Arquivo

Archive for Julho, 2016

VI Verão é Missão em Vila da Ponte

13737633_1048999205178708_5961398766777043820_o

Realizou-se no passado dia 16 de julho, em Vila da Ponte, mais um Verão é Missão onde os jovens da diocese de Lamego foram convidados a refletir sobre o tema “Caminhando sobre as águas” (Mt 14, 29).

Foi em torno desta passagem bíblica, na qual Jesus aparece aos discípulos caminhando sobre as águas, que o Verão é Missão foi construído, mas sem nunca esquecer o ano que vivemos e as atividades que se avizinham. Assim sendo, o dia começou cedo e com uma atividade dinâmica, cheia de misericórdia: “Misericordizando Bué”. Esta atividade serviu para integrar os jovens no espírito daqueles que começam a partir para as JMJ em Cracóvia, mas principalmente para refletir e aprender um pouco sobre as obras de misericórdia que todos somos chamados a realizar.  Todo o trabalho realizado neste primeiro workshop viria mais tarde neste dia a dar origem ao “GPS da Misericórdia”, um grande poste informativo onde todos os que por ele passarem poderão aprender sobre o caminho da misericórdia.

Em seguida, os jovens foram convidados a fazer uma caminhada missionária durante a qual foram passeando pelos 5 continentes. Em cada um foram incitados a parar, analisar e até representar parte da passagem bíblica que deu origem ao tema deste encontro. Houve, durante o caminho, tempo para conviver, partilhar emoções e conhecer melhor os jovens presentes e, acima de tudo tempo para apreciar a bela paisagem natural em redor e sentir-nos em sintonia.

Chegados ao topo, à Senhora das Necessidades, foi tempo de “agarrar a boia”, salvar Pedro e perceber que Jesus estará sempre lá para nós, com uma mão estendida, mesmo naqueles momentos em que duvidamos. Em seguida, foi tempo de almoço partilhado entre todos, como irmãos.

Ao início da tarde todos os jovens foram desafiados para um “Quintatlo Missionário”, com cinco jogos e cinco equipas, ao qual todos aderiram e deram o seu melhor, para no final perceberam que na realidade os últimos são sempre os primeiros.

Para terminar o plano de atividades deste dia preenchido faltava apenas aquilo que é essencial, e assim assistimos em conjunto, na capela da Senhora das Necessidades, a uma eucaristia muito especial, dirigida em particular a estes jovens dinâmicos e corajosos. Para terminar refrescados naquele que foi um quente dia de Verão (que também é Missão) nada melhor do que um convívio com direito a banhos na maravilhosa praia fluvial de Vila da Ponte.

Resta agora apenas agradecer ao grupo de Jovens sem Fronteiras de Vila da Ponte todo o trabalho, dedicação e acolhimento que fizeram deste um dia em que o Verão foi mesmo sinónimo de Missão.

Cátia Santos, in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016

Apontamento Social: Dar a vida pelo próximo

coronel castro, cap saramago,sarg novais.

Qualquer cristão, pouco, muito ou até nada praticante, conhece este mandamento : AMAI-VOS COMO EU VOS AMEI. E Jesus amou-nos ao ponto de dar a vida por nós. Mas, achamos nós , não temos que chegar a esse ponto… a mãe dará a vida pelo seu filho, um filho pelo pai, enfim… mas por um desconhecido , um amigo, um colega… não pensamos ter que chegar a tanto, basta amar q.b., mas sem exageros, pensamos cá dentro !

A cultura militar é, neste ponto, semelhante ao cristianismo – nunca se deixa um camarada para trás, nunca se nega auxílio, seja qual for a situação.

Mas perante o pânico, o medo da morte, quantos seriam realmente capazes de enfrentar o perigo e tentar ajudar o outro pondo em perigo a própria vida ?

O Saramago e o Novais foram-no. E por isso perderam a vida.

A anestesia coletiva causada pelo brilhante desempenho da nossa seleção fez com que o grave acidente ocorrido com o C 130 da Força Aérea não tivesse tanto impacto como teria noutra altura qualquer; pouco se sabia e os pormenores iam chegando aos bocadinhos. Os 3 mortos e dois feridos ( um dos quais já faleceu entretanto) chocaram toda a gente. Ler mais…

Categorias:Opinião, Testemunho, Vida Etiquetas:,

Paróquia de Souselo no Museu Diocesano

souselo1

No passado sábado, 16 de Julho, o Museu Diocesano de Lamego acolheu o Sr. Pe António de Almeida Morgado, juntamente com um grupo de cerca de 60 pessoas da Paróquia de Souselo para desfrutarem de uma visita guiada, com a nova estagiária do Museu Diocesano, Letícia Branco, às três exposições que o compõem.

Primeiramente, visitaram a exposição “Oração e Misericórdia” sendo que esta está dividida em 3 módulos: Paramentaria (com os principais paramentos que se usam na liturgia e que mostram as diferentes funções litúrgicas), Oração (composta por objetos litúrgicos com que se celebra na Igreja) e Misericórdia (constituída por santos que praticaram o evangelho nas suas vidas).

Em seguida tiveram a oportunidade de conhecer a exposição temporária de Ana Teixeira, pintora e fotógrafa natural de Lamego, intitulada, “Romarias aqui no coração da vida”,com temas de várias Romarias que esta foi fazendo ao longo da sua vida, tais como “Festa de Nossa Senhora dos Remédios”, “Senhor da Boa Morte”, “Nossa Senhora do Almurtão”, “Romaria a Cavalo”, entre outras.

Para finalizar a visita ao Museu Diocesano de Lamego, desfrutaram de uma visita guiada à exposição“Iconóstase”, com peças doadas por Mons. Arnaldo Cardoso. Esta exposição é composta por ícones, provenientes de vários países que integravam a antiga União Soviética, sendo que os temas dos ícones incidem sobretudo sobre a Trindade, a Virgem, os Anjos e os Santos. O motivo mais presente nesta exposição é o Pantocrator (omnipotente), representando Cristo e pretendendo combater a heresia ariana segundo a qual o Filho seria inferior ao Pai.

Após a visita ao Museu, seguiram para a Sé de Lamego para poderem ver a continuação da exposição “Oração e Misericórdia” que se encontra no coro alto, onde se encontram as 14 Obras de Misericórdia, pinturas incorporadas no cadeiral, de estilo barroco, do século XVIII.

Letícia Branco, in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016

O Secretariado Nacional de Educação Cristã reuniu, em Fátima

reunião

O Secretariado Nacional de Educação Cristã reuniu, em Fátima, nos dias 8 e 9 de Julho com os Secretariados Diocesanos de Educação Cristã. O SDER LAMEGO fez-se representar através da equipa do Secretariado, os professores João Ferraz, Mário Rodrigues, Albino Pinto e Simão Carvalho.

Na presença de D. António Moiteiro, fez-se uma reflexão sobre a vivência de Cristo ressuscitado, uma reflexão necessária nas aulas de Educação Moral e Religiosa Católica. “O professor é aquele que já deve ter feito uma reflexão de Deus” (D. António Moiteiro), ou seja, já deve ter feito uma reflexão sobre Deus porque, nas aulas, tornam-se nas primeiras testemunhas de fé dos alunos. Por isso, os professores de EMRC têm de ir crescendo na fé para a transmitir aos alunos, proporcionando momentos de vivência de fé através do alargamento do encontro para além da aula através de encontros como o grupo de jovens ou o encontro em Taizê onde se aprofunda a fé.

Quais são os desafios para os professores de EMRC? Não podemos esquecer que os professores de EMRC têm de ser anunciadores da fé em Cristo, um complemento à catequese e à vivência da fé. D. António Moiteiro referiu que “ninguém pode viver a fé sem uma vivência comunitária“, por isso, é fundamental aproximar as aulas de EMRC da paróquia e a paróquia das aulas de EMRC com o intuito de fazer com que os jovens se sintam integrados na paróquia. Podemos dar um exemplo: o crisma. O Crisma não deve ser o bilhete de saída mas a forma de integrarmos estes jovens nas paróquias. Para isso, temos de os envolver e de lhes dar um papel ativo na paróquia para que os jovens se sintam integrados e úteis. É fundamental existir uma articulação entre os Secretariados da Juventude e da Educação Cristã porque ambas têm uma dimensão kerigmática e evangelizadora, tem de haver uma ligação, uma articulação e um trabalho conjunto.

E fica a mensagem: “A alma que anda no amor não cansa nem se cansa“. Após a mensagem cantada pelos professores de EMRC, a reunião prosseguiu com as referências e inquietações de todas as dioceses. O SDER Lamego referiu a realização do encontro para os alunos de Secundário, o qual se realizou em Lamego e foi um sucesso. Além disso, foram dinamizadas outras atividades enriquecedoras para os alunos. O III Encontro Diocesano para alunos de EMRC este ano também foi realizado na cidade de Lamego. O Secretariado referiu que o número de escolas participantes tem vindo a aumentar. Esperamos brevemente conseguir mobilizar mais escolas.

No próximo ano letivo, o SDER Lamego vai promover mais atividades em conjunto como o IV Torneio de Futebol inter-escolas de EMRC e o fim-de-semana  em Rilhadas, uma oferta organizacional do Secretariado para todas as escolas da diocese, uma partilha benéfica, uma resposta em benefício dos alunos e da disciplina. Além disso, pela primeira vez vai realizar-se o primeiro encontro-convívio para professores de EMRC da diocese e respetivas famílias ainda no mês de julho.

Surge a proposta de atividades para o próximo ano letivo (2016/2017): Semana Nacional da Educação Cristã; Dez milhões de estrelas; Fórum de EMRC para os professores; Semana de EMRC; VII Encontro Nacional de alunos de EMRC do Secundário; XVII Encontro Nacional de Alunos de EMRC do 1º ciclo; e aulas sobre a narrativa dos acontecimentos de Fátima.

Aproveitou-se esta reunião para fazer um balanço das atividades de âmbito nacional realizadas no presente ano letivo.

Nos 100 anos dos acontecimentos de Fátima, surge a proposta de englobar a narrativa dos acontecimentos de Fátima nas aulas de EMRC no próximo ano letivo. Esta proposta ainda está a ser desenvolvida e aprofundada.

Num momento de partilha entre todos os Secretariados Diocesanos, foram debatidos temas em comum que podem ser solucionados em conjunto: várias ideias, uma só voz.

São estas reuniões que ajudam a construir uma disciplina mais dinâmica e mais próxima dos alunos, uma disciplina com sentido onde emergem os valores cristãos e que se torna numa marca viva na vida dos alunos.

Professor Mário Rodrigues (SDER Lamego)

in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016

Sacerdotes do Arciprestado Resende-Cinfães em reflexão…

cinfaes-lapa1

No passado dia 4 de julho os sacerdotes do Arciprestado de Resende-Cinfães reuniram no Seminário Menor de Resende para refletirem acerca de dois documentos do Papa Francisco: a Bula Misericordiae Vultus e a Exortação Pós Sinodal Amoris Laetitia. A reflexão foi orientada pelo recém Doutorado Pe. Diamantino Alvaíde que, numa linguagem simples e muito concreta nos transmitiu o verdadeiro sentido da Misericórdia de Deus, bem como o amor que se deve viver em família, baseando-se nos documentos papais acima referidos.

Das palavras do Pe. Diamantino pode-se concluir que a Misericórdia “é condição da nossa salvação sendo este o caminho que une Deus ao homem”. “A Misericórdia é sinal da omnipotência de Deus, sinónimo de justiça, verdadeiro rosto da Igreja e arquitrave da Igreja”, referia.

Quanto à Exortação Amoris Laetitia, esta não traz novidade doutrinal. No entanto trás a novidade do acolhimento. “Acolher todas as famílias, acolher os divorciados ou os recasados ou os desorientados da verdadeira concepção de Amor, propondo-lhes Deus, que não se reduz apenas à comunhão Eucarística”, afirmava o conferencista.

Foi deste modo os sacerdotes do Arciprestado de Resende-Cinfães encerraram o Ano Pastoral de 2015/2016 perspectivando já o Ano de 2016/2017 com o tema “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda a criatura”.

Pe. Fabrício Pinheiro, in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016

D. António Couto no Centro Social Paroquial de Lamosa

lamosa2

“Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença

sem se sentir melhor e mais feliz.”

Madre Teresa de Calcutá

 

Há dias que nos marcam por tanto marcarem quem nos importa. Foi de uma solenidade tremenda receber o Bispo Dom António Couto no nosso Centro Social Paroquial de Lamosa. Alguém que, através do seu sorriso, rasgado e sereno, invade e conquista tão rapidamente o coração das pessoas e que nas suas palavras revela uma enorme sapiência e amabilidade.

Foi uma visita carregada de sorrisos, emoção, momentos de oração e, sobretudo, de alegria espiritual. Esta alegria que tão notória se revelou no rosto de todos os presentes, desde o momento da receção até à despedida.
A receção foi preparada cuidadosamente, com a declamação de.um poema realizado propositadamente para este dia, seguido de um momento musical protagonizado pelos utentes que entoaram  uma musica característica da freguesia de Lamosa. Após esta entrada triunfal seguiu-se a missa, momento impar na vida de todos presentes. Para terminar esta visita foi realizado um almoço em jeito comemorativo e de despedida, com a oferta de alguns presentes simbólicos ao Bispo Dom António Couto. Também neste contexto foi apresentado um vídeo, onde os utentes foram as personagens principais, que assim, antecipando o feliz dia que se avizinhava, agradeceram a visita do Senhor Bispo ao nosso CSP Lamosa. A sua passagem pela nossa instituição fez jus à citação inicial, pois a sua presença tornou-nos melhores e mais felizes. Esta rececão com certeza ficará gravada na memória de toda a gente, pois a duração dos acontecimentos é irrelevante quando as palavras e os gestos que os marcam são tão unificadores.

Para terminar destacamos o poema declamado no momento de receção que, no seu término, com um viva gritado em uníssono e uma largada de pombas, é revelador e elucidativo da importância que teve esta visita no nosso tão amado Csp Lamosa.

VISITA PASTORAL BISPO DOM ANTÓNIO

Hoje no nosso Centro Paroquial

Em todos os corações há alegria.

Estes momentos de Visita Pastoral

Vão marcar a nossa alma neste dia.

Senhor Dom António nós o saudamos.

Queremos-lhe dizer muito obrigado

por ter vindo até nós e desejamos

que Deus o acompanhe em todo o lado

Na nossa pequena comunidade,

em Lamosa a nossa terra querida,

sentimos hoje  muita felicidade

que vai dar mais alento à nossa vida.

Este dia para nós tão importante,

Senhor Bispo não vamos esquecer.

A sua visita tão reconfortante,

foi dentro de nós um amanhecer.

Viva o Senhor Dom António, viva

Neste dia muito especial

Viva também a sua comitiva

E todos, todos nós em geral.

VIVA

in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016

Paróquia de Tabuaço | Sacramento do Crisma 2016

IMG_2359

No dia 16 de julho de 2016, pelas 16h00, a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Tabuaço esteve em festa: treze jovens receberam o Espírito Santo sob o sinal da imposição das mãos e da unção do óleo do crisma por Sua Excelência Reverendíssima o senhor Bispo de Lamego, D. António Couto.

Nesta celebração estiveram presentes, para além do Sr. Bispo e do Sr. Padre Manuel, o Sr. Padre João Carlos, o Sr. Padre Ildo, o Sr. Padre Jorge Giroto e o Sr. Padre Duarte Lara, o que demonstra de forma visível a unidade da Igreja.

O grupo de crismandas contou com 9 jovens de Tabuaço, acolhendo também três jovens da Paróquia de Arcos e uma da Paróquia de Valença do Douro. A preparação imediata, com pregação na Eucaristia, contou com a prestimosa participação dos reverendos Pe. Diamantino Alvaíde e Pe. Jorge Giroto. Ler mais…

JMJ – Missa de Envio

Jovens-Sé

Sábado às 21h realizou-se na Sé a Missa de Envio para os jovens da Diocese de Lamego que partiriam no seguinte para Cracóvia, a fim de participarem nas Jornadas Mundiais da Juventude.

Presidida por D. António Couto, foi concelebrada pelos Padres José Carlos, José Guedes, Abrunhosa, Bráulio e Márcio, missionário na Bolívia e que se encontra entre nós.

As boas-vindas, a cargo do Padre Bráulio, responsável pelo Secretariado Diocesano da Juventude, salientaram a presença, não só de jovens de praticamente todas as paróquias da Diocese mas também de um grupo da Madeira (Porto Santo) e outro dos Açores (São Miguel), que a partir de Lamego iniciarão também a sua peregrinação.

As palavras de D. António tocaram fundo na assembleia (jovens e menos jovens) ao exortar os peregrinos a usar esta pausa na sua vida para em Cracóvia tentarem perceber o mistério de Jesus Cristo, o modo como Ele se encontra em cada um de nós, tomando este (re)conhecer-se em Cristo como a verdadeira aventura desta viagem e separando-a de tudo o resto que é transitório. Desafiou-os também a encontrar Jesus na 5ª Bem-Aventurança, “a única que roda sobre si mesma”, pois quem for misericordioso alcançará misericórdia e só esses encontrarão a Deus em toda a Sua plenitude. Quem abrir o coração à Palavra não mais a deixará sair.

E um conselho: “Ide leves, ide sem agenda, porque só Jesus Cristo basta! Só Ele determina a nossa agenda, só Ele determina o que vamos encontrar. E tudo o que de belo encontrardes trazei apara partilhar com a vossa Diocese, com todos nós. Fazei como Maria e ouvi, escutai com o coração, sem falar, só a receber, sem planos, serenos, tranquilos, felizes, abertos à Palavra. Não leveis agendas cheias, do que ides fazer, do que ides encontrar, de planos, de ideias! Nas agendas cheias não cabe Jesus, não servem para o Reino de Deus. Levai-a vazia e trazei-a preenchida por Jesus!”

