Início > Deus, Eventos, Igreja, Jesus Cristo, Jubileu da Misericórdia, Oração > Paróquia de Resende: 24 horas para o Senhor e Curso Bíblico

Paróquia de Resende: 24 horas para o Senhor e Curso Bíblico

resende

Estamos a viver em pleno o Ano Santo da Misericórdia! O Papa Francisco, no ponto dezassete da Bula de Proclamação do Jubileu Extraordinário «Misericordiae Vultus», sugere que “A Quaresma deste Ano Jubilar seja vivida mais intensamente como tempo forte para celebrar e experimentar a misericórdia de Deus” e nesse sentido solicita que a iniciativa «24 horas para o Senhor» seja incrementada, nas dioceses de todo o mundo, e celebrada na sexta-feira e no sábado anteriores ao IV Domingo do Tempo da Quaresma.Como corolário, Dom António Couto, Bispo de Lamego, no ponto dez da sua Carta Pastoral «Ide e fazei da casa de meu Pai Casa de Oração e Misericórdia», insiste nesta iniciativa “celebraremos em todas as Igrejas da nossa Diocese as «24 horas para o Senhor»”.

Deste modo, e após este estímulo de coragem para que todos os crentes se organizem de modo a fazerem desta experiência “o caminho para voltar para o Senhor, para viver um momento de intensa oração e redescobrir o sentido da própria vida”, a paróquia do Santíssimo Salvador de Resende não podia deixar de se associar a esta bela propostado Santo Padre e insistência do nosso Bispo diocesano e, para tal, adornou-se adequadamente a Igreja da Imaculada Conceição, Igreja Jubilar da Zona Pastoral de Resende, com elementos alusivos às Obras de Misericórdia.A celebração das «24 horas para o Senhor» teve início e término com celebrações da Eucaristia, às 18 horas dos dias 4 e 5 de março. Nesse espaço temporal viveram-se vinte e quatro horas ininterruptas de escuta orante da Palavra com momentos intensos de oraçãoe adoração, acompanhados com celebrações penitenciais, segundo a planificação efetuada pelos senhores párocos e dinamizada pelos grupos e movimentos da nossa comunidade, a saber e por ordem cronológica, seminaristas e formadores do Seminário Menor de Nossa Senhora de Lourdes, toda a comunidade em geral, grupo de jovens, grupo de escuteiros (Agrupamento 1096 C.N.E.), grupo de caminheiros da região (Cenáculo), grupo de cursistas (M.C.C.), grupos corais das igrejas, Conferência Vicentina, grupos de jovens/convivas/acólitos, adolescentes que se preparam para o Crisma, grupo de catequistas e crianças da catequese até ao 6º ano.Na verdade, se não todos, muitos fiéis da nossa comunidade participaram, unindo-se, assim, a toda a Igreja em oração pelo mundo e com certeza todos saíram mais fortalecidos para a prática da Misericórdia para com o próximo.

Para dar cumprimento ao Plano de Atividades Pastoral, na semana seguinte, mais precisamente, entre os dias 7 e 11 de março decorreu no Centro Paroquial de Resende, o Curso Bíblico sobre «O Evangelho da Misericórdia», como também é conhecido o terceiro Evangelho ou Evangelho segundo São Lucas. Penso que não houve hesitação na escolha deste livro bíblico, pois, além de ser o mais proclamado nas celebrações do atual ciclo litúrgico (Ano C), é aquele que melhor apresenta a teologia da misericórdia divina. Deste Evangelho, do qual foi retirado o lema do Ano Jubilar da Misericórdia “Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso”(Lc 6, 36), Jesus  é descrito como o Homem misericordioso, como Aquele que vê a miséria humana e vai ao encontro do outro que padece, como Aquele que se deixa tocar pelo outro, que sente compaixão, expressa no sofrimento de quem sofre e, aproximando-se, assume a dor com o outro, mostrando, com este gesto, um dos passos importantes em direção à misericórdia.

resende2

Foram cerca de duas dezenas de leigos que participaram nesta formação bíblica, organizada pelos párocos de Resende e muito bem orientada pelo senhor Pe. José Augusto Marques. Foi iniciada com o tema “I – O Rosto de Deus da Misericórdia”, do qual foi analisado de modo mais profundo a parábola rainha das parábolas da misericórdia e exclusiva de São Lucas, a parábola do “Pai Misericordioso” (conhecida por “Filho Pródigo”) (Lc 15, 11-32), na qual podemos descobrir o rosto ternurento de Deus.

No segundo encontro, sob o tema “II – Como age o Deus da Misericórdia”, foram aprofundadas a história da “conversão de Zaqueu” (Lc 17, 11-19) onde é mostrada a misericórdia de Deus convertida em perdão e ternura e a “Purificação dos dez leprosos” (Lc 17, 11-19), que nos fez conhecer a misericórdia convertida em cura, cura esta expressa na experiência de se sentir perdoado.

Na terceira sessão intitulada “III – Onde posso encontrar-me com o Deus da Misericórdia?” fizeram-se reflexões sobre as narrações da parábola do “Bom Samaritano” (Lc 10, 25-37) que nos desperta para a experiência do encontro com Jesus, sempre que nos aproximamos da dor dos irmãos, e “Os discípulos de Emaús” (Lc 24, 13-35) que nos apresenta a Eucaristia como outro ponto de encontro pessoal com Jesus.

No quarto dia, sob o tema “IV – Quais as atitudes em que entendo o Deus da Misericórdia?” foram estudadas a parábola “O Fariseu e o Publicano” (Lc 18, 9-14) e a narração do “Bom Ladrão” (Lc 23, 32-47), onde nos salta à vista que Jesus nos aparece constantemente no nosso quotidiano, mas para O entender como o Senhor da misericórdia são necessárias duas atitudes, a humildade e a oração.

No último encontro subordinado ao tópico “V – Aonde leva o encontro com o Deus da misericórdia?” foi analisado o episódio da “apresentação do programa de Jesus na Sinagoga de Nazaré” (Lc 4, 14-22), do qual podemos perceber que o chamamento de Jesus aos seus discípulos não é algo que teve lugar apenas no passado. Hoje em dia todos nós somos chamados para sermos Seus discípulos e seguidores, vivendo a experiência do amor e da misericórdia para com o próximo; e para terminar contemplámos a “história de Maria de Nazaré” (Lc 1-2) como a figura exemplar da encarnação e vivência do projeto de Jesus, pois percorreu o caminho cristão e experimentou a plenitude das maravilhas de Deus:na sua conceção recebeu o perdão e a cura do Deus da misericórdia; aos pés da cruz, encontrou-se com o rosto dos pobres refletido no corpo do seu Filho que sofria no patíbulo; no cenáculo, rezando com os discípulos, experimentou a certeza da nova vida do Senhor. Maria é modelo de vida cristã porque soube contemplar a sua vida com os olhos do coração, com os olhos de Deus: a humildade e a oração. Só com esses dois olhos da alma bem abertos, todo o cristão pode detetar a presença salvadora de Deus em todos os acontecimentos da sua vida.

Todos os que vivenciaram pelo menos uma destas iniciativas certamente ficaram mais capacitados a envolverem-se e a testemunharem a misericórdia, deixando transparecer como ela é importante para a construção de uma sociedade melhor, mais humana, mais compreensiva, com mais coração, mais misericordiosa, e a sentirem-se membros de uma Igreja que “tem a missão de anunciar a misericórdia de Deus, coração pulsante do Evangelho, que por meio dela deve chegar à mente de cada pessoa” (MV 11).

Eduardo Pinto, in Voz de Lamego, ano 86/20, n.º 4357, 5 de abril de 2016

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: