Arquivo

Archive for 01/06/2016

Lamego celebrou solenidade Corpo de Deus

13254059_1158998694140024_1440873816930031115_n1

A palavra entrou no dicionário litúrgico e cristão das nossas comunidades e é difícil dizer alguma coisa sem se dizer: “Corpo de Deus”.

Lamego não fugiu nem quer fugir às celebrações que Portugal dedica ao mistério do Corpo e Sangue de Cristo.

Por isso, encheu-se a Catedral e muitos vieram das suas paróquias. O concelho de Lamego está, desde há muito, convidado para esta celebração, com a participação na Eucaristia e na Procissão que percorre diversas ruas da cidade. Alguns sacerdotes, muitos cristãos vêm e participam. Se Portugal é terra onde o mistério é celebrado e vivido de modo muito solene, Lamego não foge à regra. A Catedral enche-se, fazendo deste dia, com a congregação dos que acreditam, amam e, por isso, celebram o mistério de Jesus Eucaristia.

Enriquecida pela presença e brilho do Coro da Catedral, a celebração teve a presença das Autoridades civis e militares que sempre marcaram presença, acrescida na colaboração prestada na Procissão, empunhando as varas do Pálio, em alternância com membros das Irmandades do Santíssimo, das paróquias da Cidade.

Presidiu à celebração o nosso Bispo, Senhor D. António, ali vimos o Senhor D. Jacinto e à volta do altar os cónegos e sacerdotes que puderam estar presentes.

A homilia, proferida pelo nosso Bispo, pode ser lida nas páginas do nosso jornal, pelo que nos dispensamos de dar as suas ideias principais e que podermos aprender para a vida.

A Solene Procissão percorreu as ruas à volta da Catedral, parte da Avenida Central e retomou a 5 de Outubro a partir da confluência com a Columela; da Praça do Comércio a Rua de Almacave, retomou o caminho da Catedral, onde todos recebemos a Bênção do Santíssimo e ouvimos o agradecimento do nosso Bispo a todas os que participaram nas celebrações do dia.

As paróquias do Concelho, Arciprestado ou Aro, participaram com as suas Cruzes paroquiais, as Irmandades e grupos de Apostolado da cidade participaram com as suas opas ou vestes próprias, dando à Procissão o tom Solene da Festa que todos, mesmo os que se mantêm firmes ao longo dos anos, não querem esquecer, pôr de parte a sua fé e o seu amor ao Senhor na Eucaristia.

Reposta a Festa no seu dia tradicional, Lamego e todo o Portugal souberam mostrar que as nossas terras, a nossa Pátria, são terras, onde a fé não morreu, não morre, mesmo que algumas vozes teimem em ser de mau agoiro. A resposta foi dada, seja aprendida a lição e, como alguém dizia, «os outros gostam, mas sejamos nós a mostrar o contrário».

Pe. Armando Ribeiro,

in Voz de Lamego, ano 86/26, n.º 4365, 31 de maio de 2016

RELIGIÃO DO POVO | Editorial Voz de Lamego | 31 de maio de 2016

sagrado-1-1764x700

A abrir o Jornal Diocesano, Voz de Lamego, a Peregrinação Arciprestal ao Santuário de Nossa Senhora dos Remédios, lembrando-nos que outras peregrinações marianas marcam, em particular, o penúltimo e último domingos de maio, um pouco poro todo o lado, realizadas em paróquias ou conjuntamente nas zonas pastorais.

O Editorial do Pe. Joaquim Dionínio lança-nos para o mês seguinte e para uma das devoções populares enraizadas nas nossas paróquias, a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, cuja solenidade se celebra na próxima sexta-feira, 3 de junho, com uma palavra de agradecimento e incentivo para os zeladores das Associações do Apostolado de Oração…

RELIGIÃO DO POVO 

O ritmo pastoral das nossas paróquias continua a ser marcado, também, pela piedade popular ou, no dizer de Paulo VI, pela “religião do povo”.

Apesar de nem sempre considerada, a verdade é que esta religiosidade “manifesta uma sede de Deus que só os simples e os pobres podem conhecer; torna capazes de generosidade e de sacrifício até ao heroísmo, quando se trata de manifestar a fé; comporta um sentido apurado dos atributos profundos de Deus: a paternidade, a providência, a presença amorosa e constante; gera atitudes interiores raramente observadas noutro lugar no mesmo nível: paciência, sentido da cruz na vida diária, desapego, abertura aos outros, devoção” (EN 48).

Neste mês de Junho, assume particular destaque a devoção ao Coração de Jesus, possibilitando a todos “uma atitude de fundo feita de conversão e reparação, de amor e gratidão, de empenhamento apostólico e de consagração a Cristo e à sua obra salvífica” (Directório sobre a piedade popular e a Liturgia 172).

Em pleno Jubileu da Misericórdia, tal devoção permite contemplar a universalidade, a gratuidade e a proximidade do amor de Cristo. Porque o Coração do Salvador é ponto de encontro, refúgio que abriga e fonte que sacia.

Por outro lado, contemplar e celebrar o amor de Cristo é comprometer-se com Ele, assumindo a sua pessoa e a sua palavra como norma de conduta, dando testemunho.

Às vezes, coisas simples e aparentemente datadas (ultrapassadas) podem revelar-se como oportunidade de encontro e meio para chegar mais longe. Vem isto a propósito das Associações do Apostolado de Oração e da “rede” que Zeladores e Associados podem ajudar a manter numa comunidade paroquial.

A nossa homenagem e gratidão a tantos Zeladores que, mensalmente e com o pretexto de distribuírem a “folhinha”, contribuem para tornar mais visível a proximidade e mais efectiva a comunhão eclesial.

in Voz de Lamego, ano 86/26, n.º 4365, 31 de maio de 2016