“Eu, o vosso Bispo, estarei convosco nas minhas orações. E como Maria, escolhei a melhor parte, escolhei Jesus e virai o mundo do avesso!”

E foi para “virar o mundo do avesso” que milhares de jovens saíram de suas casas nos cinco Continentes e se dirigirão nos próximos dias a Cracóvia, onde esperarão por Sua Santidade, o Papa Francisco.

É uma marcante e fantástica experiência, alguns já repetentes outros pelas primeira vez, da qual nunca se volta igual. Volta-se para agir, para “virar o mundo do avesso”!

I.M., in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016

Paróquias Unidas em Laços de Catequese

catequese-fabrício

Paróquias de Travanca, Fornelos e Moimenta, da Zona Pastoral de Cinfães

Neste final de ano catequético, eis algumas palavras de análise, reflexão, avaliação, sentimento e até de sensibilização. Pois bem: Está à vista de toda a comunidade paroquial, mesmo até à mais céptica, que o êxito e o sucesso estiveram de mãos dadas. Catequistas, que deram o seu melhor a par de um sacerdote atento, embora nem sempre fosse fácil perceber isso, porque grande parte das vezes ao dar a ideia de distante, transmitia sim e em simultâneo a maior das confianças nos seus intervenientes. Obrigada Sr. Pe. Fabrício Pinheiro.

Não obstante, faltar-se-ia à verdade se não tivessem existido um e outro pequeno pormenor menos favorável (fases imaturas, jovens, adolescentes…) mas de solução imediata dada a colaboração do nosso pároco que de forma fácil, clara, audível e segura responde oportunamente visto que estamos na presença de alguém cuja determinação lhe é tão peculiar.

Várias foram as iniciativas, as atividades tomadas ao longo deste percurso e já oportunamente referenciadas; porém algo mais houve a acrescentar nesta paróquia de Travanca: o renascer da JAM (Juventude Alegria de Maria), consequentemente, as comemorações no mês de Maria… mais tarde, já em junho, a realização de uma Missa Campal acompanhada de almoço no mesmo espaço, em parceria com a Câmara Municipal e Cinfães e a Junta de Freguesia de Travanca, tendo o propósito, o objetivo, de sensibilizar e apelar à unidade, à comunhão de todos os Travanquenses. Ler mais…

AS FÉRIAS E A BÍBLIA | Editorial Voz de Lamego | 19 de julho

descansando-em-Deus

Aproxima-se a Jornada Mundial da Juventude, que se realiza na Polónia. Portugal é um dos países com mais jovens inscritos para as Jornadas Mundiais. O Jornal Diocesano desta semana fala-nos dos jovensabalho que humaniza a pessoa humana… mas o trabalho não deve matar o homem… o repouso coloca o trabalho no seu lugar…

AS FÉRIAS E A BÍBLIA 

A Bíblia não fala de férias.

Pelo menos daqueles dias com que muitos sonham e anseiam e para os quais fazem planos, a fim de serem devidamente vividos e aproveitados. Para esses, férias são sempre sinónimo de interrupção da rotina, de encontro festivo e sem pressas, de viagem e descoberta, de silêncio e de festa. Sabe sempre bem dar tempo ao tempo!

Para muitos outros, férias são uma realidade desconhecida, com a qual não se encontram, seja por vontade própria seja por falta de meios ou oportunidades.

A Bíblia não fala de férias.

Mas fala do repouso que se segue ao trabalho e ordena ao homem que respeite e observe tal repouso. Assim o lemos no relato da criação, onde se fala do “shabat”, o sétimo dia, como tempo de descanso e de contemplação, mas também num dos dez mandamentos, quando se manda consagrar este dia ao Senhor.

O último dia de cada semana deve ser diferente dos seis anteriores. E porquê?

O trabalho humaniza o homem quando este nele se exprime e se realiza. Mas o trabalho, quando não tem sentido, mutila o homem. E pode “matar” o homem, quando este se torna seu escravo.

O repouso semanal coloca o trabalho no seu lugar. Um lugar importante na vida de qualquer homem. Mas não pode ocupar toda a vida!

Por outro lado, esse repouso semanal não é vazio: permite encontrar Deus, encontrar-se, encontrar os outros e apreciar o gosto da eternidade. Dito de outra maneira, o repouso semanal é uma janela para a vida plena. E esta janela deveria iluminar toda a semana.

A Bíblia não fala de férias.

E, no entanto, o repouso semanal torna claro o sentido das férias.

Boas férias!

in Voz de Lamego, ano 86/36, n.º 4372, 19 de julho de 2016