Início > Opinião > Coronavírus – o que realmente precisamos de saber

Coronavírus – o que realmente precisamos de saber

Os mass media mundiais falam, diariamente, do Corona vírus e mostram números assustadores. Os que morrem, aqui e ali, os infetados com números gordos. Até o grande Carnaval de Veneza deixou de acontecer, como forma de prevenção à não propagação do vírus e os jornais não têm mais assunto do que os casos já registados em Itália.

A Europa que já viu os primeiros casos a chegarem e têm mesmo de ter as autoridades sanitárias a trabalhar para que o surto possa ser disseminado, através dos aeroportos.

Contudo é preciso explicar aquilo que ninguém se dá ao trabalho, porque não se ganham audiências a explicar, mas sim a amedrontar e deixar o Mundo em pânico. 

Que o coronavírus infeta alguns animais, talvez já saiba, tais como: aves, morcegos, porcos e até camelos. Alguns deles só infetam aves e mamíferos. Os vírus vão sofrendo mutações e por isso chegaram aos humanos. O que talvez desconheça é que não é a primeira vez que os Coronavírus se propagam ao ser humano, já tinha surgido, em 2002 na Ásia, e em 2013 no Oriente Médio outras variações.

O que se sente quando uma pessoa está contaminada? Muitas pessoas podem ter uma infeção que não se diferencia de um resfriado, e ter sintomas como tosse, cansaço, congestão nasal, entre outros. Que com descanso e medicação para tratar os sintomas e ainda hidratação, facilmente resolve a situação.

Quadros respiratórios mais baixos, que afetem os brônquios levam então a pneumonias que vão necessitar de medicação mais forte.

Porque o número de mortos na China nos faz alarmar? Até, agora, não são conhecidos dados das condições de saúde e de vida de todos os que faleceram se encontravam. Os dados que consegui apurar através do estudo divulgado pelo Centro Chinês de Prevenção e Controlo de doenças demonstra que o índice de mortalidade é de 2, 3%, e cai abaixo do 1% quando se chega a faixa etária entre os 30 e os 40 anos.

Zhong Nanshan, especialista da Comissão Nacional de Saúde na China afirma que os pacientes podem melhorar ” se contarem com um bom apoio médico, tratamento e estando bem nutridos”. No caso do 2019-nCov, ainda não há relato de infeção sintomática em crianças ou adolescentes.

Há algum medicamento específico para eliminar este vírus? Não. Porque é uma mutação recente.

Quanto ao Português que se encontrava no navio mais falado do Mundo, neste momento, o único que sabemos contrair a doença, foi transportado, na terça feira, dia 24 de fevereiro, para o hospital para receber cuidados médicos. Daqui os votos de boa recuperação.

Quanto aos produtos que viajam da China para o todos os Países, incluindo o nosso, não apresentam segundo os especialistas em infeções, nenhum risco para a saúde pública.

Andreia Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 90/13, n.º 4548, 26 de fevereiro de 2020

Categorias:Opinião Etiquetas:,
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: