Arquivo

Archive for 15/06/2016

XII Encontro de Ministros Extraordinários da Comunhão

DSC_0279

No passado sábado, 4 de junho, teve lugar no Seminário Menor de Resende o XII Encontro de Ministros Extraordinários da Comunhão. O encontro contou com participantes oriundos das paróquias de toda a diocese de Lamego.

Acolhidos os participantes, foram feitas duas exposições que procuraram relacionar-se com o Jubileu Extraordinário da Misericórdia que vivemos. Tendo como base esse mesmo tema, a Misericórdia, o Monsenhor José Fernando Bouça Pires expôs a importância desta no ministério da Comunhão. “Amar é dar a vida” e qualquer pessoa, para corretamente viver um ministério que exerça, tem de amar, dar a vida, dedicar o seu tempo e sobretudo entregar-se ao outro.

Já no segundo momento de reflexão, o Pe. João Carlos da Costa Morgado, Pró-Vigário Geral da diocese de Lamego, apresentou os jubileus ao longo da história, desde a sua origem e apresentando o contributo de São Carlos Borromeu e do jubileu extraordinário na cidade de Milão num contexto histórico de Peste.

Depois das exposições, celebrou-se a Eucaristia, presidida por D. Jacinto Botelho, Bispo Emérito de Lamego.

O almoço seguiu-se no programa, procedido de um momento de convívio e animação musical. Por fim, os ministros extraordinários da comunhão presentes partilharam o seu testemunho e a história do seu próprio ministério. Sem dúvida, que este encontro foi uma oportunidade única para todos os seus participantes. Não constituindo apenas um momento de convívio e contacto com outros membros deste ministério, apesar de tal ser importante, mas principalmente pela oportunidade de reflexão e de formação pessoal, tanto a nível cognitivo como afetivo e espiritual.

Ilídio M. C. Ferreira, Seminarista do 12° ano

in Voz de Lamego, ano 86/31, n.º 4367, 14 de junho de 2016

PRATICAR DESPORTO | Editorial Voz de Lamego | 14 de junho

Portugal players celebrate at the end of the Euro 2016 qualifying group I soccer match between Portugal and Denmark at the Municipal Stadium in Braga, Portugal, Thursday, Oct. 8 2015. Portugal defeated Denmark 1-0. (AP Photo/Paulo Duarte)

Seleção Portuguesa de Futebol (AP Photo/Paulo Duarte)

O destaque da primeira página da Voz de Lamego desta semana vai para o CARTAZ de divulgação do DIA DA FAMÍLIA DIOCESANA, que se realizará no Santuário de Nossa Senhora da Lapa, no próximo dia 25 de junho, na sua segunda edição e que pretende congregar as 223 paróquias e os movimentos eclesiais que constituem a Diocese de Lamego, em clima de festa e de alegria.

Nestes dias muitos se irá falar do Europeu de Futebol, que se realiza em França, pelo que o Editorial, do Pe. Joaquim Dionísio, Diretor da Voz de Lamego, enquadra o europeu, com a presença da Seleção Portuguesa, situando-nos nos valores que o desporto pode e deve promover…

PRATICAR DESPORTO

Apesar da habitual e acessível diversidade noticiosa servida diariamente, desde sexta-feira e até dia 10 de julho, a atenção mediática de muitos está, sobretudo, voltada para a fase final do campeonato europeu de futebol, a decorrer em França.

A selecção portuguesa também marca presença e inicia hoje (dia 14) a competição, animada pela perspectiva de vencer e conseguir um resultado histórico. E desejar ser o primeiro, cumprindo as regras, não é imodéstia ou falta de respeito para com os outros, mas auto-motivação. É verdade que nem sempre a euforia inicial perdura e é vítima dos resultados, mas ninguém nega o valor dos seleccionados e a vontade de bem representar o país.

E se o acontecimento faz vibrar muitos, também é verdade que entre os mais entusiastas estão os emigrantes. A presença e o bom desempenho dos compatriotas faz-lhes bem. Antes, durante e após um bom resultado cresce a alma de quem já se habituou a ver Portugal de longe.

Enquanto atividade principal de clubes e prática profissional de jogadores, o futebol anima conversas de amigos, motiva jornais e programas informativos, sustenta uma economia que gravita à sua volta… O futebol deixou de ser apenas um jogo. Bastará referir os indecentes salários de muitos, a “mercadoria” de luxo em que os jogadores se tornaram, as apostas, os valores da publicidade e dos direitos de imagem, etc. O futebol tornou-se um grande mercado.

Às vezes a violência mistura-se, quando o espírito competitivo vence o desporto e mata o “fair-play” que deve caracteriza a relação entre jogadores e entre adeptos.

No dia-a-dia, o desporto é um bem para a vida pessoal e comunitária, na medida em que promove hábitos saudáveis, aproxima os participantes e contribui para o respeito mútuo.

E há tempo para tudo.

in Voz de Lamego, ano 86/31, n.º 4367, 14 de junho de 2016