Arquivo

Archive for 26/06/2019

Editorial da Voz de Lamego: Flores e o trumpismo…

Como a época desportiva terminou, os meios de comunicação voltaram em pleno aos dramas, à violência, ao voyeurismo, enchendo-nos de desgraças um pouco por todo o mundo.

Chamou-me a atenção, por estes dias, a reação de Donald Trump por causa de um drone americano, abatido pelo Irão. O drone estava a espiar, preventivamente, talvez, e foi abatido pelos iranianos que não quiseram ser espiados! Do lado do Presidente americano, a certeza científica que o drone estava em águas internacionais, pelo que poderia espiar à vontade. Tendo sido abatido, isso é motivo bastante para uma resposta à altura, entenda-se, violenta, agressiva, mesmo que seja necessário provocar uma guerra, numa zona em que os refugiados continuam demasiado expostos. Prevalece o orgulho americano! Depois lembrei-me, Donald Trump apresentou a recandidatura à Presidência dos EUA e está em queda livre nas sondagens. Como fazer? O que habitualmente fazem os presidentes americanos: arranjam uma guerra no exterior para unir os americanos e a mostrarem que são determinados, destemidos e valentes!

Chamou-me à atenção, por estes dias e em contraponto luminoso, além das hipotéticas compras e vendas de jogadores por somas avultadas, as publicações, partilhas e “likes” para um trabalho minucioso e dedicado: o tapeamento de ruas, artérias e avenidas para a solenidade do Corpo de Deus. É sempre possível fazer sobressair o bem. Deste modo se contribui para um mundo mais arejado e saudável. É possível acreditar, é possível o futuro, é possível transformar para melhor a casa que habitamos e os laços que nos permitem ser família.

As redes sociais, nas quais tenho uma participação ativa, bombardeiam-nos com tudo e mais alguma coisa, com um bom menu de coscuvilhices possíveis e imaginárias. Comenta-se tudo, mesmo que sejam assuntos dos quais não percebemos nada, nunca ouvimos falar, nunca vimos, mas temos opinião, acabando por comentar comentários e que já não têm qualquer correlação com a publicação, a notícia ou a partilha original.

Foi interessante ver perfis, páginas, grupos com publicações de magníficos tapetes de flores, desenhos variados, obras de arte, alusivas ao Corpo de Deus e à Eucaristia. Alguns postaram o trabalho concluído, outros as fases do trabalho… além das festas de catequese, Primeira Comunhão, Profissão de Fé…

Com tanta coisa boa que existe, por que não valorizar o que embeleza à vida? O copo meio cheio? Também nas redes sociais? Não se trata de varrer as dificuldades e os problemas para debaixo do tapete, mas de apostar no que nos salva. É sempre mais fácil caçar moscas com mel do que com fel! Também pessoas! Jesus não nos salvou com azedume!

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/29, n.º 4516, 25 de junho de 2019

(Foto – Paróquia de Santa Eufémia de Pinheiros)

Editorial da Voz de Lamego: a realidade vista como poliedro

Não se trata de relativismo em que todas as verdades seriam iguais ou todos os valores equivalentes. Essa será sempre uma forma de renunciar a ter ideias próprias, abdicando das suas convicções. O diálogo com os outros é tanto mais honesto, mas também mais fácil, quanto maior a clareza dos princípios de cada interlocutor. Sem referências que orientem a nossa vida, a minha vida, não podemos procurar enriquecer-nos, pois não sabemos onde estamos, o que queremos, o que valida as minhas escolhas, o que pode enriquecer-me vindo dos outros, como podemos saber o que nos liga ou o que nos diferencia?

“Nenhum vento é favorável para quem não sabe para onde ir” (Séneca). Ou, como canta Amália Rodrigues, “Se não sabes aonde vais, porque teimas em correr”. Um pensamento líquido, diluído, gasoso, descomprometido, agrada a todos, não agrada a ninguém, não contesta ideias ou princípios, mas também não acrescenta valor, não contribui com uma visão própria, desenvolvendo os talentos a favor dos outros. Não nos basta não fazer o mal, importa (positivamente) fazer o bem, só assim caminhamos, só assim o mundo progride e avança e, dessa forma, poderemos contribuir para uma sociedade mais justa e mais sã, corrigindo erros e desvios, aproximando pessoas, procurando integrar os excluídos, combater a pobreza, dar passos em direção à paz. Nem tudo depende de nós, mas cabe-nos sempre uma quota de responsabilidade.

De sinal contrário, a prepotência, o endeusamento, e, consequentemente, a imposição das próprias ideias e convicções aos outros. O que, infelizmente, vai acontecendo. A realidade vista apenas a partir de um ângulo, de uma cor. Cresce a intolerância ideológica, religiosa, política. As redes sociais e os meios de comunicação social deveriam ser facilitadores do encontro de diferenças, da descoberta do outro, do enriquecimento mútuo, contudo, têm promovido a criação de grupos (alguns radicais, extremos, de direita ou de esquerda, religiosos ou políticos ou ideológicos, anárquicos ou nacionalistas) e as pessoas juntam-se ao que é igual, fecham-se em novos círculos, procurando impor e destruindo o que é diferente.

Entre as duas solenidades, Santíssima Trindade e Corpo de Deus, o mesmo sublinhado, um Corpo constituído por vários membros; Três Pessoas em sintonia de amor que formam comunhão perfeita…

Pe. Manuel Gonçalves, ,  in Voz de Lamego, ano 89/28, n.º 4515, 18 de junho de 2019