Início > , Notícias, Opinião, Testemunho, Vida > Do «SILÊNCIO» à palavra

Do «SILÊNCIO» à palavra

8387

Fui interpelado para uma palavra sobre o «SILÊNCIO», o romance de Shusaku Endo, que serve de base e oferece o argumento para o filme com o mesmo nome (em português) de Martin Scorcese, que esta semana vai aparecer nas salas de cinema em Portugal e que está anunciado para o dia 17 de Fevereiro, em Lamego; assim se pode ler no prospecto do «Ribeiro Conceição» com a simples palavra SILÊNCIO.

Fui interpelado, porque li o livro, depois de ter participado no retiro espiritual do clero lamecense, orientado por um sacerdote que esteve no Japão, de ouvir alguma coisa sobre o seu conselho – pela primeira vez ouvido num retiro espiritual – «lede romances, mas bons»; ele achava, e com razão, que o livro de Shusaku Endo é um bom romance, com uma base histórica, missionária de inspiração católica, onde o nome de Portugal se lê várias vezes, onde os três personagens/protagonistas do livro eram portugueses, se bem que dois deles sejam figuras criadas pelo autor e, como tal, não se pode dizer que sejam daqui ou dali. E refiro, aqui, a palavra escrita e que define Shusaku Endo: ele é católico, não me admirando a mim que ele tenha escrito este romance baseado numa acção tão querida à Igreja: a evangelização, neste caso do Japão, dando seguimento à palavra de Cristo, o «Mestre dos Mestres» como o define outro escritor, hoje muito lido. A palavra é esta: «ide e ensinai…»

Francisco Xavier foi o primeiro a chegar ao Japão, como missionário? A história da missão diz-nos que sim, sem dúvidas ou hesitações na afirmação; e outros jesuítas o seguiram, entre eles Cristóvão Ferreira, personagem básica no romance e no filme, que outros, Sebastião Rodrigues e  Francisco Garupe, procuram entre os cristãos japoneses ocultos. Só que Cristóvão Ferreira é  personagem real; os outros dois são fictícios, meras figuras de romance.

Shusaku Endo desenvolve muito do seu argumento romanesco à volta destas três figuras e quando Ferreira aparece e se faz conhecer, incitando Rodrigues ao desejo das autoridades japonesas para renunciar à fé católica para bem dos cristãos tão duramente castigados pelos homens e sem uma «palavra» de Deus, daqui o nome do romance «SILÊNCIO», o silêncio de Deus perante o sofrimento até à morte dos seus amigos, os cristãos, que, vendo os missionários pisar o «fumie», um medalhão de metal que era a expressão plástica da fé cristã, eles o fariam também, mostrando por esse gesto que «apostatavam da sua fé católica» e seriam poupados aos castigos que levavam à morte de modo tão inusitado como cruel.

E Ferreira conseguiu que Rodrigues pisasse o «fumie»; do primeiro se diz que foi um dos «fracos» (as palavras «fortes e fracos» são de Endo), em oposição aos «fortes»; do segundo, fictício, repito, se duvida, se foi por opção real ou simulação «oferecida» pelas autoridades  japonesas, para gerar confusões no espírito dos cristãos, que tanto sofriam, sofreram e continuariam a sofrer, pois se fala ainda dos cristãos ocultos em tantos lugares do mundo; vendo os missionários que ensinaram as verdades da fé a «apostatar», eles o poderiam, também, fazer.

De tanto que já foi dito e escrito sobre o tema do romance e filme, que valerá esta palavra? Somente a resposta à interpelação para que escrevesse? Não valia a pena; se algum valor poderá ter, seja o de provocar a leitura de um livro/romance sobre um tema que preocupa a Igreja por um lado e, por outro, um mundo, mesmo o cristão, tão alheado de uma realidade histórica e religiosa, com que nos enfrentamos ainda nos nossos dias; e ver um filme, que foge ao trivial do dia-a-dia de tantos filmes e seus espectadores e nos pode confrontar com uma realidade ainda não esquecida.

Roma pôde ver e discutir o filme; Scorcese, o realizador, também ele católico, encontrou-se com o Papa; os Jesuítas promoveram encontros sobre o tema; confrontaram-se ideias, discutiram-se problemas; estaremos preparados para fazer alguma coisa em Lamego?

Quem o pode dizer, quem o pode fazer? Fica feita uma simples proposta.

Pe. Armando Ribeiro, in Voz de Lamego, ano 87/10, n.º 4395, 17 de janeiro de 2017

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: