Início > Eventos, Solenidades, Vida > Solenidade de TODOS OS SANTOS | Santidade | 1 de novembro

Solenidade de TODOS OS SANTOS | Santidade | 1 de novembro

todos-os-santos-e-santasNeste sábado louvamos o Criador por todos quantos, antes de nós, viveram responsavelmente a sua vida, em plena liberdade. Homens e mulheres que, apesar de limites confessados e de percursos nem sempre isentos de dúvidas ou quedas, percorreram a vida de forma exemplar e são um testemunho a ter em conta. A Igreja celebra a Solenidade de Todos os Santos.

A santidade não está na moda. Nunca esteve. E falar dessa vocação a que todos os baptizados são chamados pode não motivar muito os ouvintes e leitores. Mas é a verdade: somos todos convidados a ser santos, a esforçarmo-nos por ser santos. Tal como nos esforçamos por saber algo ou a conseguir alguma coisa. E nada se consegue sem esforço. Porque a santidade não é um acaso, fruto de intenções, de discursos ou de fugas, mas o resultado de uma procura e a consequência de muitas escolhas acertadas e de opções correctas.

Alguém disse, com humor, gostar muito do trabalho e que seria capaz de estar horas e horas a olhar para ele. A santidade dá trabalho, mas não resulta apenas da contemplação. Até porque, entre os nossos pecados, talvez tenhamos que confessar sempre o da omissão. Quem quer ser santo? A resposta deveria vir, em uníssono, da boca de todos os baptizados. Sabemos que não é assim. Confiantes na misericórdia de Deus, acreditamos que a multidão dos santos é incontável. O que nos dá esperança de chegar lá, apesar dos muitos limites.

Festa de todos

No primeiro dia de Novembro a Igreja honra a imensa multidão dos que foram vivas e luminosas testemunhas de Cristo. Se um certo número de entre eles foi oficialmente reconhecido, concluindo um procedimento chamado “canonização”, e nos foram dados como modelos, a Igreja sabe bem que muitos outros viveram igualmente na fidelidade ao Evangelho e ao serviço dos irmãos. Por isso, nesta festa, celebramos todos, conhecidos ou desconhecidos.

Mas a festa serve também para nos recordar que todos somos chamados à santidade, por caminhos diferentes, às vezes surpreendentes ou não esperados, mas acessíveis. Porque a santidade não é uma via reservada a uma elite: diz respeito a todos os que escolhem seguir Cristo.

Por outro lado, a vida dos santos constitui uma verdadeira catequese, viva e próxima de nós. Mostra-nos a actualidade da Boa Nova e a presença actuante do Espírito Santo entre os homens. Testemunhas do amor de Deus, estes homens e mulheres são nossos próximos pelo seu caminhar – não se tornaram santos do dia para a noite – pelas suas dúvidas, pelos seus questionamentos, pela sua humanidade.

Santidade como meta

O texto das Bem Aventuranças, lido nesta festa, diz-nos que a santidade é fruto do acolhimento da Palavra de Deus, da fidelidade e da confiança n’Ele, mas também da bondade, justiça, amor, perdão e paz (cf. Mt 5, 1-12). E a multidão dos baptizados de todas as raças, de todas as línguas, de todas as nações, que são filhos adoptivos pela graça divina e participam na vida trinitária, é anónima aos olhos dos homens. Só Deus a conhece, Ele que a todos chamou.

Desde o século IV que a Igreja síria consagrava um dia para festejar todos os mártires, já que o seu número se tornara tão grande que impossibilitava a comemoração individual. Três séculos mais tarde, num esforço para cristianizar as festas pagãs, o Papa Bonifácio IV transformava um templo romano dedicado aos deuses, o Panteão, numa igreja consagrada a todos os santos. O costume expandiu-se no ocidente, mas cada Igreja festejava em datas diferentes, até ao ano 835, quando é fixada no primeiro dia de Novembro.

Como escreveu S. Bernardo: “É do nosso interesse, não do interesse dos santos, que honremos a sua memória. Pensar neles, é uma forma de os ver. Com isso, somos transportados espiritualmente para a Terra dos Viventes”.

Procura e não acaso

Ao longo da Revelação bíblica, Deus dá-se a conhecer não somente como Deus criador, vivo e verdadeiro, ao qual se deve render culto com sacrifícios santos, mas mais ainda como Aquele que ama os homens, que os livra do mal e lhes oferece a possibilidade de viverem em aliança com Ele.

Ao longo deste caminhar na Aliança, aparece a inconstância dos homens e a sua recusa em amar, o seu pecado. É a estes homens fracos e por vezes rebeldes que Deus oferece a sua própria santidade como caminho de felicidade: “Vós sereis santos, porque eu sou santo” (Lev 19, 2).

Tornar-se santo não é fazer coisas para Deus ou em seu nome, mas tornar-se semelhante a Ele, ser participantes da vida de Deus (cf. 2 Pd 1, 4) que é Amor e Luz. Ser santo é então uma maneira nova de ser, enraizado no amor, iluminado pela Palavra de Deus, e que se traduz pelo dom de si mesmo para o serviço de Deus e do próximo: “Procurai imitar Deus, como filhos bem amados, a exemplo de Cristo que vos amou e se entregou por vós” (Ef 5, 1).

Jesus Cristo é “o Santo de Deus” (Jo 4, 34), perfeita imagem de Deus na nossa humanidade. Ele é o modelo que nos é proposto e o próprio caminho da santidade. É por Ele, único mediador entre Deus e os homens, que comunicamos com Deus, o Pai, no Espírito de amor.

Tornar-se santo é percorrer um caminho de transformação profunda, vivendo a “vida nova dos filhos de Deus”, pela prática das virtudes cristãs e humanas. Dito de outra forma, protagonizar comportamentos habituais, a partir do coração, na fé em Jesus Salvador, na esperança fiel de Deus e suas promessas de vida, no amor de Deus, a si mesmo e ao próximo, na justiça, na franqueza, na sobriedade, na luta contra o mal, etc.

Vocação comum

O Concílio Vaticano II relançou este apelo de Deus para participarmos na sua santidade: é a vocação comum de todos os fiéis de Cristo e que os coloca em pé de igualdade, homens e mulheres, desde o Papa até ao mais pequeno dos baptizados. Um convite único que não está reservado aos cristãos, mas que estes assumem a missão de anunciar a todos os homens e mulheres, porque a alegria ou se partilha ou não está completa.

Entre os cristãos, alguns – mesmo crianças – gozam de uma grande consideração pelo testemunho de santidade que deram até ao fim das suas vidas, às vezes pelo martírio, mas mais frequentemente pela sua total fidelidade ao quotidiano. A sua reputação de santidade manifesta-se no povo cristão pela estima dedicada ao seu exemplo, mas também pela oração que lhe é confiada junto de Deus e pelas respostas ou graças que lhes são atribuídas. A sua vida cristã é tomada como exemplo, considerados como irmãos mais velhos na fé, chegados a bom porto depois das dificuldades desta vida, mas que continuam próximos de nós e nos assistem com a sua intercessão.

 

in Voz de Lamego, 28 de outubro de 2014, n.º 4286, ano 84/48

Categorias:Eventos, Solenidades, Vida Etiquetas:, ,
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: