Início > Editorial, , Igreja, Jesus Cristo, Liturgia, Oração, Uncategorized > CRUCIFICADO BELO | Editorial Voz de Lamego | 11 de abril de 2017

CRUCIFICADO BELO | Editorial Voz de Lamego | 11 de abril de 2017

Semana Santa, Semana Maior da nossa fé cristã, celebração da Morte e Ressurreição de Jesus Cristo, a edição desta semana da Voz de Lamego dá amplo destaque a este mistério cristão, com textos, notícias e reflexões, sem descurar outras temáticas tais como a Visita Pastoral de D. António em Freigil e São Romão ou o acidente pirotécnico na Penajóia. O Editorial, do Pe. Joaquim Dionísio, Diretor da Voz de Lamego, fixa na beleza da crucifixão, enquanto expressão de entrega, de amor e solidariedade de Jesus pela humanidade. E por aqui começamos a leitura:

CRUCIFICADO BELO

A visão do Senhor crucificado acompanha o cristão na sua peregrinação e contribui, decisivamente, para manter viva a gratidão diante de Deus, ao mesmo tempo que o desinstala e impele a corresponder a tamanho amor.

Porque a cruz, símbolo do sofrimento e da morte, não é, em Jesus Cristo, sinónimo de derrota, de fraqueza ou de abandono do Pai, mas de amor e de solidariedade ímpares pela humanidade. Ao aceitar a cruz, consciente e voluntariamente, Cristo toma-nos consigo, na sua morte e ressurreição, e conduz-nos a ultrapassar os nossos medos e receios para nos abrir à Vida.

Por isso falamos do “bom Deus”. Mas também do “Deus belo”. Porque no sofrimento da cruz, o Crucificado nos mostra a beleza de Deus.

Se tantas vezes falamos na beleza de um gesto, porque não falar da beleza da Paixão? Uma beleza que brota de um íntimo que é amor e de uma vontade vivificadora, capaz de despertar sentimentos de admiração, de grandeza, de nobreza, de perfeição. Muito diferente daquela beleza que, sendo apenas exterior, se obtém com disfarces artificiais. A nossa mãe, mesmo com rugas, será sempre bela, porque nos deu a vida!

O dom que Cristo faz de si mesmo manifesta a Sua glória e esta glória, a beleza luminosa de Deus, deveria falar-nos ao coração. E porque será que não sublinhamos devidamente esta realidade? Sem dúvida porque, para perceber o que é belo, se exige uma abertura interior à beleza. E esta abertura é um dom do Espírito Santo.

Ser cristão não se explica… vive-se. No fundo, trata-se de fazer a experiência de um encontro, de uma certeza de que toda a beleza do mundo se encontra na cruz e que ela nos preenche de uma graça indizível.

E esta graça torna belo.

in Voz de Lamego, ano 87/22, n.º 4407, 11 de abril de 2017

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: