Arquivo

Archive for 24/03/2016

Cerimónias da Semana Santa em Vila Cova à Coelheira

Páscoa1

A Semana Santa é uma tradição religiosa católica que celebra a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Jesus Cristo. Inicia no Domingo de Ramos relembrando a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém e termina com a ressurreição de Jesus, no Domingo de Páscoa.

As cerimónias da Semana Santa têm muito relevo por todo o concelho de Vila Nova de Paiva, manifestamente católico.

Em Vila Cova à Coelheira, o programa das cerimónias abre solenemente no Domingo de Ramos, dia 20 de março e prolonga-se até dia 27, Dia de Páscoa. Durante esta semana, decorrem inúmeras manifestações religiosas ligadas à quadra, entre elas, a bênção dos Ramos, o Aumentar das Almas, a visita aos doentes e as procissões. A manifestação mais simbólica que contempla a dramatização ao vivo da Paixão de Cristo e da Adoração da Cruz, estão inseridas na representação cénica das Estações da Via Sacra, com procissão do senhor do Santo Sepulcro do Monte Calvário para a Igreja Matriz, decorrem na tarde de Sexta-Feira Santa.

No sábado da Aleluia, realiza-se a Bênção do Lume e da Água e a Missa festiva da Ressurreição. As festividades do Domingo de Páscoa iniciam com uma arruada pela Banda Musical Progressiva de Vila Cova à Coelheira, a missa festiva e procissão eucarística e culmina com a visita pascal.

As cerimónias da Semana Santa tiveram a organização da Comissão Fabriqueira Paroquial, da Irmandade de Nosso Senhor dos Passos e Confraria do Senhor, com a colaboração do Grupo Coral da Paróquia, da Banda Musical Progressiva de Vila Cova à Coelheira, do Grupo Cénico Cultural e Recreativo, do Corpo de Voluntários da Ordem de Malta (Núcleo de Vila Cova à Coelheira) e do Grupo de Jovens desta vila.

 

in Voz de Lamego, ano 86/18, n.º 4355, 22 de março de 2016

Grupo de Jovens da Sé em Retiro da Quaresma

jovens-sé

Como já se torna hábito, o Grupo de Jovens da Sé recolheu-se este fim-de-semana de 12 e 13 de Março no Seminário Menor de Resende, levando a cabo o Retiro de Quaresma, que marcou também o início das preparações para as Jornadas da Juventude deste ano à Polónia. Sendo este o ano jubilar da Misericórdia, o perdão foi o tema em foco. Assim se compreende as reflexões, levadas a cabo em pequenos grupos e logo partilhadas entre todos, realizadas a partir de uma variedade de textos bíblicos onde a humildade, o arrependimento e o perdão se destacam: o do auxílio de Maria a sua prima Isabel, onde louva e empreende a misericórdia de Deus, mantendo sempre a humildade; o da dualidade da oração do justo, enfatuado do seu próprio comportamento, e do pecador, que por reconhecer as suas falhas pede por perdão; o do cobrador de impostos, que procurando ver Jesus o encontrou, obtendo o seu perdão e mudando o seu comportamento em vida; o do filho pródigo que, tendo rejeitado o pai, se arrepende e volta a casa em humildade, sendo recebido em amor e misericórdia; e, por fim, o da mulher adúltera, cujo pecado é levado a Cristo não pela conduta em si, mas com o intento de O encurralar. Ressalta-se neste último não apenas o perdão sem restrições, como também a consciência de que a crítica ao outro nada é quando feita sem o intento do auxílio e com a lembrança de que não há um de nós que não peque.

Um dia em que através da discussão em grupo cada um reconheceu e avaliou o modo como encara (e age!) o perdão, que terminou com a visualização do filme “Les Misérables”, de 1998, precisamente pela força do perdão enquanto elemento impulsionador do enredo.

Mais curto, o Domingo começou com uma pequena demonstração da história das Jornadas Mundiais, introdução à actividade do dia: considerações sobre a natureza da felicidade, e o que a diferencia da sorte ou mesmo de momentos temporários de felicidade. Concluímos ser a sorte algo fugaz, que se esgota com facilidade, e que parte de um acaso exterior, ao invés que a felicidade parte do próprio indivíduo, da sua relação com Deus e com os outros, mantendo-se, uma vez conseguida, inalterada no cerne da pessoa feliz, ainda que por vezes seja envolvida por maus momentos.

Como não podia deixar de ser, a celebração da Eucaristia marcou o final do Retiro: mais um no percurso do GJS, e cujos resultados esperamos que se denotem no comportamento do nosso dia-a-dia.

Inês Montenegro, in Voz de Lamego, ano 86/18, n.º 4355, 22 de março de 2016