Arquivo

Archive for 02/12/2017

Falecimento do Pai do Pe. Valentim Fonseca

flor_20170505_pc

O Senhor nosso Deus, Pai de Bondade, de Misericórdia e de Sabedoria, chamou à Sua presença, para habitar na Sua morada eterna, o Sr. Valentim da Fonseca, Pai do reverendo Padre Valentim Fonseca, pároco de Cujó, Monteiras e Moura Morta.

Funeral: 2 de dezembro de 2017, pelas 15h00, na Igreja Paroquial de Ferreiros de Avões.

O Sr. Bispo D. António Couto e o presbitério de Lamego unem-se à dor e ao luto do Pe. Valentim e dos demais familiares, suplicando a Deus a misericórdia e a salvação, o acolhimento no Coração do Pai, pelo Filho no Espírito Santo. Que a fé e a Palavra de Deus sejam conforto e certeza para os seus familiares por quem também oferecemos a nossa oração e a nossa súplica.

 

Lançamento do livro: Quintela de Penude

IMG_8616

O Museu Diocesano de Lamego recebeu, no dia 25 de Novembro, a apresentação do livro: “QUINTELA DE PENUDE” de António Costa Gonçalves, feita brilhantemente pelo Dr. Agostinho Ribeiro. Fizeram ainda parte da mesa o Diretor do Museu Diocesano, Padre João Carlos Morgado e o Sr. Presidente da Câmara de Lamego, Dr. Ângelo Moura.

Em ambiente acolhedor de familiares e amigos, em sala cheia, ouvimos, com agrado, a explicação do conteúdo da obra, o que nos despertou o desejo da sua leitura.

António Costa Gonçalves, escritor de primeira viagem, viveu um momento único, acarinhado por todos. Cumpriu a sua tarefa e sentiu-se realizado, deixando aos vindouros a história da sua terra e das suas gentes. A ela ligado desde que nasceu, sentiu necessidade de, após cuidada pesquisa, passar a escrito a história de pessoas e lugares que sempre o enfeitiçaram. E fê-lo com rigor e curiosidade. Aqui, cumpre-me transcrever um pensamento de Jean-Jacques Rousseau: “Só se é curioso na proporção de quanto se é instruído “. E o António Costa Gonçalves é curioso, porque é instruído.

Foi também a saudade que o impeliu para a escrita desta obra. E, como grande amiga, quero dizer-lhe: ” Se me falares da tua saudade, entenderei, mas se escreveres sobre ela, eu a sentirei junto contigo “.

Teresa Taveira, in Voz de Lamego, ano 87/52, n.º 4438, 28 de novembro de 2017