Arquivo

Archive for 04/09/2019

Editorial da Voz de Lamego: Igreja sinodal e conciliar

O Deus revelado em Jesus Cristo é Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Um só Deus e três Pessoas distintas. É um mistério que se desvela em Cristo como comunhão de vida e de amor; paradigma, fonte e inspiração para a Igreja, modelada à imagem da Santíssima Trindade, acolhendo a diversidade de povos, línguas e nações, congregando-as como Povo de Deus, como Corpo de Cristo. Nestas duas imagens, Povo e Corpo, já temos a origem, divina, e a prevalência comunitária, mas inclusiva, dos seus membros. Um povo é constituído por pessoas, mas simultaneamente dá-lhes identidade, é este povo (de Deus) e não outro. Um corpo, do mesmo modo, é constituído por vários membros, distintos, mas que integram e formam o todo.

A Igreja em Lamego vai ser desafiada a caminhar em comunhão, numa perspetiva sinodal.

A palavra “sínodo”, de origem grega, é composta de duas palavras, “syn”, que significa “juntos”, e “hodos”, que significa “estrada ou caminho”. Pode entender-se como reunião ou assembleia (Igreja), valorizando-se mais a reflexão ou mais o caminho. Mas será sempre na perspetiva de nos pormos a “caminhar juntos”, procurando acolher a vontade de Deus na realidade atual, indo ao encontro daqueles que estão em situação mais frágil.

Sobretudo depois do Concílio Vaticano II, e com o Papa Paulo VI, foi dada relevância aos sínodos, instrumentos de auscultação sobre uma temática atual, preocupações e desafios, ou sobre a vida eclesial em determinado território (dioceses ou regiões do mundo), mais locais ou sob a presidência do Papa, no Vaticano. O concílio, por sua vez, é mais abrangente. Concílio provém do latim “concilium” e significa reunião, assembleia. Sínodo e Concílio são, como se vê, termos muito idênticos, ainda que a abrangência seja diferente. Há, a propósito, três tipos de concílios: provinciais, plenários e ecuménicos. Os mais conhecidos são os ecuménicos ou universais. São reconhecidos 21, sendo o primeiro o de Niceia, realizado no ano de 325, e o último o do Vaticano II, nos anos de 1962-1965. O concílio ecuménico reúne bispos do mundo inteiro, sob a autoridade do Bispo de Roma, o Papa. Acentua-se a colegialidade apostólica, entre os Bispos, como no início da Igreja com os 12 Apóstolos.

Logo nos primórdios da Igreja realiza-se o que foi considerado o primeiro concílio da Igreja, a assembleia dos Apóstolos, em Jerusalém. Paulo e Barnabé fazem chegar aos Doze uma discussão havida na Igreja de Antioquia sobre a forma de acolher os pagãos, predispondo-se a refletir com os Apóstolos e a regressarem com as decisões aí tomadas.

Mas já antes os Apóstolos se tinham reunido com comunidade para tomar decisões, como a escolha do Apóstolo que substitui Judas Iscariotes no grupo dos Doze ou a criação dos sete diáconos.  Vislumbre da sinodalidade da Igreja, que procura perscrutar os sinais dos tempos, colocando-se à escuta do Espírito Santo.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/37, n.º 4524, 3 de setembro de 2019