Início > D. António Couto, Dia da Igreja Catedral, Eventos, Formação, Mensagem, Ordenações, Solenidades > DIA DE FESTA NA NOSSA DIOCESE | Dia da Catedral

DIA DE FESTA NA NOSSA DIOCESE | Dia da Catedral

dia da catedral-formação

No domingo a seguir ao dia 20 de novembro, dia da Dedicação da igreja-mãe da diocese, Lamego celebra festivamente o Dia da Catedral. Uma oportunidade para visualizarmos a unidade de todos os diocesanos, realidade importante, necessária e sempre a edificar-se. Durante a manhã concretizou-se um encontro para membros dos Conselhos Económicos Paroquiais, no Seminário Maior, e à tarde, na Sé, a Eucaristia presidida pelo nosso bispo que ordenou dois Diáconos.

Cristo Rei

A festa de Cristo Rei do Universo foi introduzida por Pio XI no calendário litúrgico em 1925, tendo em vista motivar os baptizados para a importância da militância cristã, tornando a Igreja mais dinâmica, atenta e activa através de cristãos dispostos e disponíveis para o testemunho. Recorde-se que, na mesma linha, este Papa havia já fundado a Acção católica, em 1922, que tão belos frutos deu à Igreja e ao mundo desde então. E a acção deste Papa atento à importância do testemunho também abrangeu a Igreja portuguesa, quando motivou o aparecimento da Sociedade Missionária do nosso país com a missão de levar o Evangelho às então províncias ultramarinas, em 1929, e que hoje conhecemos como Missionários da Boa Nova, família religiosa a que pertence D. António Couto.

Estas foram algumas das palavras que o nosso bispo dirigiu aos membros dos Conselhos Económicos Paroquiais (CEP) presentes no Seminário maior, ao fim da manhã do último domingo, com quem almoçou depois.

A festa de Cristo Rei, após a última reforma litúrgica, foi fixada no último domingo do ano litúrgico. Por coincidência, entre nós, tal data fica também marcada pelo aniversário da nossa catedral, o que motivou à vivência, nesta data, do Dia da Igreja diocesana, com encontros de formação e um Pontifical, à tarde, na Sé. Ultimamente, também se fixou este dia para a ordenação diaconal.

dia da catedral-formação1

Tempo de formação

No ano passado tinham sido convidados os membros dos Conselhos Pastorais; este ano foi a vez dos Conselhos Económicos. Colaboradores próximos dos nossos párocos, juntamente com outros responsáveis, grupos e movimentos, passa por estes fiéis grande parte da vida cristã das nossas comunidades paroquiais, tudo quanto ali se vive e faz.

Conscientes desta colaboração que se quer, cada vez mais, profícua e evangelizadora, os responsáveis diocesanos decidiram proporcionar-lhes estes encontros de formação que, embora limitados, podem contribuir para um melhor desempenho da sua missão.

O salão grande do Seminário acolheu os participantes, cerca de uma centena e meia, que vieram de muitas paróquias da diocese, algumas geograficamente bem distantes, o que demonstra a oportunidade do encontro e o interesse de todos em saber mais para fazer melhor. Certamente que os primeiros a motivarem tal participação foram os seus párocos.

Todos baptizados

O acolhimento e a oração inicial contaram com a presença do Padre João Carlos Morgado, nosso Pró-Vigário, que a todos saudou e felicitou pela presença, ao mesmo tempo que justificava a oportunidade e necessidade do encontro.

“Conselho Económico – ao serviço da família paroquial” foi o tema do momento seguinte, a cargo do Padre Joaquim Dionísio, sublinhando a realidade baptismal que a todos congrega em Igreja e a todos habilita para o serviço eclesial, de acordo com as necessidades das comunidades cristãs e com as capacidades e disponibilidade de cada um. Um momento que serviu também para sublinhar a importância da participação de todos e da necessária articulação entre todos com vista ao bem comum que se deseja e aqui se identifica como a edificação da Igreja de Cristo. E todos compreenderam o apreço que a Igreja sente pelo seu serviço generoso e atento, sem o qual as nossas comunidades perderiam vigor, os nossos párocos se sentiriam mais isolados e a Igreja seria menos missionária. Porque o CEP não é apenas uma caixa que recebe donativos ou entidade que promove obras; o CEP é um grupo eclesial que está ao serviço da missão.

Grupo organizado

Após um intervalo, durante o qual todos puderam tomar um café gentilmente oferecido por Mons. José Guedes e a paróquia de Almacave, um segundo momento do encontro, orientado pelo Padre João Carlos e se baseou num possível e desejado Regulamento que está a ser preparado pelo Padre José Alfredo Patrício, sacerdote da nossa diocese.

A missão evangelizadora da Igreja, também presente nas nossas paróquias, necessita de meios para se concretizar. Meios humanos, mas também materiais. E nada se consegue sem dedicação e organização. Tais meios materiais são importantes para manter estruturas, edificar espaços e conservar o património existente. Daí que a acção dos CEP seja singular, na medida em que, em nome da comunidade, se responsabiliza por identificar necessidades, por conseguir os meios, por preservar o que é de todos, por distribuir criteriosamente o que recebe e por apresentar, regularmente, contas da administração feita.

Quando pronto e devidamente aprovado, o referido Regulamento será uma ajuda para todos, na medida em que apresentará respostas às questões que vão surgindo e orientará os procedimentos necessários que tais estruturas desenvolvem.

Somos muitos

Antes da chegada de D. António para encerrar os trabalhos desta manhã, os participantes tiveram possibilidade, ainda, para colocar algumas questões e partilhar experiências. E é sempre salutar testemunhar a disponibilidade de tantos que, por essas paróquias fora, tanto fazem e testemunham, de forma gratuita e empenhada.

Ao mesmo tempo, damo-nos conta de situações semelhantes em muitas paróquias: a preservação do património, as poucas verbas para o muito que há a fazer, os imóveis devolutos, o reembolso do IVA, etc. E ficou também o pedido para que os serviços diocesanos concebessem um formulário comum para a apresentação de contas às comunidades e à diocese, de forma a uniformizar e a facilitar o trabalho dos CEP.

D. António Couto, acompanhado de Mons. Joaquim Rebelo, Vigário Geral, encerrou a manhã, felicitando e agradecendo a todos o esforço e a dedicação em prol da Igreja, presente nas comunidades paroquiais de cada um.

NAN_0669 (1280x852)

Novos Diáconos

Neste dia, em que a Igreja celebra a Solenidade de Cristo Rei do Universo e a nossa diocese assinala mais um aniversário, a Sé ficou repleta de fiéis para a celebração da Eucaristia, presidida pelo nosso bispo e cuja homilia publicamos neste jornal. Presente também D. Jacinto, nosso bispo emérito, e cerca de oito dezenas de sacerdotes.

Mas esta celebração foi oportunidade também para a ordenação diaconal, presidida por D. António Couto, do Fabrício Correia (Penajóia) e do Valentim Fonseca (Ferreiros de Avões), naturais do arciprestado de Lamego e a viverem já o seu estágio pastoral no Seminário Menor de Resende e na paróquia de Vila Nova de Foz Côa, respectivamente.

Na numerosa assembleia, destaque para as famílias dos novos Diáconos, mas também para amigos e conhecidos que vieram dos espaços pastorais onde estes dois jovens estagiam ou estagiaram durante a formação no seminário.

Felicitamo-los e acompanhamo-los com a nossa oração, ao mesmo tempo que esperamos estar com eles no primeiro domingo de julho do próximo ano, data já fixada para as ordenações sacerdotais.

in VOZ DE LAMEGO, n.º 4290, ano 84/52, de 25 de novembro de 2014

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: