Início > Editorial, , Jesus Cristo, Mensagem, Opinião > VIVER DE PÉ | Editorial Voz de Lamego | 29 de março

VIVER DE PÉ | Editorial Voz de Lamego | 29 de março

editorial

A porta de abertura do Jornal Diocesano Voz de Lamego é o Editorial, proposta de reflexão do Pe. Joaquim Dionísio. E se esta edição se centra em grande parte na Páscoa e nas celebrações da Semana Santa, o Editorial convida-nos a viver de pé, como ressuscitados, “Deus quer-nos de pé”…

VIVER DE PÉ

Páscoa cristã é sinónimo de regresso à vida e referência à acção divina, pois só Deus é senhor da vida. Por isso, a Ressurreição de Cristo, “o primeiro nascido de entre os mortos”, é o centro da fé e da esperança cristãs e a causa da nossa alegria, expressa no Aleluia que entoamos. Jesus Cristo, Aquele que fora vítima, posto de lado e ignorado levantou-se e está agora de pé, pondo fim ao tempo das lamentações, das queixas ou do desespero.

No cânone 20 do I Concílio de Niceia (ano de 325) é dito aos baptizados que “nos dias do Senhor (domingos) e de Pentecostes, todos devem rezar de pé e não ajoelhados”. Não por irreverência ou ausência de temor, mas por esperança e confiança. Quem nos ama liberta-nos, quer-nos de pé e não de rastos. Deus quer-nos de pé. A Ressurreição permite ficar de pé.

Jesus deu a sua vida pelo mundo e convida-nos, enquanto Suas testemunhas, a permanecer de pé e a entoar “aleluias” neste tempo e neste mundo, onde tantos ainda são obrigados a curvar-se.

Há pessoas que, infelizmente, continuam a ser subjugadas, exploradas e espoliadas da sua dignidade, que não podem levantar a cabeça ou fazer ouvir a sua voz, que não podem movimentar-se livremente nem evidenciar talentos…

Mas também há quem se auto-exclua e autocritique em demasia, desconfiando de si e das suas capacidades, adiando escolhas e compromissos, demitindo-se da vida antes do tempo… Gente a viver de cócoras, sem experimentar ficar de pé, à imagem da fábula da águia que sempre viveu e se comportou como galinha.

O Ano da Misericórdia é uma oportunidade para ficar de pé, livres do pecado que destrói, do remorso que aprisiona ou da indiferença que afasta.

in Voz de Lamego, ano 86/19, n.º 4356, 29 de março de 2016

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: