Início > D. António Couto, Falecimento, , Igreja, Jesus Cristo, Notícias, Sacerdotes, Vida > Pe. Filipe Gonçalves da Fonseca nas Mãos de Deus | 1932-2015

Pe. Filipe Gonçalves da Fonseca nas Mãos de Deus | 1932-2015

P. Filipe Gonçalves da Fonseca (6)

(Pe. Filipe à esquerda de D. Jacinto Botelho)

Ser esbanjador dos dons de Deus

Padre Filipe da Fonseca (14/10/1932 – 06/11/2015)

Na passada sexta-feira, dia 6 de novembro, faleceu o padre Filipe Gonçalves da Fonseca, sacerdote do nosso presbitério e sobre quem havíamos dado a notícia do seu internamento hospitalar na passada semana.

O Padre Filipe era natural de Penude, onde nasceu no dia 14 de outubro de 1932, e era filho de Francisco Rodrigues da Fonseca e de Emília Gonçalves. Após ter frequentado os nossos Seminários, foi ordenado Diácono no dia 18 de dezembro de 1954, na capela do Seminário, na Casa do Poço, onde actualmente está instalado o Museu e arquivos diocesanos, frente à Sé. No mesmo espaço foi ordenado Presbítero, no dia 15 de agosto de 1955, por D. João da Silva Campos Neves.

Dois meses depois da ordenação, 15 de outubro de 1955, foi nomeado pároco de vale de Figueira a Velha, S. João da Pesqueira. Após quatro anos, no dia 19 de Setembro de 1959, recebeu a nomeação para pároco de Pretarouca (Lamego) e de Feirão (Resende). Três anos depois, em 1962, saiu deste espaço pastoral e foi nomeado para a zona de Tabuaço, mais concretamente para as paróquias de Paradela e Granjinha. Mais tarde acumulou também a paroquialidade de Távora e de Aldeia de Sendim. Quando as forças foram faltando, saiu das paróquias e assumiu a missão de capelão num lar de idosos de Barcos, Tabuaço, residindo nesta vila duriense.

As cerimónias exequiais desenrolaram-se em dois momentos: às 9h foi celebrada uma Eucaristia na igreja paroquial de Tabuaço, a que presidiu o Padre João Carlos Morgado, Pró-Vigário Geral, e às 11h uma outra na igreja matriz da sua paróquia natal, Penude, presidida por D. António Couto. O seu corpo foi sepultado no cemitério de Penude.

Na homilia, lembrando que estamos sempre diante de Deus, o nosso bispo falou da missão do padre como administrador dos dons de Deus. E, nessa linha, convidou todos os presentes a serem “esbanjadores das riquezas de Deus”, porque ser esbanjador dos bens recebidos de Deus, é ser “bom, excelente administrador”. Passa por aqui a missão do sacerdote, que o Padre Filipe procurou cumprir ao longo da sua vida.

A nossa oração.

JD, in Voz de Lamego, ano 85/50, n.º 4337, 10 de novembro

  1. Fr. Filipe Rodrigues, op
    12/11/2015 às 14:29

    Tenho pena de não o ter conhecido. Tenho o nome de Filipe porque a minha avó, que foi também minha madrinha, o tinha em muito boa conta. E quis que eu me chamasse também Filipe.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: