Início > Editorial, Igreja > Editorial Voz de Lamego: Igreja, da identidade à missão

Editorial Voz de Lamego: Igreja, da identidade à missão

Quem és? Quem é a tua família? Donde vens? Quem te chamou? O que fazes? Que desejas? Para onde vais?

São questões que vamos fazendo às pessoas com quem nos encontramos. A serem respondidas, ficamos a saber mais acerca delas. Mas não apenas a conhecer, ficamos (mais) ligados e mais comprometidos, pois a pessoa do outro já não é estranha, não é apenas conhecida, mas situamo-la com as suas raízes, os seus sonhos e projetos, os seus medos, a razão por ser assim e a forma como ocupa o tempo!

Como cristãos, inseridos na Igreja e, concretamente, numa comunidade eclesial, também nos colocamos estas perguntas, procurando respostas e novas perguntas que devem alimentar a nossa fé, saciar a nossa sede, procurando ficar (sempre) sequiosos para continuarmos a buscar! Procurar como quem encontra. Encontrar como quem procura, sem parar. É essa a nossa condição de peregrinos.

Aproximamo-nos da apresentação (6 de outubro) do novo Plano Pastoral para a Diocese. Claro que um plano, como facilmente se entende, não resolve todas as dificuldades, não apresenta soluções mágicas ou iniciativas que, de uma assentada, tornem os cristãos mais cristãos e as comunidades mais vivas, dinâmicas, em que todos se sintam em casa e motivados para a outros levar a alegria do Evangelho. Serão, isso sim, linhas orientadoras e motivadoras para que, novamente, uma e outra vez, a conversão a Jesus Cristo, a escuta atenta ao Evangelho, a inserção nas realidades concretas, o compromisso com todos, particularmente com os que se encontram em situação mais frágil, se efetivem e se aprofundem na vida pessoal, familiar e comunitária. O primeiro passo é o da conversão, que pressupõe proximidade com Jesus e passa pela oração que cria a intimidade com Ele. Não há comunidades felizes, se não houver cristãos genuínos, isto é, aqueles cristãos que experimentaram e continua a viver o encontro pessoal com Jesus Cristo.

Para os próximos três anos teremos como referência a Igreja, não para colocar de parte o compromisso missionário e caritativo, mas, precisamente, para que a consciência do que somos como cristãos, na pertença a um povo, a uma comunidade, nos faça perceber ainda melhor que não podemos ser discípulos, ser cristãos, se não nos tornarmos missionários, apóstolos de outros. A alegria que comunicamos acentua a alegria que há em nós por sermos cristãos. Essa reflexão, e todas as iniciativas que à sua volta se proponham, ajudar-nos-á a perceber Quem nos chama e Quem nos envia, qual a mensagem e Quem anunciamos! Qual é a família que nos acolhe e qual a família que desejamos para que outros se sintam atraídos, e uma vez incluídos, se sintam ansiosos por espalhar, ao largo e ao longe, a alegria de serem de Cristo.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, ano 88/40, n.º 4477, 18 de setembro de 2018

Categorias:Editorial, Igreja Etiquetas:,
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: