Deus ou nem Deus nos veja, seremos “metade de indiferença, metade de ruindade”! E a concluir: “penso que não cegámos, penso que estamos cegos, Cegos que veem, Cegos que, vendo, não veem”. Inspirado ou não, estas palavras encontramo-las no Evangelho, na cura do cego de nascença, em que Jesus sublinha que há muitos que, tendo vista, não veem, continuam a prosperar no seu pecado, morrendo e mantando!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 90/38, n.º 4573, 1 de setembro de 2020

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: