Arquivo

Archive for 13/04/2016

Semana de Oração pelas Vocações | “A Igreja, mãe de vocações”

cartaz

Iremos viver e celebrar no próximo Domingo (IV Domingo da Páscoa – Domingo do Bom Pastor) o 53.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações. O Papa Francisco, na sua mensagem para esse dia refere-se à Igreja como comunidade, como uma mãe que gera vocações: “A Igreja, mãe de vocações”. “Esta maternidade da Igreja exprime-se através da oração perseverante pelas vocações, da ação educativa, do acompanhamento daqueles que sentem o chamamento de Deus e da cuidadosa seleção dos candidatos ao ministério ordenado e à vida consagrada”.

“A vocação nasce na Igreja”; “cresce na Igreja”; “é sustentada pela Igreja”. O ponto de partida para esta dinâmica vocacional é a pertença e adesão à comunidade cristã. Na origem de toda e qualquer vocação está Deus que chama, mas compete à comunidade cristã fazer despertar e germinar as vocações. “Uma comunidade sem cuidado vocacional facilita o risco de degradação pastoral, de esterilidade espiritual, de concentração recreativa. E, ao contrário, aquela que põe sobre a mesa o tema vocacional, se coloca, projeta e programa, tendo em conta esta dimensão essencial da sua missão, assegura uma tensão espiritual de vida, orienta e afina metas pastorais, obtém melhores níveis de fecundiade e adquire uma alta concentração educativa nas suas opções, que a colocam sem dúvida na linha da nova evangelização” (Mario Oscar Llanos sdb, Pastoral Vocacional na Nova Evangelização, Ed. Paulinas, 2014, p. 5,6).

Deste modo, todos os fiéis são responsáveis e corresponsáveis pelo cuidado para com as vocações e o seu discernimento. Neste sentido e com este objectivo, o Santo Padre destaca o papel muito relevante dos sacerdotes, devendo estes integrar o cuidado pela pastoral das vocações como parte fundamental do seu ministério. É evidente que este tom dado à importância da comunidade cristã para o surgimento de novas vocações, não é novo e não é de agora, mas convém sempre recordar por exemplo e como referência no que  a este tema diz respeito, com particular destaque para as vocações sacerdotais, o Concílio Vaticano II, no Decreto “Optatam Totius”, nº 2: “O dever de fomentar as vocações pertence a toda a comunidade cristã, que em primeiro lugar deverá cumpri-lo por meio duma vida plenamente cristã; contribuem para isso, sobretudo, não só as famílias que animadas pelo espírito de fé, de caridade e de piedade, se tornam como que o primeiro seminário, mas também as paróquias, de cuja vida abundante participam os próprios adolescentes. Os professores e todos os que de qualquer modo têm a seu cuidado a educação de crianças e de jovens, principalmente as Associações Católicas, de tal modo se esforcem por cultivar o espírito dos adolescentes a si confiados, que estes possam descobrir a vocação divina e segui-la de boa vontade. Mostrem  todos os Sacerdotes o máximo zelo apostólico em favorecerem as vocações…”

Que este Dia Mundial de Oração pelas Vocações e a semana que lhe antecede, nos lembre da necessiadade de termos leigos empenhados a trabalhar na Igreja e pela transformação da sociedade, sacerdotes animados pelo amor e pela misericórdia de Deus e consagradas e consagrados verdadeiramente apaixonados pela causa  do Evangelho.

Pe. Vasco Pedrinho, Departamento Diocesano da Pastoral Vocacional

in Voz de Lamego, ano 86/21, n.º 4358, 12 de abril de 2016

Alunos de EMRC do secundário em Lamego… às volta com o amor

12968038_783614111739303_7508224777570839068_o

A Igreja Católica promoveu o VI Encontro de Alunos de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) do Ensino Secundário esta sexta-feira e sábado, em Lamego, onde estiveram 1500 alunos de 15 dioceses, refere o portal educris.com.

De acordo com a página da internet do Secretariado Nacional da Educação Cristã, que coordena a iniciativa, os alunos de EMRC pertencem a de 65 escolas e participaram num conjunto de atividades dinamizadas a partir do tema «Às Voltas com o amor».

“Estas voltas são também as que Deus faz para vir ao nosso encontro. Muitas vezes andamos como ovelhas transviadas e Ele não esquece. É isso que propomos aos alunos, que andam por caminhos atarefados na sua vida quotidiana, ir ao encontro do Pai”, explica João Ferraz, do Departamento do Ensino Religioso nas Escolas da Diocese de Lamego.

“É vivenciar e experimentar o amor e ir ao encontro do outro que é um dos desafios da disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica. O ir ao encontro na partilha, na experiência em dois pilares fundamentais: O amor e o perdão misericordioso”, acrescenta João Ferraz, em declarações à Agência ECCLESIA.

O VI Encontro de Alunos de EMRC do Ensino Secundário começou no dia 8 de abril, sexta-feira,  em Lamego, com o acolhimento no “Estádio de Nossa Senhora dos Remédios onde os participantes fizeram a experiência do amor através da arte, da pintura, da música e da dança”.

“As escolas participantes trouxeram a misericórdia ao encontro através de uma campanha de recolha de fraldas para crianças e adultos que serão posteriormente entregues à Caritas e à Santa Casa da Misericórdia”, informa o Secretariado Nacional de Educação Cristã. Ler mais…

PADRE PASTOR | Editorial Voz de Lamego | 12 de abril de 2016

s2

Semana a semana, a Voz de Lamego quer chegar aos diocesanos de Lamego, por cá residentes ou noutros pontos do país, e mesmo em outros lugares do mundo,  assumindo-se mensageiro do que se passa e se vive na região que abarca a Diocese de Lamego e a na Igreja, como porção do Povo de Deus, Diocese, formada pelas 223 paróquias, pelos serviços pastorais, pelo diferentes grupos eclesiais.

Cada edição traz informação, mas também a reflexão de vários colaboradores, numa dinâmica inspirada na Vida, no Evangelho, em Jesus Cristo, na História, no dia a dia.

O Editorial, do seu Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, é a porta de entrada para a leitura do Jornal Diocesano. Esta semana, o Editorial é dedicado ao Domingo do Bom Pastor. Boa leitura. Continuação de semana feliz.

PADRE PASTOR

Por estes dias, as atenções estão voltadas para a Exortação do Papa, mas, na proximidade do domingo do Bom Pastor, esta coluna não poderia esquecer os pastores que, por essa Igreja fora, vivem a sua missão e a quem saudamos.

Porque Deus serve-se de seres limitados e frágeis para, através deles, estar presente para os homens e agir em favor deles. É verdade que às vezes são notícia pelos piores motivos (como o avião quando cai, lembrou o Papa), mas quanto bem é semeado e testemunhado pelos nossos sacerdotes?

Pastor da comunidade, servo da comunhão, o presbítero é um cristão e um discípulo junto dos seus irmãos, a quem procura guiar, mas que também é guiado pelo Espírito. Com os olhos postos no único Pastor, para não perder o rumo e o ritmo, o padre é pastor no meio do seu povo. Não para dominar, mas para servir. Porque o povo de Deus é a sua razão de ser.

A missão do padre é procurar, por palavras e por acções, que todos conheçam Cristo e o seu amor e O sigam de verdade. E sabe que “a eficácia do seu ministério está condicionada pela autenticidade e pela fidelidade com que o vive” (E. Bianchi, Aos Presbíteros, p. 15).

O padre é hoje enviado como pastor para uma sociedade menos crente e mais exigente, marcada pelo relativismo e pelo secularismo, onde o laicismo ateu e o erotismo envolvente dificultam a missão. Os desafios são muitos e nem sempre, ao trabalho esgotante de semear, corresponde a eficácia desejada de ver crescer.

Só a paixão por Cristo permitirá ao padre enfrentar os desafios diários e vencer um certo cansaço espiritual ou a rotina que tendem a instalar-se, evitando a paralisia ou a morte pastoral do pastor e da paróquia.

in Voz de Lamego, ano 86/21, n.º 4358, 12 de abril de 2016