Início > Opinião > Espuma dos dias: Até que enfim o primeiro infetado português

Espuma dos dias: Até que enfim o primeiro infetado português

Desde que o Corona Vírus, rebatizado Covid-19, surgiu no extremo oriente com números alarmantes, a comunicação social portuguesa tem acompanhado o evoluir do surto da doença com muita atenção. O registo dos números, sempre em ritmo crescente, tem acompanhado uma certa expectativa de perceber se este vírus chega ao nosso país ou então a Espanha. No entanto, para gáudio de todas as mentes sensacionalistas e temerárias, esta semana um português a viajar num cruzeiro pelo Japão ficou infetado.

Durante várias semanas, fomos todos testemunhas de inúmeros diretos à porta de hospitais portugueses em que batalhões enormes de jornalistas deram conta de casos “suspeitos”. Era uma senhora que esteve na China, outra que veio num avião com um cidadão belga infetado, etc, etc. Para grande desilusão dessa horda de repórteres, todos os casos suspeitos em Portugal, incluindo a comitiva lusa que estava em Wuhan, deram negativo. Não quero ser adepto do “bota-abaixismo”, mas quase que se percebia a frustração de alguns desses jornalistas. Ora bolas.

Isso não impediu de as mais estapafúrdias teorias da conspiração chegarem ao nosso país. Autênticos boatos em forma de verdade-verdadinha. A que registei, em primeiro lugar, foi a de que teria sido o governo chinês a criar este vírus para controlar o aumento desenfreado da população naquele país (sensivelmente 1,4 biliões de habitantes). Xi (Jinping), o que você foi fazer, seu maroto! Outra informação que andou a circular relacionava-se com a suposta venda de carne chinesa contaminada com o vírus e que já estaria à venda nos talhos portugueses. Estas notícias só não falavam do preço do quilo desta carne infetada.

A China tem sabido estar à altura da responsabilidade. A resposta ao surto, as medidas de quarentena, a construção de hospitais em tempo recorde, tudo me parece muito acertado e dentro do espírito típico chinês de resolver as questões como deve ser. Ainda que a tragédia esteja longe, nada nos garante que não possa chegar a Portugal em breve. E nessa altura conto com o trabalho menos sensacionalista, alarmista de toda a classe jornalística portuguesa. Já alguém imaginou se este surto tivesse começado em Portugal? Como estaríamos agora? O que fariam as autoridades? Marcelo, esse comentador-presidente, o que faria ele?

Fábio Ribeiro, in Voz de Lamego, ano 90/13, n.º 4548, 26 de fevereiro de 2020

Categorias:Opinião Etiquetas:,
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: