Arquivo

Archive for 17/04/2019

Editorial da Voz de Lamego – Isto escandaliza-vos? (Jo 6, 60)

Na passada quinta-feira, o Papa Francisco teve mais um gesto surpreendente e inusitado. Durante o encontro com líderes do Sudão do Sul, prostrou-se diante deles e beijou-lhe os pés. Comoveu os próprios, mas também o mundo.

Quando vi a notícia, não fiquei admirado, pois o Papa já nos tem surpreendido com outros gestos luminosos. Pensei de imediato: mais uma atitude a ser escrutinada pelos fariseus do nosso tempo, os levitas e doutores da Lei que passeiam pela Igreja, sem se sujar nem se misturarem com os mortais.

São João Paulo II, sempre que visitava um país pela primeira vez, ajoelhava-se e beijava o chão, gesto de humildade e de bênção para o território visitado. Este gesto faltou em Timor, então anexado à Indonésia, ainda que rezem as crónicas que o Papa iria beijar uma cruz colocada no solo, símbolo do sofrimento deste povo irmão, mas um pouco antes de chegar um soldado retirou a cruz.

Em quinta-feira santa, Jesus ajoelha-Se diante dos apóstolos e lava-lhes os pés. Gesto que repetimos, beijando também os pés. Pedro recrimina Jesus por lhe querer lavar os pés. Nem penses nunca coisa dessas! O servo é que lava os pés ao seu Senhor, não o contrário. Francisco antecipou e fez-nos ver a quinta-feira santa.

O Evangelho (LC 7, 36-50), apresenta o encontro de Jesus com uma mulher conhecida na cidade como pecadora. Um fariseu, Simão, tinha-O convidado para comer. Enquanto estava à mesa, veio uma mulher, com um frasco de alabastro com perfume. Chorando, lavou-Lhe os pés, com as lágrimas, enxugou-os com os cabelos e ungiu-os com perfume. É um gesto de intimidade, de humildade e de súplica. A esta mulher vale-lhe o perdão dos pecados, porque muito amou. Ao fariseu uma reprimenda: «…Não me deste um ósculo; mas ela, desde que entrou, não deixou de beijar-me os pés…».

O Santo Padre tem consciência que não resolve todas as questões relacionadas com os conflitos que envolvem os sudaneses, mas sinaliza uma opção, reconhecendo o trabalho realizado e desafiando à firmeza na construção da paz e de um país justo.

“Nós pregamos um Messias crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os gentios” (1 Cor 22-23). Não é fácil agradar a gregos e a troianos e aqueles que o tentam, tal como Pilatos, lavando as mãos, não cumprem com a missão sublime de serem atores da história. Nem quentes nem frios, mornos, nem lá vou nem faço míngua. É curiosa a revelação de João acerca da Igreja de Laodiceia: “Conheço as tuas obras: não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente. Assim, porque és morno – e não és frio nem quente – vou vomitar-te da minha boca” (Apo 3, 15-16).

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 89/20, n.º 4506, 16 de abril de 2019