Início > Editorial, Igreja, Mensagem, Opinião > ESCÂNDALO E PERDÃO | Editorial Voz de Lamego | 20 de outubro

ESCÂNDALO E PERDÃO | Editorial Voz de Lamego | 20 de outubro

Editorial_Voz_lamego

A Igreja vive um momento de extraordinária graça, a Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, no Vaticano, entre 4 e 25 de outubro, refletindo a família, com as suas potencialidades e as suas dificuldades. Por conseguinte, é um tema que está presentes em diferentes páginas das comunidades, paroquiais, diocesanas, nacionais. Também a Voz de Lamego vai dando voz a esta temática premente. O mês de outubro, por outro lado, é o mês das missões. E também, sintonizado com este compromisso de toda a Igreja e da Igreja como um todo, a Voz de Lamego dá-lhe esta semana o maior destaque, a começar pela primeira página. Canonização dos Pais de Santa Teresinha do Menino Jesus, no passado dia 18 de outubro, Dia Mundial das Missões.

O Pe. Joaquim Dionísio, no Editorial desta semana, faz ressonância das palavras do papa, na Audiência Geral da passada quarta-feira, 14 de outubro, em que Francisco pede perdão pelos escândalos e por todo o mal feito, especialmente às crianças.

ESCÂNDALO E PERDÃO

Partindo da palavra de Jesus, que convida a evitar o escândalo e critica quem o provoca (Lc 17, 1), o Papa Francisco iniciou a sua catequese do dia 14 com um pedido de perdão: “Antes de dar início à catequese, em nome da Igreja, gostaria de vos pedir perdão pelos escândalos que nestes últimos tempos ocorreram tanto em Roma como no Vaticano; eu peço-vos perdão!”

O escândalo é a reação provocada em alguém, causada pelo mau exemplo, e surge como sinónimo de coisa indecorosa e contrária aos bons costumes. Nesse sentido, é fruto de um mau procedimento ou de um acto reprovável e irresponsável que faz sofrer. E aumenta quando provem de pessoas ou ambientes onde tal pareceria difícil de acontecer. Mas a verdade é esta: com os nossos gestos, palavras e silêncios podemos ser motivo de escândalo.

As palavras do Papa são claras e o seu alcance facilmente percebido. Mas o importante é a atitude protagonizada. Responsável pela Igreja, sentiu-se na obrigação de pedir perdão por todos aqueles que, chamados a dar bom testemunho, não foram capazes de evitar o mau exemplo. Não escondeu os factos, não se perdeu em justificações nem gastou tempo a escolher as palavras. É preciso coragem para reconhecer o erro e humildade para pedir perdão.

Quantos líderes, governantes ou gestores, responsáveis por pessoas e bens, têm sido capazes de reconhecer o erro e protagonizar um acto tão humano e tão digno como é pedir perdão pelas mortes provocadas, pelas más opções tomadas, pelo prejuízo causado ou pelo escândalo divulgado?

O ideal será sempre evitar o mal e o escândalo, mas quando acontece é de grande nobreza reconhecer e pedir perdão. As palavras não devolvem vidas nem fazem esquecer lágrimas, mas contribuem para o reencontrar da dignidade e o restabelecer da confiança.

 in Voz de Lamego, ano 85/47, n.º 4334, 20 de outubro

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: