Arquivo

Archive for 10/07/2015

NOVOS ESTATUTOS PARA OS CENTROS SOCIAIS PAROQUIAIS

Estatutos_CPSociais

A Conferência Episcopal Portuguesa aprovou novos Estatutos para os Centros Sociais Paroquiais. As alterações terão de ser feitas obrigatoriamente até Novembro do corrente ano. Segundo a informação já enviada aos sacerdotes, via mail, haverá no início do próximo Ano Pastoral uma jornada de formação sobre este novo modelo. Entretanto será necessários que os Centros vão fazendo as alterações necessárias para se colocarem em concordância com a legislação em vigor.

Clique sobre a imagem ou no link se segue e será reencaminhado para downloads:

http://www.diocese-lamego.pt/index.php?option=com_phocadownload&view=category&id=1&Itemid=109

Paróquia de Tabuaço | Celebração do Crisma

IMG_0471

No passado sábado, 4 de julho, a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição de Tabuaço acolheu, com júbilo, o Senhor Bispo, D. António Couto, para a administração do Sacramento do Crisma a 19 jovens e adultos.

No dia anterior, na sexta-feira, D. António Couto reuniu com os crismandos, no Centro Paroquial de Tabuaço, para refletir a importância e o significado do Sacramento do Crisma.

O Senhor Bispo começou por sublinhar que com a unção está completa a instrução, o que falta é colocar em prática o que se aprendeu. Debruçou-se sobre os gestos: a invocação do Espírito Santo, com as mãos abertas, de Quem tudo dá, para que como num puzzle possamos também de mão abertas receber e compartilhar, e a crismação – para que o azeite, que penetra, nos transforme a mente e o coração e nos leve a militar na vivência e anúncio do Evangelho, estando atentos uns aos outros, não deixando que nenhum se perca. As mãos abertas em Adão e Eva deram lugar às mãos fechadas e os dons passaram a ser posse. O melhor da vida não tem preço, não se compra nem se vende. Tudo dar como Jesus. O que baralhou os apóstolos, mormente Pedro, não foi Jesus estar disposto a dar a vida pelos amigos. Também Pedro está disposto a dar a vida por Jesus. O que fez Pedro num oito foi a disponibilidade e a decisão de Jesus dar a vida por todos, até por aqueles que O vão matar…

No sábado, pelas 17h00, a Igreja Paroquial encheu-se de pessoas, de alegria e de festa para acolher o Senhor Bispo.

A celebração do Crisma, nesta como em outras paróquias, é um momento de especial importância não apenas para os crismandos e suas famílias, mas para a comunidade no seu conjunto, envolvendo o trabalho e a dedicação de muitas pessoas e dos vários grupos paroquiais – catequese, zeladoras da Igreja, grupo coral, acólitos, conselho económico, conselho pastoral. O cuidado na preparação visualiza-se mais nestes dias, para que aqueles que vêm, mormente o Senhor Bispo, se sintam bem acolhidos e com vontade de cá voltar.

O grupo de crismandos resultou de dois grupos de catequese, que frequentaram o 10.º ano de catequese nos últimos anos pastorais, de 2013-2014 e de 2014-2015, e de alguns adultos que se prepararam mais proximamente com as Escolas da Fé. Nas últimas semanas houve uma preparação mais intensiva, à base do YOUCAT – Crisma, terminando com um tríduo de pregação, com o Pe. Jorge Giroto, refletindo sobretudo nos sacramentos de Iniciação Cristã – Batismo, Crisma e Eucaristia.

Na concelebração da Eucaristia, a presença dos reverendos sacerdotes, Pe. Jorge Giroto, Pe. Filipe, Pe. Ildo e Pe. João Carlos, Pró Vigário Geral da Diocese de Lamego, e Pe. Manuel Gonçalves, pároco desta comunidade.

No decorrer da Eucaristia, na homilia, D. António Couto desafiou os jovens, e toda a comunidade, a imitar Ezequiel, cuja fragilidade acentua a presença e a força de Deus; a imitar Paulo, cuja conversão o mostra a cair não do cavalo mas de si próprio, para que na sua fraqueza sobrevenha a força de Jesus Cristo, e a sua vida transforma-se por completo; a imitar Jesus que vai/vem à sua terra, e dá-Se por inteiro. Entre os seus parentes e amigos, que somos também nós, na sua terra que é nossa, mas também é a Sua terra, Jesus encontra dificuldades em comunicar a vida nova que traz do Céu. Por vezes andamos tão centrados nas coisas da terra que deixamos de olhar para o Céu.

Durante a sua reflexão, D. António falou da esperança que é necessário alimentar, a partir de um poema de Charles Péguy. A esperança é uma menina de 9 anos que não cresce, e é levada pelas mãos pelas suas irmãs mais velhas, a Caridade e a Fé. Olhando mais atentamente, não é a esperança que é levada, é ela que empurra a Fé e a Caridade. Assim os jovens crismandos hão-de ser esta esperança, e levar a esperança, ainda que pequena, para as suas vidas, para a família, para a escola, para o trabalho. Sem desistir. A comunidade deve acolher os crismandos, não deixar que nenhum se perca e os crismandos, por sua vez, deverão inserir-se nas diversas dinâmicas da comunidade.

Depois da solene Eucaristia, com a administração do Crisma, realizou-se um convívio paroquial com os crismandos e suas famílias, com as crianças da catequese, com a comunidade paroquial e com o Senhor Bispo e os sacerdotes que o acompanharam.

Pe. Manuel Gonçalves, in Voz de Lamego, n.º 4320, ano 85/34, de 7 de julho de 2015