Arquivo

Archive for 09/09/2015

São João de Miomães: entrada do novo pároco

1661223_624899120946835_1617188155431415088_n

No passado Domingo, dia 6 de setembro, deu entrada e tomou posse da paróquia de S. João de Miomães, o seu novo pároco, Pe. Germano Carlos Nunes Cardoso, que veio substituir o Pe. Joaquim Correia Duarte.

Depois de ter sido apresentado na capela de Santa Maria Madalena, de Caldas de Aregos, numa Eucaristia simples, mas solene e muito participada, chegou o novo pároco ao Largo do Senhor dos Aflitos, em Miomães, pelas 17 horas, onde era esperado pelo Conselho Pastoral, pelos Conselho para os Assuntos Económicos, pela Junta da União  de Freguesias de Miomães e Freigil, que o acolheu com uma bonito ramo de flores, pelo Grupo Coral Litúrgico e por toda a população da paróquia. Um menino do Grupo de Acólitos  proclamou então um texto de boas-vindas, saudando o senhor Pró-Vigário Geral, o novo pároco, o pároco anterior, os demais sacerdotes aí também presentes, e todos os seus conterrâneos, e uma menina da Catequese entregou ao novo pároco um lindo ramos de flores, como símbolo do bom acolhimento e do desejo de boas-vindas, da parte de todos paroquianos.

Iniciada a Procissão de Entrada, seguiu-se na direcção da igreja, o pároco anterior deu a Cruz Paroquial a beijar ao novo pároco, à entrada, e teve então início a Celebração da Eucaristia.

Depois de palavras cheias de sabedoria e de encanto, proferidas pelo senhor Pró-Vigário Geral, Pe. João Carlos da Costa Morgado, que veio apresentar e dar posse ao novo pároco, este fez publicamente a sua Profissão Solene de Fé, o senhor Vice-reitor do Seminário de Resende leu a respectiva Provisão de Nomeação assinada pelo Bispo da Diocese, e o senhor Pró-Vigário entregou ao novo pároco as chaves do sacrário, da igreja e do armário reservado ao Arquivo Paroquial, e o Livro de Inventário dos Bens Paroquiais.

Lida em voz alta a Ata de Tomada de Posse redigida pelo pároco anterior, e assinada pelos dois sacerdotes e pelo Pró-Vigário Geral, prosseguiu celebração da Eucaristia, animada pelo grande e maravilhoso Grupo Coral da Paróquia.

No final, quis a paróquia prestar uma bela e expressiva homenagem ao pároco que servira a paróquia ao longo de quase 21 anos, com uma mensagem proferida por uma jovem Catequista e do Grupo Coral, a entrega de um ramo de flores, e a oferta de uma bela e preciosa lembrança.

Concluída a celebração com palavras muito belas e simpáticas dirigidas aos presentes pelo novo pároco, palavras que todos muito apreciaram, e com o anúncio do programa da semana, seguiu-se um alegre, feliz e prolongado Convívio no adro da igreja, partilhado por toda a população e por todos os sacerdotes aí presentes, convívio que durou até de noite, com alegria bem visível em todos os rostos.

Para manifestarem ao novo pároco a sua amizade pessoal e presbiteral, estiveram presentes a tudo os senhores padres Abel Costa, António José Ferreira e António Loureiro.

Felicidades para a paróquia, e para o seu novo e esperançoso pastor.

in Voz de Lamego, ano 85/41, n.º 4328, 8 de setembro

IMAGEM E PODER | Editorial Voz de Lamego | 8 de setembro

Imagem_poder_editorial

A edição da Voz de Lamego desta semana é coincidente com a festa da Natalidade de Nossa Senhora, invocado na cidade e na Diocese de Lamego como Nossa Senhora dos Remédios, a Romaria de Portugal, razão mais que suficiente para ser o destaque desta semana.

Porém, muitas outras temáticas na ordem do dia e presentes da Voz de Lamego, como a Visita Ad Limina Sacra dos Bispos Portugueses ao Vaticano, ou a questão problemática dos Refugiados, além das notícias ou eventos anunciados, as reflexões variadas dos diferentes colaboradores.

O Editorial do nosso Diretor, Pe. Joaquim Dionísio, centra-se no poder da imagem, mormente daquele menino, Aylan Curdi, fotografado morto, na praia, em mais um apelo ao acolhimento das famílias que estão a chegar a Portugual.

IMAGEM E PODER

O poder da palavra tem que desafiar a palavra do poder. Eis uma das afirmações do Dr. Adriano Moreira no recente simpósio do clero. Apesar da idade que não esconde e da fragilidade que denota, continua a ser uma referência pela profundidade e simplicidade que emprega às suas reflexões.

Na leitura atenta e nem sempre optimista do contexto em que vivemos, alerta para os perigos que espreitam e a crueldade que impera, afirmando também que a nossa época é marcada pela falta de autenticidade dos indivíduos e que o poder está a ser exercido por centros ou interesses nem sempre visíveis. E conclui: o credo dos valores foi substituído pelo credo do mercado.

E se a palavra tem poder, não o tem menos a imagem.

Por estes dias ficámos marcados pela imagem de um menino sírio, o Aylan, de três anos, já sem vida, numa praia turca. A fotografia percorreu o mundo e tornou-se símbolo de quantos nascem no lado errado do mundo e não conseguem chegar ao outro lado, a tempo de experimentar a serenidade da paz e a alegria da abundância. Ninguém ficou indiferente ao corpo desta criança trazido pelas mortíferas águas até uma praia que estava longe demais.

Os políticos andam à procura de soluções que não se afiguram fáceis, as vítimas continuam a contar-se e a serem notícia, os refugiados aparecem sem cessar e as fronteiras vão, necessariamente, abrir-se. Porque há imagens como esta que desassossegam e fazem ecoar a pergunta bíblica: “que fizeste do teu irmão?”.

As imagens que chegam e as palavras que não cessam de ouvir-se contribuem para a onda de solidariedade que cresce. Também no nosso país há famílias, instituições e paróquias que já se disponibilizaram para acolher e cuidar de quem chega em busca de uma oportunidade para viver.

in Voz de Lamego, ano 85/41, n.º 4328, 8 de setembro

Categorias:Uncategorized