Início > Ano Pastoral, Editorial, , Igreja, Jesus Cristo > Editorial Voz de Lamego: Um mês extraordinariamente missionário

Editorial Voz de Lamego: Um mês extraordinariamente missionário

Ou talvez não.

A Igreja em Portugal procurou que o mês sugerido pelo Papa se traduzisse num ano especialmente missionário. A nossa diocese sintonizou com a decisão, procurando que Lamego se sentisse chamada e enviada em missão. É uma marca que os planos pastorais têm sempre presente. Também no ano pastoral que ora se inicia, a Igreja em Lamego é chamada a caminhar, a fomentar a comunhão. Esta tem um duplo movimento, é gerada pela missão, mas, por sua vez, leva à missão evangelizadora.

Na Sua mensagem para o Dia Mundial das Missões, no próximo dia 20 deste mês – Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo – o Santo Padre justifica o propósito: “Pedi a toda a Igreja que vivesse um tempo extraordinário de missionariedade no mês de outubro de 2019, para comemorar o centenário da promulgação da Carta apostólica Maximum illud, do Papa Bento XV (30 de novembro de 1919). A clarividência profética da sua proposta apostólica confirmou-me como é importante, ainda hoje, renovar o compromisso missionário da Igreja, potenciar evangelicamente a sua missão de anunciar e levar ao mundo a salvação de Jesus Cristo, morto e ressuscitado”.

A Igreja é missionária através de cada batizado. “A celebração deste mês ajudar-nos-á, em primeiro lugar, a reencontrar o sentido missionário da nossa adesão de fé a Jesus Cristo, fé recebida como dom gratuito no Batismo. O ato, pelo qual somos feitos filhos de Deus, sempre é eclesial, nunca individual: da comunhão com Deus, Pai e Filho e Espírito Santo, nasce uma vida nova partilhada com muitos outros irmãos e irmãs. E esta vida divina é uma riqueza para dar, comunicar, anunciar: eis o sentido da missão. Recebemos gratuitamente este dom, e gratuitamente o partilhamos (cf. Mt 10, 8), sem excluir ninguém. Deus quer que todos os homens sejam salvos, chegando ao conhecimento da verdade e à experiência da sua misericórdia por meio da Igreja, sacramento universal da salvação (cf. 1 Tm 2, 4; 3, 15; Lumen gentium, 48)”.

Desde a primeira hora, o Papa convocou a Igreja a sair ao encontro do mundo, dos outros, a ir até às periferias existenciais, para levar o Evangelho da Alegria, para partilhar os dons de Deus, para alimentar a esperança, para cuidar dos mais frágeis, para efetivar a caridade de Deus no serviço aos pobres e desprotegidos.

Os batizados são sempre missionários. O que recebemos é para anunciar, viver e partilhar. Não vivemos para nós próprios. “Eu sou sempre uma missão; tu és sempre uma missão; cada batizada e batizado é uma missão. Quem ama, põe-se em movimento, sente-se impelido para fora de si mesmo: é atraído e atrai; dá-se ao outro e tece relações que geram vida. Para o amor de Deus, ninguém é inútil nem insignificante. Cada um de nós é uma missão no mundo, porque fruto do amor de Deus”.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/41, n.º 4528, 1 de outubro de 2019

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: