Início > D. António Couto, Evangelho, Eventos, Homilias, Igreja, Jesus Cristo, Nossa Senhora > Homilia de D. António Couto na festa de Nossa Senhora dos Remédios

Homilia de D. António Couto na festa de Nossa Senhora dos Remédios

imgp9898

HOMILIA DA SOLENIDADE DE NOSSA SENHORA DOS REMÉDIOS

8 de setembro de 2016

Miqueias 5,1-4

Salmo 13(12),6; Isaías 61,10

Romanos 8,28-30

Mateus 1,1-16.18-24

 

  1. Pouca gente estremece de emoção, sorri ou canta ou dança de alegria, quando ouve esta sucessão de nomes, ao todo 47, que enchem a primeira página do Evangelho de Mateus, hoje por graça proclamada para nós. Pouca gente estremece. Muita gente quase adormece, vencida pela monotonia, sem lhe chegar a captar a alegria. Parafraseando Bento XVI, que escreveu na Exortação Apostólica Verbum Domini [2010], n.º 123, que «Podemos programar uma festa, mas não podemos programar a alegria», posso eu dizer agora que «Podemos programar uma festa, uma romaria, mas não podemos programar a alegria». Por isso, ao ouvir esta toada musical que interliga 47 nomes, nós já não estremecemos nem sorrimos nem cantamos nem dançamos de alegria. Mas devíamos fazê-lo, porque, ao ver uma tal sequência de nomes ali à flor da página, a verdade é que ninguém ficou sozinho, abandonado, descartado. Pelo contrário, todos estão ali lado-a-lado, em família, sentados à mesa do Reino de Deus. Nem os milénios separam Abraão de Jesus. Estão, na verdade, os dois ali, lado-a-lado, com José e Maria bem por perto. Esta é a técnica da miniatura, e a miniatura é de quem ama, porque não quer perder nunca ninguém de vista. É assim que Deus nos salva, sentando-nos todos, lado-a-lado, em família, ao redor de Jesus e de Maria.

  1. É assim também que o profeta Miqueias vê ali mesmo ao lado, ainda que a oito séculos de distância, uma mulher que dá à luz e amamenta o seu filho. Portanto, Miqueias vê exatamente como nós. Ele vê, eu vejo, tu vês, nós vemos Maria e Jesus. Não esqueçamos, porém, amados irmãos e irmãs, que esta maneira de ver supõe e requer um olhar puro e cristalino, carregado de luz e de alegria, como uma árvore carregada de frutos. Mais ou menos como os homens enviados por Moisés desde o deserto de Cadesh para averiguar como era a terra de Canaã. Partiram do deserto, e viram um cacho de uvas! Mas como podiam uns olhos habituados à aridez do deserto ver e perceber o que era um cacho de uvas! Encarregaram logo dois homens para o transportar com todo o cuidado, tão grande e bela lhes parecia aquela maravilha! E é assim que a tradição judaica vai encher de vinho o tempo belo do Messias, referindo que, nesse tempo, cada videira teria mil ramos, cada ramo mil cachos, cada cacho mil bagos, cada bago daria 460 litros de vinho!
  1. É verdade que só Deus pode juntar na mesma página, à mesma mesa, tantos irmãos e irmãs, que nós julgávamos perdidos e engolidos pelas páginas poeirentas do tempo. Só Deus pode pôr Miqueias a ver Jesus nascer a oito séculos de distância, como se tudo se passasse mesmo ali ao lado. Só Deus pode encher de vinho novo e generoso as nossas velhas talhas vazias. Só Deus pode pôr os nossos olhos embotados a ver tantas e tantas maravilhas!
  1. Mas que saber e sabor é o nosso, que nos contentamos em ser senhores das cascas, das banalidades, das trivialidades, de tudo o que reluz, mas nada sabemos nem queremos saber de Jesus e de Maria e de Abração, e do trabalho que Deus vai amorosamente tecendo no nosso coração?
  1. O Salmo 13 que hoje cantamos como Salmo responsorial pediu emprestado a Isaías 61,10 o refrão que repetimos: «Exulto de ALEGRIA no Senhor!». Traduzido mais literalmente soaria com mais força ainda: «Transbordo de ALEGRIA no Senhor»! Típico da gramática desta ALEGRIA, é que não se trata de uma alegria nossa, que em nós nasce e em nós começa. Se assim fosse, o lucro seria nulo, pois também em nós acabaria. Mas trata-se felizmente de uma ALEGRIA que vem de Deus, e por inteiro nos atravessa, nos enche a alma, nos enleva e nos eleva até Deus. Sim, é em Deus que esta ALEGRIA tem o seu começo e o seu fim. Bonito é que a figura que celebramos neste Dia, Maria, também tenha pedido este versículo emprestado a Isaías para conseguir compor, no Magnificat, a torrente da ALEGRIA que lhe inunda a alma e lhe faz pulsar a um ritmo novo o coração: «o meu espírito exulta de ALEGRIA em Deus, meu Salvador!» (Lucas 1,47), assim canta Maria. Quer isto dizer, amados irmãos e irmãs, que a ALEGRIA verdadeira não é do nosso mundo, não é daqui, não se compra nem se vende em pacotes servidos por aí. Típico desses pacotes é servir uma alegria líquida e passageira, que tem a duração de um gelado a liquefazer-se nas mãos de uma criança. A ALEGRIA que vem de Deus, que jorra do coração de Deus, não se programa, não se compra nem se vende, não se liquefaz, «ninguém vo-la pode tirar», diz Jesus (João 16,22), dura até à vida eterna. É a ALEGRIA que podeis serenamente contemplar, amados irmãos e irmãs, no rosto, na voz e nos braços de Maria, Senhora da Alegria e dos Remédios.
  1. Na sua bela Exortação Apostólica Evangelii Gaudium [2013], programática do seu pontificado, partindo da lição da Incarnação de Jesus, o Papa Francisco apontou à Igreja e ao mundo a «revolução da ternura» como o mais belo e fecundo programa de vida para estes tempos sombrios, enjoados e nublados. O Papa Francisco escreveu assim: «Na sua incarnação, o Filho de Deus convidou-nos à revolução da ternura» (n.º 88). Mas Francisco faz-nos também olhar para Maria com um olhar novo, puro, cristalino. Escreveu assim: «Sempre que olhamos para Maria, voltamos a acreditar na força revolucionária da ternura e do afeto. N’Ela vemos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos, mas dos fortes, que não precisam de maltratar os outros para se sentir importantes» (n.º 288).
  1. Permiti, portanto, amados irmãos e irmãs, peregrinos de Nossa Senhora dos Remédios, que abra diante de vós o livro da ternura, e vos mostre o seu ritmo ternário. O nosso termo «ternura» deriva do latim teneru(m), que remete para a raiz ten-, patente nos termos latinos tenere, tendere e tenue, três aceções estreitamente conexas entre si. Tenere carrega o sentido de ter, aconchegar a si, abraçar, salientando a ternura como acolhimento, opondo-se a todas as formas de fechamento, rigidez e impermeabilidade. Por seu lado, tendere implica sair de si e ir ao encontro do outro, abrindo-se a ele de forma oblativa, dar-se a ele. Tenue, por sua vez, transporta consigo a doçura e a partilha, opondo-se à frieza e dureza do coração, à esclerose do coração, que o Evangelho conhece por sklêrokardía. As três aceções acenadas são inseparáveis e desenham uma nova maneira de estar no mundo, em tudo devedora, antes de mais, ao Deus bíblico que, por amor, sai de si e se debruça com ternura maternal sobre nós. E o mesmo faz Maria, por imitação, amados irmãos e irmãs. Ela estreita Jesus no seu colo, afaga-o com carinho, mas também no-lo entrega, estendendo os braços, para no-lo entregar, verdadeira razão de ser da nossa vida.
  1. O povo simples sabe e recita de cor orações e ladainhas a perder de vista, catálogos das maravilhas de Deus, e fá-lo com uma linguagem vivíssima, saltitante, incontrolável, como convém a Deus e aos seus Santos. Sempre que o povo reza, o povo chora e canta, estremece, emociona-se, comove-se, dança, exalta Deus como aquele que abate o ímpio orgulhoso e faz estremecer o justo humilde de incontida alegria. Quando o povo reza de verdade, expõe a Deus a sua dor e o seu pecado, ajoelha-se e canta a sua excelsa santidade, e vê Deus como Pai dos órfãos e defensor das viúvas, que dá uma casa aos sem-abrigo, visita quem vive sozinho, no monte maninho, sem pão nem vinho, seja velho ou menino! Beleza cénica, cromática, rítmica, encantatória, o povo nada sabe de um Deus descolorido e abstrato, mas sabe que Deus faz chover gotas de música, que envolve o pobre no seu manto de bondade, que mora mesmo ali mesmo ao nosso lado, sempre preparado para ajudar alguém mais triste, dorido ou desanimado. Povo Santo de Deus e de Maria, reza por mim, e ensina-me a rezar também assim.

Lamego, 8 de setembro de 2016,

Festa da Natividade da Virgem Santa Maria e Solenidade de Nossa Senhora dos Remédios

+ António, vosso bispo e irmão

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: